.posts recentes

. Novas normas para bibliot...

. Biblioteca Escolar no Sis...

. MÊS DA BIBLIOTECAS ESCOLA...

. A biblioteca escolar é in...

. VALORIZAÇÃO DA BIBLIOTECA...

. Sou professora e neste mo...

. BIbliotecas Escolares vs ...

. POESIA AO LUAR

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quarta-feira, 29 de Novembro de 2017

Novas normas para bibliotecas escolares

aasl_standards_300.jpg

National School Library Standards for Learners, School Librarians and School Libraries.  American Association of School Librarians (AASL) 2017 

ISBN-13: 9780838915790 

 

A Associação Americana de Bibliotecários Escolares (AASL) publicou um novo conjunto de normas para bibliotecas escolares em 2017. 

Aí são estebelecidos critérios paramedir o desempenho dos bibliotecários escolares.

São indicadas cinco funções para  o bibliotecário escolar: Lider, Companheiro de instrução, especialista em informação, professor e administrador de programa.

 

 

 

Table of Contents

Part I: Introduction and Overview


Chapter 1: Meet Your New Standards

  • How Did We Get Here? A Brief History of School Library Standards
  • Your Voice, Your Standards
  • Structure and Purpose of Your New Standards
  • Your Language of Growth and Competency
  • Connecting with Stakeholders: Personas Bring the Standards to Life
  • Getting Started with Your Standards: Scenarios for Professional Learning
  • Growing with Your Standards: Evaluation and Assessment
  • Questions for Reflective Practitioners
  • Appendices and Other Resources

Chapter 2: Introduction to the Learner Standards

  • Conceptual Overview of the Learner Standards
  • Questions for the Reflective Practitioner
  • AASL Standards Framework for Learners

Chapter 3: Introduction to the School Librarian Standards

  • Conceptual Overview of the School Librarian Standards
  • Questions for the Reflective Practitioner
  • Recommended Appendices
  • AASL Standards Framework for School Librarians

Chapter 4: Introduction to the School Library Standards

  • Conceptual Overview of the School Library Standards
  • Questions for the Reflective Practitioner
  • Recommended Appendices
  • AASL Standards Framework for School Libraries

 

Part II: Standards Integrated Frameworks


Chapter 5: Inquire

  • Inquire Learner Competencies in Depth
  • Inquire School Librarian Competencies in Depth
  • Inquire School Library Alignments in Depth
  • Inquire Best Practices
  • Recommended Appendices

Chapter 6: Include

  • Include Learner Competencies in Depth
  • Include School Librarian Competencies in Depth
  • Include School Library Alignments in Depth
  • Include Best Practices
  • Recommended Appendices

Chapter 7: Collaborate

  • Collaborate Learner Competencies in Depth
  • Collaborate School Librarian Competencies in Depth
  • Collaborate School Library Alignments in Depth
  • Collaborate Best Practices
  • Recommended Appendices

Chapter 8: Curate

  • Curate Learner Competencies in Depth
  • Curate School Librarian Competencies in Depth
  • Curate School Library Alignments in Depth
  • Curate Best Practices
  • Recommended Appendices

Chapter 9: Explore

  • Explore Learner Competencies in Depth
  • Explore School Librarian Competencies in Depth
  • Explore School Library Alignments in Depth
  • Explore Best Practices
  • Recommended Appendices

Chapter 10: Engage

  • Engage Learner Competencies in Depth
  • Engage School Librarian Competencies in Depth
  • Engage School Library Alignments in Depth
  • Engage Best Practices
  • Recommended Appendices

 

Part III: Assessment and Evaluation


Chapter 11: Meeting the AASL Standards: Measuring Success

  • Overview
  • Competency-Based Learning
  • Evaluation of a Responsive School Library
  • Recommended Appendices

Chapter 12: Measuring Learner Growth

  • Assessment in a Competency-Based Environment
  • Pre-Assessment
  • Creating a Formative Assessment Task
  • Rating Schemes and Scales for Formative Assessments
  • Applying the Assessment
  • Creating a Summative Assessment Task
  • Conclusion
  • Questions for the Reflective Practitioner
  • Recommended Appendices

Chapter 13: Measuring School Librarian Growth

  • Dimensions of Professional Activity
  • Domains of Professional Competence
  • Formative Assessment
  • Summative Evaluation
  • Using AASL Standards Framework for School Librarians to Conduct Professional Evaluation
  • Crosswalking Educator Evaluation Forms to School Librarian Standards
  • Conclusion
  • Questions for the Reflective Practitioner
  • Recommended Appendices

Chapter 14: Evaluating School Libraries

  • Planning for an Effective School Library
  • School Library Responsibilities at the Building Level
  • School Library Responsibilities at the District Level
  • School Library Responsibilities at the State Level
  • Evaluating the School Library Using the Key Commitments
  • Outcomes-Based Evaluation
  • Questions for the Reflective Practitioner
  • Recommended Appendices

 

Part IV: Scenarios for Professional Learning


Chapter 15: Getting Started with the Standards: Scenarios for Professional Learning

  • Recommended Appendices
  • District School Library Director
  • Elementary School Librarian
  • Middle School Librarian
  • High School Librarian
  • Pre-Service Educator and Researcher
  • Library Assistant/Paraprofessional


Appendixes

  • Appendix A. Implementation Plan Overview
  • Appendix B. History of School Library Standards and Guidelines
  • Appendix C. Annotated List of AASL Position Statements
    • C1. Definition of an Effective School Library Program
    • C2. Appropriate Staffing for School Libraries
    • C3. Instructional Role of the School Librarian
    • C4. Preparation of School Librarians
    • C5. Role of the School Library Program
  • Appendix D. Library Bill of Rights
  • Appendix E. Interpretations of the Library Bill of Rights
    • E1. Access for Children and Young Adults to Nonprint Materials
    • E2. Access to Resources and Services in the School Library Program
    • E3. Advocating for Intellectual Freedom
    • E4. Challenged Resources
    • E5. Diversity in Collection Development
    • E6. Internet Filtering
    • E7. Privacy
  • Appendix F. LLAMA’s 14 Foundational Competencies
  • Appendix G. Code of Ethics of the American Library Association
  • Appendix H. Evidence of Accomplishment
  • Appendix I. Useful Verbs

 

publicado por antonio.regedor às 11:52
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 2 de Junho de 2016

Biblioteca Escolar no Sistema Bibliotecário

images.jpg

Biblioteca Escolar no Sistema Bibliotecário

 

Universidade Fernando Pessoa 

 

Sábado, 18 de junho de 2016

Das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h30

 

Prof. Doutor António Regedor

Programa:

  1. Tipos de leituras
  2. Leitura Funcional. Leitura Volitiva
  3. Biblioteca e literacias
  4. Os Sistemas Bibliotecários no Contexto das Políticas Culturais.

4.1. A transposição do modelo de sistema para a realidade do agrupamento.

4.2.O sucesso da biblioteca escolar como projecto educativo.

 

Destinatários:

Professores Bibliotecários

 

Certificação:

Ação temática de curta duração, de cariz científico e pedagógico, com duração de 6 horas, conforme despacho n.º 5741/2015, de 30 de maio.

Informação:

(i) A participação nas ações de curta duração tem como limite máximo um quinto do total de horas de formação obrigatórias (Art. 3.º).

(ii) A competência para o reconhecimento das ações é da Universidade Fernando Pessoa, através do seu Centro de Formação Contínua – ES-CEFOC.

(iii) O reconhecimento decorre da apresentação do requerimento dos interessados ao ES-CEFOC, acompanhado de documento comprovativo de presença e do programa temático da ação realizada.

(iv) O reconhecimento requer a verificação das seguintes condições:

  1. A existência de relação direta, científica ou pedagógica com o exercício profissional; manifestação de rigor e qualidade científica e pedagógica; sejam asseguradas por formadores que, no mínimo, tenha o grau de Mestre.
  2. O reconhecimento das ações de curta direção só pode ocorrer uma única vez na mesma ação, independentemente doformador, local ou ano de realização.
  3. Não são reconhecidas ações de curta duração que se relacionem ou insiram em qualquer tipo de companha promocional ou publicitária.

 

Valor:

30 euros.

25 euros para associados

 

Número mínimo de participantes: 12 

 

 

 

 

 

 

 

 


Formulário de Inscrição

 

Área reservada a preenchimento pelos serviços

Inscrição Nº

 

 

 

Elementos de identificação do candidato

 

Nome:

 

Morada:

Tel.:

Email:

 

Código Postal:

NIF:

 

Cartão Cidadão/BI nº:

Idade:

Data de Nascimento:

 

 

Nome da escola:

Concelho da escola:

Grupo de docência

 

 

Dedignação da ação de curta duração que pretende frequentar:

 

 

 

Áreas de conhecimento, para outras acções de curta duração, que tenha interesse em participar:  

Escolha até 10 áreas prioridade (1 “maior interesse” a 10 “menor interesse”)

 

Indique outras áreas de conhecimento, para outras acções de curta duração, que tenha interesse em participar

Prioridade

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os documentos devem ser todos enviados para o seguinte email: es-cefoc@ufp.edu.pt

 

 

publicado por antonio.regedor às 19:08
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Outubro de 2011

MÊS DA BIBLIOTECAS ESCOLARES

ESTAMOS NO MÊS INTERNACIONAL DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES

 

http://blogue.rbe.min-edu.pt/2011/10/mes-internacional-das-bibliotecas.html

 

 

publicado por antonio.regedor às 15:12
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2010

A biblioteca escolar é insubstituível".

 

Em parceria com o Goethe-Institut Portugal, a BAD proporciona-nos a transcrição de uma interessante  entrevista sobre a realidade das bibliotecas escolares alemãs.

 

 

 

biblioteca escolar é insubstituível". Uma entrevista com Birgit Lücke

Birgit Lücke,  é Presidente da Comissão “As bibliotecas e a escola” da Associação das Bibliotecas Alemãs

 

 

Porque é que as bibliotecas escolares são tão importantes hoje em dia?

Uma biblioteca escolar em pleno funcionamento pode constituir o alicerce para alcançar os objectivos de aprendizagem que foram estabelecidos pelo tratado de Pisa. Se antigamente as atenções estavam viradas para o ensino centrado nos professores, hoje o ensino virado para o aluno, - interdisciplinar e participativo - do ensino das competências de leitura tornou-se cada vez mais importante. As bibliotecas escolares podem ser aqui essenciais, ajudando a preparar as crianças e os jovens para uma aprendizagem ao longo da vida, ensinando-lhes estratégias eficazes de pesquisa, avaliação e uso de informação e dos media.

Assim, nos últimos anos, as bibliotecas escolares têm tido um renascimento e foram mesmo promovidas por uma iniciativa nacional do Ministério Federal do Ensino e Investigação para as escolas a tempo inteiro intitulada “Educação e Apoio Futuro”. Esta oferta foi aceite em muitos locais.

“As bibliotecas escolares são enteadas”

Qual a importância das bibliotecas escolares hoje em dia?

Se bem pensadas, podem ser muito importantes. Uma biblioteca escolar vive da e com a escola e tem de ser inserida conceptualmente no dia-a-dia escolar de forma a ser aceite. Pode ser mais do que uma “colecção de livros”, nomeadamente uma sala de aulas, um local para a aprendizagem individual e um espaço para trabalho criativo ou para relaxar no tempo livre. O papel que a biblioteca escolar irá desempenhar terá de ser decidido pela escola em si.

Nas últimas décadas, as bibliotecas escolares têm sido vistas cada vez mais como enteadas no universo das bibliotecas. As bibliotecas municipais vêem-nas frequentemente como competição na luta pelos escassos recursos e utilizadores. No entanto, as bibliotecas escolares e as bibliotecas municipais poderiam complementar-se brilhantemente – se apenas o compreendessem e cooperassem.

Cooperações procuram-se

Como deveria ser uma cooperação entre uma biblioteca municipal e uma biblioteca escolar?

As ofertas das bibliotecas municipais têm-se desenvolvido nos últimos anos, especialmente na área das competências de leitura e da literacia e informação dos media. A palavra-chave aqui é “parceria educacional”, ou seja, as ofertas tradicionais e opcionais das bibliotecas, como por exemplo as visitas de estudo, as aulas na biblioteca, a apresentação de livros e as caixas de livros, entre outras, sejam concretizadas em cooperação com as escolas e tendo em vista o currículo, e integradas no dia a dia das escolas e das biblioteca através de acordos de cooperação.

Estas ofertas são um bom complemento, mas infelizmente são frequentemente usadas como substituto em escolas onde não existam bibliotecas ou onde as mesmas estejam mal equipadas. Nem mesmo a melhor biblioteca municipal pode substituir uma biblioteca escolar bem equipada com espaço e material adequado e suficientes funcionários.

As escolas têm de dar o primeiro passo

Como se organizam as bibliotecas escolares na Alemanha

No sistema educativo federal alemão existem dezasseis estados e dezasseis sistemas diferentes – uma heterogeneidade que se estende até mesmo às cidades e às comunidades. Tudo é possível, desde o apoio financeiro e técnico à completa negligência. Oficialmente, as bibliotecas escolares são um dos equipamentos obrigatórios das escolas, estando a cargo das as cidades e das comunidades. Por sua vez, a racionalização “o que dou a um, todos os outros querem, por isso não financio nada” é uma das explicações para a situação financeira catastrófica que se vive actualmente.

Geralmente é a própria escola que, através de associações, patrocinadores e professores, pais e alunos empenhados, consegue assegurar o serviço. E é aí que reside a eficácia de uma biblioteca escolar, dependendo de uma série de casualidades que podem mudar todos os anos.

As melhores práticas começam a nível estatal

Onde é que é diferente?

È diferente nas cidades ou estados que aceitaram a responsabilidade e disponibilizaram, através de criação de cargos ou agências próprias, serviços centrais para o desenvolvimento e operação de bibliotecas escolares, incluindo ajuda financeira para, por exemplo, criação de colecções.

Nestes é então possível construir estruturas duradouras que possam facilitar a integração da biblioteca escolar no currículo. Desta forma, as escolas podem concentrar as suas forças na utilização da biblioteca em si e deixarem de se preocupar com a batalha diária sobre o orçamento para compra de material, equipamento das salas e horários de abertura.

Felizmente, para além dos programas nacionais de bibliotecas escolares, existe também uma variedade de pequenas mas excelentes iniciativas com potencial para efeitos abrangentes. O exemplo mais recente é a rede do distrito de Lahn-Dill, que recebeu vários prémios e cujo modelo que poderá ser implementado, com algumas modificações, a nível nacional, especialmente em tempos de crise financeira.

Modelo para o futuro: o professor bibliotecário

O que é diferente noutros países?

Em muitos países, as bibliotecas escolares têm um maior nível de aceitação política e social. Isso começa com leis apropriadas e passa pela existência de profissões como “professor bibliotecário”.

Embora na Alemanha os professores possam ser escolhidos para gerir a biblioteca da escola durante algumas horas, e assim são obrigados a dominar, de um dia para o outro, tudo o que se trate de trabalho da biblioteca, da compra de livros aos serviços de empréstimo, no Reino Unido e na América do Norte existe formação adicional que alia os elementos mais importantes das profissões de professor e de bibliotecário para a gestão mais eficiente de uma biblioteca escolar.

O que espera para o futuro das bibliotecas escolares?

Consequência lógica do que disse, estratégias seguras e fidedignas onde as bibliotecas escolares se possam desenvolver enquanto locais de aprendizagem vivos para as nossas crianças e jovens – e que os professores gostem de usar para criar aulas variadas e inovadoras.

Entrevista conduzida por Dagmar Giersberg,
jornalista freelancer em Bona.

Tradução: Teresa Laranjeiro
Goethe-Institut Portugal

Copyright: Goethe-Institut e. V., Online-Redaktion
Agosto 2010

publicado por antonio.regedor às 18:38
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

VALORIZAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Mais um comentário que destaco pela sua importância:
 
 
 
 
 
 
Lembro que durante muitos anos, certamente não muito distante, muitos professores que não tinham horário, professores com problemas de diversa ordem, nomeadamente, relacionamento com alunos e outros, eram colocados na Biblioteca escolar. Era a prova da desvalorização que este local ( tão importante enquanto ponto de encontro, divulgador e mobilizador do saber) se confundia com qualquer outro de menor dimensão. Os tempos parecem ser mudança de paradigma na forma de olhar para este recurso . Há necessidade de envolver rigor e cientificidade a este local , sem nunca se perder de vista a sua função pedagógica. Em relação ao professor bibliotecário ser um professor, acho bem . SE ele tem ou não de deixar a sua dimensão docente porque deseja experimentar outras dimensões também não há nada de mal, é até positivo, mas não poderemos dizer que é sempre assim. Há professores que pensaram várias vezes em deixar ou manter uma turma como a lei prevê.
Continuo a dizer que este apoio técnico, mais preciso, poderia ser dado pelos técnicos das Bibliotecas Municipais, uma vez que já estão em rede. É importante o apelo ao trabalho colectivo e partilhado num país tão pequeno, não apenas para a optimização dos recursos, do kow how existente mas ainda para deixarmos de pensar de forma tão individualista.

Arcelina Santiago
publicado por antonio.regedor às 01:25
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

Sou professora e neste momento professora bibliotecária.

Dou destaque a um novo comentário, felicitando a autora, que julgo ser a primeira vez que participa neste blog.

 

De Fátima-Pesqueira a 3 de Janeiro de 2010 às 23:41
Sou professora e neste momento professora bibliotecária.
Gosto de ser professora e à primeira vista não me parece um desmerecimento ser também bibliotecária, até porque continuo a ser professora.
É, no entanto, uma tarefa árdua ser as duas coisas ao mesmo tempo.
Ter um bibliotecário na Biblioteca Escolar seria uma mais valia mas nunca sem um professor ao lado com formação pedagógica para dar cumprimento à missão que a Biblioteca Escolar tem no contexto da Escola. Não me parece que o bibliotecário fosse capaz de direccionar a actividade da Biblioteca Escolar para o currículo e para a realização de aprendizagens que a Escola deve proporcionar...
Ser professor bibliotecário deverá ser uma opção e não uma imposição, mas a exigência de que este possua formação em ciências documentais deve persistir pois de outra forma o desempenho das suas variadíssimas funções tornar-se-ia muito mais difícil.

Maria Rodrigues
 
publicado por antonio.regedor às 17:42
link do post | comentar | favorito
Sábado, 5 de Dezembro de 2009

BIbliotecas Escolares vs Públicas

 

 

Há dias fui à abertura da feira do livro nesta Biblioteca Escolar. É a da Escola Básica e Secundária Domingos Capela em Espinho.

 Esta biblioteca foi equipada desde o seu início com estantes de livre acesso. Foi concebida ainda no tempo em que se destinavam a bibliotecas escolares salinhas de 30m2.

Em pouco tempo a Biblioteca ganhou mais uns espaços contíguos. Derrubou paredes, expandiu e cresceu também técnicamente. Professores e auxiliares fizeram formação de curta duração. Dirão que não é suficiente, mas é já um importante esforço e o princípio para o seu visível desenvolvimento.

E esta biblioteca tem crescido, como de resto tem acontecido com a generalidade das bibliotecas escolares.

A biblioteca tem organização, tem actividades, tem   importância na escola.

Até há poucos anos, a inexistência de bibliotecas escolares levava o segmento da população escolarizada a recorrer à Biblioteca Municipal, quando existia.

Actualmente a satisfação das necessidades de informação e documentação da população escolarizada é feita no seu local de estudo pelas bibliotecas escolares.

As Biblioteca Públicas que viveram durante muito tempo da população estudantil, estão agora a sentir as dificuldades próprias da redução da utilização da Bilbioteca Pública por parter deste público. E algumas tinham nos estudantes quase a exclusividade dos seus utilizadores.

Daí que as Bibliotecas Públicas tenham menos público, menos utiliadores.

As Bibliotecas Públicas terão de reorientar os outputs para o seu público natural que é o segmento da população que não é servida pelos outros subsistemas de Bibliotecas: as Escolares; as Universitárias; as Patrimoniais.

E isso implica mudança de hábitos de trabalho, mudança de actividades, mudança e renovação de bibliografia, mudança de horários, mudança do uso das "facilities".

Fica para um outro post a reflexão do que tem de mudar nas Biliotecas Públicas.

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:17
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

POESIA AO LUAR

 

 

 

Aspecto agradável da biblioteca onde se realizou a sessão de poesia "ao luar".

Na imagens estão alguns elementos da equipa da biblioteca.

 

 

 

publicado por antonio.regedor às 01:52
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds