.posts recentes

. provas  desportivas de or...

. Provas de orientação

. O Golfe como escola de ét...

. Golfe e Ética

. PASSADIÇOS

. Portugal e a Bicicleta

.arquivos

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Terça-feira, 6 de Julho de 2021

provas  desportivas de orientação

FREIXO VISTA.jpg

Participei pela primeira vez em provas  desportivas de orientação 

Tinha-o feito durante o serviço militar,  em contexto diferente.

Foi-me feito o desafio que aceitei  sempre com o meu espírito de aprendizagem e gosto por aventura, desportos radicais e prática desportiva.  

Fiquei a saber que há uma enorme comunidade que tem gosto por este tipo de provas, quer seja no campo quer na cidade. E a modalidade é englobante e com vários níveis de participação.

Pode ser muito competitiva e isso implica muito treino, fazer a prova a correr, já que a pontuação é feita com contagem de tempo mais rápido no final de todas as passagem nos controlos. E actualmente a tecnologia facilita imenso essa tarefa. Cada competidor leva um chip que acciona cada uma das passagens que tem de efectuar. O mapa, a ordem de pontos de passagem, a bússula, a lanterna para as provas nocturnas, tudo isto é essencial. Mais ainda a boa leitura dos mapas, a leitura dos códigos de sinalização dos aparelhos marcadores das passagens.

 E claro a camaradagem, o convívio e encontrar inesperadamente amigos. (Encontrei um com quem partilho a actividade num grupo de sensibilização ambiental).

Mas há ainda componente lúdica com níveis diferentes de dificuldade. Pode ser feita por toda a família, até por crianças. Há percursos longos, médios e os mais acessíveis.

As provas quer em ambientes de natureza ou urbanos levam-nos a conhecer espaços inesperados. Fiz esta prova urbana no Porto e garanto que passeis por ruas do Porto onde nunca tinha ido. Conheci o belo jardim das águas e energia do Porto que nunca tinha visitado. Andei por zonas da freguesia de Campanhã que me pareciam uma outra cidade de tão estranhos lugares que percorri. Hei-de lá voltar  com o mesmo mapa.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:28
link do post | comentar | favorito
Sábado, 3 de Julho de 2021

Provas de orientação

PORTO CITY RACE.jpg

Porto City Race 2021

Etapa nocturna concluída. E com bons resultados.

Amanhã será a diurna.

Provas de orientação

São boas para caminhar.  Ter noção de leitura de mapas em papel. Contrariar a perda de  noção  do espaço. O excesso de uso dos equipamentos digitais vai depreciando a competência humana da percepção analógica. Estas provas são importantes para manter estas competências da condição humana. 

Essencial para que no dia em que faltar o apoio do GPS, (até pela simples falta de bateria) saber para onde ir lendo os sinais de meio ambiente.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:53
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Abril de 2021

O Golfe como escola de ética

 

Esta  prática  desportiva é envolvida de cordialidade própria. Os jogadores previamente conhecidos ou não, saúdam-se desejando “bom jogo” reciprocamente. Marcam a bola e indicam com que bola vão jogar. Têm um cartão onde marcam as suas pancadas e a dos adversários que no final conferem e assinam. Esse cartão regista o seu nível de jogo. É normal fazerem elogio quando alguém do grupo executa uma pancada de assinalável qualidade. Ajudam-se mutuamente a procurar uma bola perdida. Literalmente não deixam ninguém para trás. Quem for mais atrasado joga primeiro.

O Golfe tem respeito pela natureza e pelo campo. Devem deixar o campo como o encontraram. Os jogadores reparam os pedaços de relva que levantam ao bater uma bola. Quando no “green” (zona do campo mais suave e onde a relva é cortada muito curta) a bola causa maior impacto, há uma peça (pitch repair) que cada um dos  jogadores possui para reparar o green.

E finalmente leva a regras de indumentária simples mas de consideração para com o outro.  Habitualmente usa-se polo que pode ser acompanhado de pullover. Tapa vento ou impermeável.  A calça de fazenda e sapato de golfe ou sapatilha.

O gurda-chuva é admitido. O que não é aceitável é a tshirt e as calaças de ganga. 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:10
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 10 de Julho de 2020

Golfe e Ética

Golfe não se joga contra o outro. Joga-se com o outro. Os jogadores têm níveis de jogo diferente. Respeita-se o nível decada um. Podem jogar em conjunto jogadores com níveis diferentes. Cada um procura melhorar o seu jogo. Em cada dia que passa quer aperfeiçoar. O objectivo não é o melhor ganhar ao outro. O objectivo é que os dois melhorem, todos melhorem as suas competências. É portanto um jogo de aperfeiçoamento pessoal.

É um jogo de cordialidade social. Os jogadores cumprimentam-se e desejam um bom jogo aos seus companheiros. Não o perturbam na sua vez de jogar. Ajudam-no a identificar o local de queda da bola e se necessário ajudam à sua procura. Só avançam após o último jogar e esperam sempre pelo que vai mais atrasado. Não deixam ficar ninguém para trás. Partilham da alegria de boas jogadas e felicitam o jogador que as faz. Podem jogar em conjunto homens e mulheres, adultos e jovens. Pode ser um jogo para toda a família.

Cada jogador marca as suas “pancadas” (vezes que bate a bola). Marca também a dos companheiros para conferência. Só precisa de regras, não de árbitros.

No final agradece a partilha do jogo.



Golfe e Ambiente

Joga-se em espaços abertos. Arborizados com preocupação de diversidade vegetal e de plantas autóctones. Sobreiros, Castanheiros, Carvalhos, Acer, Choupos. Fruteiras também. Conheço um campo onde uma das saídas é do meio de uma vinha. Há também arbustos como azevinhos, loureiros, giesta, tojo, carqueja e muito mais.

E também na presença de fauna diversificada. Aves, mamíferos, herbívoros, roedores, répteis, anfíbios. É comum verem-se coelhos, perdizes e até esquilos.

Há elementos estéticos presentes, como a proximidade de rios ou mar. A água está muito presente em lagos naturais ou artificiais. E é cada vez maior a preocupação com o consumo de água, conhecendo um campo onde há plantas purificadores da água num dos lagos, ou ainda a utilização de água de estação de tratamento de aguas residuais (ETAR) para a rega.



Golfe e o respeito pelo campo.

O princípio do golfe é que todos jogamos com as mesmas condições de campo. Isto implica que cada um deixe o campo como o encontrou. Limpo e conservado. Os jogadores causam impacto sobre a natureza, mas preocupam-se por minimizar. Pela extensão e tempo, os jogadores podem durante o jogo beber água ou comer alguma coisa. No entanto usam os caixotes de lixo do percurso ou no final deixam os seus lixos nos locais adequados. Nada fica no campo. Se por acção do jogo levantam alguma relva, voltam a colocá-la, minimizando o impacto e encurtando o tempo de reparação do campo. Se a bola causa impacto maior em zona mais sensível como é o green, usam uma pequena ferramenta denominada pitch repair para recolocar o green em boas condições.



O golfe não é só uma prática desportiva, é igualmente uma escola cívica.

 

Antóno Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:13
link do post | comentar | favorito (1)
Terça-feira, 4 de Junho de 2019

PASSADIÇOS

PASSD PAIVA.jpg

 
Começamos por nos habituar a ver passadiços no litoral. São equipamentos importantes na protecção das zonas dunares, limitando o pisoteios e ordenando os acessos ás praias. Contribuem para a retenção de areias, reforçando os sistemas dunares. Para além disto os passadiços têm enorme adesão como equipamentos lúdicos e de promoção da saúde. Possibilitam agradáveis caminhadas pela beira mar.
Agora surgem cada vez mais passadiços também por espaços rurais, normalmente associados a cursos de água. Grandes percursos de grande sucesso como os do Paiva e de Sistelo, e também mais pequenos, agradáveis, mais fáceis de fazer e por essa via mais acessíveis a todas as idades e condição física. É o caso do passadiços do Uima e de Arcozelo.
Criou-se actualmente uma nova forma de passear e visitar lugares. É a construção de uma nova actividade económica ligada ao lazer. Saudável, ambientalmente sustentável.
 
António Borges Regedor
publicado por antonio.regedor às 09:55
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 5 de Julho de 2017

Portugal e a Bicicleta

IMG_20170705_171531.jpg

Foto: Capa da Revista: "Guia Orientador- Ciclismo e Dinamização da Actividade Turística". Coordenação de Sandro D. Araújo (Vice -Presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo. 2016. Lisboa: Edição da Federação Portuguesa de Ciclismo. 

 

O potencial de Portugal deve ser aproveitado. 

Portugal exposta 15% dos 11 milhões de bicicleta que a União Europeia exposta para todo o mundo

Águeda continua a ser a capital do fabrico de bicicletas em Portugal, e a maior empresa é a “Órbita”.

Apesar disso, portugal continua a usar pouco a bicicleta. O seu uso é esencialmente desportivo e de lazer. Mas o seu uso funcional é ainda residual.

Há  apenas 1700 Km de percursos  dedicados  à bicicleta e apenas 299 ciclovias. Sabemos que a mioria das ciclovias tem uma lógica de lazer, e não de funcionalidade urbana.

 

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 17:56
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds