.posts recentes

. Elle foi à Pharmacia

. (DES)ACORDO ORTOGRÁFICO

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 3 de Setembro de 2019

Elle foi à Pharmacia

transferir.jpg

 Se a língua é viva e se vai modificando, a escrita vive em anarquia. Cada um escreve como lhe apraz. Uns por saber escrevem de uma forma, outros de forma diferente por não saber. Há até os que sabendo fazem as suas abreviaturas para escrever mais depressa e outros por comunicação tecnológica rápida, abreviam ainda mais. Não deixa no entanto de haver uma forma oficial da escrita da língua. Normalmente essa forma oficial serve para normalizar. Ou talvez não, quando a norma não se apresenta de forma aceitável, convincente, razoável, evidente. E aquilo que devia uniformizar, diversifica. Desde 1990 que um acordo ortográfico provoca o desacordo na escrita da língua. Passou a haver o que se diz ser a escrita de acordo com o acordo, e a escrita que não segue o acordo. Já são duas escritas. E isso é problema? Não, nem nunca o foi. 

Em 1911, houve uma reforma ortográfica. Os Brasileiros tinham feito uma reforma ortográfica em 1907 e vieram a fazer  um formulário ortográfico em 1943.  Eu nasci já depois de 1945, data de um acordo ortográfico assinado com o Brasil. E no entanto bem gostava de ver a letra bonita, corpo redondo ou  esguio, ascendentes a traçar laços como bordados, de bengalas a desenhar ganchos perfeitos, ou a terminar com orelhas ou esporas de toque feminino que só a mão firme, determinada, segura como era o seu perfil psicológico fazia corresponder ao modo e ao  que a minha avó escrevia. Ella que escrevia de acordo com a ortographia anterior a 1911. E ela continuava a escrever El.  E quando se queria referir a outra pessoa escrevia elle, com dois eles claro. A minha avó nasceu ainda no século XIX. A ortographia della compreendia o comprar phosphoros, ir à  Pharmacia e ficar exhausta. Prohibia as minhas asneiras, mas deixava collocar os brinquedos pela casa.. E muitas outras formas de escrever aqueles signos  que eu já tinha aprendido diferente.  Que saudade tenho de a ver escrever e de  ler o que ela escrevia.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:34
link do post | comentar | favorito (2)
Sábado, 14 de Abril de 2012

(DES)ACORDO ORTOGRÁFICO

O desacordo criado pelo acordo ortográfico parece durar por muito mais tempo.

A evolução da língua provoca destas coisas.

E como as opiniões deverão continuar a aparecer, decidi deixar aqui o registo daquelas que for encontrando.

Aqui está uma:

 

O Acordo Ortográfico: inútil e
prejudicial

ANSELMO BORGES 14 Abrl 2012 
no Diário de Notícias

 

Escola vem do grego scholê, que significa ócio. Mas este ócio nada tem a ver com preguiça.
Do que se trata é do tempo livre para o exercício da liberdade do pensar, do
aprender e do tornar-se cidadão enquanto ser humano pleno e íntegro, numa
sociedade livre. Sempre pensei - uma das heranças do meu pai - que a escola
deve ser o lugar da saída da ignorância e da opressão, em ordem ao progresso e
à realização plena do ser humano. Lugar de educação e formação.

 

A palavra educação vem do latim: educare (alimentar) e educere (fazer sair, dar à luz,
elevar). Cá está: alimentar e fazer com que cada um/a venha à luz, realizando
as suas potencialidades, segundo o preceito paradoxal de Píndaro: "Homem,
torna-te no que és": o Homem já nasce Homem, mas tem de tornar-se
plenamente humano.

 

Aí está a razão da educação como o trabalho mais humano e humanizador, de tal modo que o
filósofo F. Savater pôde justamente considerar os professores "a
corporação mais necessária, mais esforçada e generosa, mais civilizadora de
quantos trabalham para satisfazer as exigências de um Estado democrático".
Porque o que é próprio do Homem não é tanto aprender como "aprender de outros
homens, ser ensinado por eles".

 

Claro que, assim, sou a favor de uma formação holística. O ser humano não pode crescer
apenas no plano científico e técnico: precisa também da estética, da ética, da
literatura, da filosofia, da música, da história, da geografia, da religião...
Mas julgo que o Português e a Matemática são fundamentais.

 

E é aqui que se coloca a questão do Acordo Ortográfico. Para que serve? Unificar a
ortografia? São tantas as excepções que não se vê unificação! E a Inglaterra
preocupa-se com a unificação do inglês? E ainda não foi ratificado por Angola e
Moçambique. O jornal oficioso Jornal de Angola escreveu mesmo, justificando a
sua não aceitação: "não queremos destruir essa preciosidade (a língua
portuguesa) que herdámos inteira e sem mácula" e: "se queremos que o
português seja uma língua de trabalho na ONU, devemos, antes de mais, respeitar
a sua matriz e não pô-la a reboque do difícil comércio das palavras. Há coisas
na vida que não podem ser submetidas aos negócios".

ANSELMO BORGES

http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=2419561&seccao=Anselmo%20Borges&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco

publicado por antonio.regedor às 11:43
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds