.posts recentes

. Arquivo Secreto do Vatica...

. Blog e Rádio sobre biblio...

. Editoras, Especialização,...

. Ciência da Informação: co...

. Coerência de formação na ...

.arquivos

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 3 de Julho de 2018

Arquivo Secreto do Vaticano

S. Bento.jpg

 

Na foto:  S. Bento. Folha do Gradual – Santoral de Santa Maria degli Angeli. Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian, M 35. Itália – Florença, século XIV (finais); iluminura de Don Silvestro dei Gherarducci. Pergaminho, 379x305 (324) mm, fl.56

 

 

 

O actual Arquivista e Bibliotecário do Arquivo Secreto do Vaticano (ASV) é Português. Mas o nome deste arquivo lança muita confusão e preocupação. É arquivo, mas não é secreto como o nome parece indicar. O termo secreto tem origem em meados do século XVII e resulta do termo privado. Tão só como isso. Arquivo privado.

Na verdade, não é mais do que um arquivo de uma instituição. Foi-se constituindo pela custódia de todo o tipo de documentos que resultam do desempenho da actividade do Vaticano. Não é portanto, secreto como o nome parece indicar. Como todos os arquivos tem regras de acesso, que podem ser mais ou menos restritas. Na realidade permaneceu sem acesso público até ao final do século XVIII. Actualmente pode ser consultado.

Até ao século XVII estava integrado na Biblioteca do Vaticano. A 23 de julho de 1630 Urban VIII estabelece a autonomia do Arquivo Secreto Vaticano da Biblioteca Apostólica.

O documento mais antigo em depósito neste arquivo parece ser apenas do século VIII. São oito séculos sem arquivo desta instituição. Podia ser um pormenor apenas. Mas não o é. Os arquivos espelham a actividade das organizações que os produzem. E os documentos que o constituem têm antes de mais, valor probatório. Quer dizer que são a fonte de verdade. Só depois ganham ou não valor histórico. Sendo que não há história sem esses documentos fonte.

O segundo período da história da igreja é o da escassez documental que se estende até ao século XII, mais concretamente até 1198.

Daí em diante o arquivo é mais digno do nome e função.

Foi a partir de 1881, no tempo de Leão XIII, que os arquivos passaram a a poder ser consultados e estudados por não clericais. A reserva de confidencialidade é actualmente de 75 anos para o ASV. A partir daí é possível a consulta a investigadores sem restrição de país ou religião.

Por curiosidade o 'Archivum Vetus - continuará a preservar os documentos mais antigos e preciosos da Santa Sé, armazenados em armários de madeira e classificados por áreas geográficas. E como também é natural nos arquivos, o seu crescimento dita a necessidade de novos depósitos que no ASV foram inaugurados por João Paulo II em 1980 e se denominam “Bunker”. De resto há salas mais antigas também com denominações. O Piano Nobile, os salões de Chigiane e as salas evocativas da Torre dei Venti.

É calculado que o ASV acolha anualmente cerca de 1.500 académicos de mais de 60 países, fornecendo-lhes quatro Salas de Estudo, todas equipadas com tomadas de energia para computadores pessoais: uma sala para consulta de documentos originais, duas salas para consulta de material impresso e visualização de reproduções digitais de documentos e uma sala para consulta de inventários e outras ferramentas de pesquisa.

Como em qualquer arquivo, o percurso de investigação inicia-se nos índices, que no ASV a “Sala Indici” tem o nome de “Leone XIII”, entre outros mais modernos, naturalmente, os investigadores podem ainda satisfazer a sua curiosidade acedendo ao seu mais antigo instrumento de pesquisa. O Calendário Garampi", datado de 1881. A sala de leitura denomina-se “Pio XI”. As referências estão numa sala denominada “Sisto V”.

Os depósitos são vários e localizados em vários edifícios, o que resulta naturalmente do seu crescimento.Como não podia deixar de ser num arquivo de grande qualidade têm espaços específicos para os diversos suportes documentais e em condições adequadas de temperatura e humidade relativa, sistema de termo-ventilação, sistema de combate a incêndios e um sistema de iluminação de emergência.

Mas o ASV não se limita apenas à sua função primordial de custódia da documentação grada pelo Vaticano. Tem também uma escola de paleografia e crítica aplicada (Diplomática) com mais de cem anos. Fundada por Leão XIII em 1884. Três anos após se iniciar o primeiro índice do ASV. Essa Escola Vaticana de Paleografia, Diplomática e Arquivo pode ser visitada.

A pesquisa no Arquivo Secreto do Vaticano é gratuita e aberta a académicos qualificados, que têm interesse em realizar investigações científicas. O requisito necessário é a posse de grau universitário. A obtenção da autorização implica a apresentação de documentos da instituição de investigação a que se pertence e a carta de motivação da pesquisa e uma carta de recomendação de académico qualificado no âmbito da pesquisa. Cada pedido de consulta tem a duração máxima de três meses. Pode ser feita electronicamente e numa semana tem a resposta

Fonte:

http://asv.vatican.va/content/archiviosegretovaticano/it.html

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:15
link do post | comentar | favorito
Domingo, 8 de Outubro de 2017

Blog e Rádio sobre bibliotecas e arquivos

transferir.jpg

 

Na Universidade de Salamanca há um blog de título “Universo aberto”. É um blog da  biblioteca da faculdade de Traducción y Documentación da Universidade de Salamanca.

Há também um programa de rádio semanal sobre arquivos e bibliotecas. O título é:  “Planeta Biblioteca”. Fica o link para poderem apreciar um dos programas. Este dedidado aos livros electrónicos e à leitrua digital.  

https://www.ivoox.com/planeta-biblioteca-2017-07-26-libros-electronicos-lectura-digital-audios-mp3_rf_20008857_1.html

publicado por antonio.regedor às 15:05
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 16 de Março de 2016

Editoras, Especialização, Nichos de Mercado

304890437_1fa1854f01.jpg

Especialização de Editoras, em temámitas com nichos de mercado definido

Como que em contraponto à tendência de concentração editorial, surgem pequens novas editoras especializadas e focadas em nichos de mercado definido e nalguns casos estruturado. A grande editora conglomerado de marcas editorias  visa a venda do livro como mercadoria de grande rotação independentemente do tema, da qualidade da improtância cultural ou social.

Abrem-se assim alguns  espaços deixados livres no mercado editorial pelas grande editoras.

Já há vários anos tinha reparado no fenómeno particular da editira TREA que deslocalizada na pequena cidade de Gijón nas Astúrias tinha o seu caálogo focado em títulos de biblioteconomia, documentação e arquivo.  Recentemente o jornal público no seu suplemento P3 dá conta de várias editoras de arquitectura. http://p3.publico.pt/cultura/arquitectura/19909/cinco-editoras-portuguesas-que-andam-com-arquitectura-costas

No texto do P3, da autoria de Amanda Ribeiro dão-se contas das seguintes editoras especializadas em Arquitectura:

A+A Books

Começou por livraria há vinte anos fundada por Maria Melo e evoluiu para editora biling.

 

Dafne

Com quinze anos fundada pelo arquitecto Domingos Tavares. Edita dois a seis títulos por ano com tiragens de cerca de mil exemplares.

 

NOTE

 Fundada pela arquitecta e curadora Bárbara Silva

 

Circo de Ideias

Nasceu no Porto em 2008 como associação sem fins lucrativos fundada por Pedro Baía, Joana Couceiro, Magda Seifert e Gonçalo Azevedo, Em 2014 abriram, no Bairro da Bouça,  uma livraria especializada em Arquitectura. No Bairro, que é um desenho de Siza Vieira, há vários escritórios de arquitectura e concentra como moradores um significativo número de arquitectos.

 

Monade

Fundada pelos arquitectos João Carmo Simões e Daniela Sá,

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:45
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Julho de 2012

Ciência da Informação: contributos para o seu estudo

publicado por antonio.regedor às 17:51
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 13 de Setembro de 2010

Coerência de formação na área das Ciências da Informação e Documentação

 

Conheço imensos técnicos profissionais de biblioteca e arquivo a desempenhar tarefas que seriam normalmente do conteúdo funcional de técnicos profissionais. Mas porque não possuem licenciatura ou pós-graduação não são reconhecidos, estão impedidos de progredir profissionalmente e dão conta que outros menos competentes lhes passam à frente.

Os trabalhadores dos centros de documentação, das bibliotecas e arquivos, principalmente da administração pública,  sem se darem conta correm o risco de serem ultrapassados por entradas na sua área de trabalho de pessoas sem qualquer formação específica.

Só a formação e continuação dos estudos fará a diferença em relação à enorme pressão dos indiferenciados virem a concorrer com os seus postos de trabalho.

A diferença com os indiferenciados faz-se pelo reconhecimento das competências que os técnicos de biblioteca e arquivo possuem. Estas competências foram adquiridas  em formação inicial mais ou menos alargada  e mas  principalmente durante o percurso profissional do desempenho das suas actividades.

Ser competente profissionalmente de nada serve se o seu currículo não contar também com os certificados académicos que correspondem às suas competências.

Tenho-me dado conta desta realidade pelo  contacto com os meus alunos da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da  Universidade Fernando  Pessoa onde funciona mais uma vez este  ano, a Licenciatura, a Pós-graduação  e o Mestrado  em Ciências da Informação e Documentação.

Ainda bem que há instituições que garantem a coerência de formação na área das Ciências da Informação e Documentação.

publicado por antonio.regedor às 15:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds