.posts recentes

. Escrita à Mão

. A Casa

. O Jogo do Anjo de Carlos ...

. Os limites à escrita

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2018

Escrita à Mão

IMG_20180129_191914.jpg

 

Também se comemora o dia da escrita à mão.

Escrever à mão, parece já se praticar desde o paleolítico. Na evolução da escrita, pouco importa se é ideográfica ou fonética. O que importa é que se escrevia à mão. Apesar de utilizar diferentes instrumentos a escrita é sempre feita à mão. Estilete na escrita cuneiforme, pincel de cana no papiro e pena fendida no pergaminho. A escrita cursiva aumenta a rapidez de execução.

“A tradição helénica também atribui aos Fenícios a invenção da escrita.”( McMurtrie 1965).

A escrita fenícia era feita da direita para a esquerda. Os gregos utilizaram um processo de escrever alternadamente linhas da direita para a esquerda e em sentido oposto da esquerda para a direita. Chamavam a esta escrita, bustrofedon. A cursiva romana tinha a característica de arredondar os traços direitos e a de estender os traços para cima e para baixo da linha de escrita.

É a partir do século IV que se verifica a influência da cursiva com o tamanho de polegada e a que se designa de “uncial”. É o estilo que mostra o início da minúsculas. Por exemplo: a letra “E” arredondou-se para a forma “e”. O traço do “G” curvou-se para cima e formou o “g”. As linhas rectas do “M”, passaram a curvas “m”.

Depois evoluiu para as semi-unciais que possibilitavam a ligação entre as letras e que foi desenvolvido nos mosteiros da Irlanda. O “Livro de Kells” hoje depositado na biblioteca do Trinity Colege, em Dublin é a sua expressão. Até ao século VIII em que a uncial entra em declínio.

Passou-se ao tempo das minúsculas. Com particularidades locais. Cada centro a desenvolver o seu próprio estilo. Até Carlos Magno criar a escola de Tours que espalhou o novo estilo, a minúscula carolina, por toda a Europa.

No decurso ainda haverá a gótica, até chegar à escrita humanística do século XV semelhante aos tipos romanos actuais. Este estilo alonga as letras para a direita.

E mesmo com a tipografia, “apesar da rápida expansão da arte de Gutenberg, as necessidades quotidianas de documentos da mais variada natureza, a correspondência, as diversas aplicações nos sectores económico, mercantis, jurídico, cultural, etc, exigiam um recurso constante à escrita feita à mão, mais expedita e consentânea com as necessidades da vida diária.” (Marques: 2002,p. 12)

Estas escrita tinham padrão e instrumentos standard. Ainda não há muito tempo, para além da aprendizagem da caligrafia padrão, havia o ensino de caligrafia em vários estilos. Com vários tipos de canetas. E também variados tipos de formatos e de tamanhos de aparos adequados a cada tipo de letra. Caneta e aparo para cursivo inglesa. Aparo cortado de vários tamanhos para a letra francesa e também para gótica. Antes dos gravadores havia uma técnica de abreviaturas para escrita rápida. A máquina de escrever já retirou muito do espaço da escrita à mão. O computador apenas prolongou esse impulso inicial. Mas também a passagem da caneta de aparo, para a caneta de espera iniciou o processo de desregulação da caligrafia padrão. E o facto de cada vez se escrever menos e mais rápido, leva a que cada um se distancie de um padrão. E a escrita à mão é, actualmente, cada vez mais imperceptível de uns para os outros. O desenho das letras, perde-se pela falta do seu exercício. Resta-nos o desenho, e as efemérides do dia da escrita à mão.

 

Marques, José (2002) Práticas paleográficas em Portugal no século XV. Porto: Ciências e técnicas do património. http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/artigo3501.pdf

 

Mc Murtrie, Douglas C. (1965) O livro. Lisboa: Fundação Clouste Gulbenkian.

 

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 19:33
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 23 de Janeiro de 2018

A Casa

ECOM INTERIOR.jpeg

Para casa de cidade era bastante grande. Na imagem está a escadaria da fachada principal. A posterior dava para um amplo  socalco com jardim e várias árvores. Havia um outro socalco inferior, bastante maior que o do jardim. Este poderia ter sido, em tempos, cultivado. Limitava com o Passeio das Fontainhas. O muro terminava em abertuas e em cada uma das ombreiras havia um banco.

Voltando à casa, ela era complementada  de lado da esquerda, o lado da escadaria,  com um bloco  alinhado  a voventa graus e de ligação interior. As salas do piso térreo eram grandes. Talvez tivessem servdo em tempos para armazenamento. Uma delas, rebaixada, tinha um pé direito mais elevado e sem ligação pelo interior ao piso superior.

Ao  piso de cima, o sobrado, acedia-se pela escadaria em pedra com corrimão também em granito. A  escadaria apresentava-se em estilo barroco, no que era acompanhada por alguns outros elementos dispersos pelo conjunto edificado. As salas deste piso superios eram de mais reduzidas dimensões, mesmo assim amplas. Era  este piso que ligava ao bloco de canto qe tinha uma escada interior de acesso ao piso térreo e também a um outro piso superor. Corredores largos e grande número de janelas davam-lhe um ar solarengo.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:10
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2016

O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón

image.jpg

 

Émais um livro sobre livros e escritores. Dos esquecidos e dos promovidos. Dos de folha de rosto e dos ghostwriter. E de livreiros por vocação e conheciento e de editores que poderiam de igual forma ser açougueiros.

Quem estuda Ciência da Informação na temática de edição e indústria editorial, tem neste livro temas para várias teses.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:34
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Maio de 2014

Os limites à escrita

 

 

 

São grandes as mudanças na industria editorial. agora é a Porto Editora e Grupo Leya que  chegam a acordo para impor limite de páginas a escritores.

Ler mais: http://visao.sapo.pt/porto-editora-e-grupo-leya-chegam-a-acordo-para-impor-limite-de-paginas-a-escritores=f775248#ixzz2xapascb8

publicado por antonio.regedor às 16:03
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds