.posts recentes

. Schindler na Linha do Do...

. Comboio do meu contentame...

. De comboio na Dinamarca

. ...

. Revolução Industrial

. cavalo de ferro

.arquivos

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quarta-feira, 29 de Setembro de 2021

Schindler na Linha do Douro.

Schindler comboio.JPG

Faz algum tempo que viajei na Linha do Douro.  Já tinha feito a viagem de subida do Rio Douro em barco e fazia agora sentido ver o rio pela perspectiva do comboio.  Viajei numa das famosas carruagens Schindler.  O primeiro impacto é a grande dimensão das janelas. Panorâmicas, adequadas ao usufruto da maravilhosa paisagem. Excelente para fotografar. São confortáveis, espaçosas, agradáveis. Soube há pouco que havia treze destas carruagens abandonadas e espalhadas por vários pontos de país.  Desde a célebre Resolução de 19 de Fevereiro de 1988 de Cavaco Silva que a ferrovia foi abandonada. Seguiu-se o tempo  do betão, dos negócios das obras públicas, da rodovia e das parcerias público-privadas que roubaram o país.   Deixou de haver manutenção nas linhas férreas.  Várias linhas foram encerradas. O material circulante abandonado.  Desses abandonos e desmantelamentos foram agora resgatadas as referidas treze carruagens Schindler iguais ás que circulam diariamente na Suíça.  Pelo que sei, a recuperação implica a desmontagem de quase todos os componentes. Entre os quais, a estrutura, portas, janelas, iluminação, bancos, equipamento de segurança e obviamente pintura e embelezamento necessário.

Ficou a vontade de repetir a viagem. Agora transportando bicicleta para fazer uma das ecovias  nos canais de circulação que resultaram do  abandono das linhas que conectavam a Linha do Douro.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:58
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 28 de Setembro de 2021

Comboio do meu contentamento

carruagem de 3ª classe.jpg

 

Lembro-me de ser muito pequeno e andar de comboio. Foi numa viagem na linha do Douro e numa das suas derivações. É uma imagem que mantenho na memória mas que não identifico como sendo da linha do Corgo ou do Sabor. A imagem é de um comboio com locomotiva a vapor.  As  carruagens eram  de madeira com varandins abertos e balaustrada de ferro. Na época havia ainda a carruagens de terceira classe. Os preços não se limitavam a primeira e segunda classe. a estratificação social tinha três níveis.   A passagem entre carruagens podia fazer-se por uma  porta do varandim de uma carruagem, para o varandim da outra. Uma imagem que não se me apaga da memória pelo impacto visual que me fez a linha a correr por baixo da carruagem. A grande velocidade que a idade de deu a perceber. A proximidade dos taludes. A sensação de perigo, de aventura, de me sentir destemido. O barulho dos carris e do ritmado som da passagem das folgas de dilatação. Esse descontinuo da linha que lhe dá continuidade segura. O cheiro a carvão queimado e as faúlhas voadoras algumas ainda incandescentes. A paisagem fugidia e a sensação do meu equilíbrio no comboio voador.  Há dias revivi essa parte da minha infância no comboio histórico da linha do Vouga. O meu contentamento.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:04
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
Terça-feira, 21 de Setembro de 2021

De comboio na Dinamarca

comboio.jpg
Era o ano de 1995. Numa viagem de trabalho que fiz à Dinamarca fiquei alojado num Hotel em frente da Estação Central em Copenhaga. O Hotel tinha a impressionante vista de uma enorme praça completamente cheia de bicicletas estacionadas.
Para todo o lado onde eu e os meus colegas tivemos de ir, havia comboio. O programa de trabalho foi intenso mas o comboio foi sempre o nosso meio de transporte. Fomos a Ballerup, Hillrod, Frederiksvaert, Roskild, Gadstrup, Ringsted. Holbaek, Naestved, Kastrup. Para todas estas cidades circundantes de Copenhaga num raio de cerca de 50 Km havia comboio.
A Dinamarca não embarcou na criminosa destruição da ferrovia para fazer rodovia. Pelo contrário.
A rede ferroviária é excelente. Os transportes públicos são excelentes. Os dinamarqueses usam preferencialmente a bicicleta.

Nota: Na foto carruagens históricas recuperadas dos caminhos de ferro portugueses.

publicado por antonio.regedor às 19:41
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Julho de 2021

...

IMG-20210713-WA0004.jpg

Percorrendo a Ecopista do Corgo

A Ecopista do  Corgo resulta do canal por onde circulava o comboio da Régua a Chaves.

Esta linha de caminho de ferro foi inaugurada em 1906 até Vila Real  e em 1921 chegou a Chaves.   

Foi com a política do betão de Cavaco Silva que se desinvestiu na ferrovia.  O país foi atirado para a  construção de autoestradas. O troço de Vila Real para Chaves foi encerrado em 1990.

Com Sócrates a ligação da Régua para Vila Real foi encerrada para obras e com o Passos Coelho encerrou definitivamente.

O canal é agora uma ecovia e faz parte do  caminho de Santiago e Fátima. 

Fiz, em bicicleta, o troço de Vila Real a Vila Pouca de Aguiar. A parte urbana de Vila Real está a ser beneficiada (piso, iluminação etc.)  Fora da cidade o piso é em terra. Mas a melhor parte do percurso é no Concelho de Vila Pouca. Aqui tem piso asfaltado, as bermas limpas  e com corte de silvas.  

Tudo muito lindo, mas ainda  mais,  se o comboio voltasse a circular nesta linha.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 23:10
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020

Revolução Industrial

Locomotiva.jpg

Locomotiva, a máquina a vapor que é produto da revolução industrial, mas ao mesmo tempo produtora dessa mesma revolução que a produziu. Era assim como uma pescadinha de rabo na boca. Os comboios, à época, eram composições formadas por uma significativa diversidade de carruagens. Locomotiva, vagão do carvão, vagão cisterna da água, carruagem do correio, carruagens de passageiros e no fim as carruagens de mercadorias.

As carruagens de passageiros eram estratificadas em três classes de conforto ou falta dele. Cada categoria de carruagem de passageiros tinha o preço a que cada classe social podia aceder. Os burgueses industriais ou comerciante enriqueciam. Os nobres empobreciam e em breve iriam falir e só ficar com os títulos, a arrogância e a frustração. Os servidores públicos, profissionais liberais, intelectuais de alguma posse ou rendimento, estavam no meio da escala social, e por isso a sua necessidade de afirmação política. Finalmente a arraia miúda, os pés descalços, a tropa fandanga, serviçais, criados e jornaleiros.

Cada um seguia na carruagem da vida e na que lhe correspondia no caminho de ferro.

No fim do comboio seguem as carruagens de mercadorias. Vão carregadas com matérias primas ou produtos acabados. São pedaços suados das minas, da agricultura, das oficinas e fabriquetas. Há carruagens para animais vivos, mais mortos que vivos pela viagem, a caminho do matadouro.

É a locomotiva da vida, da revolução industrial. A locomotiva que passou a levar as notícias mais depressa, as ideias mais longe, e também puxou revoluções. A locomotiva que tirou gente do campo e os levou à cidade. A máquina do comboio mágico que engolia camponeses num lado e vomitava proletários noutro lugar. A locomotiva que no fim de cada linha iniciava nova era.

O comboio que produziu a burguesia e que atirou a aristocracia para o tombo de história; Que deu luz à ciência e à técnica e ofuscou o clero; A locomotiva que puxou o comboio da história com novas ideias sociais e políticas. O comboio do liberalismo com nova economia e nova organização social. A locomotiva liberal que cilindrou o clero com a mais radical política anti-clerical na história de Portugal. O comboio que expulsou as ordens religiosas, lhes expropriou os bens, edifícios, igrejas, bibliotecas. A locomotiva da reforma administrativa que retirou ao clero as freguesias e os registos de nascimentos e óbitos. A máquina a vapor que encurtou distâncias; levou as gentes mais longe; rasgou caminhos; abriu horizontes. O comboio mudou o tempo, alterou a paisagem, queimou etapas. A máquina a vapor mudou o pensamento, a ciência, a filosofia, a pintura, a literatura. A locomotiva fez revoluções, escreveu História.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:41
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Agosto de 2020

cavalo de ferro

_20200807_113351.JPG


Aguardava o último comboio do dia e o que faria ligação na estação central. Linha única ao longo do percurso. Só dupla nas estações para cruzamento dos comboios. Ainda o sol ia quente e o melhor que se podia encontrar era a sombra de pequenas árvores, e elas também com sede. O tempo ia passando para além da hora de tabela do comboio, e o tempo aumentava o estranho da situação. Demasiado tempo era já motivo para descartar o atraso e colocar outra hipótese. Perguntando o motivo do significativo atraso, a resposta foi a de que a locomotiva teria avariado mas que a composição já teria saído com atraso que eventualmente poderia ser recuperado em parte. Foi recobrada a paciência para continuar a espera, até que surgiu ao longe o comboio ansiosamente desejado. Era uma composição com duas locomotivas. A que efectivamente locomovia, e a outra que por avaria e sem capacidade própria se deixava arrastar. Não que não quisesse, mas por não poder. Para além destas, vinham as duas carruagens de passageiros. Uma bizarra composição de duas locomotivas para duas carruagens. Já dentro do comboio e com grande atraso, sem outras composições para cruzar, sem mais ninguém que aquele único comboio naquela única linha, foi então ver do que era capaz aquela locomotiva. O arrancar era penoso, o ganhar velocidade era lento, mas quando lançada na sua força máxima era vê-la cortar o vento que entrava quente pelas janelas abertas, o som ritmado, rápido, do deslizar nos carris, o chiar da fricção das rodas nos carris ao fazer as curvas, sem abrandar, a querer voar galgando distância, a comer tempo engolindo o ar e a sentir realmente o que é um cavalo de ferro.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:51
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
17
19
20
21
22
23
24
26
27
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds