.posts recentes

. Crime na linha

. Do caminho de ferro à eco...

. Gaia em ciclovia

. Só são vigarizados os gan...

. Dança

. Feira do Livro

. RATES

. TRESMINAS

. Castelo Roqueiro de Aguia...

. Ecovia Póvoa de Varzim – ...

.arquivos

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Terça-feira, 31 de Agosto de 2021

Só são vigarizados os gananciosos ou desonestos.

bitcoin-price-latest-2019.jpg

Todos conhecemos histórias dos que se achavam espertos e queriam comprar telefones e levaram tijolos, ou casacos de couro e levaram molhos de jornais. Todos conhecemos histórias de parvos que se julgando espertos foram vigarizados. 

Pois o mesmo acontece com a moda das criptomoedas. Já não nos basta ter prescindido do padrão ouro como garantia da moeda, o de prescindir de sentir o  tilintar das moedas ou o volume das notas de papel. Até há quem esteja disposto a prescindir do registo da moeda de plástico mais ou menos garantida pelos reguladores e Estados.

A criptomoeda anda em terras de ninguém, por lugares escuros e esconsos a resvalar para o crime, o embuste ou no mínimo o risco. 

São valores que a CMVM (Comissão do Mercado  de Valores Mobiliários) tem dificuldade em enquadrar, daí que se alguém perder, for vigarizado ou simplesmente vir desaparecer o que comprou, não se queixe à CMVM.  Amanhem-se. A Dona Branca e o Pedro caldeira também davam muito dinheiro a ganhar.  

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:29
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 30 de Agosto de 2021

Dança

galerias.jpg

Na Grécia antiga,  a mais antiga inscrição em escrita alfabética é datada de cerca de 750 a.c. diz: “O bailarino que dance com maior destreza…”.

Homero descreveu na Odisseia competições festivas com banquetes,  jogos e danças. (Vallejo, 2020).

Para quem dança, não deixa de ser significativo que esta arte seja merecedora de atenção tão antiga. E que a dança esteja registada numa das  inscrições alfabéticas mais antigas. 

 

Fonte: Vallejo, Irene – O infinito num junco. Lisboa: Bertrand, 2020. 

 

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 15:08
link do post | comentar | favorito (2)
Sexta-feira, 27 de Agosto de 2021

Feira do Livro

feira livro.png

Em final de Agosto e princípio de Setembro, mais uma feira do livro no Porto e em Lisboa.   

A do Porto é de hoje, 27 de Agosto a 12 de Setembro nos jardins do Palácio de Cristal.

Recordo-me de feiras em Abril com dias de chuva que perturbavam imenso. Este tempo  torna agradável o usufruto do exterior e nomeadamente de espaços agradáveis, arborizados, com diversos tipos de apoio e complementares. Os Jardins do Palácio permitem a visita à feira, mas também os passeios  e o contemplar  das belas imagens do Porto para o rio e para a foz, no enfiamento do rio com imagem da ponte da Arrábida do cabedelo, Afurada, baía de S. Paio e foz do Douro. Há também no palácio espaços lúdicos para a infância. Havia em tempos onde almoçar. E há a ligação ao jardim romântico da Quinta da Macieirinha para explorar.  E especialmente a Biblioteca de leitura pública Almeida Garrett e galeria de Arte.  Não faltam boas razões para ir ao Palácio de Cristal  e visitar a  Feira do Livro.

A abertura é aos fins de semana e domingo às 11 horas e à semana às 12h30. O encerramento à semana e domingo é às 21h30 e às 5ª, 6ª e sábado encerra mais tarde, pelas 11horas.

Há novidades, mas também a oportunidade de comprar na oferta com desconto  dos “livros do dia”.  Pode ser que esteja também por aí a oportunidade de encontrar mais barato um livro que interesse.  Mas não se fica por aí o interesse da feira. Há um aspecto  que actualmente  considero importante para mim. É a oportunidade do contacto com o autor, do seu autógrafo e da relação de privilégio que com ele estabeleço nessa individualização do livro.

A minha biblioteca, para além das edições de estudo e referência, é hoje cada vez mais uma biblioteca de autógrafos. É com esses que fico. Muitos dos outros ofereço.  

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 16:03
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Agosto de 2021

RATES

Rates I.jpg

A Igreja românica de São Pedro de Rates é o que resta de um mosteiro beneditino cluniacense.

É referência pelo estilo românico, e pelo bispo Pedro, primeiro Bispo  de Braga primaz das Espanhas, ou seja, Península Ibérica.

Os vestígios mais antigos são da época romana.

 Terá havido um templo pré-românico no período suevo-visigórico.  As sucessivas construções conventuais terão sido desenvolvidas desde o século VI.

 e a igreja datará  do período asturiano-leonês, dos finais do século IX.   Foi sendo alterado ao longo dos tempos.

Nos finais do século XI  foi renovado por ordem do  Conde D. Henrique. Este terá doado a ruina do mosteiro de Rates ao Priorado de la Charité sur Loire. Este priorado estava ligado à beneditina Ordem de Cluny. De referir que o Conde Henrique era sobrinho neto do poderoso Hugo abade de Cluny e que a regra beneditina era muito influente.  

O Conde D. Henrique deu Couto das terras ao Mosteiro e este recebeu também mais rendas de D. Afonso Henriques.

 Posteriormente nos séculos XII e XIII em que se dá a modificação em estilo românico.  O prolongado tempo de realização de obras leva várias influências estilísticas.

A importância de Rates foi muita chegando a “Medida de Rates” ser padrão nas feiras no Baixo Minho.

Merece atenção o tímpano. A igreja tem planta de três naves, cinco tramos e transepto. É  notória a qualquer pessoa  a diversidade estilística bem visível nos arcos, colunas, capiteis e diversas irregularidades.

A lenda acerca de S. Pedro de Rates é construída apensa no século XVI, e não passa disso, lenda.  Foi nesta época que o mosteiro foi extinto e as suas rendas entregues à Ordem de Cristo.

Tinha Foral desde 1205  dado por D. Sancho I  e Foral Novo Manuelino em 1517. Os símbolos do Concelho, Pelourinho e Casa da Câmara,  ainda existem.

A reforma liberal de 1836 extinguiu o Concelho e integrou-o no da Póvoa de Varzim.

Não se deve perder a oportunidade de visitar este belo exemplar do românico até porque está no caminho de Santiago e de Fátima e tem acesso por uma excelente ecopista que dá acesso por Póvoa de Varzim a 13 Km e por Famalicão a 15 Km.    

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:02
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Agosto de 2021

TRESMINAS

Eu mina.jpg

Tresminas foi uma enorme zona de exploração  mineira que se calcula tenha abastecido o Império Romano  de grande quantidade de ouro extraído nesta região de Vila Pouca de Aguiar.

O Território de Vila Pouca de Aguiar é atravessado pela  falha geológica de Penacova-Régua-Verin, a que estão associados granitos.  A zona de  Tresminas é de xistos e grauvaques. Estas rochas resultam de  fenómenos geológicos com a  verificação  de existência de ouro. 

É provável que anteriormente aos Romanos as populações já extraíssem ouro nas areias dos rios da região. Os Romanos passaram a extrair  ouro nesta  região, no primeiro século  d.C..

Para organizar e vigiar a exploração aurífera terá estado um destacamento da Legião  VI vitrix de León  ou da X gemina de Astorga. Mais tarde foram substituídos pela  Legião VII gemina.

O processo de extracção assemelha-se de alguma forma ao usado em “Las Médulas” Leão, Espanha, mas sujeito à condicionante da diferença geológica. Nas médulas a característica geológica é a de rochas sedimentares de conglomerados  e  argilas.

Supõe-se que os romanos utilizassem trincheiras e  galerias para prospecção e nos locais onde iam seguindo o filão. Este seria denominado ouro canalício.   No caso da quantidade de ouro se encontrar mais disseminado, faziam o desmonte da toda a montanha num processo que localmente se denomina de cortas.  A técnica era a de colocar estacas de madeira nas fissuras das rochas que com água se faziam inchar e dessa forma fracturar a rocha.  Com fogueiras aqueciam as rochas que calcinadas  e com  água fracturavam por choque térmico. Assim sucessivamente iam desmontando a montanha.

Obtida a rocha da frente de desmonte, era triturada para separação do xisto estéril e da restante ganga.  Posteriormente moído em pisões que são grandes martelos movidos a água  ou mesmo em moinhos de mós circulares. Depois de moído  era lavado, depositando-se o ouro por gravidade.

Esta exploração aurífera romana faz parte de uma longa linha de mineração de que conheço o  “Fojo da pombas” na Serra de Santa justa em Valongo, “Jales”, perto de Vila Real mas já no Concelho de Vila Pouca de Aguiar que são ambas minas em galeria  e  “Tresminas” aqui referida e  “las medulas” em Espanha que são minas essencialmente a céu aberto por técnica de desmonte.

O que mais fascina é o esforço do trabalho braçal necessário, as técnicas  adequadas a cada tipo de terreno, bem como a capacidade de organização,  controlo da extracção e transporte do ouro para Roma.  

 

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 12:48
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Agosto de 2021

Castelo Roqueiro de Aguiar

CASTELO aGUIAR.jpg

É difícil um outro castelo em ponto tão alto e em enorme cabeço rochoso. É impressionante e penosa a subida  a esta fortaleza natural onde foi edificado o  castelo. Mas no final, no cimo do castelo, na acrópole, a vista  é deslumbrante.

Hoje em dia a entrada no castelo faz-se pela “ porta da traição” e não pela entrada principal. Do que resta da muralha podemos imaginar as funcionalidades e os vários espaços. Na parte mais alta do castelo ainda se pode entrar numa estrutura coberta com lajes de granito que poderá ter sido uma cisterna.

Não se conhece a data da sua origem, mas sabe-se que teve função até ao século XVI.  a região terá ocupação desde a pré-história, mas é no período romano que é mais significativa com a exploração de ouro na região e concretamente nas minas a céu aberto de “Tresminas”.

O castelo tem já existência no tempo da independência de Portugal, testemunhado pelo cerco por tropas leonesas dado o seu tenente ser fiel a D. Afonso Henriques.

A freguesia onde se localiza é Telões que recebeu foral de D. Afonso III em 1255. O Concelho foi integrado no Foral de  Aguiar da Pena em 1515.

Está na Rota da EN2 e tal como “Tresminas” é imperdível a visita a estes dois lugares.


António Borges Regedor



 

 

publicado por antonio.regedor às 14:02
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Agosto de 2021

Ecovia Póvoa de Varzim – Famalicão

Ciclo Povoa.jpg

Excelente ecovia.  Toda em piso asfaltado. Estão de parabéns as Câmaras Municipais de Póvoa de Varzim e de Famalicão.  É uma ciclovia muito frequentada. Ao longo de toda a ecovia cruzamos com grupos de ciclistas e algumas famílias. Também há muitas pessoas a caminhar. A própria ciclovia tem marcada uma faixa para peões em toda a sua extensão.  A ciclovia inicia a poucos metros da estação terminal de Metro na Póvoa de Varzim e também termina antes da estação de caminho de ferro de Famalicão. Tem um elemento que valoriza muito a ecopista, que é o passar junto à igreja de Rates, o que resta do Mosteiro beneditino.  Aqui justifica-se a paragem para a visita à igreja exemplar do românico, e à própria Vila que já foi Concelho Medieval.  O Restaurante “Da Villa” recebe bem, é simpático e situa-se muito perto da igreja.

A ecovia tem no entanto um grande factor de risco que merece muita atenção e cuidado dos ciclistas e deveria ter muito mais dos automobilistas. A ciclovia tem do lado da Póvoa de Varzim muitas travessias de ruas e estradas nacionais. Cruza em Rates  com a EN 205. Em Gondofelos cruza com a EN 206 e já quase a chegar a Famalicão com a EN 204. Pelo meio há outros atravessamentos a merecer muito cuidado.  Nada que não ajude a acalmar a marcha e descansar.  

Os declives são suaves, a paisagem é rural e nesta altura do ano tem muita cultura de milho.  A vegetação torna-a agradável mesmo nas temperaturas altas próprias do verão.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:59
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Agosto de 2021

Woodstock Agosto de 1969. 

WOODSTOCK.jpg

São cinquenta e dois anos de distância e parece ainda soar a música de Woodstock. O enorme rumor de milhares de jovens e outros nem tanto.

Em destaque Jimi Hendrix. Parece que ainda  estou a ouvir no vinil os sons metálicos, que fazia do hino dos estados unidos da américa,  produzidos nas cordas da sua guitarra.  Destaque também para Grateful Dead e Janis Joplin com direito a foto.

Três dias de paz e música. No dia 15 de Agosto de 1969 era uma sexta-feira. O cartaz anunciava Joan Baez, Arlo Guthrie, Richie Havens, Sluy and The Family Stone, Tim Hardin, Nick Benes, Swetwater.  No dia seguinte, sábado 16 o programa prometia Canned Heat, Credence Clearwater, Grateful Dead, Janis Joplin, Jefferson Airplane, Santana, The Who e ainda Jack Harrison. Para o último dia, 17, a lista de subida ao palco seria The Band, Jeff Beck Group, Blood Sweat & Tears, Joe Cocker, Crosby Stills & Nash, Jimi Hendrix, Iron Butterfly, Ten Years After e por ultimo Jonny Winter.

Assistiram ao festival de três dias quinhentas mil pessoas. Os contratempos e atrasos não incomodaram os assistentes. Tudo em paz e amor. Vivia-se a contestação à  Guerra do Vietnam em que os americanos se viam envolvidos desde 1965.  O muro de Berlim tinha sido construído em 1961 e vivia-se a guerra fria. O catolicismo tinha virado uma  página da história em 1962 com as mudanças resultantes do Concílio Vaticano II. Em 1967 iniciava-se a televisão por satélite.  E nesse ano de 1969 tomou posse o Presidente Nixon, o homem pousou na Lua e  os Beatles lançaram “Yellow Submarine. É neste caldo de cultura, ciência e movimentos sociais que se destaca o movimento hippie que dá corpo a Woodstock, à contestação à guerra e constitui significativa mudança cultural e social.

 

António Borges Regedor

 

 

publicado por antonio.regedor às 12:04
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Agosto de 2021

Negada  autorização a mina de urânio em Retortillo, Espanha

Retortillo map.jfif

Muitos portugueses conhecem bem os nefastos efeitos do nuclear. Entre eles estão as famílias dos mineiros da Urgeiriça que ainda hoje sofrem doenças relacionadas com a mineração feita nessas minas de urânio portuguesas. A associação AZU ( Associação das Zonas Urâniferas) tem sido porta-voz destas populações.  Na generalidade os portugueses sempre tiveram uma posição de recusa do nuclear. Isso foi notório nas lutas que desenvolveram contra Ferrel, contra Sayago, perto de Miranda do Douro, contra Aldeadavila ou contra Almaraz, e mais recentemente cotra as minas de  Retortillo.

Vários movimentos locais portugueses e espanhóis agrupados no MIA (Movimento Ibérico Antinuclear) desenvolvem permanente  informação, reuniões  e acções  de defesa do ambiente e saúde das populações contra o nuclear.

Recentemente o Conselho de Segurança Nuclear Espanhol decidiu negar a autorização para a abertura de uma mina de urânio em Retortillo que se situa a cerca de 50 KM de Portugal, na zona do Parque Natural do Douro Internacional.  Esta posição do Conselho de Segurança Nuclear constituirá mais um obstáculo a uma eventual decisão favorável do Governo Espanhol quanto à possibilidade de autorizar esta mina de urânio.

Não podem os ambientalistas anti nuclear ficar menos atentos apesar da nota de esperança que leve ao encerramento total da fileira nuclear na Península Ibérica. 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:09
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Agosto de 2021

Castelo de Lapela

torre.jpg

A  independência de Portugal foi muito difícil de conseguir. Levou vários anos até que a entidade de reconhecimento à época, O Papado, reconhecesse Afonso como rei de Portugal. Apesar de sua mãe sempre o pretender e se equiparar e rivalizar com sua irmã Urraca. O mesmo com Afonso Henriques e a permanente rivalidade com o seu primo Afonso VII, rei da Galiza desde 1111, de Leão 1126 e de Castela e Toledo desde 1127. Perante o crescendo de importância do seu primo rival será compreensível a preocupação de Afonso de Portugal que apenas Conde, pretende ser rei e isso implica preparar as defesas do reino pretendido.

O seu pai morre em 1112 e a disputa do Condado com a sua mãe dá-se em 1128 no episódio de São Mamede. Dois anos depois, em 1130, decide  dotar Lapela de uma fortificação encarregando Lourenço Gonçalves de Abreu de a erguer e de ser o seu primeiro Alcaide-Mor. Este fidalgo, próximo de Afonso Henriques, era já senhor do Couto de Merufe, de Lapela e outros lugares.  

A torre que é o que resta da fortificação, foi construída muito mais tarde. Apenas entre 1367-1383.  É de secção quadrada com 10 metros de lado e paredes com três metros de espessura. Eleva-se a 35 metros e só permite a entrada por uma porta, à altura de seis metros, aberta na parede norte.  

No reinado de D. Manuel (1495-1521) beneficia de reforço da estrutura.

Após a restauração da independência a  importância militar do castelo medieval da Lapela  vai perder a favor da fortificação de Monção, para onde é levada pedra do castelo da Lapela, o que acarreta o seu desmantelamento, em 1706, no reinado de D. João V. Ficou apenas a Torre que hoje podemos ver e visitar. O que vemos é já produto das intervenções realizadas pela ditadura com alterações como a construção de ameias.

Em  2016, numa louvável iniciativa da Câmara Municipal de Monção, sofreu obras de beneficiação para ser núcleo museológico e comportar uma exposição referida à sua história cujos dados também contribuíram para a realização deste texto.

António Borges Regedor

 

 

publicado por antonio.regedor às 11:23
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Dança

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds