.posts recentes

. A História da Humanidade ...

. O Estado e o Covid19

. Enfraquecimento do poder ...

. Estado, Ética, Governaçã...

. "O Estado em Portugal"

. ...

.arquivos

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quarta-feira, 8 de Abril de 2020

A História da Humanidade corrige os erros, depois de exageros.

transferir.jpg

O Iluminismo, expressão científica da visão do mundo, corrigiu o modelo obscurantista. O Liberalismo, expressão da burguesia ascendente, alterou o modelo terra-tenente da aristocracia rentista. O Republicanismo, expressão da liberdade, igualdade e fraternidade mudou o estatuto de súbdito para o de cidadão. No pós segunda guerra as democracias, expressão do bem estar social, do estado previdência e intervenção do estado nos sectores estratégicos corrigiram o liberalismo. No final do século vinte o neoliberalismo destruiu a social democracia herdeira do período de paz. É agora perante uma pandemia que percebermos que é fundamental o sector estratégico da economia estar na mão do Estado (que somos nós todos), que é fundamental a saúde, o ensino, a defesa, segurança e comunicações e transportes serem do estado. Ou seja, serem de nós todos.

Porque claramente vemos a mentira dos liberais que queriam menos estado. Banqueiros, Industriais, Concessionárias de serviços públicos como auto-estradas por exemplo, com lucros privados por deterem serviços públicos, reclamam hoje pelo estado. Para esses vampiros liberais o estado é hoje o que fizeram dele: mínimo, pobre, sem poder de os ajudar. É caso para dizer a frase de que os liberais tanto gostam: É o mercado seus estúpidos.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:57
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Março de 2020

O Estado e o Covid19

ilustracao-imagem-covid-19.jpg

 

 

Vivemos mais uma época de pandemia. Parece ter começado na China. Um vírus identificado como COVID19. (SARS-CoV-2(COVID-19)

Nos primeiros meses deste ano de 2020 foram atingidos mais intensamente a China, Coreia do Sul, Irão e Itália. A Itália tem sido o maior foco de infecção na Europa, esta é agora um dos principais focos no mundo. Até Março 2020, Portugal tinha-se mantido afastado da pandemia. A partir deste mês Portugal tem tido uma progressão infecciosa na mesma linha da Europa. São já milhares de infectados na Europa e mais grave a morte de mais de uma centena de pessoas num só dia em Itália. Portugal, tem o seu primeiro falecimento hoje dia 16 de Março 2020, ao 14º dia de registo do vírus no país. Um cidadão com mais de 80 anos e outras patologias. É este o perfil dos mais vulneráveis a este vírus. São neste dia 331 infectados, dos quais 139 internados e 3 recuperados. Os números contrastam significativamente com os italianos, por exemplo, só num dia 345 mortos.

Portugal tem dois meses de atraso na evolução da infecção, mas apresenta a mesma linha de evolução. Está no comportamento cívico dos portugueses reduzir tanto quanto possível a curva ascendente que inevitavelmente acontecerá. Aprendendo com os outros e tomar medidas preventivas, essencialmente de isolamento social e cuidados de higiene.

Não havendo conhecimento científico nem meios para tratar este vírus, podemos agir para reduzir os seus efeitos. É isso que temos que tentar.

Para já estamos em condições de ter alguns ensinamentos políticos.

Os que gritaram por menos Estado, querem agora mais Estado, mais recursos, mais funcionários públicos (médicos, enfermeiros, polícias, militares)

Querem agora mais recursos na saúde, mais equipamento na saúde, mais hospitais.

Os que quiseram privatizar hospitais, querem-nos agora públicos.

Os que criminosamente quiseram acabar com o Laboratório Militar, querem agora que este forneça tudo que está em falta.

Os que se opuseram ao Serviço Militar Obrigatório (SMO) como parte da participação cívica, e que frequentemente se opõe à existência de forças armadas, agora reclamam pela presença dos militares em todas as áreas, desde a cedência dos hospitais à ordem pública.

Os que se opuseram ao Serviço Nacional de Saúde , agora tudo exigem dele.

Felizmente a maioria dos Portugueses entendem ser necessário um Estado interveniente, o Serviço Nacional de Saúde, os serviços públicos com recursos, equipamentos, competências, as Forças Armadas, os Hospitais Militares e Laboratórios.

Que esses tais não ousem voltar a menosprezar o Estado Social, forte, actuante, competente.

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:27
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 29 de Agosto de 2019

Enfraquecimento do poder de Estado. Consequências

IMG_20190720_135824.jpg

O fim do Império Romano, no século IV, ditou o enfraquecimento da Europa no seu todo. Deixou de haver uma administração igual para todos os territórios, deixou de haver uma Lei geral, uma política comum de impostos. As estradas foram abandonadas, os edifícios públicos deixaram de ter manutenção, os hábitos de higiene foram abandonados, a limpeza pública ruiu, a saúde colapsou. A educação abandonada, a cultura definhou.

Politicamente os senhores locais apoderaram-se do que puderam, subjugaram o mais fracos e pobres, fizeram leis que lhes convinham, cobraram impostos que queriam.

Não tardou muito a sentirem-se os efeitos. No século VI surgem as pestes na Europa e duraram até ao século VIII. No Império do Oriente tal não aconteceu de imediato. A Constantinopla acorreram os sectores cultos da sociedade, e que mantiveram os padrões de vida da tradição Helénica e continuada na cultura Romana.

O enfraquecimento da Europa, pelo desmantelar da administração Romana, pelo modelo feudal, e pela peste, com a consequente redução da população, desmantelamento da produção, estado geral de fome e doença, fez da Europa um espaço nulo, politico, económico, cultural e socialmente.

Ao enfraquecimento da Europa no século VI, corresponde a expansão do Islamismo no mesmo século e seguinte. Obviamente as duas coisas estão ligadas.

A Europa só recupera no século IX e X. E isso corresponde ao crescimento das cidades, ao desenvolvimento do comércio, aumento da produção. Aparecem novas moedas, entre elas o Florim de grande aceitação. E, claro, a pressão sobre o Islão que leva à reconquista cristã do Al Andaluz, das rotas do Oriente e retorno ao domínio do Mediterrâneo.

Neste contexto de progresso surgem no século XIV as confrarias e as corporações e entre elas as Universidades. Daí é um salto até ao Renascimento e à Ilustração.

É bom reflectir sobre o enfraquecimento do Estado e o surgimento dos pequenos poderes locais que produzem os novos pequenos feudais sem nobreza alguma. Quando me falam da tradição portuguesa do municipalismo é do estado de feudalização que me querem falar.

 

publicado por antonio.regedor às 12:33
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Abril de 2013

Estado, Ética, Governação - ideias e valores em mudança"

A data condiz perfeitamente com o tema do Serão da Bonjóia.

O tema é: " Estado, Ética, Governação - ideias e valores em mudança"

A conferencista  é a Professora Catedrática Prof. Doutora Judite de Freitas.

A sessão, claro está, é na Quinta da Bonjóia - Rua de Bonjóia, 185. Campanhã

Dia 25 de Abril,( 5ª feira) pelas 21h15. Con entrada grátis

publicado por antonio.regedor às 12:10
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2012

"O Estado em Portugal"

Nas escolhas de Marcelo, refere "O Estado em Portugal" de Judite Gonçalves de Freitas, Professora Catedrática da Universidade fernando Pessoa, e coordenadora do Curso de Ciências da Informação e da Documentação da UFP

 

http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/marcelo-marcelo-rebelo-de-sousa-livros-tvi24/1326842-4071.html

 

Nos próximos dias  farei aqui alguma notas de leitura

publicado por antonio.regedor às 10:23
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012

...

 

Este livro traça a evolução das estruturas políticas e sociais desde o Portugal medieval até aos alvores da Época Moderna, procurando explicar as raízes da formação política do Estado moderno, examinando os seus principais aspectos: a irradiação da Corte régia, a criação e a consolidação das instituições centrais, as lutas dinásticas, a emergência do poder local, a expansão territorial e o desenvolvimento da cultura política. Com base nos estudos mais actualizados procede-se a uma análise crítica da correlação de forças estabelecida entre o poder régio e a sociedade política de forma a comprovar que uma boa parte dos fenómenos relacionados com o aparecimento do Estado e a ideia política associada têm origem na Idade Média tardia.

 

Nota biográfica:

Judite A. Gonçalves de Freitas é professora catedrática na Universidade Fernando Pessoa. Licenciada em História (1987), Mestre em História Medieval (1991), Doutorada (1999) e Agregada (2007) em História pelo Departamento de História e de Estudos Políticos e Internacionais da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. É membro do grupo de Estudos Medievais e do Renascimento do Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade (CEPESE-FCT) da Universidade do Porto. As principais áreas de incidência da sua actividade de investigação têm sido a História do Estado, as instituições centrais, as sociedades políticas e o poder régio, tendo publicado dois livros no âmbito destas temáticas: A Burocracia do «Eloquente» (1433-1438): os textos, as normas, as gentes (1996) e «Teemos por bem e mandamos». A Burocracia Régia e os seus oficiais em meados de Quatrocentos (1439-1460), 2 vols (2001), e ainda D. Branca de Vilhena: património e redes sociais de uma nobre senhora no século XV (2008). Tem publicado trabalhos sobre Chancelaria e Diplomática régias e divulgou no estrangeiro os principais balanços que efectuou sobre historiografia medieval portuguesa.

publicado por antonio.regedor às 01:17
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds