.posts recentes

. EUA: O fim do mito democr...

. Primeiras Eleições nas CC...

. Fogo e Fúria

. círculos uninominais

.arquivos

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2021

EUA: O fim do mito democrático

136704712_10224157115336221_4355567296925041644_o.

O espaço democrático de referência  é a Europa.  Onde a Democracia nasceu e onde mais exercícios de regimes democráticos foram experimentados. É na Europa que se substitui o absolutismo pelo parlamentarismo. A transição da soberania para o  Povo. É na Europa que se inicia o exercício da separação de poderes. Que se vão constituindo e alargando os direitos políticos, sociais, económicos. É na Europa que se afirma o  conceito de cidadania e se constroem as Repúblicas. O laboratório democrático é a Europa. E apesar dos enormes erros históricos do estalinismo, é na Europa que se experimenta a social-democracia, o socialismo com mais ou menos tiques liberais. E na Europa que evoluem os sistemas eleitorais, dos mais restritos até ao voto universal.

Os Estados Unidos da América só por grandes erros cometidos na Europa aparecem como espaço democrático de referência sem que tal corresponda à realidade.

O mito dos Estados Unidos com referência democrática esconde a verdadeira realidade de um país que se formou com o pecado original de genocídio. Que enriqueceu com a escravatura tardiamente abandonada e com as guerras para onde forneceu armas e mantimentos. Com uma longuíssima história de promover guerras, invasões e golpes de Estado. Com a estafada política de fomentar conflitos nos outros continentes para ocupar adversários e amigos. Teve a mão dos Estados Unidos da América vários movimentos de guerrilha em África. Iniciaram mesmo a guerra em Angola em 61 apoiando a UPA que realizou os horrorosos massacres desse ano. Tem a mão dos Estados Unidos o conflito no Afeganistão, Ex-Jugoslávia com o apoio descarado aos contrabandistas do UÇK ou mesmo na Chechenia. Ossetia e  Ukrania. Fica muito a dever à democracia as guerras imperialistas  que desenvolvem nos países onde existem significativas reservas de combustíveis fósseis. E não menos importante a sobranceria imperial como impõem aos aliados a cobrança de tributo feito em compra de armas correspondente a uma parte dos  respectivos PIB. 

Se dúvidas ainda restassem alas estão desvanecidas com a triste deriva selvagem das escolhas políticas do eleitorado americano ao escolher um criminoso para presidente e ao impedir os resultados das escolhas e a aceitação dos resultados.

Definitivamente há 75 milhões de razões para afirmar que os Estados Unidos da América não são exemplo democrático, não têm condições para  dar lições de democracia,  nem são exemplo a seguir no espaço democrático.  

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:14
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 8 de Outubro de 2020

Primeiras Eleições nas CCDR

Area_atuação_CCDR.png

 
As CCDR ( Comissão de Coordenação e Desenvolvimento regional ) são instituições de gestão do território ao nível regional. Planificam e coordenam políticas que implicam vários municípios. Possuem uma visão macro da região que gerem. Dessa forma são importantes para o planeamento de projectos supra municipais, harmonizando entre estes a coerência e prioridade dos investimentos e planos.
Pela primeira vez em democracia o Presidente deste orgão de Gestão e Coordenação Regional vai ser eleito. É importante. É uma medida de melhoramento da democracia. A forma encontrada é a da eleição por colégio eleitoral de autarcas. O colégio eleitoral é constituído pelos autarcas em exercício. Presidentes de Câmara, Vereadores, Deputados Municipais e eleitos das Juntas e Assembleias de Freguesia.
 
 
António Borges Regedor
publicado por antonio.regedor às 13:50
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2018

Fogo e Fúria

350x.jpg

Trump é descrito por Michael Wolff nos primeiros nove meses de mandato. A descrição é feita no livro “Fogo e Fúria”.
O impreparado, inculto e perigoso presidente dos estados unidos da américa eleito pelo FBI.
Na pagina 25 escreve Michael Wolff: “ O Director do FBI, James Comey, depois de ter estranhamente colocado Hilary em lume brando ao afirmar que iria reabrir a investigação dos seus emails em onze dias antes da eleição, ajudara a evitar uma vitória esmagadora de Clinton”.
Como já se tem visto noutras latitudes do 3º mundo, em caso de derrota eleitoral, o argumento é o roubo. E assim, na mesma página 25 Wolff afirma que Trump “já tinha preparado a sua resposta pública para a derrota nas eleições: Fomos roubados!
Donald Trump e o seu pequeno grupo de guerreiros de campanha estavam preparados para perder com fogo e fúria. O que não estavam era preparados para ganhar.”
Quanto ao financiamento, “O bilionário de extrema-direita Bob Mercer, apoiante de Ted Cruz, mudara o seu apoio para Trump, com uma infusão financeira de 5 milhões de dólares.” p. 26.
Já depois de eleito, a prática das fake news é referida a pag. 68: “...parecia mesmo que a nova administração reclamava o direito de reformular a realidade. ...Muito embora, na perspectiva de Conway, fossem os media a fazer essa reformulação...”
Quanto ao escrutínio dos negócios de Trump, Franklin Foer, ex-director da revista “New Republic”, refere que Trump, o empresário pouco sério, “fanfarrão, com as suas bancarrotas, casinos e concursos de beleza, conseguira evitar um escrutínio sério.” ...”Os negócios imobiliários de Nova Iorque eram sujos, os negócios de Atlantic City eram sujos, a companhia aérea de Trump ra suja, Mar-a-Lago, os campos de golfe e os hotéis era todos sujos. Nenhum candidato razoável teria sobrevivido à descrição de um sequer destes negócios. ... uma dose genial de corrupção fora introduzida na candidatura Trump...” pag 124
Interessante é percebermos como Trump constrói o seu pensamento através da sua fonte de informação. “Trump não lia. Não lia sequer pela rama. Se era texto impresso, era como se não existisse. ... conseguia ler títulos de jornais e artigos sobre si próprio, e a coluna d coscuvilhice da página seis do New York Post. ... Era pós-alfabetizado – televisão total.” Pag 141.
O livro é rico em muitas outras descrições de colaboradores e de familiares. Dá uma imagem muito próxima do tipo ignorante, aldrabão, desonesto, agressivo, perigoso que comanda a política de uma das principais potências mundiais e com capacidade de destruição da política, do ambiente, da vida, do planeta.
 
 
António Regedor
publicado por antonio.regedor às 13:59
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Agosto de 2018

círculos uninominais

transferir.png

Periodicamente aparecem os defensores dos truques políticos dos círculos uninominais.

O método português de representação política (Método de Hondt) distorce a proporcionalidade democrática por favorecer o mais votado. E de tempos a tempos em vez de proporem o método simples de representação proporcional, aparecem os ilusionistas políticos.

Os círculos uninominais são ainda mais antidemocráticos. E os próprios se desdizem nos argumentos apresentados. Um dos últimos a referir-se aos círculos uninominais é Ribeiro e Castro. O próprio Ribeiro e Castro se contradiz.

Primeiro tenta disfarçar dizendo que propõe um sistema misto. Vejamos.

Quanto ao caciquismo diz que: “Não vale a pena bramar contra a enxurrada de caciques.”. E acaba por reforçar a possibilidade dos caciques concorrerem em duas listas ao mesmo cargo: “Num sistema misto, os candidatos podem figurar em dupla candidatura, tanto num círculo uninominal, como na lista plurinominal. Se não vencer a eleição uninominal, guarda sempre a possibilidade de ser eleito dentro da proporção alcançada no voto plurinominal do partido.” Desta forma o cacique garante a sua eleição.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:17
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds