.posts recentes

. Negada  autorização a min...

. Three Mile Island. O acid...

. Reunião Ibérica Anti-Nucl...

.arquivos

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quinta-feira, 19 de Agosto de 2021

Negada  autorização a mina de urânio em Retortillo, Espanha

Retortillo map.jfif

Muitos portugueses conhecem bem os nefastos efeitos do nuclear. Entre eles estão as famílias dos mineiros da Urgeiriça que ainda hoje sofrem doenças relacionadas com a mineração feita nessas minas de urânio portuguesas. A associação AZU ( Associação das Zonas Urâniferas) tem sido porta-voz destas populações.  Na generalidade os portugueses sempre tiveram uma posição de recusa do nuclear. Isso foi notório nas lutas que desenvolveram contra Ferrel, contra Sayago, perto de Miranda do Douro, contra Aldeadavila ou contra Almaraz, e mais recentemente cotra as minas de  Retortillo.

Vários movimentos locais portugueses e espanhóis agrupados no MIA (Movimento Ibérico Antinuclear) desenvolvem permanente  informação, reuniões  e acções  de defesa do ambiente e saúde das populações contra o nuclear.

Recentemente o Conselho de Segurança Nuclear Espanhol decidiu negar a autorização para a abertura de uma mina de urânio em Retortillo que se situa a cerca de 50 KM de Portugal, na zona do Parque Natural do Douro Internacional.  Esta posição do Conselho de Segurança Nuclear constituirá mais um obstáculo a uma eventual decisão favorável do Governo Espanhol quanto à possibilidade de autorizar esta mina de urânio.

Não podem os ambientalistas anti nuclear ficar menos atentos apesar da nota de esperança que leve ao encerramento total da fileira nuclear na Península Ibérica. 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:09
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Março de 2021

Three Mile Island. O acidente.

Nuclear_Power_Plant_4f91.jpg

Era o ano de 1979,  dia 28 de Março, nos Estados Unidos da América, na Pensilvânia a central nuclear de Three Mile Island teve o maior acidente nuclear ocorrido até então. O Reactor 2 da central derreteu parcialmente.

Nessa altura ainda os defensores da energia nuclear tinham relativa aceitação. As centrais nucleares continuavam a vida que a guerra fria lhes garantia. Lembrar que o objecto principal da fissão nuclear do urânio é o de resultar a produção de plutónio essencial ao fabrico de armamento nuclear.  E nesse tempo era já forte a oposição a essa forma de produzir energia. Porque oculta o verdadeiro objectivo, porque continua a produzir subprodutos para a indústria de armamento, porque não assegura a segurança da gestão dos resíduos radioactivos que produz.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:32
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 17 de Março de 2021

Reunião Ibérica Anti-Nuclear

anti-nuclear reuniaõ.jpg

No passado dia 11 de Março, fez exactamente 10 anos do terrível  acidente nuclear em Fukushima, Japão.

Neste dia participei numa reunião online com diversos ecologista , técnicos, jornalistas e activistas de várias associações ambientalistas. Pessoas que conheço de longa data, desde a luta contra a central de Sayago na fronteira de Miranda do Douro, e outros que conheço mais recentemente. 

Seguimos ao longo de tempo a questão da energia nuclear e a sua íntima ligação ao sistema de produção de combustível e componentes de armamento. E continuamos preocupados. E quanto mais tempo passa na vida das centrais nucleares, no seu desgaste, fadiga e aumento de riscos, mais preocupados ficamos.

A reunião permitiu rever várias das questões:

A preocupação com  as minas de urânio  em Retortilho e a fábrica de processamento a 30 Kilómetros da fronteira portuguesas. Isto quando há excedente de minério e a energia nuclear está em declíneo. Os preços do urânio têm vindo a baixar. O tempo de vida útil das centrais nucleares está a terminar, em algumas, como a de Almaraz junto do rio Tejo,  já terminou mas foi prolongado a té 2017.  A intenção de aprovar mais uma mina de urânio só se compreende com especulação bolsista e a baixa de preços do urânio só interessa às centrais. O prolongamento da vida útil das centrais só interessa às empresas proprietárias para garantir o máximo de retorno, já que o desmantelamento será suportado pelo Estado. O lucro para os privados. O custo da limpeza para ser pago pelos contribuintes.

Em presença estão dois grupos de interesses que implicam com a segurança e qualidade de vida dos cidadãos. Por um lado o interesse da indústria nuclear, poderosa e influente,  e por outro a necessidade de opinião pública consciente, apoiada cientificamente, com preocupação ambiental  e na procura do futuro sustentável. 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:06
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.tags

. todas as tags

.favorito

. Livros que falam de livro...

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds