.posts recentes

. Crónica de Mel  

. Dulcineia

. Não há só pandemia.

. La Boetie: A servidão vol...

. A luta contra os vírus do...

. Os Debates e a Democracia

. INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ...

. círculos uninominais

. Memória do 15 de Abril de...

. censura na net

.arquivos

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Segunda-feira, 31 de Maio de 2021

Crónica de Mel  

congreso-de-stuttgart-1907 2º Int.jpg

O PSD afirmando-se social-democrata não é um partido de direita, mas de esquerda. Isto se quiser fazer corresponder o partido à designação.  A social-democracia tem origem na teoria marxista. E mantem-se durante a segunda internacional coexistindo os partidos marxistas  que advogam a luta de classes para a revolução proletária tal como a formula Marx e os partidos que propõem reformas no sistema capitalista atingindo dessa forma igualmente o socialismo. A ruptura só se dá depois da revolução russa de 1917 em que os partidos marxistas defensores da revolução formam a terceira internacional e o Comintern. 

A social-democracia tem uma matriz marxista. Não deixa de ser de esquerda por pretender atingir por reformas as desigualdades do sistema capitalista. A sua marca de identidade contra os partidos do bloco soviético é o da defesa dos direitos  políticos e sociais, dos direitos laborais, da contratação colectiva no trabalho, da concertação social, do salário mínimo, dos rendimentos garantidos de desemprego, doença e rendimento mínimo. Da protecção social e dos impostos progressivos tentando reduzir desigualdades sociais.

O PSD para fazer justiça ao seu nome, não pode misturar-se com a direita contrária a tudo o que é princípio da social-democracia. O PSD teria de mudar o nome se quisesse mudar para a direita.  E fica-lhe mal lixiviar a direita.  

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:28
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Janeiro de 2021

Dulcineia

5-3-santamaria-42.jpg

De 21 para 22 de Janeiro de 1961 o paquete “Santa Maria” foi tomado de assalto.

A acção revolucionária, de nome de código “Operação Dulcineia” foi efectuada pela organização composta por portugueses e espanhóis denominada Directório Revolucionário Ibérico de Libertação (DRIL).  Era chefiada pelo português Henrique Galvão e pelo espanhol  Jorge de Soutomayor e composta por 24 exilados políticos portugueses e espanhóis.

A 24 de Janeiro Galvão lança o primeiro comunicado onde diz: : “Em nome da Junta Nacional Independente Libertação presidida General Humberto Delgado presidente também eleito República Portuguesa fraudulentamente privado seus direitos governo Salazar apresei ocupei com forças meu comando como primeira parte libertada do território nacional o navio “Santa Maria” depois breve combate pelas 1.45 a.m.” Pede reconhecimento político a todos os governos e povos livres do mundo e declara abertas as hostilidades contra “governo tirânico Salazar”.

O Navio é avistado apenas no dia seguinte, 25 de Janeiro, e passa a ser sobrevoado regularmente, sem qualquer sinal de hostilidade por americanos e ingleses.

Nos EUA, John F. Kennedy tomara posse como Presidente há cinco dias, a 20 de Janeiro de 1961.  

 

A 1 de Fevereiro Jânio Quadros toma posse como Presidente do Brasil e garante asilo político a Galvão.

No dia seguinte, o paquete atraca no Recife. Os passageiros começaram a desembarcar.

Chegava ao fim o sequestro do ‘Santa Maria’.

Os sistemas políticos que se estabeleceram cerca dos anos 30 e que levaram à segunda guerra mundial foram quase todos mudados.  Restava ainda o falangismo espanhol e o salazarismo português. Também desde a segunda guerra mundial a hegemonia política mundial passou  para os estados unidos da américa.

Durante Portugal foi deixado à sorte do ditador Salazar por complacência  e interesse dos  dos EUA, como se pode verificar pela adesão de Portugal à NATO em 1949.  

Segundo (Belo 2009)  quando do desenvolvimento do seu processo de adesão à NATO, o Governo português colocou a questão das suas colónias, face aos estatutos da Aliança Atlântica. Os aliados responderam que as colónias portuguesas “não poderiam considerar-se dentro da área de segurança prevista pelo Tratado, o que já acontecia com as possessões de outros países membros, como a França e a Inglaterra” (Rodrigues 2008 cit. in Belo 2009).

Segundo (Garcia 2001 cit. in Belo 2009 )“no quadro da Aliança Atlântica (NATO), África era apenas considerada uma área útil para manobras (nesse sentido, os EUA vinham utilizando bases militares no continente africano, instaladas nomeadamente em países como a Libéria e a Costa do Marfim), apesar dos repetidos apelos para a inclusão deste continente nos planos de contingência ou no perímetro de defesa da Aliança”.

“Segundo a visão do estrategista general Abel Cabral Couto, para além dos Estados, das Organizações Internacionais e das Organizações Transnacionais, passaram também a ser considerados actores do Sistema Político Internacional, os Movimentos de Libertação Nacional.” (Belo 2009: 15).

Poucos dias antes, a 11 de Janeiro tinha havido uma sublevação na Baixa do Cassange de cariz laboral na área algodoeira de Malange.

Logo a seguir á tomada do Santa Maria, a  4 de Fevereiro militantes do MPLA fazem o  assalto às prisões, Casa de Reclusão e Esquadra da PSP de Luanda.

A  organização apoiada e financiada pelos EUA, a 15 de Março, iniciam horrendos massacres que se espalharam por todo o Norte de Angola. 

John F. Kennedy, Jânio Quadros, a permanência num quadro ditatorial após a vaga democrática que seguiu à vitória dos aliados,  as fraudes eleitorais do regime salazarista, a organização dos opositores, os movimentos de libertação colonial (inicialmente apoiados pelos EUA, outros pela Rússia no âmbito da guerra fria e mais tarde também com interferência da China), a ocupação do paquete Santa Maria, o início da luta armada nas colónias. Dois meses que abalaram Portugal. (Em Dezembro do mesmo ano, 1961, a India invade e ocupa Goa, Damão e Diu em três dias).

 

 

Bibliografia

Belo, José António Dias Mota (2009) - Santa Maria – O Paquete Rebelde (Operação Dulcineia – “O acontecimento que viveu para ser esquecido”) Lisboa, Janeiro de 2009. Dissertação submetida como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em História, Defesa e Relações Internacionais. ISCTE / ACADEMIA MILITAR

Couto, Abel Cabral (1988), Elementos de Estratégia – Vol. I, Lisboa, IAEM, 1988.

Francisco Proença Garcia,(2001) “Análise Global de uma Guerra. Moçambique 1964-1974”, p. 44.

Luís Nuno Rodrigues,(2008) “Salazar-Kennedy: a crise de uma aliança”, p. 23.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:21
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2021

Não há só pandemia.

prisma-optico.jpg

A pandemia é uma questão de saúde que depende da ciência. Estamos a lidar com uma situação que não tem guião definido. É um vírus novo. O conhecimento científico vai sendo construído mas só depois das manifestações virais.   Não há adivinhação nem futurologia. É assim a ciência.  

Sendo uma questão de saúde geral, é também uma questão social. Depende do comportamento social. E sabemos que este campo é muito instável e por vezes irracional. Os comportamentos sociais podem ser tomados por pânico. Por comportamentos impulsivos e irracionalmente massificados. O tempo leva a desgaste psicológico e enfraquece o comportamento racional.  Os fenómenos gregários promovem tendências de massa por vezes negativas. O desconforto, a irritabilidade, as proibições, a contestação, a rejeição, podem a qualquer momento fazer irromper acções inorgânicas, irracionais, desestabilizadoras. As sociedades são assim. Têm capacidade de contenção e momentos de explosão. Quer uma e outra linha não devem ser ultrapassadas.

É também uma situação económica. A saúde precisa de recursos para actuar eficientemente na situação pandémica. A sociedade não pode parar a actividade económica. Mas a questão da saúde pública necessita de confinamento.  O confinamento prejudica a economia. A falta de economia compromete a racionalidade dos comportamentos sociais.

É à política, a administração da Polis,  à gestão da coisa pública, que cabe gerir a situação, os limites de cada um dos campos  e ser o vértice, o ponto de união deste difícil prisma.  Tanto mais difícil quanto a posição em que cada um se encontra vê o problema e os outros problemas pelo seu prisma, e obviamente refractado.

O domínio político tem acompanhado o conhecimento científico e adaptando à economia e ao comportamento social. Equilíbrio difícil por efeitos contrários. Em bom rigor e sem outras conotações pejorativas, diz-se em náutica que quando não há carta, a navegação faz-se à vista. Cautelosa e sempre com correcções. Este é o cenário que temos, mas é o único real. Tudo o resto são visões enganadoras dependentes do prisma com que as vemos.

 

António Borges regedor

publicado por antonio.regedor às 19:21
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 12 de Janeiro de 2021

La Boetie: A servidão voluntária

20210109_183951.jpg

 
La Boetie nasceu a 1 de Novembro de 1530. Estudou direito na Universidade de Bordéus. Em 1554 foi admitido na Magistratura, sendo Conselheiro no Supremo Tribunal de Justiça de Bordéus. Na sua vida conheceu Montaigne e é junto dele que morre a 18 de agosto de 1563.
O seu pensamento é de critica radical ao feudalismo e ao poder imposto.
No discurso sobre a servidão voluntária afirma que : É o povo que se escraviza, que se decapita, que, podendo escolher entre ser livre e ser escravo, se decide pela falta de liberdade e prefere o jugo” pag. 22.
Diz numa frase sua: Não vos peço que empurreis o tirano ou o derrubeis, peço-vos tão somente que não o apoieis” pag. 26
É desta forma que enfaticamente endossa a responsabilidade da tirania para a acção do povo. Quele que permite com a sua acção de apoio ou cobardia da escolha se deixa escravizar, oprimir, tiranizar.
La Boetie parte do princípio de que a natureza que naturalmente nos empurra para a socialização, não é por ela que a sociedade destina uma parte soa seus membros à escravidão. Ou seja, considera que não é por ordem natural que a sociedade oprime, subjuga, explora, divide, ou que provoca desigualdade, ou que não é solidária. Entende que a liberdade é natural e que todos nós nascemos livres e com vontade de defender essa liberdade com que nascemos.
“Há três espécies de tiranos. Uns reinam por eleições do povo, outros por força das armas, outros sucedendo aos da sua raça.” pag. 29. Admite que por engano os homens também se podem deixar subjugar. Dá o exemplo de Pisístrates que no século VI a.c. foi por três vezes tirano em Atenas.
Daí que afirme a importância da educação e que são os livros e o pensamento que transmitem aos homens o sentimento da sua dignidade e o ódio à tirania.
Assim, o tirano “só se sente em segurança quando consegue ter como súbditos homens sem valor” p. 42
Recorda a forma como Ciro dominou os Lídios sem ter de usar o exército e sem destruir a cidade. Fundou bordéis, tabernas e jogos públicos. Os jogos, espectáculos, gladiadores, medalhas eram para os povos antigos engodos da servidão. Os povos ludibriados achavam bonitos esses passatempos. Em Roma havia o circo e pão.
Não resisto a constatar como estava tão certo La Boetie. Actualmente, já só nos dão circo e jogos. Falta o pão e rareia a democracia.
 
La Boetie, Étienne de – Discurso sobre a servidão voluntária. Lisboa: antígona, 2020
 
 
publicado por antonio.regedor às 14:11
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Setembro de 2020

A luta contra os vírus do livro.

pecesillo-plata.jpg

Atenção: a foto é de um insecto e nada tem a ver com vírus. 

Atenção: o título é uma metáfora.

 

São vários os “vírus” que atacam o livro. Não se trata de um vírus como o que agora bem conhecemos que saltando do seu hospedeiro natural, procura o ser humano para a sua continuidade biológica. É doutros “vírus”, com aspas porque com outros significados.

Começamos pela condição química que limita os livros no tempo. E para esse "vírus " do tempo, os cuidados de preservação e restauro são necessários. Mas também a condição mecânica do livro o fragiliza. O manuseio, transporte e acondicionamento. A página dobrada ou rasgada, o caderno solto; a areia, ou a chuva. Sim porque o livro é de todo o terreno, e isso naturalmente degrada-o. Até há alguns livros que servem para colocar por baixo da perna da mesa para a estabilizar. Também pode servir para colocar por baixo do monitor do computador. Outros livros vão parar ao sótão ou à cave. E tudo isso enfraquece o livro e lhe limita a vida. Mas há também o ataque dos “vírus” biológicos. De vez em quando lá aparece entre outros, um lepisma saccharina (1) para fazer dos livros o seu restaurante. E contra esses o melhor remédio é os livros não ficarem esquecidos por muito tempo. Serem lidos, consultados, mudados de lugar, reordenados é a melhor solução contra os insectos. Outro perigo para os livros é o inovador “vírus" técnico. O que dá por nome de computador. O e-book, e toda a sorte de suportes digitais que concorrem com o livro clássico em papel. A predição do seu sucesso não tem sido tão grande como a anunciada. O anúncio do fim do livro continua em anúncio. É verdade que o suporte digital do livro ganhou espaço nos nossos formatos de leitura, especialmente na literatura técnica e científica. Mas a leitura de lazer continua a fazer-se essencialmente em papel. E sem receio o livro em suporte papel vai coexistir com os outros suportes, tal como foi durante toda a história do livro. Os suportes mudaram, o livro sempre existiu. A grande preocupação, aquela que realmente importa é que é dos maiores perigos para o livro são os "vírus" sociais. Um deles é o "vírus" educativo. O que desvaloriza o livro em favor de outras formas de entretenimento. O livro não deixa de ser um brinquedo, com que se constroem aventuras, como com qualquer outro brinquedo. O “vírus” cultural que desvaloriza as humanidades a favor das tecnicidades. A técnica sem ética não é progressiva, não é construtiva, não tem utilidade nem humanidade. O “vírus” político é dos mais perigosos por desvalorizar os sistemas e redes de informação, por desvalorizar as bibliotecas e arquivos que são os repositórios públicos do conhecimento. Por desvalorizar a função e competência específica desses profissionais da informação social. Porque os desvalorizam, os "olvidam" e dessa forma não têm os melhores a cuidar da informação social como res publica. E estes vírus sem política formada para as bibliotecas e arquivos, são os piores bibliófagos.



  • lepisma saccharina um insecto rastejante com cerca de 8 a 11 mm em adulto, prateado e com forma de peixe. Desenvolve-se em ambientes com humidade relativa superior a 50% e a temperaturas de 16 a 26 graus. Os ovos eclodem em seis meses.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:07
link do post | comentar | favorito (1)
Terça-feira, 18 de Agosto de 2020

Os Debates e a Democracia

images.jpg

A democracia surge na Grécia clássica baseando-se no uso da palavra para todos os cidadãos. Os cidadãos reunidos em Assembleia na "Ágora" tomavam as decisões políticas. A palavra tinha o mesmo valor para qualquer cidadão. O uso da palavra tornava-se fundamental para a decisão política que fosse a melhor para a cidade. E porquê o uso da palavra? Porque o objectivo da Assembleia era o de chegar a uma decisão consensual. E para chegar ao consenso é necessário expressar pontos de vista, contrapor, discutir, argumentar, dialogar. E na base do consenso obtinha-se a decisão mais conveniente para a cidade.
Temos assim que o objectivo do cidadão grego no exercício da democracia, não era o de derrotar o outro, mas o de encontrar a melhor solução para a cidade. E isso só se consegue pela discussão, pela apresentação de argumentos, pelo diálogo e pela convicção de todos da melhor decisão.
O homem grego era educado para a "Arethé", ou seja para a excelência. E excelência significa defender não o seu interesse particular, mas o interesse de todos. O melhor para a cidade. Se a decisão for a melhor para todos, também é a melhor para cada cidadão individualmente. E esse era o princípio da educação Grega, da Cidadania, da Democracia da Grécia Antiga.
A Democracia começa no debate e enfraquece ou morre quando se quer reduzir o debate.
 
Ágora – espaço público no centro da cidade.
 
António Borges Regedor
publicado por antonio.regedor às 18:51
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 2 de Dezembro de 2019

INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E PODER POLÍTICO

7e8e81c0704b51d5e10eee44a1195ead.jpg

 
A Política como administração da Polis coloca-se no topo das decisões jurídicas, sociais, educacionais, culturais e obviamente económicas e financeiras. Devendo a política decidir das questões financeiras. O crescimento da finança cresceu tanto que passou a influenciar a própria política a que devia estar submetida.
Procuremos ter uma ideia mais aproximada da grandeza destas instituições financeiras que influenciam as políticas mundiais. Para isso há alguns dados que nos podem esclarecer.
Há doze instituições financeiras que gerem um valor idêntico a um terço do PIB Mundial. A maior instituição financeira mundial é a “BlackRock”. Só o PIB dos Estados Unidos e da China é superior ao valor que a “BlackRock” gere. O PIB do Japão é inferior. Logo a seguir em gestão de valor vem a financeira “Vanguard”. Segue-se em valor de PIB, a Alemanha, Reino Unido, França e Índia. Logo seguidos da “State Street” e da “Fidelity”. A seguir ao PIB da Itália e Brasil está o valor gerido pela “BNY MELLON”. A “J. P. Morgan” de que muito ouvimos falar é apenas a sexta instituição investidora em grandeza, e gere por exemplo um valor superior ao PIB da Rússia. O “Goldman Sachs” ainda tem dez instituições de investimento maiores que ele.
A grandeza das instituições financeiras, com gestões maiores do que os PIB da grande maioria dos países do Mundo, torna-as demasiado fortes e influentes nas políticas financeiras, económicas e sociais. Determinam dessa forma mudanças de governos para as suas posições e interesses. Determinam também as políticas de moeda dos bancos centrais, já que estes deixaram de estar sob tutela dos Estados. São mais umas instituições capturadas por esse poder financeiro.
Em alguns momento será necessário o acto de coragem política contra o poder destas instituições.
 
António Regedor
publicado por antonio.regedor às 13:59
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Agosto de 2018

círculos uninominais

transferir.png

Periodicamente aparecem os defensores dos truques políticos dos círculos uninominais.

O método português de representação política (Método de Hondt) distorce a proporcionalidade democrática por favorecer o mais votado. E de tempos a tempos em vez de proporem o método simples de representação proporcional, aparecem os ilusionistas políticos.

Os círculos uninominais são ainda mais antidemocráticos. E os próprios se desdizem nos argumentos apresentados. Um dos últimos a referir-se aos círculos uninominais é Ribeiro e Castro. O próprio Ribeiro e Castro se contradiz.

Primeiro tenta disfarçar dizendo que propõe um sistema misto. Vejamos.

Quanto ao caciquismo diz que: “Não vale a pena bramar contra a enxurrada de caciques.”. E acaba por reforçar a possibilidade dos caciques concorrerem em duas listas ao mesmo cargo: “Num sistema misto, os candidatos podem figurar em dupla candidatura, tanto num círculo uninominal, como na lista plurinominal. Se não vencer a eleição uninominal, guarda sempre a possibilidade de ser eleito dentro da proporção alcançada no voto plurinominal do partido.” Desta forma o cacique garante a sua eleição.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:17
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Abril de 2018

Memória do 15 de Abril de 1972

3340_1.jpg

15 de Abril de 1972

Em Portugal, vivia-se o Marcelismo.

Salazar, o ditador, já tinha morrido. Caiu da cadeira, nomearam um novo chefe de governo. Marcelo Caetano, e mantiveram o Salazar a pensar que continuava a ser o Presidente do Conselho de Ministros (como ele dizia). Os ultras da ditadura até ao chefe mentiam. De tal maneira que, já com o governo de Marcelo em funções, alguns ministros davam-se à farsa de irem ter com Salazar, simular que iam a despacho na cama do hospital.

Dou esta nota trágica, de cómica que se torna agora à distância, e que tem muito de kinestésica e merecia a risada num espectáculo de comédia.

Mas apesar da comédia, o terror da ditadura nada mudou, desde a morte de Salazar em 1970. A polícia política apenas tinha mudado de nome, a censura continuava. A guerra colonial agravava-se. A fome, a mortalidade infantil, a fuga para o estrangeiro eram o visível quotidiano de 1972.

Nesse ano a 15 de Abril, foi convocada uma manifestação para a baixa do Porto. Hora de saída dos empregos. Ponto de passagem para a estação de S. Bento e da Trindade. Terminal dos transportes colectivos, corredor de circulação para Gaia pelo tabuleiro inferior da ponte Luíz I. Centro nevrálgico da cidade, mas também de enorme valor simbólico. Praça da Liberdade, em torno da estátua equestre de D. Pedro IV, O liberal que segura na sua mão a carta constitucional. A estátua está no lugar onde as tropas liberais chegaram um dia depois de desembarcaram na praia do Mindelo, Leça, onde hoje se pode ver o obelisco da memória. Tropas que sofreram o cerco do Porto pelos absolutistas, mas que resistiram. Por isso o Porto se reclama de invicta.

A Avenida dos Aliados fica na contiguidade da Praça da Liberdade e sem que se note onde está o limite. Apesar do regime se posicionar no eixo Nazi, a Avenida dos Aliados é igualmente de grande valor simbólico para agregar os que se aliaram contra o nazismo e agora se pretendiam manifestar contra o regime da ditadura e resquício desses tempos.

Como era habitual, nos dias 1º de Maio, a Praça, a Avenida, Ruas e locais circundantes tinham mais gente. E também como habitual, a zona era cercada de polícia e infiltrada de pides e legionários à paisana. A determinado momento os transportes passavam os términos para o Largo do Carmo e Praça da Trindade, e com cargas de bastonadas toda a zona desde o passeio das Cardosas ao edifício da Câmara era varrida de populares.

Eu já tinha visto cargas policiais, policias à civil a colocarem braçadeiras e a puxarem de cassetetes, legionários que desocultavam fitas dos bolsos dos casacos e batiam desalmadamente quem iam apanhando na sua proximidade. Tinha já pontos de fuga pensados, por entre o avanço da polícia. Já tinha ficado encurralado na sequência de manifestações estudantis, mas sem consequências. Uma vez numa cervejaria da baixa, mas tinha subido para o primeiro andar, uma outra vez na rua de Cedofeita e sido abrigado numa casa comercial que logo de seguida fechou as portas à polícia.

No 15 de Abril estava praticamente entre a Praça e a Avenida, não muito afastado da rua de Sampaio Bruno, que seria um dos pontos de fuga. Tinha-se concentrado mais gente que habitualmente no primeiro de maio. O caminho para a Praça da Liberdade era de reconhecer o posicionamento da polícia. Como habitualmente o dispositivo consistia em colocar várias carrinhas cheias de policia atrás da Câmara Municipal, Na Praça D. João I, em frente à estação de S. Bento, Largo dos Lóios, e Praça Filipa de Lencastre. A zona literalmente cercada, ficando quatro ruas estreitas, e muito pouco tempo por onde fugir. A Praça, em volta da estátua de D. Pedro IV estava literalmente pejada de gente. Alguns rostos conhecidos. Movimentos comprometidos, olhares instintivos, ouvidos alerta. Desta vez, do lado norte da estátua equestre, ergue-se uma bandeira nacional e o desfile inicia-se. Arranca quase de imediato o avanço da polícia, as correrias e a agitação dos agentes da pide e legionários que infiltrados iniciam as bastonadas e fazem prisões. A manifestação só teve tempo de avançar até ao início da Avenida , até junto à estátua da menina despida. Mas esse tempo de percurso tão curto e tão rápido, foi demasiado para a fuga planeada. Desta vez, pela rua estrita de S. Paio Bruno também avançou a polícia. Estava encurralado e havia que voltar para trás, para o café sport. O mais para o fundo possível. E fechar a porta à polícia. O café parecia ter ficado vazio dado o espaço que mediava o ajuntamento ao fundo do café e a porta. Não havia conversa. O tempo foi suspenso, em silêncio. Aguardar o nada. Com mais silêncio e sem mais correrias. A polícia aparece na frente do café, mandando abrir a porta. A ordem foi evacuar o café. A saída foi em fila indiana, encostados à parede e a caminho da Rua Sampaio Bruno. Ficava a incógnita. Era só medida de evacuação ou encaminhamento para a cadeia? Numa barreira a meio da rua um polícia mandava para trás. Mas a informação de que estávamos no café e um chefe nos tinha mandado sair exactamente por ali, deixou continuar a fila indiana. O truque da serenidade resultou. A retirado foi por Sá da Bandeira. Mas pelo menos não fora preso.

 

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 13:47
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

censura na net

É preocupante a tentativa de controlo da vida e do pensamento dos cidadãos.

A Internet quebrou o ponto único de emissão. Produziu uma ruptura no modelo de  emissor único para a totalidade da massa receptora. Este modelo surgiu no contexto histórico da sociedade industrial e de consumo de massas. Proporcionou a constituição dos monopólios e das multinacionais. Foi útil para a  formação do pensamento único.

Hoje, na sociedade da informação e do conhecimento a Internet proporciona a comunicação de todos para todos. Quebra o monopólio. Potencia a liberdade de expressão de pensamento e de opinião. É isso que faz vários governos tentar controlar a Internet. Um estudo da OpenNet Initiative denuncia casos de censura online em 25 países. As motivações políticas, os conflitos de ideais, a sexualidade e a diferenças culturas são alguns dos temas sujeitos a bloqueio na rede. Convivem mal com a liberdade dos indivíduos. A Internet contém todos os tipos de riscos que existem fora dela. Nem mais nem menos. A ética na sociedade física não é diferente da que se exige na Internet. O que temos é que estar preparados para nova dimensão da nossa vida. O que não é admissível é que se usem os falsos  pretextos da política, das ideias, do sexo ou das culturas para restringir a liberdade dos cidadãos.

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 00:03
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
17
19
20
21
22
23
24
26
27
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds