.posts recentes

. Fake news em Livro

. Fogo e Fúria

. Fake news

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 14 de Maio de 2019

Fake news em Livro

depositphotos_200502160-stock-photo-conceptual-han

As Fake News estão na ordem do dia. Na verdade, não são novidade. Desde sempre foram usadas. Na construção do pensamento colectivo. Na construção de mitos. Na mobilização para causas irracionais, injustas, criminosas. No fabrico de heróis, santos e pecadores.  A própria história, a história dos vencedores pode resultar de fake news.

O mais perigoso é que, actualmente,  as fake news são um mundo paralelo à realidade.

Há um livro a ser preparado sobre Fake News.

O assunto já é uma preocupação, caso de estudo e objecto de publicação.

Um dado novo na nossa vida, e uma situação com que temos de aprender a viver.

 

Call for Chapters in:  Navigating Fake News, Alternative Facts, and Misinformation in a Post-Truth World.  Dalkir, K. and Katz, R. (Eds).

Proposal submission deadline:  June 4, 2019

 

Editors

Dr. Kimiz Dalkir, Director, Associate Professor

McGill University School of Information Studies

 

Rebecca Katz, PhD Candidate

McGill University School of Information Studies

 

Introduction

In a post-truth world, objective facts have less influence on opinions and decisions than emotions and personal beliefs. People deliberately select those facts and data that support their preferred conclusions and classify any information that contradicts their beliefs as “false news..”  This is not a recent problem but the Internet and social media allow information sharing at an incredible speed (practically real-time) and over a much greater geographic range (almost worldwide).  There is also increasingly a crowd-sourcing approach to gathering information.  PEW Research notes most people read news through their social networks rather than independent news reports[1]. This creates an overall false balance as people tend to seek out information that is compatible with their existing views and values.

 

How can information and knowledge management as well as policies and technologies help in a post-truth world?  Can newer technologies such as artificial intelligence improve the efficiency and effectiveness of fact checking (e.g. through a news filtering agents that identify false news much as we identify junk email)?.How can we better educate our students and train our professionals so that they have the full range of literacies or meta-literacy needed to navigate in a post-truth world?How can policies be implemented, both within organizations and within countries, tocombat misinformation and instead ensure validated content is created, shared, disseminated and preserved in order to better inform decision and policy-making?The proposed book will consist of a series of contributed chapters that will address the post-truth world in a comprehensive manner.  All chapters will be peer-reviewed.  Chapter may address the following topics:

 

Objectives of book

There is an interesting intersection of human (manual) methods to address post-truth (such as information literacy workshops and legal or policy changes to deter the spread of misinformation online) and a more automated, machine/AI-based approach (e.g. an algorithm that detects fake news dissemination patterns in social media).  This book will bring together the different disciplines and research approaches to provide a comprehensive and effective toolkit to deal with information and knowledge in the post-truth era.  The objective is to integrate approaches from the educational, policy and technology sectors because they must all work together to combat fake news.  The proposed book is expected to have a wide impact as it will resonate with a broad audience of educators, policymakers and technology developers.  There is potentially significant value in providing a blueprint to help users navigate in this convoluted world of increasingly complex and dubious content.  The only uncontested prediction is that the volume will only increase making its validation even more challenging.

 

Target audience

There are three main groups that would be interested in making use of this book:  educators, policymakers and technology developers.  Educators will be better equipped to teach the multiple and meta-literacies needed to deal with information and knowledge, both in formal curricula but also in workshops. Many universities as well as some companies now have a requirement that all employees successfully complete training on information literacy. Policymakers at the organizational and societal levels will need to better understand the risks posed by post-truth information and knowledge flows in order to implement policies and legislation that offer real consequences (e.g. Germany passed a law making it illegal to spread false information).  In addition, technology and software developers will have a deeper understanding of how and why people create and share fake news so they can develop algorithms capable of detecting and eventually preventing their dissemination.

 

Recommended topics

  • History – fake news is not new
  • Definitions – viral propagation, misinformation, pseudoscience, alternative facts
  • Typology of false information and knowledge
  • Propaganda
  • Hoaxes
  • Fraud
  • Urban myths
  • Satire
  • Biased algorithms
  • New information literacies for the post-truth world
  • How to detect false information (fake news, fake websites)
  • Meta-literacy, info and knowledge behavior e.g. info avoidance,
  • The role of emotion, personal beliefs
  • The role of time – speed of dissemination
  • The role of repetition
  • The role of information overload
  • The role of technology – scope of dissemination
  • The policy landscape needed for the post-truth world (legislation, organizational policies)
  • Tools and technologies to support digital citizens
  • AI-based tools
  • Mobile apps
  • Recommendations on literacy, policy and/or technology for better navigating in a post-truth world

 

Submission procedure

We would like to invite you to contribute a paper given your interest and expertise in this area.  Chapter proposals are due June 4, 2019. They should not exceed 1500 words.  Your proposal should outline the objectives of your chapter.Authors will be notified by June 25, 2019 about the status of their proposals and sent chapter guidelines. Full chapters are expected to be submitted by August 3, 2019,

Submitted manuscripts should not have been published previously, nor be under consideration for publication elsewhere.  All submitted chapters will be reviewed on a double-blind review basis. Contributors may also be requested to serve as reviewers for this project. all interested authors must consult the guidelines for manuscript submissions at http://www.igi-global.com/publish/contributor-resources/before-you-write/ prior to submission. There are no submission or acceptance fees for manuscripts submitted to this book publication. 

 

All proposals should be submitted through the eEditorialDiscovery®TMonline submission manager at:https://www.igi-global.com/publish/call-for-papers/call-details/3876

 

Publisher

This book is scheduled to be published by IGI Global (formerly Idea Group Inc.), publisher of the "Information Science Reference" (formerly Idea Group Reference), "Medical Information Science Reference," "Business Science Reference," and "Engineering Science Reference" imprints. For additional information regarding the publisher, please visit www.igi-global.com.

 

Important Dates

June 4, 2019:                     Proposal Submission Deadline

June 25, 2019:                   Notification of Acceptance

August 3, 2019:                Full Chapter Submission

October 1 2019:               Review Results Returned to Authors

October 29, 2019:            Revised chapter submission

September 29, 2019:     Final Acceptance Notification

November 12 2019:        Final Chapter Submission

2020:                                    Book publication

 

Contact Information:

 

Kimiz Dalkir

3661 Peel St., 110

Montreal, Quebec, Canada H3A 1X1

514-398-3368

Kimiz.Dalkir@mcgill.ca

 

 

[1]http://www.pewresearch.org/fact-tank/2017/10/04/key-trends-in-social-and-digital-news-media/

publicado por antonio.regedor às 15:04
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2018

Fogo e Fúria

350x.jpg

Trump é descrito por Michael Wolff nos primeiros nove meses de mandato. A descrição é feita no livro “Fogo e Fúria”.
O impreparado, inculto e perigoso presidente dos estados unidos da américa eleito pelo FBI.
Na pagina 25 escreve Michael Wolff: “ O Director do FBI, James Comey, depois de ter estranhamente colocado Hilary em lume brando ao afirmar que iria reabrir a investigação dos seus emails em onze dias antes da eleição, ajudara a evitar uma vitória esmagadora de Clinton”.
Como já se tem visto noutras latitudes do 3º mundo, em caso de derrota eleitoral, o argumento é o roubo. E assim, na mesma página 25 Wolff afirma que Trump “já tinha preparado a sua resposta pública para a derrota nas eleições: Fomos roubados!
Donald Trump e o seu pequeno grupo de guerreiros de campanha estavam preparados para perder com fogo e fúria. O que não estavam era preparados para ganhar.”
Quanto ao financiamento, “O bilionário de extrema-direita Bob Mercer, apoiante de Ted Cruz, mudara o seu apoio para Trump, com uma infusão financeira de 5 milhões de dólares.” p. 26.
Já depois de eleito, a prática das fake news é referida a pag. 68: “...parecia mesmo que a nova administração reclamava o direito de reformular a realidade. ...Muito embora, na perspectiva de Conway, fossem os media a fazer essa reformulação...”
Quanto ao escrutínio dos negócios de Trump, Franklin Foer, ex-director da revista “New Republic”, refere que Trump, o empresário pouco sério, “fanfarrão, com as suas bancarrotas, casinos e concursos de beleza, conseguira evitar um escrutínio sério.” ...”Os negócios imobiliários de Nova Iorque eram sujos, os negócios de Atlantic City eram sujos, a companhia aérea de Trump ra suja, Mar-a-Lago, os campos de golfe e os hotéis era todos sujos. Nenhum candidato razoável teria sobrevivido à descrição de um sequer destes negócios. ... uma dose genial de corrupção fora introduzida na candidatura Trump...” pag 124
Interessante é percebermos como Trump constrói o seu pensamento através da sua fonte de informação. “Trump não lia. Não lia sequer pela rama. Se era texto impresso, era como se não existisse. ... conseguia ler títulos de jornais e artigos sobre si próprio, e a coluna d coscuvilhice da página seis do New York Post. ... Era pós-alfabetizado – televisão total.” Pag 141.
O livro é rico em muitas outras descrições de colaboradores e de familiares. Dá uma imagem muito próxima do tipo ignorante, aldrabão, desonesto, agressivo, perigoso que comanda a política de uma das principais potências mundiais e com capacidade de destruição da política, do ambiente, da vida, do planeta.
 
 
António Regedor
publicado por antonio.regedor às 13:59
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 5 de Janeiro de 2018

Fake news

images.jpg

 

Hoje é corrente o fenómeno das notícias falsas no meio digital. Até o presidente dos estados unidos da américa já as colocou a circular. O fenómeno começou com a criação de páginas de piadas, anedotas, notícias non sense. Pretendiam ser de humor, mas que por falta de qualidade humorística ficaram-se pela falsa história. A criação imaginativa rapidamente foi reciclada para a mentira propositada e intencional. E rapidamente passou a actividade lucrativa.
 
Hoje são inúmeros as páginas de notícias falsas, que se camuflam de títulos muito idênticos aos títulos de páginas, sítios e jornais respeitáveis. E depois há os troll, os interessados ou os ignorantes que replicam essas mentiras. A seguir, os ingénuos ou distraídos que por não as verificarem, por não terem o cuidado de ver, e avaliar a fonte, as replicam misturando-as com a verdade.
 
O fenómeno das notícias falsas não é de agora. Parece já terem sido utilizadas em Bizâncio no século VI, por Procopius contra o imperador Justiniano e a sua corte. Pietro Aretino, em 1522, contra os candidatos a uma eleição Papal. No século XVII surgiu o “canard” muito popular em Paris. Eram impressas notícias falsas, por vezes com imagem para as tornar mais credíveis. No tempo de Marie-Antoinette o canard imprimia propaganda política intencionalmente falsa. Pelo que se vê, actualmente não se faz melhor que copiar. No século XVIII, em Londres,com o desenvolvimento da imprensa, acontecia o mesmo com a circulação de jornais onde eram inseridos parágrafos de notícias falsas contra figuras públicas, ou actividades artísticas. O próprio Morning Post as publicava regularmente, e nisso teve o rival Morning Herald. Perante isto, Murdoch não nos espanta.
 
Agora, com maior facilidade, no meio digital estes fenómenos da fake news para manipular generalizou-se, e de forma aguda em períodos de campanha eleitoral ou de grande casos de justiça mediatizada.
tags:
publicado por antonio.regedor às 14:46
link do post | comentar | favorito (1)

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
15
17
18
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds