.posts recentes

. Leituras para Agosto  (3)

. Leituras para Agosto  (2)

. Leituras para agosto  (1)

. Manifesto IFLA 2022 sobre...

. Francisco

. "Dafne e Fantasias"

. produção de hidroelectric...

. Os milhões de portugueses...

. As bibliotecas Gulbenkian...

. A PIDE contra as bibliote...

.arquivos

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Navio-Museu Santo André

20220701_154250.jpg 

A acostagem do Navio Bacalhoeiro Santo André em Ílhavo para o preservar como Navio-Museu foi uma excelente ideia da Câmara Municipal de Ílhavo para a preservação da memória da pesca do bacalhau.

Esta pesca, feita nos séculos XIX e XX, implicava a deslocação para os mares da Terra Nova, tomou o nome de Faina Maior. Feita inicialmente à linha com cada pescador no seu pequeno dóri que era depois recolhido nos barcos que evoluíram dos veleiros até aos navios vapor de arrasto como é o caso do “Santo André”.

Este barco que podemos visitar no cais do Jardim Oudinot em Ílhavo é um arrastão clássico construído em 1948 na Holanda. Tem 71,4 metros e capacidade para 1200 toneladas de peixe no porão. Deixou de pescar em 1997 e é navio-museu desde 2001.

A visita deixa perceber como seria toda a organização do navio. É impressionante ver o seu mecanismo de propulsão. O motor e a casa das máquinas são um momento de grande impacto e como seria o viver dos que aí trabalhavam no barulho dos motores paredes meias com os seus alojamentos. A cozinha deixa imaginar a azáfama necessária a manter toda a tripulação. O guincho gigantesco por onde o bacalhau era arrastado e logo daí passava para a coberta onde numa cadeia de trabalho do tipo taylorista era aberto, retiradas as vísceras, lavado e preparado para a salga no porão que acomodava 1200 toneladas ou o seu correspondente a 20 000 quintais. A unidade de medida alternativa à tonelagem.  Os alojamentos dos pescadores em camaratas de proa. Pequenos espaços em beliche. E toda a faina comandada, planeada na designada ponte de comando onde se concentra a arte das cartografia, as comunicações os alojamentos do capitão, imediato, piloto e até do enfermeiro a bordo.  Todo um organismo que fazia desta pesca a Faina Maior.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 16:05
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds