.posts recentes

. Granizo

. Biodiversidade e Campo de...

. Golfe desafiante

. Golfe em terreno acidenta...

. Nem sempre o caminho é fá...

. Torneio em  Paredes

. Pandemia e exercício físi...

. O Golfe como escola de ét...

. Golfe e confinamento

. Criatividade e financiame...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Granizo

Granizo.jpg

E quando se está a jogar, o granizo cai, e chegas ao “green” e ele está cheio de bolas.

O Golfe joga-se todo o ano. Mas é habitual em Agosto jogar-se menos. Ou no caso português joga-se mais no Algarve. O meu primeiro clube de golfe fazia no início de agosto um torneio especialmente orientado para os emigrantes. Conterrâneos  emigrados no Canadá, Estados Unidos da América, ou Europa faziam o tradicional torneio de golfe em Vidago. Excelente oportunidade para rever amizades, conviver com amigos que durante todo o ano estavam afastados.

Mas por característica o golfe é um desporto de inverno. Joga-se sob as mais diversas condições de clima. Cheguei a ir jogar a Espanha e ter de esperar que o gelo no relvado dos "green" derretese.  Integra o equipamento os fatos impermeáveis e os característicos e enormes guarda-chuva.  Apenas o trovoada é impedimento do jogo.

António Borges Regedor

tags: ,
publicado por antonio.regedor às 15:53
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Maio de 2022

Biodiversidade e Campo de Golfe

Biodiversidade.jpg 

Um campo de Golfe é por natureza um espaço de biodiversidade.

O próprio espaço que se percorre em jogo não é uniforme, apesar de grandes áreas de relva. Mas até esta tem cortes diferentes. Está normalmente ladeado de zonas arbustivas e a arborização é significativa e variada. Do ponto de vista da fauna já vi em campos de golfe, esquilos (em Espanha),  Perdizes, coelhos, um ganso egípcio (muito raro) no Oporto de Espinho e provavelmente esqueço mais alguns.

Vem isto a propósito do trabalho de educação ambiental que também se faz no campo Municipal de Paredes, tal como a imagem ilustra.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:24
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 29 de Novembro de 2021

Golfe desafiante

IMG-20211108-WA0003.jpg

Obviamente  que nos agrada um campo de golfe grande, com largos fairways onde, apesar dos desvios e dos efeitos,  a bola  acaba por cair em razoável posição de jogo  , relva bem aparada e poucos obstáculos naturais. 

Mas um campo de golfe ganha beleza quando também respeita os acidentes naturais. Pouco é necessário mudar num terreno para o transformar num agradável e desafiante campo de golfe. 

Os campos com várias dificuldades são bons para a aprendizagem. São também bons para a gestão de fustração. E isto é importante exercício para os vários aspectos da vida. Pessoal, familiar, profissional, desportiva, académica, social. 

Pode até inferir-se que um  campo de golfe  quanto mais natural, mais rural, melhor para o treino de vida social.  

 

(da série de golfe rurarl 3)

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 16:01
link do post | comentar | favorito
Domingo, 28 de Novembro de 2021

Golfe em terreno acidentado

2.jpg

Aspectos do Golfe (2)

Um campo de golfe não tem necessariamente de ser uma grande extensão de terreno completamente relvado.

Também pode ser acidentado, com rochas, fossos e outros obstáculos naturais. O golfe aqui torna-se mais técnico, mais difícil, mas também mais aliciante por ser mais desafiante.  

Pode parecer estranho por estarmos habituados a ver os campos de 18 buracos onde decorrrem as provas dos profissionais e de maior visibilidade internacional. Isso é uma parte da realidade do Golfe. Importante, mas o golfe não é apenas isso. O golfe é uma actividade  desportiva de exterior que pode ser praticado em campos mais pequenos, com menos buracos e mais "rústicos". No essencial o golfe não é mais que bater uma bola com o auxílio de um ferro, e levá-la de um ponto a outro onde se encontra uma bandeira que constitui o alvo a atingir. O desempenho do jogador é aferido pelo menor número de pancadas necessárias ao cumprimento desse objectivo. E o campo pode ter mais ou menos obstáculos.  O aliciante é que nos campos mais pequenos, com fairway mais estreito, mais acidentes naturais o jogo torna-se mais técnico, talvez mais difícil, mas até este aspecto é subjectivo.  Os campos menores e menos sofisticados tornam o golfe menos dispendioso, mais acessível, mais rápido, e  portanto mais democrático.  Por isso é que nos campos rurais também se pode usufruir de boa prática de golfe. e seria bom que houvesse mais para alargar a participação e baixar custos na sua prática.   No fundamental para o praticante amador  e lúdico, prevalece o andar pelo campo, usufruir o espaço verde, fazer o exercício de baixa intensidade próprio a qualquer idade, e conviver em ambiente cordial porque no golfe ninguém joga contra o outro mas tenta tão só fazer o seu melhor.   

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:15
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Novembro de 2021

Nem sempre o caminho é fácil

IMG-20211108-WA0001.jpg

Nem sempre o campo terá de possuir um “fairway” (1)  largo, bem tratado, com relva aparada a facilitar o andamento e a recuperação da bola. Pode até quase nem ter fairway. E o desafio  será o de colocar a bola no “green” (2) à primeira pancada.

Recordo que no campo de golfe rural do clube de Montalegre o primeiro buraco tinha o "tee" (3) junto do "clubhouse" (4) e jogava-se por cima do rio para a outra margem.  No campo de Porto Santo - Madeira, o buraco 13 é conhecido por ter a possibilidade de se jogar por cima do mar numa reentrância da falésia. Ou ainda no campo da Quinta da Barca - Esposende em que o fairway tem pouco mais de 2 metros e a linha descrita pela bola é quase por cima do rio. Estes são apenas exemplos de muitos outros que tornam esta actividade desportiva tão agradável e desafiante. 

(1) Fairway é a parte do campo por onde a bola deve ser jogada. O caminho da bola. É normalmente aparado de forma regular.

(2) Green é a parte do campo onde a relva está aparada muito curta e uniforme e onde se coloca a bandeira de final de cada buraco. 

(3) Tee  é o local de saída para o jogo e para cada buraco; marcação para a tacada.

(4) Clubhouse é a sede do clube e que comporta várias funcionalidades, como vestiários, chuveiros, roupeiros,  arrumos para o os sacos e ferros de golfe, loja de material de golfe, bar e restaurante entre outros espaços. 

publicado por antonio.regedor às 11:18
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Outubro de 2021

Torneio em  Paredes

torneio Vencedor.jpg

Mais um torneio de golfe que  correu bem. Concorreu para o êxito no torneio, o treino preparatório. E se isto pode servir de recomendação aos amigos, reafirmo que os torneios devem ser preparados para se conseguir melhor desempenho.  Comigo este é o método  que resulta. Fiz boa saídas, e é uma enorme satisfação ver a bola cair no “green”.   Depois  com mais uma ou duas pancadas para fazer bom resultado no “buraco”.  Também ajuda. Não muito quente e sem vento frio. Pode ter mesmo alguma humidade. O golfe joga-se em grande diversidade de condições de clima. Os jogadores excelentes são antes de tudo, parceiros que partilham a mesma actividade física desportiva.  Na maioria são amigos já de longo tempo.  As imagens são de um  torneio que decorreu no campo de golfe de Paredes. Um campo municipal com um exemplar trabalho de formação de jovens das escolas do Concelho. O campo é pequeno, mas tem características que lhe conferem um interessante rigor técnico e onde o “jogo curto” pode ser muito trabalhado.

tags: ,
publicado por antonio.regedor às 18:48
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 30 de Junho de 2021

Pandemia e exercício físico

gEIRA romana.jpg

Há dias, ao ler as declarações do patologista clínico João Pereira de Almeida, fiquei com as ideias mais claras acerca de que exercício físico fazer.

Os exercícios físicos aeróbicos leves, que mais oxigénio proporcionam às células, são o pedalar (um dos melhores), caminhar, nadar e dançar. Arrisco a dizer que a prática do golfe também deve estar neste grupo de opções. 

Fico contente por corresponder ao meu lote de exercício físico que gosto de praticar.

Temos actualmente padrões de comportamento sociais e essencialmente psicológicos que nos afastam de modos de vida saudáveis. Um deles é o endeusamento do automóvel, considerar que é essa lata que garante estatuto social. Afinal o uso da biblicleta é bem melhor para a saúde individual e colectiva, melhor para o ambiente e qualidade de vida nas cidades. Afinal o estatuto de gente saudável está no uso da biblicleta. e que bem que lhe fazia ir para o trabalho a cada dia.  

Andar a pé é para mim habitual. Chego a recusar boleias, correndo o risco até de ser mal interpretado. Mas tenho a experiência de amigos deixarem de usar o carro em pequenas distancias e fazermos, em conjunto, os percursos a pé.  

Nadar é o que faço menos. Até porque sou mau nadador e só o faço na praia.  Resta-me compensar com as outras actividades físicas. 

Dançar  chegou a ser três horas por dia todos os dias. Desde a pandemia foi a actividade sacrificada. É um dos maiores impactos na manutenção da minha condição física. 

Resta o golfe. Não tanto como gostaria, mas com a vantagem de ser uma prática em espaços agradáveis. Grandes espaços verdes, arborizados, silenciosos, com frequentes presenças de aves, mamímeros, répteis. Onde é frequente haver  planos de água, com peixes e amfíbios. Em campos de golfe já vi  perdizes (em Porto Santo), coelhos e até esquilos (em Espanha) E mesmo  um exótico ganso do Egipto ( Espinho). Além disso a prática de golfe é sempre de várias horas. Tenho feito  cerca de  três horas. 

Infelizmente a pandemia tem colocado imensos obstáculos à concrtização destas práticas que se recohecem como as mais saudáveis. 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Abril de 2021

O Golfe como escola de ética

 

Esta  prática  desportiva é envolvida de cordialidade própria. Os jogadores previamente conhecidos ou não, saúdam-se desejando “bom jogo” reciprocamente. Marcam a bola e indicam com que bola vão jogar. Têm um cartão onde marcam as suas pancadas e a dos adversários que no final conferem e assinam. Esse cartão regista o seu nível de jogo. É normal fazerem elogio quando alguém do grupo executa uma pancada de assinalável qualidade. Ajudam-se mutuamente a procurar uma bola perdida. Literalmente não deixam ninguém para trás. Quem for mais atrasado joga primeiro.

O Golfe tem respeito pela natureza e pelo campo. Devem deixar o campo como o encontraram. Os jogadores reparam os pedaços de relva que levantam ao bater uma bola. Quando no “green” (zona do campo mais suave e onde a relva é cortada muito curta) a bola causa maior impacto, há uma peça (pitch repair) que cada um dos  jogadores possui para reparar o green.

E finalmente leva a regras de indumentária simples mas de consideração para com o outro.  Habitualmente usa-se polo que pode ser acompanhado de pullover. Tapa vento ou impermeável.  A calça de fazenda e sapato de golfe ou sapatilha.

O gurda-chuva é admitido. O que não é aceitável é a tshirt e as calaças de ganga. 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:10
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Abril de 2021

Golfe e confinamento

O Golfe pode ser encarado como desporto, é jogado em torneios com formações de quatro jogadores por cada buraco de campo. E é conhecido  pelas grande competições televisionadas da PGA (Profissional  Golfers´ Association)

Mas é muito mais uma prática desportiva. É um exercício físico individual que pode ser feito com outros, mas onde não há contacto físico nem partilha de qualquer objecto de jogo. 

Quando é jogado em conjunto as “formações” são constituídas no máximo com quatro jogadores. Podem ser todos membros da mesma família. O afastamento  físico é essencial até pelas característica do jogo. Como se joga com um ferro que tem cerce de um a dois metros de comprimento. E como o batimento implica movimento que em vários casos desenvolve um arco de mais de 360º, bem se vê que o afastamento facilmente passa os cinco metros.  

Cada jogador é obrigado a escolher o seu “set” de jogo o que pode variar de jogador para jogador. Nada que se utiliza no jogo é partilhado. Nem ferros, nem bolas que habitualmente estão marcadas com identificadores de cada jogador, nem “tee de saída” (pequenos pinos utilizados para elevar a bola da posição de saída), e muito menos os sacos com que cada jogador transporta tudo isso.

O jogo desenvolve-se por um percurso normalmente arborizado, com zonas relvadas e que pode ir aos dezoito buracos afastados entre si entre cerca de cem a quinhentos metros, isto numa extensão à volta dos sete kilómetros. Só por si  o jogo é um passeio em natureza percorrendo espaços arborizados tendo mais ou menos obstáculos como sejam lagos.

Desta forma é incompreensível que o golfe não tenha sido excepção em tempo de pandemia. Há poucas práticas tão seguras e saudáveis  como o golfe. Apenas me lembro da equitação e das caminhadas individuais. Confundir o golfe com desportos colectivos ou práticas em ambientes fechados é desonesto. A não ser que haja outros interesses.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:59
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 29 de Setembro de 2020

Criatividade e financiamento das bibliotecas públicas.

IMG-20200928-WA0004.jpg

Um blogger amigo, Julián Marquina, publicou há dias uma notícia que me despertou por falar em golfe. A notícia era de uma bibliotecas dos estados unidos que se financia organizando jogos de mini-golfe. A Biblioteca Pública de Roxbury em New Jersey ganhou o prémio anual da American Library Association para o projecto de financiamento com o programa “mini-golfe na biblioteca”. O programa teve 26 patrocinadores na comunidade empresarial. O prémio também lhes garantiu 5 000 dólares em 2018.

Em Portugal o modelo rígido de gestão das bibliotecas não lhes dá oportunidade de serem criativas para gerar fundos que invistam em necessidades imediatas, em programas de actividade ou desenvolvimento ou em projectos de longo termo, ou mesmo actualização.

A única fonte de financiamento pública, parece ser muito redutora. Será bom pensar no assunto. Faz falta uma Lei da Bibliotecas Públicas. A sua autonomia financeira e técnica. Faz falta a figura do Director de Biblioteca que a represente e por ela seja responsável pelas finanças, pelos recursos humanos e técnicos. A entidade normativa já existe e é a DGLAB. Falta a base para o sucesso da rede de leitura pública em Portugal.

Fonte:

Julián Marquina
Bloguero sector InfoDoc
hola@julianmarquina.es
www.julianmarquina.es

 

 

António  Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:57
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
18
19
20
23
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds