.posts recentes

. Vila Real no Dia Internac...

. Vila Real de Panóias

. Percursos nas escarpas do...

. Casa de Mateus

. Percorrendo a Ecovia do C...

.arquivos

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quarta-feira, 8 de Junho de 2022

Vila Real no Dia Internacional dos Arquivos

467749_4386293909672_1694668641_o.jpg 

Vila Real comemora o Dia Internacional dos Arquivos com um programa de visitas  ao arquivo Municipal e uma Mostra Documental, e a que se associa o Presidente da Câmara Eng. Rui Santos numa sessão onde também será apresentado o filme do restauro do Foral de 1515. 

Aproveito para felicitar a Mestre Carla Eiriz, arquivista. Só pessoas competentes científica e profissionalmente fazer bons programas como o que será realizado em Vila Real.

Devo referir a importância e utilidade que um Arquivo Municipal e a Lei do Acesso aos Documentos Administrativos  (LADA). tem nas vidas dos munícipes.  É no Arquivo Municipal que se depositam os documentos relativos aos pedidos de licenciamento de construção das suas casas e das obras de que necessitam. Para este arquivos vão as deliberações dos orgãos autárquicos e são depositados os documentos produzidos por toda a actividade municipal. Toda a História da Concelho aí está. É a grande memória colectiva da comunidade. Por isso se lhe deve dar a importância que merecem todos os Vila-realenses.

António Borges Regedor   

publicado por antonio.regedor às 21:10
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Maio de 2022

Vila Real de Panóias

redonda.jpg 

Em 1289 D. Dinis concede Foral a Vila Real de Panóias.

A referência a Panóias tem a ver com a existência do Santuário Rupestre dedicado a Serápis.  Foi o Senador Romano Caius Calpurnius Rufinus, na transição do século II para o século III mandou construir o santuário em Panóias.  Serápis é uma divindade do período Helenístico cujo templo mais importante se situava em Alexandria.

O local devia ser de significativa importância ao longo do tempo, pois o Conde D. Henrique, o pai do nosso primeiro Rei, tinha atribuído em 1096,  Foral a Constantim de Panóias.  

Mais tarde, em 1272 foi a vez de D. Afonso III atribuir mais um Foral. 

E é D. Dinis que delimita um Couto que será conhecido por  a “Redonda” e que era constituído pelos seguintes lugares: Sesmires, Parada de Cunhos, Veiga do Cabril, Montezelos, Timpeira, e Vilalva. Foram ainda acrescentados Vila Seca e Vila Nova em 1293.

O promontório de onde originalmente Vila Real se desenvolve é conhecido pela Vila Velha.   Foi o local escolhido para instalar o Museu de Arqueologia de Vila Real. No local resta ainda a igreja de S. Dinis e o cemitério.

Em Vila Real ainda se observam inúmeras casas com pedras-de-armas nas suas fachadas fruto de aí se ter fixado muita da Nobreza Portuguesa.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 16:16
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Março de 2022

Percursos nas escarpas do Rio Corgo

 

 

Em Vila Real abriram há pouco tempo os percursos naturais do Corgo. São percursos praticamente dentro da cidade, mas num excelente ambiente de ruralidade, beira-rio, entre escarpas e várias cascatas.  Vila Real já tinha um caminho pelas margens do rio Corgo que  designa por percurso geológico do Corgo. Estes dois percursos estão agora unidos. Há agora uma rede coerente de percursos que ligam a cidade, o rio Corgo e se pode prolongar pela ecopista do Corgo (canal de caminho de ferro desactivado).  Começando na   Vila Velha (o primeiro núcleo urbano da cidade), pode visitar-se o museu de arqueologia e a partir de vários pontos desse promontório ter vistas excelentes do território. Daí o percurso desce ao rio. Aproveita ao máximo os caminhos de terra batida existentes com passadiços que ajudam a vencer melhor as pendentes e a travessia do rio quando necessário. Daí também se ter a oportunidade de usufruir do espaço das duas margens. O percurso pode ainda derivar por caminhos de ligação a vários pontos da cidade. Liga ao Percurso Geológico do Parque Corgo com ligação ao Parque Florestal, às piscinas, parque de campismo e áreas fluviais com diversos caminhos e relvados muito bem tratados. Este percurso segue até Abambres com uma entrada junto à Ponte da Timpeira.  Aqui se quiser pode continuar pela ecopista do Corgo ( o canal de caminho de ferro até Chaves).  Para voltar à ”Bila” pode fazê-lo  brevemente pela ecopista até à estação de caminho de ferro (hoje desactivada).  No final merece provar os “covilhetes” de carne ou as “cristas” e os “pitos” da doçaria conventual que ainda hoje a “Bila” se orgulha de preservar.

 

Notas:

“Vila Velha” Núcleo primitivo da ocupação deste território até ao século XIII. Com a doação do Foral por D. Dinis em 1289, a vila desenvolve-se para Norte, expandindo-se para lá do promontório inicial. Para que é hoje  Vila Real sempre em crescimento.  

“Bila” a designação por que os locais tratam carinhosamente e com orgulho a sua cidade.

“Covilhetes”  é um produto tradicional local. É um pastel de forma redonda, com recheio de carne de vaca.

 “Cristas” e “Pitos” são alguns dos produtos da doçaria tradicional de Vila Real que terá origem conventual  (Convento de Santa Clara, também conhecido por Convento de Nossa Senhora do Amparo).

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:45
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 13 de Agosto de 2021

Casa de Mateus

CASA DE MATEUS.jpg

Estávamos já no século XVIII e o local seria um matagal até o 3º Morgado de Mateus, António José Botelho Mourão,  aí iniciar a construção da casa. Ao gosto e estilo da época a arquitectura é barroca e atribuída a Nicolau Nasoni.  

Haveria de ser terminada com o 4º Morgado, Luís António de Sousa Botelho Mourão, em 1744. A capela apenas terminou a construção em 1750 e é dedicada a Nossa Senhora dos Prazeres.

A actual preservação da casa, espólio e arquivos está assegurada pela criação da Fundação da Casa de Mateus em 1970  por iniciativa de Francisco de Sousa Botelho de Albuquerque ( 6º Conde de Vila Real), que também garante actividades científicas, culturais e pedagógicas. Entre elas o prestigiado “Prémio D. Dinis”, os Seminários de Tradução de Poesia e os Encontros internacionais de Música.

O que causa a primeira impressão forte, após passar uma azinhaga é o surgimento da fachada da casa e do seu reflexo no espelho de água que magnificamente O Arquitecto Ribeiro Teles desenhou com mestria, saber e sensibilidade. O forte primeiro impacto, de prazer, beleza e deslumbramento.

A casa continua a permitir-nos imaginar o que seria a sua actividade dos séculos XVIII e XIX. A azáfama nas adegas e celeiros. No piso térreo as cavalariças. Charretes aparelhadas no pátio interior. A enorme cozinha. E no piso superior com acesso por escadaria o Salão Nobre para onde derivam os outros espaços que acondicionam a bibliotecas, mobiliário, pintura, faiança e arte sacra.  

Os jardins de buxo estão separados das hortas por uma romântica passagem em túnel de cedros que continuam por uma latada. Para lá ficam os terrenos de cultivo e as vinhas que se estendem até à mata.

Na adega da casa produz-se o vinho “Lavradores de Feitoria”. O lagar de , ainda funcional, está reservado aos vinhos de marca superior e ao vinho do Porto.  A visita não fica completa sem o prazer de os provar.  

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 15:51
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Julho de 2021

Percorrendo a Ecovia do Corgo (2)

20210717_114605.jpg

De Vidago a Vila Pouca de Aguiar

Vila Pouca de Aguiar fica no ponto mais alto da ecovia do Corgo, não contando com a necessidade de transpor o acidente montanhoso de Loivos.  Podemos considerar que a ecopista desde Vila Pouca de Aguiar, desce para Chaves, e desce no sentido sul para Vila Real e Régua.  

Na nossa metodologia de partir de um ponto e fazer um percurso com regresso, decidimos iniciar numa direcção de subida, para fazer o regresso  em descida de forma mais suave.

Partimos de Vidago onde logo à saída a pista segue em terra batida e ligeira subida que vai acompanhando a estrada nº2 em cerca de dois kilómetros. A partir de Oura desvia-se da orientação da estrada para fazer uma das ascensões com maior pendente. A que sobe até Loivos. Se o estado da ecovia até aqui não ajuda a ascenção por má qualidade do piso, daqui em diante torna-se evidente o abandono da ecovia. Despejos de entulho e monos (frigoríficos e outros electrodomésticos) no canal. Daqui em diante a vegetação e silvados invadem a pista. E se isso não fosse já deplorável, a via está apenas com balastro. Retiradas as linhas nenhuma outra intervenção foi feita para a tornar ciclável nem pedestre. O que podia ser um caminho de Santiago ou caminho de Fátima está irremediável comprometido. O que podia ser caminho turístico, é impedimento a tirar potencialidade dessa forma de economia de que o país tanto carece.

O mau estado da ecopista situa-se na território do Concelho de Chaves.  Em contraponto o traçado pelas localidades do Concelho de Vila Pouca de Aguiar é de boa ou razoável qualidade, está limpo e com a vegetação lateral aparada. É assim seguro para as práticas de lazer, ciclável ou peregrinação.

Obviamente, retomamos o percurso ciclável na ecopista que vai de Pedras Salgadas a Vila Pouca de Aguiar. Bom percurso feito a descer e muito agradável.

Do percurso Vila Pouca de Aguiar a Vila Real já o descrevemos no capítulo anterior, publicado no BIBVIRTUAL (sapo.pt)  a 18 de Julho de 2021.                          

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 22:54
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds