.posts recentes

. Energia para a fusão nucl...

. NUCLEAR. Os Fracassos e ...

. Semana da Mobilidade

. Núcleo do Museu Ferroviár...

. Ecopista do Tâmega

. Centro Ambiental em Cabec...

. O Poço do Frade

. "Feira do Livro" Porto 20...

. Ramiro

. O Antropoceno

.arquivos

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quarta-feira, 31 de Agosto de 2022

O Antropoceno

antropoceno livro.jpg 

Foi um amigo que me alertou para este tema. Um seu amigo tinha feito um estudo sobre o assunto e publicava o resultado do seu estudo de Mestrado.  Acabei por conhecer o autor  numa reunião cívica. E o tema do livro é fascinante pela actualidade  e medonho pelo que imaginamos que possa vir a acontecer ao planete por acção humana.

Antropoceno é a designação cada vez mais consensual na comunidade científica para designar as evidências científicas  da acção da actividade humana  sobre o ecossistema da Terr nas últimas décadas, dois séculos ou mesmo para alguns mais tempo atrás. São mudanças resultantes da introdução de materiais não produzidos ela natureza como o plástico, betão, radionuclídeos artificiais, radiosótopos. São evidentes alterações nos ciclos do carbono, nitrogénio, fósforo. São as situações mais conhecidas da subida do nível do mar, as alterações climáticas com o aquecimento global traduzido no aumento da temperatura média da terra, a redução da biodiversidade. Ou ainda as alterações na camada de ozono, a utilização de sementes e plantas geneticamente modificadas. Tudo isto suscita  “o surgimento de um novo tempo geológico” que se expressa pelo neologismo Antropoceno.

E é disto que este livro de Rui Sousa Basto nos fala. Com o título “A Singularidade Humana do Antropoceno” o autor expressa o resultado do seu estudo  de Mestrado em Filosofia Política. O livro é deste ano de 2022 editado pela Humus.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:10
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 30 de Agosto de 2022

Stress Hídrico

Infografico_Estresse_Hidrico.jpg 

As alterações climáticas não se podem negar. Não se trata apenas de facto científico, é também evidente do ponto de vista empírico. Já todos damos conta das mudanças. O stress hídrico é mais um entre vários indicadores das mudanças climáticas. A comunidade científica inclina-se para considerar o actual tempo geológico,  produzido  essencialmente pela acção humana, designando-o pelo neologismo “Antropoceno”.

No caso concreto ilustrado pela foto verificamos que Portugal não está afastado das consequências climáticas por falta de água. A Península Ibérica, pela posição da Espanha no ranking de stress será dos territórios severamente atingidos. E sabemos que a falta de água em Espanha significa consequentemente  a falta de água em Portugal.   E a gravidade é tal que Espanha aparece em pior posição que a Túnísia um país do Norte de África onde o problema se colocaria de forma mais acentuada.  É assustador tal previsão. As acções de retenção de águas para os diversos usos são absolutamente necessárias. E cada um pode fazer alguma coisa para seu interesse e para o bem comum.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:59
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 29 de Agosto de 2022

 O Ditador e a Cama de Rede

Pennac.jpg 

Daniel Pennac diverte-se a escrever  sobre sósias neste romance que tem por título: “  O Ditador e a Cama de Rede". Este livro é editado pela ASA já em 2006. Eu já conhecia o autor do livro “Como um Romance” e esse fascinou-me ainda mais. Francamente achei-o muito superior. Foi também publicado pela ASA e 2002.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:59
link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Agosto de 2022

Fórmula 1

f1.jpg 

Recordo numa ida à praia com o meu pai  e ter visto estes carros de fórmula 1. Par mim foi um espanto, até pela minha idade. E deve-se ao forte impacto ainda ter na memória essas imagens.  Depois via as corridas na minha cidade natal, Vila Real.  Coisas da adolescência. Hoje é-me indiferente. A foto é de autor desconhecido, encontrada na net e de Foto de 24 de Agosto de 1858.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:17
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Agosto de 2022

Livros , mas pouco.

MEU PERFIL.jpg 

Há dias li um post do amigo Gaspar Matos que dizia “Sendo bibliotecário de leitura pública, a posse do livro diz-me pouco.” Também partilho dessa perspectiva que valoriza a leitura e a partilha e que relega para segundo plano  a posse do livro de lazer.

E se bem reparar-mos na maior parte das situações à posse do livro corresponde  uma única leitura.

Desliguei-me da maior parte dos meus livros. Alguns dados a colectividades para partilha. Outros, bastantes, oferecidos depois de lidos.

Tenho no entanto um conjunto de livros de que não de desligo. São os autógrafos. Livros que me foram oferecidos e com dedicatória ou autógrafo do autor. Porque não são apenas livros. São partilhas. São amizades, cumplicidades subliminares nas palavras da dedicatória e do autógrafo. Esses constituem a minha biblioteca. A outra colecção é a dos livros  de ensaio. Esses são sublinhados, com palavras chave a indexar os assuntos que reputo pertinentes e me facilitam as sequentes leituras sintéticas.

Enfim, o que preservo, não são os livros, mas tão só o que humanamente representam ou a  informação que disponibilizam.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 22:18
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Agosto de 2022

Mosteiro de  S. Miguel de Refojos

Refojos.jpg 

Mais a Norte um outro Mosteiro. O de S. Miguel de Refojos. Este Beneditino. Visitável é a Igreja e a Sacristia.  A data de construção é  incerta.  É possível que no lugar tenha existido anteriormente  pelo século VII uma capela  de eremitas. No entanto o primeiro documento que refere este Mosteiro é do Concilio de Coyanza em  1015.  A Carta de Couto de D. Afonso Henriques é datada de  1131.   Há ainda notícia de Gueda Mendes, nobre próximo de D. Afonso Henriques ter encomendado um cálice de prata dourada em 1152.  Já no século XVI, Frei Diogo de Murça, Comendatário e Reformador do Mosteiro foi  nomeado em 1543 Reitor da Universidade de Coimbra. A Botica do Mosteiro é tida como impulsionadora de boticas nos Mosteiros Beneditinos portugueses. O Mosteiro tem a singularidade em Portugal por ter um zimbório. A Igreja do Mosteiro que actualmente conhecemos é construída de raiz no século XVIII em estilo  barroco.  A Igreja tem características muito peculiares. A fachada tem duas torres, mas só uma é sineira. O lugar de dois relógios, mas só um é verdadeiro. E no interior dos dois órgãos de tubos, um é falso ou mudo feito em madeira pintada. É realmente interessante este jogo de simetria ou falsa simetria.   O cadeiral é de 1770 e o altar  dourado de 1783.  O edifício deixou de ser Mosteiro em 1834 na sequência da Revolução Liberal de 1820  que expulsou as Ordens Religiosas.  Hoje está ocupado pela Câmara Municipal e por um colégio particular.  A Sacristia que pretende ser Museu de Arte Sacra está muito longe de conseguir essa dignidade. E actualmente um espaço praticamente vazio, onde são apresentadas apenas três imagens. E não me parece ser muito difícil dotá-lo de paramentos, alfaias litúrgicas e outros elementos divulgadores da arte e até, porque não,  da  respectiva vida monástica. E é pena que não chegue a ser Museu, como pretende.  

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 20:48
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Mosteiro de S. Gonçalo. Amarante

S. Gonçalo.jpg 

O tabuleiro da ponte tem enfiamento num dos cunhais do Mosteiro de S. Gonçalo.  Em 1540 Frei Jerónimo de Padilha toma a iniciativa de fundar, no local onde havia uma ermida do século XIII, o mosteiro masculino da Ordem dos Pregadores (Dominicanos). A primeira pedra foi lançada em 1543 e é o cardeal D. Henrique que em 1544 fez a doação da Igreja ao Convento. AS obras prolongam-se pelos reinados de D. João III a Filipe I.  

Curiosamente ganha relevo a porta e uma  fachada lateral da igreja. Esta assume a fachada principal e onde  há uma varanda de quatro dos  Reis em cujos reinados se desenrolaram os trabalhos de edificação da Igreja. D. João III 1521-1557, D. Sebastião 1557-1578, D. Henrique 1578-1580, (há ainda D. António 1580-1580 que não figura no grupo de representados), D. Filipe I 1581-1598.

Entramos pela porta do fundo da nave central. O espanto recai primeiro no escadório do altar mor. Em contraste e de grande beleza estática o novo altar conforme às orientações do vaticano II.  Este altar é um bloco de pedra que é acompanhado no mesmo estilo de um banco de pedra sem costa (mocho). A imagem destes dois  altares remete-nos para momentos importantes da histórias da igreja católica romana.  

O altar elevado, onde se acede subindo uma escadaria palaciana, reservada ao sacerdote. Ao intermediário entre o criador e as criaturas.  A tornar ainda mais pequenos os já de si pequenos, obedientes e submissos ao peso de uma igreja que capitalizou o poder imperial acumulado com o poder espiritual exclusivo por perseguição a qualquer outra manifestação religiosa.

E mais perto do povo que é igreja, o altar pós-Vaticano II. O que se aproxima, que se nivela por igual, irmana e confraterniza. O que se torna simples e por isso um igual entre os simples.

O púlpito é também um bloco de pedra elevado a dois degraus, em contraste com o púlpito da contra-reforma ali ao lado. É ainda de referir o órgão de tubos e o túmulo do Beato Gonçalo de Amarante.

Satisfeito o espírito-de-curiosidade na visita à igreja do Mosteiro, também a satisfação do corpo para retempero das forças físicas se impõe. E bem ali ao lado numa casa que sempre foi de repasto, pelo menos na minha memória de cerca de sessenta anos, confiando que a casa terá muitos mais, é agora denominada Café-Bar S. Gonçalo.  

Para refeição escolhemos a “francesinha de cogumelos” que se revelou excelente. Boa pela novidade e pela iguaria.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:51
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Agosto de 2022

Uma igreja. Dois altares.  

altar.jpg 

A igreja do Mosteiro dominicano, Ordem dos Pregadores, de Amarante.

A imagem dos altares desta  igreja remetem-nos para momentos importantes da histórias da igreja católica romana.  

O altar elevado, onde se acede subindo uma escadaria palaciana, reservada ao sacerdote. Ao intermediário entre o criador e as criaturas.  A tornar ainda mais pequenos os já de si pequenos, obedientes e submissos ao peso de uma igreja que capitalizou o poder imperial acumulado com o poder espiritual exclusivo por perseguição a qualquer outra manifestação religiosa.

E mais perto do povo que é igreja o altar pós-Vaticano II. O que se aproxima, que se nivela por igual, irmana e confraterniza. O que se torna simples e por isso um igual entre os simples.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:01
link do post | comentar | favorito
Domingo, 14 de Agosto de 2022

Linha do Vouga

comboio Vouga.jpg 

A propósito da Viagem Medieval em Santa Maria da Feira decidi fazer o trajecto de Espinho -Feira em comboio da Linha do Vouga. A única linha de bitola métrica ainda em actividade em Portugal.  A linha não é electrificada, pelo que as composições são automotoras como a da imagem.  Para começar houve cumprimento de horários. Tanto o meu, que cheguei antes, como o do comboio.  Não há bilheteira física, pelo que a compra do bilhete se faz aos revisores, já   na plataforma de embarque.  Quando chega o comboio já todos os passageiros estão munidos de bilhetes. A viagem ainda se pode considerar lenta, mas o tempo de viagem entre Espinho e Sta. Maria da Feira é de 30 minutos. É um aspecto a melhorar no processo de reabilitação da linha. Ela tem vindo a ser melhorada de S. João da madeira para Santa Maria da Feira. O inconveniente é as estações que servem Santa Maria da Feira (Cavaco e Feira)   estarem deslocadas do núcleo urbano central cerca de mil metros. A estação de Cavaco fica mais próxima do Hospital e a estação de S. Maria da Feira  fica mais perto do Castelo e do centro administrativo. Há um enorme potencial de utilização deste modo de transporte colectivo se em Santa Maria da Feira houver uma ligação tipo By-pass da estação do Cavaco-Zona Industrial e Comercial do Cavaco-Hospital-Tribunal-Câmara Municipal-Centro Escolar- Estação Santa Maria Feira e vice-versa. Em análise SWOT  uma das fraquezas é precisamente o não ter acesso por transporte colectivo de grandes dimensões.  Nomeadamente não estar ligado pela rede de metro da Área Metropolitana do Porto. A reabilitação da linha do Vouga no troço Espinho-Oliveira de Azeméis deve pensar aumentar a frequência e o alargamento do horário. O último comboio a sair de Espinho é às 19h34. Sabendo-se que há muitas actividades a encerrar depois das 20 horas é fácil perceber que o comboio perde potenciais clientes e isso significa mais carros, mais despesa, mais poluição. Exactamente o que se quer evitar desde já, e agora que tomamos consciência da crise que nos condiciona. 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:34
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 12 de Agosto de 2022

Livros que falam de livros

livro.jpg 

Para o caso de quererem ler livros que falam de livros indico “Uma História da Leitura” de Alberto Manguel. “Sobre a Leitura” de Marcel Proust. “Burning The Books” de Richard Ovenden. Também existe em português com a  tradução “Queimar Livros”. E o “O Infinito Num Junco” de Irene Vallejo que rapidamente se tornou best-seller. 

 

António Borges Regedor

tags: ,
publicado por antonio.regedor às 13:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito (2)

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
22
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Livros que falam de livro...

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds