.posts recentes

. Serviço de Bibliotecas It...

. Bibvirtual e Percursos p...

. Aumentar a mobilidade cic...

. Perdeu definitivamente a ...

. Mais propaganda que reali...

. Ilustração ou tortura

. Cem anos de Saramago

. Mosteiro de Leça do Balio

. Casamento de Fernando I d...

. Percursos pedestres das s...

.arquivos

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quinta-feira, 24 de Março de 2022

Percursos nas escarpas do Rio Corgo

 

 

Em Vila Real abriram há pouco tempo os percursos naturais do Corgo. São percursos praticamente dentro da cidade, mas num excelente ambiente de ruralidade, beira-rio, entre escarpas e várias cascatas.  Vila Real já tinha um caminho pelas margens do rio Corgo que  designa por percurso geológico do Corgo. Estes dois percursos estão agora unidos. Há agora uma rede coerente de percursos que ligam a cidade, o rio Corgo e se pode prolongar pela ecopista do Corgo (canal de caminho de ferro desactivado).  Começando na   Vila Velha (o primeiro núcleo urbano da cidade), pode visitar-se o museu de arqueologia e a partir de vários pontos desse promontório ter vistas excelentes do território. Daí o percurso desce ao rio. Aproveita ao máximo os caminhos de terra batida existentes com passadiços que ajudam a vencer melhor as pendentes e a travessia do rio quando necessário. Daí também se ter a oportunidade de usufruir do espaço das duas margens. O percurso pode ainda derivar por caminhos de ligação a vários pontos da cidade. Liga ao Percurso Geológico do Parque Corgo com ligação ao Parque Florestal, às piscinas, parque de campismo e áreas fluviais com diversos caminhos e relvados muito bem tratados. Este percurso segue até Abambres com uma entrada junto à Ponte da Timpeira.  Aqui se quiser pode continuar pela ecopista do Corgo ( o canal de caminho de ferro até Chaves).  Para voltar à ”Bila” pode fazê-lo  brevemente pela ecopista até à estação de caminho de ferro (hoje desactivada).  No final merece provar os “covilhetes” de carne ou as “cristas” e os “pitos” da doçaria conventual que ainda hoje a “Bila” se orgulha de preservar.

 

Notas:

“Vila Velha” Núcleo primitivo da ocupação deste território até ao século XIII. Com a doação do Foral por D. Dinis em 1289, a vila desenvolve-se para Norte, expandindo-se para lá do promontório inicial. Para que é hoje  Vila Real sempre em crescimento.  

“Bila” a designação por que os locais tratam carinhosamente e com orgulho a sua cidade.

“Covilhetes”  é um produto tradicional local. É um pastel de forma redonda, com recheio de carne de vaca.

 “Cristas” e “Pitos” são alguns dos produtos da doçaria tradicional de Vila Real que terá origem conventual  (Convento de Santa Clara, também conhecido por Convento de Nossa Senhora do Amparo).

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:45
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Março de 2022

Dunas e passadiços

foto de Ernesto Vaz Ribeiro.jpg 

As  dunas são a melhor protecção contra o avanço do mar.

Os passadiços, protegem as dunas, enquanto infraestrutura para a  mobilidade sem pisoteio dunar. Por outro lado contribuem, tal como outras estruturas, para a retenção de areias. Esta capacidade de retenção é evidente  pelo facto de em muitos pontos a duna em formação as cobrir. (Como acontece na figura).  Nestes casos o mais correcto é elevar o passadiço para que ele continue a reter areias e a duna vá gradualmente aumentando e reforçando a protecção costeira.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:29
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 18 de Março de 2022

A Verdade

porta sé VR.jpg 

A verdade, como realidade real ( a wirklichkeit como a procuram os filósofos) , é a capacidade de interpretar (fazer a hermenêutica) do conjunto dos planos observáveis ou não, sem se deixar barricar em cada um deles.

publicado por antonio.regedor às 09:57
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Março de 2022

Da bestialidade

artefactos primitivos.jpg 

A Cultura é pessoal enquanto obra do indivíduo.  É simultaneamente  obra da humanidade enquanto produzida em determinado contexto histórico, linguístico, social,  económico, ético e  estético. E passa da expressão pessoal a social e colectiva quando apresentada publicamente e apropriada pela Humanidade. Somos hoje o que o cumular cultural nos produziu. Somos culturalmente o produto de séculos de história, literatura, pintura,  música, dança.  Reconhecemos como nosso património as grandes obras escritas, desde os livros religiosos aos que nos amenizam o quotidiano. Desde Homero ou Hesíodo a Saramago ou Humberto Eco. De Shakespeare a Tolstói. Reconhecemos como da nossa cultura tanto os frescos da Capela Sistina como os girassóis de Van Gogh. Reconhecemos como fazendo parte da nossa cultura  tanto os nocturnos de Chopin  como Stravinsky. A cultura depois de apropriada pelo gosto, pela estética, pela observação pública, deixa de pertencer ao escritor, ao pintor, ao músico, ao artista. Passa ao domínio Universal.

A perseguição a artistas, a proibição de músicas ou livros, o encerramento de estudos em universidades ou o despedimento de artistas e determinados autores só por terem nascido num ou noutro lugar não passa de obscurantismo, de negação de Humanismo. Essas proibições e despedimentos não passam do instinto próprio da bestialidade.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:43
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 16 de Março de 2022

Perseguição

OIP.jpg  

Na Grécia Clássica, berço da Democracia, as cidades em conflito paravam a guerra para fazer os Jogos Olímpicos. Esse era o espírito dos Jogos. O das tréguas.  

O Comité Olímpico Internacional (COI) recomendou recentemente que federações desportivas e organizadores não convidem ou permitam a participação de atletas russos ou bielorrussos em quaisquer provas internacionais, na sequência da investida militar da Rússia em solo ucraniano.

Esta atitude de perseguição aos atletas russos, mostra a profunda estupidez dos actuais dirigentes do desporto olímpico. Mostram a sua total ignorância do significado olímpico. 

Os Portugueses sabem bem que não se deve confundir as pessoas com os regimes dos países onde nasceram. Durante a ditadura e a guerra colonial  milhões de portugueses saíram do país. Imaginemos que eram discriminados, ostracizados ou impedidos da sua actividade só por serem portugueses e o seu país estar em guerra.

As represálias sobre os atletas ou os artistas é inaceitável. 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:05
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Março de 2022

Dia da Mulher

Hypatia-de-Alexandria-1-768x1125.png     

A cultura europeia herdou das culturas mais orientais as coisas boas da Filosofia, do conhecimento dos astros que muita utilidade tinha para a agricultura e bem estar, das técnicas de construção em perspectiva dos helénicos que produziu a beleza dos templos.  Da Ética e da Estética, mas apenas do mundo dos Homens. A própria Democracia, era reserva dos Homens, deixando de fora dos direitos políticos as mulheres, os estrangeiros e os escravos. Os Mitos e os Deuses, a confluência de culturas e o relativismo dos modelos sociais que a europa pôde constatar no seu caminhar pelo Mundo através dos Mares, modificou o pensamento único, unificado e cristalizado. 

As Mulheres sempre tiveram tentativas de  afloramento num terreno só de homens. Madalena seguiu o caminho dos apóstolos apesar do seu rasto ser apagado na poeira da história feita por homens.  Hipathia, Filósofa, Astrónoma, Matemática emergiu de entre os homens do Museu de Alexandria e por colocar a cabeça acima dos demais foi morta pelo obscurantismo dos homens cristão.

A Idade Média está cheia de mulheres que por serem diferentes, saber fazer diferente, ou se evidenciarem foram mortas na fogueira ateada por homens. Nesses tempos de medievalismo o espaço de liberdade das mulheres era a clausura na Cerca do Convento ou no campo isolado do Mosteiro auto-suficiente Beneditino.  Suprema ironia. A Liberdade do claustro. 

A Idade Moderna está plena de mulheres de ciência. Um espaço fechado. Solitário como era feita a ciência de então. A mulher, mais uma vez,  tinha a sua realização fora do espaço público. Este era-lhe vedado socialmente. Melhor exemplo por mais próximo no espaço e no tempo é o das sufragistas do início do século em Portugal. Em luta contra o Liberalismo que não lhes reconhecia os direitos políticos. Em luta contra a Burguesia que não lhes dava direitos de cidadania e as fazia submeter  ao chefe de família ou cabeça de casal.

E no entanto foi a revolução industrial que as levou à fábrica e as lançou na dupla tarefa de mulheres e operárias. E foi a grande calamidade da Guerra na Europa que as arrancou do campo e das suas tarefas domésticas para lhes entregar o  lugar  na produção que alimentava a guerra e os homens de quem dependiam. 

O século XX na europa não as deixou voltar atrás na condição de oprimidas. A realidade deu-lhes voz e vontade de lutar pela igualdade. Hoje Têm os mesmos direitos  sociais, políticos e económicos. Estudam e trabalham lado a lado com os homens. Acedem a profissões até há pouco reservadas aos homens. São Magistradas, Médicas, Militares. Académicas e Empresárias. Estão já em maioria no ensino superior. Chagaram mesmo às direcções políticas de vários  países.

Esperamos das Mulheres um mundo melhor.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:58
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Março de 2022

Opiniões de sofá

negociações.jpg 

Vejo um enorme interesse por tomar posição a favor de cada uma das partes em conflito na Ucrânia.  Posições na maioria belicistas. Uns a dizer que a nato devia intervir, outros que devia mandar mais armas (mais achas para a fogueira). 

Gostaria de ver opiniões que apelassem à negociação, à constituição de mediadores, quer países quer organizações internacionais. Que apelem a tréguas de mediação, conversação e resolução do conflito. 

Mas compreendo toda essa vontade de cerrar faca nos dentes a quem está de fora. De quem pensa que a guerra é  videojogo e manifeste comportamento infantil. 

Não aprenderam nada com a História.  Não aprenderam com as guerras coloniais, não aprenderam com as guerras de rapina no Médio Oriente. Não aprenderam com as guerras de desestabilização na europa (Kosovo).

Não perceberam que por detrás dos actores que estão no palco, há os autores. Os verdadeiros causadores da tragédia.  

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:36
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
18
19
20
25
26
27
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Livros que falam de livro...

. Uma compra  no supermerca...

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds