.posts recentes

. Tresminas

. TRESMINAS

. O ouro move montanhas

. No curso da água quente

. A Península e o Reino Su...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quinta-feira, 28 de Abril de 2022

Tresminas

grade.jpg 

Por volta do século primeiro os Romanos fixaram-se no território que hoje pertence ao Concelho de Vila Pouca de Aguiar para explorar ouro no local que denominamos por Tresminas. O ouro encontra-se sob a forma de partículas muito pequenas associado a sulfuretos minerais em filões e pequenos veios de quartzo que encaixam na rocha de xisto.

A exploração aqui praticada, difere de outras em galeria, e é idêntica no método utilizado em “Las Médulas”, na região de “El Bierzo” (terra natal da avó de D. Afonso Henriques), território fronteiriço entre Galiza e Léon, relativamente próximo de Ourense.  O método consistia no desmonte da montanha.

Esse desmonte implicava a fracturação da rocha simultaneamente através de estacas que se espetavam em fendas, no alagamento dessas cunhas, com fogueiras na base da rocha e no lançamento de água criando choque térmico capaz de a fracturar.

Assim se ia sucessivamente desmontando a rocha que era esmagada na frente de trabalho. Logo aí era separadao xisto sem valor deixado ficar em enormes escombreiras.  Os fragmentos com ouro eram posteriormente lavados, queimados e posteriormente moídos em moinhos de pisão e também em rotativos acionados à mão. Numa lavagem final, e por gravidade obtinha-se o ouro.  

A visita a Tresminas é indispensável para a compreensão da razão da ocupação Romana nesta região, na sua relação com a restante ocupação do Noroeste Peninsular,  nos métodos de exploração de ouro  e do valor cultural e turístico do território.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:42
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Agosto de 2021

TRESMINAS

Eu mina.jpg

Tresminas foi uma enorme zona de exploração  mineira que se calcula tenha abastecido o Império Romano  de grande quantidade de ouro extraído nesta região de Vila Pouca de Aguiar.

O Território de Vila Pouca de Aguiar é atravessado pela  falha geológica de Penacova-Régua-Verin, a que estão associados granitos.  A zona de  Tresminas é de xistos e grauvaques. Estas rochas resultam de  fenómenos geológicos com a  verificação  de existência de ouro. 

É provável que anteriormente aos Romanos as populações já extraíssem ouro nas areias dos rios da região. Os Romanos passaram a extrair  ouro nesta  região, no primeiro século  d.C..

Para organizar e vigiar a exploração aurífera terá estado um destacamento da Legião  VI vitrix de León  ou da X gemina de Astorga. Mais tarde foram substituídos pela  Legião VII gemina.

O processo de extracção assemelha-se de alguma forma ao usado em “Las Médulas” Leão, Espanha, mas sujeito à condicionante da diferença geológica. Nas médulas a característica geológica é a de rochas sedimentares de conglomerados  e  argilas.

Supõe-se que os romanos utilizassem trincheiras e  galerias para prospecção e nos locais onde iam seguindo o filão. Este seria denominado ouro canalício.   No caso da quantidade de ouro se encontrar mais disseminado, faziam o desmonte da toda a montanha num processo que localmente se denomina de cortas.  A técnica era a de colocar estacas de madeira nas fissuras das rochas que com água se faziam inchar e dessa forma fracturar a rocha.  Com fogueiras aqueciam as rochas que calcinadas  e com  água fracturavam por choque térmico. Assim sucessivamente iam desmontando a montanha.

Obtida a rocha da frente de desmonte, era triturada para separação do xisto estéril e da restante ganga.  Posteriormente moído em pisões que são grandes martelos movidos a água  ou mesmo em moinhos de mós circulares. Depois de moído  era lavado, depositando-se o ouro por gravidade.

Esta exploração aurífera romana faz parte de uma longa linha de mineração de que conheço o  “Fojo da pombas” na Serra de Santa justa em Valongo, “Jales”, perto de Vila Real mas já no Concelho de Vila Pouca de Aguiar que são ambas minas em galeria  e  “Tresminas” aqui referida e  “las medulas” em Espanha que são minas essencialmente a céu aberto por técnica de desmonte.

O que mais fascina é o esforço do trabalho braçal necessário, as técnicas  adequadas a cada tipo de terreno, bem como a capacidade de organização,  controlo da extracção e transporte do ouro para Roma.  

 

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 12:48
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Junho de 2021

O ouro move montanhas

tresminas imagem.jpg

Uma das razões para os romanos ocuparem o noroeste da península ibérica  foi sem dúvida a exploração de ouro que aqui encontraram em abundância.

Impressionante o seu esforço na procura de ouro tão necessário ao império.

O “Fojo da pombas” na Serra de Santa justa em Valongo foi explorado pelos romanos. A exploração era feita em galeria subterrânea.

“Jales”, perto de Vila Real, mas já Concelho de Vila Pouca de Aguiar, é outra mina já conhecida dos romanos e que ainda há poucos anos era explorada.  Terminou a exploração nos anos noventa. Era também uma mina com galerias subterrâneas a profundidade de cerca de seiscentos metros. 

Mais acima e ainda no mesmo concelho a exploração romana fez-se em “Tresminas”. A importância do local  leva mesmo à criação de um centro interpretativo e a visitas guiadas à mina com acesso a uma das galerias.  O método era o de desmonte através da combinação da pressão de furos na rocha, de calor e água.

Já em Espanha visitei na região de “Bierzo” (terra natal de Ximena Moniz, mãe de D. Teresa condessa de Portugal e avó de Afonso Henriques rei de Portugal), visitei “las medulas”, uma das maiores explorações mineiras de ouro da península ibérica.  Neste caso outros, o método de exploração foi o do desmonte das enormes montanhas argilosas com o auxilio de   água.  Milhões de metros cúbicos de montanhas removidas na procura de ouro, mudaram radicalmente a paisagem.

Literalmente: o ouro move montanhas.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:35
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020

No curso da água quente

sines 1973.jpg

A viagem tinha rumo ao sul. Até Lisboa a boleia tinha sido de um senhor de meia idade que ia ao aeroporto da capital buscar uma filha que chagava do estrangeiro. Se disse de onde era, já não me recordo. A conversa fazia-se de assuntos vários e banais para matar a monotonia da estrada que se fazia a baixa velocidades. Não era para mais. Nem o carro era fogoso, nem o condutor desportivo. E a estrada ainda era o resultado dos caminhos romanos reconstruídos no Fontismo e que ainda nos anos vinte do século XX eram de terra batida. O percurso incluía entrar e sair das cidades, cruzar localidades e muitos obstáculos como feiras, festas, outros carros caminhetas e carroças. Cruzamentos, entroncamentos e outros contratempos. Fiquei numa bomba da segunda circular, já em Lisboa, com a intenção de continuar mais para sul ainda nesse dia. Ficar em Lisboa, tendo só um parque de campismo em Monsanto, estava fora de questão. A abordagem ao motorista de camião foi positiva. A limitação é que ia para Sines. Aceitei. Era melhor que ficar apeado numa estação de serviço. O camião ia descarregar para uma obra do Porto de Sines. O importante era seguir para Sul, pouco importava por que caminho. Já na ponte, ao tempo com o nome de Salazar, a cidade branca, a cor com que a vi já a meio da tarde, ficou para trás.

Sines apresentou-se já com luz de fim de de dia. Não foi fácil encontrar o camping, nem hoje o saberia encontrar de novo. A tenda foi montada na companhia da luz da lua. O comer foi o pouco que ainda havia na mochila, e acabou-se. O dia seguinte seria diferente.

O ar quente da manhã levou-me para a praia. Iria fazer o primeiro banho de mar em início de férias. Não me lembro de alguma vez ter tomado banho de mar com água tão fria. Dores nas articulações. Imobilidade dos músculos. Óbvia saída rápida da água. Perdura no meu cérebro o banho gelado nas águas de Sines.

Sair de Sines foi a decisão imediata. Foi necessário fazer alguns kilómetros até à estrada nacional para o Algarve. A ausência de transito à saída da vila arrastou por horas a tentativa de boleia. Nestes casos tomava-se a opção possível. Ir caminhando pela estrada de braço estendido, polegar erguido. Sempre era melhor que parado ao sol. Ia-se ganhando em kilómetros o que se perdia em tempo. Uma carroça puxada por uma muar foi lentamente ganhando terreno até me alcançar. A boleia na lentidão da carroça era melhor que a caminhada a pé. Bem melhor que ver passar carros que não paravam. e incomparavelmente melhor que o caminhas pela berma da estrada atraindo o pó para juntar ao suor.

Assim se reduziu a distância até a carroça se internar em caminho entre campos, e eu ficar novamente na estrada sujeito à sorte de caminhar para sul em busca da água quente.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:33
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 8 de Julho de 2020

A Península e o Reino Suevo

antes-da-formao-portugal-13-638.jpg

Os Suevos foram chegando  à península desde o ano de 409.

O Império Romano vai enfraquecendo. A Administração deixa de operar. As infraestruturas vão sendo abandonadas. Os edifícios públicos deixam de ser mantidos. Os Romanos recuam deixando o território às hordas de bárbaros suevos que se vão instalando.

Resta alguma população cristianizada desde o período romano. As únicas estruturas organizativas na sociedade resultam da actividade da igreja.

Seguiram-se os Visigodos que ocuparam toda a península e remeteram os Suevos a uma província entre o mar cantábrico e o Tejo. Os Suevos tinham a capital em Braga. Os Visigodos fizeram de Toledo a sua capital.

Cento e cinquenta anos após a entrada dos primeiros Suevos na península, crê-se que o Bispo de Braga Martinho de Dume converte Teodomiro acabado de ser aclamado rei dos Suevos.

O Rei convoca o primeiro Concílio de Braga em 561.

Em 589 é a vez de Recaredo, rei dos Visigodos, se converter ao cristianismo por influência do Bispo Leandro de Sevilha.

Na Península praticava-se um rito cristão designado Hispânico ou Gótico por influência de Martinho de Dume, Leandro de Sevilha e também Isidoro de Sevilha.

Com as invasões mouras de 711, caem os reinos Visigodos e Suevos mas mantém-se alguma da actividade da igreja cristã através do pagamento de imposto aos islâmicos. Esses cristão designam-se Moçárabes e por isso o rito cristão Gótico ou Hispânico também é designado Moçárabe. Vamos assistir no século XI à introdução do rito romano com a vinda dos franceses para ajudar Afonso VI, avô de Afonso Henriques, na reconquista.

Muito provavelmente haverá também nos senhores feudais do condado portucalense descendentes dos Suevos a aumentar a diversidade genética dos Portugueses. Pelo menos tendo em consideração alguns nomes de origem sueva como Afonso, Fernando, Gonçalo, Ramiro entre outros.

publicado por antonio.regedor às 22:15
link do post | comentar | favorito (1)

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
18
19
20
23
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds