.posts recentes

. Golfe e Ética

. Ética e comunicação

. Livro e Ética

. A esquerda cumpre hoje, n...

. Estado, Ética, Governaçã...

. censura na net

.arquivos

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sexta-feira, 10 de Julho de 2020

Golfe e Ética

Golfe não se joga contra o outro. Joga-se com o outro. Os jogadores têm níveis de jogo diferente. Respeita-se o nível decada um. Podem jogar em conjunto jogadores com níveis diferentes. Cada um procura melhorar o seu jogo. Em cada dia que passa quer aperfeiçoar. O objectivo não é o melhor ganhar ao outro. O objectivo é que os dois melhorem, todos melhorem as suas competências. É portanto um jogo de aperfeiçoamento pessoal.

É um jogo de cordialidade social. Os jogadores cumprimentam-se e desejam um bom jogo aos seus companheiros. Não o perturbam na sua vez de jogar. Ajudam-no a identificar o local de queda da bola e se necessário ajudam à sua procura. Só avançam após o último jogar e esperam sempre pelo que vai mais atrasado. Não deixam ficar ninguém para trás. Partilham da alegria de boas jogadas e felicitam o jogador que as faz. Podem jogar em conjunto homens e mulheres, adultos e jovens. Pode ser um jogo para toda a família.

Cada jogador marca as suas “pancadas” (vezes que bate a bola). Marca também a dos companheiros para conferência. Só precisa de regras, não de árbitros.

No final agradece a partilha do jogo.



Golfe e Ambiente

Joga-se em espaços abertos. Arborizados com preocupação de diversidade vegetal e de plantas autóctones. Sobreiros, Castanheiros, Carvalhos, Acer, Choupos. Fruteiras também. Conheço um campo onde uma das saídas é do meio de uma vinha. Há também arbustos como azevinhos, loureiros, giesta, tojo, carqueja e muito mais.

E também na presença de fauna diversificada. Aves, mamíferos, herbívoros, roedores, répteis, anfíbios. É comum verem-se coelhos, perdizes e até esquilos.

Há elementos estéticos presentes, como a proximidade de rios ou mar. A água está muito presente em lagos naturais ou artificiais. E é cada vez maior a preocupação com o consumo de água, conhecendo um campo onde há plantas purificadores da água num dos lagos, ou ainda a utilização de água de estação de tratamento de aguas residuais (ETAR) para a rega.



Golfe e o respeito pelo campo.

O princípio do golfe é que todos jogamos com as mesmas condições de campo. Isto implica que cada um deixe o campo como o encontrou. Limpo e conservado. Os jogadores causam impacto sobre a natureza, mas preocupam-se por minimizar. Pela extensão e tempo, os jogadores podem durante o jogo beber água ou comer alguma coisa. No entanto usam os caixotes de lixo do percurso ou no final deixam os seus lixos nos locais adequados. Nada fica no campo. Se por acção do jogo levantam alguma relva, voltam a colocá-la, minimizando o impacto e encurtando o tempo de reparação do campo. Se a bola causa impacto maior em zona mais sensível como é o green, usam uma pequena ferramenta denominada pitch repair para recolocar o green em boas condições.



O golfe não é só uma prática desportiva, é igualmente uma escola cívica.

 

Antóno Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:13
link do post | comentar | favorito (1)
Quinta-feira, 25 de Junho de 2020

Ética e comunicação

IMG_20200624_173109.jpg

 

Para Max Weber as questões éticas, sendo do domínio da razão, colocam-se ao nível das práticas sociais.

A acção moral compreende dois aspectos essenciais. A subjectividade (o sujeito) e a razão (dimensão racional). Assim, o sujeito responde pelas suas acções.

João Pissarra Esteves considera haver um reconhecimento do papel dos media como sinal da importância da comunicação da vida social. Entende igualmente que entre ética e comunicação há uma intersubjectividade de responsabilidade ao nível dos comportamentos morais. E é essa intersubjectividade que impede que a noção de responsabilidade se transforme em mera ilusão (ideologia)

João Pissarra Esteves afirma que reduzir a ética à deontologia seria trágico. Entendendo a ética em sentido restrito do conjunto de regras para a realização da actividade profissional conduziria a uma ideologias do profissionalismo. Seria um objectivismo entendido na ausência de Razão Prática, ou seja a responsabilidade de responder com responsabilidade. Uma desresponsabilização do sujeito com valores. O sujeito ético.

Marshall McLuhan 1962 afirmava já que uma nova tecnologia que prolonga os nossos sentidos, provoca um novo relacionamento social. A intervenção dos media no meio social funciona como intermediação. E cria e impõe a sua própria realidade. E a propósito da tecnocracia João Pissarra Esteves afirma que a reificação da solução técnica produz desproblematização dos agentes com valores (universo ético).

A natureza do raciocínio ético é comum à ciência. Procura assumir um carácter problemático à determinação do que é realmente verdadeiro (wirklichkeit) ou realmente justo, assumindo o real um carácter objectivo e universal.

Finalmente segundo Stephan Toulmin “em ética, como em ciência, as referências à experiência pessoal (sensível e emotiva) são substituídas por Juízos que procuram a universalidade e a imparcialidade”



Esteves, João Pissarra – A Ética da comunicação. Lx: FCG. 2003

McLUHAN, Marshall - La galaxie de Gutenberg. Paris: GAllimard. 1962

TOULMIN, Stephan E. - El puesto de la razón en la ética. Madrid: Alianza. 1960

WEBER, Max - Essai sur la théorie de la science. Paris: Plon. 1922

 

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 19:41
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 23 de Abril de 2020

Livro e Ética

IMG_20200423_165051.jpg

Hoje Dia Mundial do Livro estou a iniciar a leitura do livro “Horizontes da Ética: Para uma cidadania responsável”  do meu amigo João Baptista Magalhães.  É uma edição da Afrontamento em 2010.  Justifica-se até pela proximidade com a data em que a ética venceu a barbárie. A comemoração do 25 de Abril de 1974. 

Também hoje iniciei com o meu neto um conto a quatro mãos inspirados no tempo presente de covid.   

publicado por antonio.regedor às 16:57
link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Janeiro de 2016

A esquerda cumpre hoje, necessariamente, as reivindicações da social-democracia

9780199241378.jpg

Pacheco Pereira continua filósofo clarividente.  E nem lhe é difícil a tarefa. Basta continuar a pensar as questões que o vulgar julga como certas e imutáveis.

Nesta excelente reflexão aborda a vitória ideológica da chamada “direita” que não será mais do que o encostar da social democracia ao neoliberalismo.  E a vitória da esquerda que assumiu as lutas e reivindicações que já foram da social-democracia. E que ao defender coisa tão simples como o estado social é apelidade de radical. Afinal a esquerda radical está hoje a cumprir o programa que historicamente era pertença da social democracia e do estado social capitalista.

Pacheco Pereira refere  a crítica da direita ao “viver acima das suas posses”, que significa a  culpabilização dos consumos típicos da classe média. A culpabilização por se querer sair da memória da pobreza ainda presente nos anos 60 e 70.  Porque é que  qualquer um de nós que gosta de comemorar os anos 80, não se lembra de comemorar os anos 60? Porque simplesmente nada  há a comemorar desses anos cinzentos,  opressivos e repressivos, tristes, pobres e famintos.  A culpabilização dos novos consumos da classe média, e o terrorismo de estado que foi lançado contra essa mesma classe média levariam inevitavelmente  à regressão a esses tempos dos anos 60 e aos buracos nas estradas que já se começam a sentir.

A ascenção social  e o surgimento de uma classe média em  portugal foi proporcionada pela escola pública. É o ódio neoliberal à classe média que leva igualmente a atacar a escola pública. E lembramo-nos de imediato que foi nos países social democratas que a escola pública, as políticas de leitura e de leitura pública através das  políticas de redes de bibliotecas fixas e itinerantes que fez desses países cultos, desenvolvidos, éticos, justos, educados e ricos.  Pacheco Pereira nota bem que essa luta abandonada pelos social-democratas  é agora a dos tais radicais de esquerda.

O mesmo repara o autor, que referimos,  no que diz respeito ao programa social, como seja a reposição de salários e pensões que não é mais do que a base do contrato social que enforma a social-democracia.

E dá conta Pacheco Pereira que: “ Ainda recentemente ouvi com atenção uma intervenção de Marisa Matias fazendo para mim uma classificação interior daquilo que era ideologicamente de esquerda, tudo era da mais pacífica doutrina social da igreja, podia ser dito pela Caritas, por um democrata cristão ou um social-democrata se ainda os houvesse. Até o Papa Francisco, nestes termos, estaria muito mais à esquerda.” E mais não é necessário acrescentar. “É por isso que um deputado do ex-PaF se dizia muito surpreendido por o Bloco de Esquerda defender o feriado do Corpo de Deus” adianta Pacheco Pereira. Depois do arremesso da pedra da austeridade por culpa da dignidade ontológica de uma classe média emergente, maioritariamente social democrata, é o Bloco de Esquerda  no respeito da laicidade que vem em defesa do respeito de uma profissão de fé.

Tem ainda Pacheco Pereira de referir o jornalismo de analfabetos, tacanhos e  ideologicamente amestrados  jornalistas. E para terminar dizendo: “Para combater a ideologia da direita radical precisamos de algum retorno à moralidade, como os espanhóis compreenderam com as suas “marchas pela dignidade”.

 

Texto de comentário ao artigo publicado em:

http://www.publico.pt/politica/noticia/derrota-ideologica-e-vitoria-politica-1720334?page=2#/follow

 

publicado por antonio.regedor às 17:56
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Abril de 2013

Estado, Ética, Governação - ideias e valores em mudança"

A data condiz perfeitamente com o tema do Serão da Bonjóia.

O tema é: " Estado, Ética, Governação - ideias e valores em mudança"

A conferencista  é a Professora Catedrática Prof. Doutora Judite de Freitas.

A sessão, claro está, é na Quinta da Bonjóia - Rua de Bonjóia, 185. Campanhã

Dia 25 de Abril,( 5ª feira) pelas 21h15. Con entrada grátis

publicado por antonio.regedor às 12:10
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Maio de 2007

censura na net

É preocupante a tentativa de controlo da vida e do pensamento dos cidadãos.

A Internet quebrou o ponto único de emissão. Produziu uma ruptura no modelo de  emissor único para a totalidade da massa receptora. Este modelo surgiu no contexto histórico da sociedade industrial e de consumo de massas. Proporcionou a constituição dos monopólios e das multinacionais. Foi útil para a  formação do pensamento único.

Hoje, na sociedade da informação e do conhecimento a Internet proporciona a comunicação de todos para todos. Quebra o monopólio. Potencia a liberdade de expressão de pensamento e de opinião. É isso que faz vários governos tentar controlar a Internet. Um estudo da OpenNet Initiative denuncia casos de censura online em 25 países. As motivações políticas, os conflitos de ideais, a sexualidade e a diferenças culturas são alguns dos temas sujeitos a bloqueio na rede. Convivem mal com a liberdade dos indivíduos. A Internet contém todos os tipos de riscos que existem fora dela. Nem mais nem menos. A ética na sociedade física não é diferente da que se exige na Internet. O que temos é que estar preparados para nova dimensão da nossa vida. O que não é admissível é que se usem os falsos  pretextos da política, das ideias, do sexo ou das culturas para restringir a liberdade dos cidadãos.

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 00:03
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds