.posts recentes

. Concentração dos media

. IMPRENSA

.arquivos

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 26 de Novembro de 2019

Concentração dos media

transferir.jpg

Na história dos jornais, estes já tiveram muitos tipos de proprietários. Jornais de projectos de informação, jornais de projectos políticos, jornais de comissões de desenvolvimento local, jornais de projectos comerciais, jornais essencialmente literários. No século XX, jornais projectos editoriais, com componentes mais informativas ou mais comerciais ou culturais.

Os escritores do século XIX e XX utilizavam-nos para em folhetins divulgarem a sua escrita e o interesse pelo livro que no final resultaria desse mesmo folhetim publicado periodicamente. O negócio editorial foi no século XXI perdendo interesse, mas este transferiu-se para o sector financeiro. Os jornais actuais já não são entidades isoladas, mas fazem parte de grupos de media. E estes têm agora como proprietários, não empresas de comunicação, mas grande grupos financeiros. Esses grupos de media, agrupam vários orgãos de comunicação em Portugal.

A Media capital que agrega a TVI, TVI24, e as outras TVI temáticas. Ainda lhe pertence a Rádio comercial, M80, rádio cidade, Smooth, Vodafone, Mais futebol e o IOL. O grupo Prisa é o maior investidor e Miguel Pais do Amaral é um dos acionistas conhecido.

Por seu lado a IMPRESA é dona da SIC, e das outras sic temáticas, mais o jornal Expresso, e um conjunto diverso de outras publicações . É maioritariamente de Pinto Balsemão. Ha também investimento do BPI e vários outros investidores acionistas.

A Cofina possui o Correio da Manhã, a CMTV, Jornal de negócios, no desporto é dona do Record. Tem ainda a revista Sábado, o jornal grátis Destak e um outro conjunto de publicações. Tem a maioria do capital disperso em bolsa, vários acionistas de referência e ainda investimento de bancos.

Global Media é proprietária do Diário de Notícias, Jornal de Notícias, Açoriano Ocidental, DN Madeira. Nos desportivos tem “O Jogo”, nos económicos tem o “Dinheiro Vivo”. Tens ainda outras publicações e também a TSF. Tem investimentos de bancos e do conhecido Joaquim Oliveira da Controlinvest entre outros.

Estes três grupos têm partes iguais da principal distribuidora de publicações, a Vasp. É praticamente o domínio dos media em Portugal.

 

António Regedor

tags: ,
publicado por antonio.regedor às 16:23
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 2 de Setembro de 2019

IMPRENSA

rotativa.jpg

O falar de imprensa atira-nos para Gutemberg. No entanto a imprensa é muito anterior à inovação do  impressor alemão de 1400.  

Imprimir é essencialmente o  transferir imagem de uma superfície a outra de forma repetida.

Os Sumérios ( Há 5 500 anos , no actual sul do Iraque, onde o Tigre e Eufrates quase se juntam e que vai até ao Golfo Pérsico) já usavam cilindros gravados em negativo do texto a imprimir. Os Chineses imprimiam cartas de jogar. Na Idade Média placas de madeira ou pedra  gravada eram as matrizes de impressão. Daí os termos respectivos de  xilogravura e  litogravura.

A inovação de Gutemberg, no século XV,  foi a de utilizar caracteres móveis , resolvendo o inconveniente das matrizes anteriores serem peça única, e agora com a inovação poder refazer-se o texto com os mesmos caracteres.

Em vez de se gravar o texto numa placa, o texto era agora composto numa caixa que correspondia à mancha gráfica.  Podia ser copiado inúmeras vezes, e os mesmos tipos podiam posteriormente compor outro texto diferente. 

A revolução industrial  proporcionou um forte desenvolvimento técnico no processo de impressão.   No início do século XIX,  graças a  Friedrich Koenig desenvolveu-se  a impressão cilíndrica. A mecanização foi um enorme passo no processo de impressão. E esta desenvolveu-se aproveitando as várias fontes de energia.

Os Jornais tornaram-se cada vez mais fáceis de produzir.  O mesmo com os livros. Cresceu a indústria editorial até os transformar  os livros de de produto literário a mercadoria cada vez mais perecível.

O mundo digital dispensa em grande parte a impressão. O texto já não tem necessidade de ser registado em suporte físico. A impressão está em extinção.

António Borges Regedor

 

 

publicado por antonio.regedor às 18:11
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds