.posts recentes

. Troleicarro

. As turfeiras

. Poemas da Ilha do Porto S...

. Somos essencialmente água

. S. Pedro de Rates

. Vila Real de Panóias

. As Raízes do Wahhabismo

. Tresminas

. Reciclagem (2)

. Coisas de ambiente e reci...

.arquivos

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2022

Ciber crime

expressso.png  

O jornal Expresso foi alvo de um ciber ataque que lhes destruiu cinquenta anos de  arquivo histórico.

O ataque ao Expresso levanta pelo menos três problemas

  1. O crime que deve ser tratado como tal.

Este tipo de crimes são muito graves. É uma forma de criminalidade sofisticada, perigosa, que põem em causa diversos direitos fundamentais do nosso modelo civilizacional e do Estado de Direito. O roubo de dados económicos e principalmente os pessoais, para com eles chantagear e exigir resgates, pões em causa o direito à privacidade dos cidadãos, à protecção das suas informações pessoais, quer sejam fiscais, económicas, de saúde ou quaisquer outras.

O ataque ao Expresso, que aqui uso como exemplo e pretexto para reflexão, não é caso único. Sabemos que ocorrem ataques similares a este frequentemente a diversas instituições. Públicas, de soberania, de segurança, fiscais, de saúde, empresas, e muitas outras.  O ataque às instituições  é extensivo ás pessoas que dependem ou interagem com essas instituições. É portanto um ataque a todos. E um crime contra  toda a sociedade deve ser tratado como tal.

 

  1. A custódia de informação

Actualmente os arquivos da maior parte das instituições estão na “cloud”, que não e mais do que um servidor que armazena os dados de memória das instituições.  É fornecido por empresas privadas, com inconvenientes que pode acarretar.

O armazenamento  da produção digital de todo o tipo de informação para memória histórica deve merecer a maior confiança e não deve ser exclusivo.  Para esta questão, tal como existe para os  documentos  analógicos (livros, jornais, discos e outros) deve colocar-se com grande rigor o problema do Depósito Legal (Lei que obriga os editores a depositar numa instituição do estado uma cópia da sua produção informativa.

A Lei do depósito legal para os vários documentos analógicos sempre foi uma garantia de memória. 

A produção digital, deve merecer muita atenção quanto à sua preservação. Para além da questão de segurança coloca-se também a fragilidade do digital em manter, conservar e preservar a memória documental que produz.  Fica evidente a necessidade de um repositório público em condições de segurança para memória futura. Para que a História se possa fazer.

 

  1. A terceira questão é da confiança tecnológica

Toda a actividade social, económica, de saúde, segurança, académica está assente em plataformas digitais. É a plena sujeição ao risco de colapso por falha dos sistemas, por acção criminosa, ou terrorista,  ou ambiental. É um enorme risco estarmos dependentes  exclusivamente do suporte digital.   Risco por toda a nossa vida, em casa, no emprego, na segurança, na saúde, estar suportada em sistemas informáticos que quando menos se espera podem ter uma quebra, e em cadeia provocar um enorme blackout. 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:13
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds