.posts recentes

. Derrube de estátuas a cop...

. CASA GRANDE E SENZALA

.arquivos

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sexta-feira, 12 de Junho de 2020

Derrube de estátuas a copiar o Daesh

mw-860.jpg

Há uma onda de derrube de estátuas na Europa e nos Estados Unidos da América.

As estátuas hoje não são mais que documentos históricos. O que essas pessoas representam não pode ser percebido sem contextualização histórica.

A escravatura é das condições mais antigas da história. Na antiguidade passava-se da condição de ser livre possuidor de terra, para a condição de escravo por incumprimento de dívidas por exemplo. O indivíduo livre passava a escravo porque ficava sem a propriedade da terra, mas continuava nela, na sua casa, a cultiva-la como dantes.. Não raro os escravos eram cultos e tinham razoável condição social. A educação de muitos cidadãos na Grécia, criadora da democracia, era feita por escravos. Era frequente ver escravos e homens livres a trabalhar lado a lado. Com os descobrimentos e a importação de escravos, qualquer pedreiro proprietário de escravos trabalhava lado a lado com os seus escravos. Comerciantes tinham escravos que vendiam mercadorias por Lisboa. A história regista escravos brancos, louros nórdicos, morenos árabes, negros africanos, ou de qualquer outra origem cor de pele. Durante muitos séculos a História da Humanidade regista a condição de escravo no seu contexto social. Isso corresponde a um tempo que não é o de hoje. As luzes, as ciências, o conceito de humanidade e cidadania da revolução francesa, os conceitos de liberdade, igualdade e fraternidade, os direitos humanos, e muito também a revolução industrial, deram fim à escravatura como condição social.

Apesar de ditar o fim da escravatura os problemas económicos, sociais e de mentalidade não foram extintos. E o facto é que ainda há actualmente bolsas de sociedades islâmicas que praticam a escravatura. Gostava de ver os ignorantes que andam a derrubar estátuas a serem mais diligentes quanto a esta aberração na actualidade. Mas era pedir demais à sua inteligência.

A História está cheia de personalidades controversas que se as víssemos fora dos contextos históricos estaríamos estupidamente a apagar toda a História.

Os Faraós do Egipto tinham por prática os casamentos incestuosos, e tinham escravos, acaso derrubaremos as pirâmides?. Platão participou num governo de tirania em Atenas, e tinha escravos, acaso derrubaremos o Partenon e as estátuas de Platão ? E deixaremos de o estudar?

Os esclavagistas que levaram escravos africanos para as Américas não andavam a caçar escravos. Compravam-nos nas feitorias do litoral a escracocratas que eram igualmente negros e com isso enriqueciam. (Pelógia 2013) e (Souza 2006 apud Mocelin; Camargo 2010)

Ver hoje europeus e americanos a derrubar estátuas copiando os comportamentos dos terroristas islâmicos do Daesh é ver ignorantes de história, gente que age por impulso, irracionais, que se limitam a usar o cérebro reptíliano ( MacLean 1990).

E triste é também ver políticos indignos da responsabilidade inerente aos cargos, a pactuar cobardemente com as hordas de arruaceiros, ignorantes e imitadores da mais profunda e repugnante fobia à cultura.

A História não se apaga nem de destrói. A História tem de ser estudada, compreendida, discutida. O curso da História implica corrigir o que for de corrigir e louvar o que for de louvar. A História é apenas a memória de um caminho percorrido que permite reflectir e orientar no caminho a percorrer.

 

Ver também:

Barroco Tropical – de José Eduardo Agualusa

 

http://www.rfi.fr/br/africa/20160522-mulheres-de-angola-lideravam-trafico-de-escravos-para-o-brasil

Rosa Aparecida Pelógia - A ESCRAVIDÃO ENTRE OS PRÓPRIOS AFRICANOS, 2013.

 

 

Fonte da Foto : NUNO FOX / Expresso

publicado por antonio.regedor às 13:20
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Novembro de 2018

CASA GRANDE E SENZALA

CASA GRANDE E SENZALA.jpg

 

O sociólogo Gilberto Freyre escreve em 1933 um estudo sobre a  formação social do Brasil com o título: “Casa grande e senzala”. Caracteriza a formação da sociedade brasileira como acção de colonização de característica patriarcal, escravocrata e de alguma idealidade quanto à miscigenação. Sendo que até na miscigenação havia diferenciação, já que   a igreja a incentivava a ligação às indígenas, mas não às pretas.  Refere a opressão contra a mulher, que sendo negra ou indígena seria objecto sexual, e que confinava as brancas à casa grande descuidando  a sua educação. Não havia escolas, os meninos eram ensinados em casa. Alguns, mais tarde em colégios de padres. Aos negros e mestiços era vedado o acesso ao sacerdócio, donde não seriam educados.

O branco vivia na casa grande . O negro, mestiço e  índio na senzala.

As elites brasileiras parece gostarem destes tempos da escravatura. Da casa grande da cidade e da senzala do morro, da favela. A sociedade brasileira, no seu todo, parece preferir a condição da sua sociedade arcaica. Teima em não abandonar a estrutura escravocrata das relações sociais. Em não abandonar a violência sobre os pretos, os indígenas, as mulheres. As brancas parece não sentirem a clausura da casa grande no condomínio. Os brasileiros, homens e mulheres continuam a cultivar a violência, a ignorância, o racismo, a senzala. As estatísticas referem-na como sendo  das sociedades mais violentas, mais ignorantes. Parece não terem aprendido nada com o tempo.

 

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 11:04
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds