.posts recentes

. "Lego" na Biblioteca

. Directrizes. IFLA Guide...

. Luto

. Mercantilização da Ciênci...

. O Império repete-se. A mo...

. Direitos de autor e digit...

. Começa mal o programa eur...

. Arquivo Secreto do Vatica...

. O Molhe de Carreiros no C...

. O Molhe de Carreiros

.arquivos

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segunda-feira, 12 de Março de 2018

O Porto pelo olhar de Manuel Vitorino

porto panorâmica.jpg

 Um texto Belo e Bem feito.  Por um jornalista, que escreve bem. Dos jornalistas que já não há.  Infelizmente, também para eles.

Um texto sobre a cidade do Porto. Bela e renascida. Ou mesmo nunca tão Bela e tão Bem frequentada.

Uma memória que nos faz gostar ainda mais do futuro.

Um texto do meu amigo Manuel Vitorino a quem endereço um Grande Abraço.

António Regedor

 

 

Texto de ManuelVitorino

 

OPINIÃO

“O Porto da minha infância” abriu-se ao Mundo e mudou a face urbana

 

“O Porto tem uma atmosfera muito especial. Ainda não perdeu a sua identidade. Ainda

vejo lojas tradicionais, bairros antigos e gente boa”, dizia-me, há dias, um amigo italiano,

 de Turim que, mal aterrou no Aeroporto Francisco Sá Carneiro deslumbrou-se pela cidade

 

       

 “Vim da neve para o sol”, sorriu feliz e contente, mais ainda por provar um saboroso “prato de tripas” e depois, ter dado um pulo a Serralves onde, coincidência feliz, está patente a notável exposição da artista italiana Marisa Mers (Turim, 1926).

O que tem o Porto de especial? Sim, eu sei que é a melhor cidade do mundo para viver (nasci por aqui há alguns anitos) mas quero crer que a cidade de Eugénio, Agustina e Garrett soube juntar património, modernidade, tradição e cultura, sem esquecer a hospitalidade e segurança para vencer outras capitais apostadas no reconhecimento e
igualmente cheias de monumentalidade como Paris, Roma, Londres.

A imprensa internacional (jornais e revistas) continua a dedicar ao Porto várias páginas e, em competição com outras urbes europeias, ganha-lhes a palma de ouro. A última vez aconteceu no ano passado ao arrebatar o prémio de Melhor Destino Europeu em 2017. A cidade está de parabéns e tal como o meu amigo italiano, milhares de turistas visitam, anualmente, a Casa da Música, Museu de Serralves, deslumbram-se com a igreja e a torre dos Clérigos, fazem “selfies” no Palácio da Bolsa e diante dos azulejos de Jorge Colaço na Estação de S. Bento, na Universidade do Porto e no Centro Português de Fotografia, ou as galerias Mira Fórum, em Campanhã (onde estão sempre a acontecer mil e uma coisas ligadas à fotografia e às artes performativas) mais as belezas do Douro e suas pontes, sem esquecer as delícias dos bons vinhos e gastronomia (em nenhum país da Europa ainda se consegue jantar tão bem e barato como na Invicta…) mais as artes e a cultura. A metamorfose acontece e só não vê quem não quer.

Regeneração urbana

Basta dar um pulo à Baixa para ver a regeneração urbana, a quantidade de guindastes no alto das fachadas dos prédios muitos deles até há alguns anos em ruínas ou abandonados, tropeçar nas ruas sempre cheias de turistas, descer a Rua das Flores, porventura a mais bonita da cidade ou subir Mouzinho da Silveira e perceber a revolução urbana levada a efeito nos últimos anos. E constatar uma certeza: o turismo já não é apenas sazonal, acontece todos os meses do ano e contribuiu para mudar radicalmente a face urbana da cidade.

Queira-se ou não o Porto do séc. XXI já não tem nada a ver com o Porto cinzentão e triste do século passado, onde era quase proibido circular à noite em Sampaio Bruno ou em Sá da Bandeira, ruas desertas após o fecho dos escritórios e comércio, passo apressado até à paragem do autocarro. A cidade adormecia. Até ao dia seguinte.

Quanto às artes pouco ou nada acontecia. Existiam muitos cinemas que, devido às modas e à contínua desertificação da cidade foram fechando portas; algumas peças de teatro de revista no Sá da Bandeira, meia dúzia de galerias de arte, com papel de destaque para a pioneira Alvarez do pintor Jaime Isidoro e a galeria 2, mais a “111” do colecionar de arte Manuel de Brito, em D. Manuel II, sem esquecer muitas outras que, tiveram vida efémera, como, por exemplo, a galeria Abel Salazar (do pintor João Martins) na Rua do Barão de Forrester, à Ramada Alta.

E depois, existiam algumas instituições culturais que, contra ventos e marés, souberam resistir à Censura e ao Fascismo: o TEP de António Pedro, cujo teatrinho de bolso nunca devia ter sido demolido; o Cineclube do Porto, à Rua do Rosário, mais Os Modestos (cujo edifício em ruínas dará lugar a um hotel); a Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto, mais o Clube dos Fenianos Portuenses, Ateneu Comercial do Porto, Teatro Universitário do Porto, o Círculo de Cultura dos Operários Católicos do Porto, o Orfeão do Porto, o Museu Nacional Soares dos Reis que, entre outras actividades expositivas acolheu, em meados da década de 70, o Centro de Arte Contemporânea
(CAC) orientado pelo crítico e historiador de arte Fernando Pernes cuja persistência e dinamismo o Porto muito devem no aparecimento do Museu de Arte Contemporânea de Serralves.

Brendel sem público no Rivoli

Sem agenda cultural digna de registo só restava aos portuenses uma opção para quem queria (e podia) admirar arte, pintura, escultura e fotografia ou assistir a concertos: viajar até Lisboa, apanhar o comboio “Foguete” (cujo bilhete à época custava 500 escudos, 2, 5 euros actuais) e rumar até à Fundação Calouste Gulbenkian cuja actividade cultural e filantrópica continua ontem como hoje a ser assinalável e merecedora de todos os elogios.

Na memória retenho um facto histórico e revelador da falta de investimento na educação pela arte, conhecimento e consequentemente, no afastamento do grande público para a fruição cultural. Em 1983, no âmbito do Festival de Música da Póvoa de Varzim, o Teatro Rivoli abriu portas para um recital com o grande pianista Alfred Brendel (n. 1931) já na altura laureado e afamado intérprete de Mozart, Beethoven e Brahms. A sala estava semi-deserta e soube depois, apenas foi composta graças à presença de algumas dezenas de espectadores vindos de Lisboa que, quando souberam da presença de Brendel no Porto, alugaram um autocarro e vieram à Invicta ver e ouvir o famoso pianista.

Passados alguns anos, em 2005, Brendel veio à Casa da Música para inaugurar a temporada de piano e a Sala Suggia encheu-se de público entusiasta. E em Outubro de 2018 o lendário pianista austríaco – que entretanto abandonou os palcos – voltará à Casa da Música para uma palestra recital intitulada “On Playing Mozart” e desta feita, desvendar alguns dos segredos da sua longa carreira artística e referência mundial do piano. Tenho a certeza que o concerto será bastante concorrido.

 

Volvidos alguns anos não foi só a urbe que mudou. O modo de encarar e fazer cultura entrou nos hábitos do espectadores. Tudo é diferente. As salas de teatro, os espectáculos de artes performativas e os concertos
estão quase sempre lotadas, as exposições têm um público fiel, o Centro Português de Fotografia, o Teatro Nacional S. João, Serralves e a Casa da Música são destinos frequentados por milhares de visitantes.

Como não podemos perder a memória, será da mais elementar justiça evocar Paulo Cunha e Silva, um visionário da Cultura, das Artes e das Ciências, um homem sábio que seguiu à risca um dos pensamentos do grande Mestre Abel Salazar (“um estudante de Medicina que só estudou Medicina nem Medicina sabe”) e que cruzou as artes, todas as artes e que colocou a Cultura como centro de toda a sua vida e pensamento.

Depois dos “anos de chumbo” levados a efeito por RR (um dos períodos mais negros na história do Porto…) a cidade elegeu,  pela primeira vez, um vereador da Cultura à altura dos seus pergaminhos, cujo modo de observar a “cidade líquida” marcou para sempre as artes, o modo de programar culturalmente uma grande metrópole.

Sim, o Mundo Mudou. O Porto também. Eu prefiro o Porto de hoje ao Porto de antigamente.

 

 

 

MANUEL VITORINO

Nasceu no Porto (Paranhos). Estudou História na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, depois tirou uma Pós-Graduação em Direito da Comunicação, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Escreveu durante anos sobre cinema n'O Primeiro de Janeiro e trabalhou 23 anos no Jornal de Notícias. Faz parte da Direcção do Grupo dos Amigos das Adegas e Tascos do Porto. Depois da cidade, gosta do FCP, mas também de caminhar pelo vale do rio Bestança. A Itália é o seu destino de eleição. Mantém em permanência o blogue Mau Tempo no Canal.

 

 

publicado por antonio.regedor às 10:13
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
14
15
16
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds