.posts recentes

. Feira do Livro

. Passos ousados ecoam nas ...

. Investimento em Bibliotec...

. Poesia  na visão de João ...

. “O Elogio da Dureza”

. Leituras de Verão

. “Na tua ausência”

. No dia Mundial do Livro a...

. Dia Internacional do Livr...

. Dia da Rede Nacional de B...

.arquivos

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Sexta-feira, 27 de Agosto de 2021

Feira do Livro

feira livro.png

Em final de Agosto e princípio de Setembro, mais uma feira do livro no Porto e em Lisboa.   

A do Porto é de hoje, 27 de Agosto a 12 de Setembro nos jardins do Palácio de Cristal.

Recordo-me de feiras em Abril com dias de chuva que perturbavam imenso. Este tempo  torna agradável o usufruto do exterior e nomeadamente de espaços agradáveis, arborizados, com diversos tipos de apoio e complementares. Os Jardins do Palácio permitem a visita à feira, mas também os passeios  e o contemplar  das belas imagens do Porto para o rio e para a foz, no enfiamento do rio com imagem da ponte da Arrábida do cabedelo, Afurada, baía de S. Paio e foz do Douro. Há também no palácio espaços lúdicos para a infância. Havia em tempos onde almoçar. E há a ligação ao jardim romântico da Quinta da Macieirinha para explorar.  E especialmente a Biblioteca de leitura pública Almeida Garrett e galeria de Arte.  Não faltam boas razões para ir ao Palácio de Cristal  e visitar a  Feira do Livro.

A abertura é aos fins de semana e domingo às 11 horas e à semana às 12h30. O encerramento à semana e domingo é às 21h30 e às 5ª, 6ª e sábado encerra mais tarde, pelas 11horas.

Há novidades, mas também a oportunidade de comprar na oferta com desconto  dos “livros do dia”.  Pode ser que esteja também por aí a oportunidade de encontrar mais barato um livro que interesse.  Mas não se fica por aí o interesse da feira. Há um aspecto  que actualmente  considero importante para mim. É a oportunidade do contacto com o autor, do seu autógrafo e da relação de privilégio que com ele estabeleço nessa individualização do livro.

A minha biblioteca, para além das edições de estudo e referência, é hoje cada vez mais uma biblioteca de autógrafos. É com esses que fico. Muitos dos outros ofereço.  

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 16:03
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Agosto de 2021

Passos ousados ecoam nas bibliotecas

ESTANTE CV.jpg

Os avanços significativos dependem sempre de acções arrojadas. Neste campo o século XX é exemplar.  Até aí as políticas do livro não existiam, e a política para as bibliotecas remetia sempre para terceiros, no caso as autarquias, que não tinham interesse, conhecimento, vontade ou recursos. Daí terem falhado sempre.

Como digo, o século XX teve o primeiro momento de  ousadia. Foi protagonizado pela Fundação Calouste Gulbenkian que de forma corajosa, ousada, arrojada, enviou por todo o país carrinhas cheias de livros para emprestar sem restrições, sem medo, sem reserva. E não foi fácil vencer a iliteracia, a ignorância e o obscurantismo. Deixou semente, deu oportunidade a duas gerações terem contacto com o livro, com a leitura, a informação e o conhecimento. “Dois anos depois do início das emissões de televisão em Portugal, a 4 de Setembro de 1956, na Fundação Calouste Gulbenkian (doravante FCG), iniciava-se um novo serviço de educação” (Regedor, 2014  p.93)  

Essa ousadia de 1956 abriu caminho e possibilitou, trinta e um anos depois,  nova ousadia com sucesso. Foi o arrojado programa de Rede Nacional de Leitura Pública.  “Para a execução deste objetivo de política de leitura pública, através da Rede de Bibliotecas Municipais, o modelo é o do estabelecimento de contratos-programa entre a administração central e as autarquias,” (Regedor, 2014  p. 155).

É a coragem que agora se verifica na dotação de meios para novo impulso na Leitura Pública, com financiamentos para modernização tecnológica,  para digitalização, empréstimo de livros electrónicos,  tradução e apoio ao mercado livreiro. É destas ousadias que necessitamos. E também voltar exigir qualificação específica para o exercício de funções nas bibliotecas. Requalificar, dignificar, reconhecer os profissionais de Ciência da Informação e Documentação. Exigir que nas bibliotecas trabalham exclusivamente técnicos qualificados em Ciência da Informação e Documentação. E tal como nos Museus os dirigentes das equipas de biblioteca sejam Directores de Bibliotecas. O país (como existe em países avançados),  precisa da ousadia de ter uma Lei de Bibliotecas Públicas.

A Tese de Doutoramento de (Regedor, 2014)  indica que  “Os responsáveis políticos maioritariamente consideram vantajosa uma eventual lei de bibliotecas que incluía princípios normativos referentes ao orçamento, volume de fundos, recursos humanos, definição das competências do bibliotecário e perfil da figura do diretor da biblioteca. Do ponto de vista dos técnicos, a opinião maioritária defende a vantagem da existência de uma lei de bibliotecas que inclua normas sobre a institucionalização da figura do Diretor, mormente de este ser especialista em CID/BAD, orçamento, recursos humanos especializados, volume de fundos e renovação da coleção”. (Regedor, 2014   p. 231).  Muitos passos foram dados. Passos seguros, decididos, reflectidos e corajosos. Muitos mais serão dados com igual ponderação e ousadia. As bibliotecas serão cada vez mais uma realidade assumida pelas populações.  a leitura nas suas diversas formas será cada vez mais uma naturalidade nas diversas gerações. 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:58
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Agosto de 2021

Investimento em Bibliotecas

rnbp.jfif

Nem só de pão vive o homem, e as bibliotecas  precisam de investimento como de pão para a boca.

Felizmente, até 2025, as bibliotecas  vão ter um financiamento que já não viam há muito tempo. 

Para a modernização tecnológica de 239 bibliotecas públicas estão destinados seis milhões de euros.  O número de bibliotecas corresponde ao número de municípios integrantes da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas.  E é bom que se modernizem. A Rede Nacional de Biblioteca Públicas resultou do apoio da Administração Local às autarquias para construírem bibliotecas municipais e para isso apoiaram em cinquenta por cento do custo de edifício, mobiliário e equipamento, livros e outros suportes de informação. E sabemos, até pelos relatórios anuais que em muitos casos estes equipamentos pararam no tempo. Não tiveram investimento, e perderam qualidade até mesmo ao nível dos  recursos humanos. 

Há vinte e sete milhões para digitalização documental a distribuir pelos museus, bibliotecas e  mil filmes da cinemateca.

A tradução de obras literárias para todas as línguas da União Europeia é iniciativa importante e para isso foi destinado 3,7 milhões de euros.

Também iniciativa muito importante no apoio ao mercado do livro é a fatia de 3,8 milhões destinados à transição digital das livrarias.

O que parece insuficiente é a verba de apenas novecentos mil euros com que se pretende criar uma plataforma de empréstimo de livros electrónicos em 300 bibliotecas públicas.  Se o objectivo for conseguido ficaremos todos satisfeitos.  

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:02
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Agosto de 2021

Poesia  na visão de João Luís Barreto Guimarães

João Luís Barreto Guimarães.jfif

O facto de me interessar por poesia, o de conhecer alguns poetas e o de durante alguns anos ter sido diseur numa tertúlia de poesia, chamou-me a atenção a entrevista que a revista “somos livros” faz ao médico e poeta João Luís Barreto Guimarães. Desde logo porque na primeira pergunta o poeta diz entender a poesia não como algo frágil, mas como resistência. Isso trouxe-me à memória a poesia como resistência no período da ditadura em Portugal. Recordo o meu círculo de inconformados com a ditadura, a falta de liberdade para coisas tão comezinhas como o de beber coca-cola, a perspectiva dos jovens da minha idade terem de fazer guerra colonial. E como um dos primeiros poemas nesse ambiente foi “o canto e as armas”  de Manuel Alegre ou “a invenção do amor”  de Daniel Filipe, ou os poemas das letras musicadas de Hendrix, Joan Baez, Bob Dylan, e Patxi Andion, e por aí adiante nos anos sessenta e setenta.

E o poeta refere a atenção que a poesia confere ao silêncio em contraponto ao tempo presente em que “toda a gente tem opinião sobre tudo”. É deste ponto de partida que me dou conta de como a poesia é síntese,  essencial, depurada, palavra pensada, medida, reflectida. Assim como devia ser toda a nossa vida.   Em teoria da informação tendemos a considerar boa informação a que é precisa, relevante e pertinente.  Os tempos de hoje estão pejados do contrário do que é boa informação. Coisa que quase já só na poesia encontramos.

Diz também Barreto Guimarães que a poesia “dá imensa atenção” ao silêncio. E dou-me conta que a minha forma de ler poesia é a de vincar, notar, valorar, dar tempo aos silêncios do poema. Agora entendo, para além do ritmo, o valor das pausas na leitura, dos silêncios na poesia.

Não me espanta que o ICBAS na linha do seu fundador Nuno Grande, tenha decidido incluir no currículo de medicina uma cadeira de poesia. No  frontão desta escola de medicina inovadora está a inscrição: “O médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe”.

Bibliografia de João Luís Barreto Guimarães: “Nómada”, “Mediterrâneo”, “O tempo avança por sílabas”, “Movimento”, “Aparte pelo todo”, “Luz última”, “Rés-do-chão”, “Este lado para cima”, “Você está aqui”.

 

Antóio Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:53
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Agosto de 2021

“O Elogio da Dureza”

elogio.jpg

Iniciei a leitura de “O elogio da dureza” de Rui de  Azevedo Teixeira porque um  escritor de que gosto e admiro o referiu como leitura recomendável.  E assim é. O protagonista é um jovem que como muitos outros se vê envolvido na guerra colonial e na decisão de abandonar a faculdade. Os seus papeis de identidade dizem ser “filho ilegítimo de pai incógnito”. p.11 A arma de comando acompanha-o nas operações que realiza e que cada vez lhe faz menos sentido.  Sendo um estudante de letras assalta-o “a pergunta de Ernst Junger sobre o que poderia a soceidade esperar de jovens que ainda não tinham conhecido o amor, mas já sabiam o que era a guerra.” p 43.  O Jovem Paulo Lobo Ferreira em alguns momentos fazia registo do seu pensar  escrito em diário.  E seguia a sua vida no mato, na caserna ou na cidade. Com tiros, continências e a mulher com quem partilha o tempo que sobrava da guerra.  A revolução acabou a guerra e o Paulo pode voltar aos estudos e ao ensino como sua nova ocupação de vida. Na véspera de um dos seus aniversários fica finalmente a saber quem era o seu pai.

O autor tem vários livros abordando a temática da guerra, sendo que um deles resulta da sua Tese de Doutoramento.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:48
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Agosto de 2021

Leituras de Verão

eu.jfif

Lembro alguns anos levar para férias uma pasta de livros cujos títulos, autores ou temas me suscitavam curiosidade. Ia lendo o que me agradava. Colocava alguns de lado. Era uma selecção de férias.

Hoje escolho para recomendação de leituras de verão, livros  que garantidamente merecem ser lidos.

“Porto” de Ernesto Vaz Ribeiro. “Uma história da Leitura” de Alberto Manguel.  “A guerra nos Balcãs” de Carlos Branco. “O segredo de Compostela” de Alberto Santos. “No café da juventude perdida” de Patrick Modiano (melhor romance de 2007). “Sobre a Leitura” de Marcel Proust. “Crónica do Rei-Poeta Al-Mu´Tamid” de Ana Cristina Silva. “Eva” de Arturo Péres-Reverte. “Os loucos da rua Mazur” de João Pinto Coelho.  E de Carlos Vale Ferraz recomendo “A estrada dos silêncios”, “A última viúva em África”, “Nó cego”, “Queu fazer contigo, pá?”, “Angoche”. De poesia “Na tua ausência” de Daniela Fernandes. "Solto" de Ana Gabriela Nogueira. "Poesia Reunida" de Manuel resende. "366 poemas que falam de amor" antologia compilada por Vasco Graça Moura .  De todos estes tenho notas em  https://bibvirtual.blogs.sapo.pt

António Borges Regedor

 

 

publicado por antonio.regedor às 14:46
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 14 de Maio de 2021

“Na tua ausência”

20210514_195941.jpg

A minha amiga Daniela Fernandes escreveu um livro com o título “ Na tua ausência”.  É um livro em poesia. Muito pessoal.  Para a tarefa de ilustração foi acompanhada por Sandra Abafa.

A Daniela tem formação base de geografia, mas fez pós-graduação em ciências documentais e é arquivista na Casa do Infante. Foi durante vários anos minha colega como docente do curso de ciências da informação e documentação na Universidade Fernando Pessoa. Teve um papel importante no processo de desmaterialização do arquivo da Câmara Municipal do Porto.  

O livro é já de 2021 (Abril) das edições 100Título.

É um livro feito como coração e para melhor apresentar o livro escolhi o poema “ao teu olhar”

Mantenho num suspiro o meu pensamento,

Sei de cor as voltas que o teu coração dá.

Espero por ti, o tempo que for preciso.

Com o meu sorriso, ao teu olhar…

 

publicado por antonio.regedor às 20:08
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 23 de Abril de 2021

No dia Mundial do Livro a ler livros sobre livros.

20210423_151736.jpg

Um amigo ofereceu-me o “Burning The Books: a History on Knowledge Under Attack” de Richard Ovenden. Editado em Londres por John Murrray em 2020. O autor estudou na University of Durham e na University College London e  foi bibliotecário. Começa com os acontecimentos do 10 de Maio de 1933 em Berlim. Vai às origens dos arquivos e posteriormente bibliotecas. Tem capítulos sobre as bibliotecas incendiadas e  as bibliotecas medievais. O capítulo 10 é sobre Sarajevo. Dá grande importância aos arquivos e aborda o digital.

O outro que tenho em mãos é “O infinito num junco: A invenção do livro na Antiguidade e o nascer da sede de leitura” da Irene Vallejo. Editado pela Bertrand em 2020 traduzindo o original de 2019. É também uma história sobre os livros com anotações de histórias pessoais da autora e da sua relação com os livros. Tem recomendações de Mario Vargas Llosa, de Juan José Milás e de Alberto Menguel.

E ainda estou a reler do meu professor e amigo Henrique Barreto Nunes um conjunto de textos autografados que me ofereceu. Entre eles está o texto que o Henrique em co-autoria com o Joaquim Portilheiro e o Luís Cabral apresentaram ao 1º Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas em 1985 cujas actas foram editadas em 1986.  Este texto que agora possuo com o autógrafo do Henrique tinha-o já citado na minha Tese de Doutoramento.

Como se sabe já quase  só guardo livros autografados, sendo que os restantes os ofereço aos amigos pelo estima que deposito nos livros e naqueles a quem proponho a leitura. 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:47
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 2 de Abril de 2021

Dia Internacional do Livro Infantil 

17capa.jpg

Em casa não tinha livros. Mas na casa da minha madrinha  havia sempre “O Falcão” quer a publicação em série, quer a monográfica. Da série não me recordo. O modelo de contar histórias em fascículos não parece favorecer fixar enredos, lembrar heróis, ligar contextos e cenários. Já de “O Falcão”  monográfico recordo as aventuras do “major Alvega” herói da propaganda inglesa contra os nazis.   O major Alvega era um piloto da RAF que ganhava todas as batalhas aéreas em que participava. Mas havia também heróis do western tipo Texas Kid  que faziam a apologia do europeu contra os índios. Os colonos atravessavas as pradarias a caminho das terras do oeste na busca de ouro ou apenas terra fértil. O General Custer e o 7º de cavalaria  vingavam os ataques dos índios e empurravam-nos para reservas.  Assim se faziam as histórias da minha infância. Antes tinha havido “O Mosquito”, mas já não sou desse tempo. Depois foi tempo de ler os livros de Enid Blyton. Os cinco e os sete. Mas também as biografias muito difundidas no final dos anos 60.  David Crockett, Marie Curie,  Robinson Crusoe e muitos outros em voga.

A primeira diversidade de livros chegou-me através da carrinha da biblioteca itinerante da Fundação Calouste Gulbenkian. No primeiro momento foi o deslumbramento. E nenhum dos miúdos queria deixar de escolher e de ter livros da carrinha. Corriam para os livros como uma brincadeira. Como corriam para a bola ou rebuçados.

A literatura só chegou com as leituras escolares obrigatórias. Mas aí já não era literatura para a infância.  

António Borges regedor

publicado por antonio.regedor às 19:38
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 11 de Março de 2021

Dia da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas.

cartaz_11_março_square.jpg

A partir deste ano de 2021, o dia 11 de Março passa a assinalar o Dia da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas. Decorrem 35 anos desde a data da publicação do Despacho 23/86 de 11 de Março da Secretaria de Estado da Cultura que determinou o grupo de trabalho para apresentar uma política de Rede de Bibliotecas Municipais. O despacho foi assinado por Maria Teresa Pinto Basto Gouveia. (Vulgarmente conhecida por Teresa Patrício Gouveia). Também exactamente um ano depois, a 11de Março de 1987 foi publicado o Decreto-Lei 111/87 de 11 de Março decreta uma política de Leitura Pública no quadro da Rede de Bibliotecas Municipais.

Iniciava assim a grande tarefa de construir pela primeira vez na História de Portugal uma política de Leitura Pública com a responsabilidade do Estado Central e participação das autarquias Locais. Tinha já sido tentado com o Liberalismo, com a República e amordaçada na ditadura. (Regedor, António Borges - http://hdl.handle.net/10284/4291 pag. 50 a 92).

Foi em Democracia que passou a haver uma política de Leitura Pública e se construiu uma Rede Nacional de Bibliotecas Públicas. Durante o tempo  da ditadura, a única rede de leitura  existente no país era privada e pertenceu à iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian.

publicado por antonio.regedor às 10:28
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds