.posts recentes

. Porquê ciclovias?

. CICLOVIAS, DEFINIÇÃO

. O preço da energia

. Espinho. Interpretando os...

. Eu e a minha microbiota

. Otelo Saraiva de Carvalho...

. Produção de Energia para ...

. Percorrendo a Ecovia do C...

. Percorrendo a Ecovia do C...

. ...

.arquivos

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2021

Óptica

20210217_194522.jpg

Óptica

Da leitura de “O nome da Rosa” de Umberto Eco,  permanece na minha memória o facto de o Frade William de Baskerville usar óculos para ler e de os esconder na presença de estranhos. A acção passa-se no século XIV. Já no final da Idade Média e Início do Renascimento.

Uma boa parte do trabalho nos mosteiros beneditinos, em que a “regra” era entre outras tarefas o trabalho no scriptorio. A dificuldade em ver, por perda gradual da visão,  deveria ser muito sentida nesse grupo de monges com competências para a leitura e escrita e muito mais para os diversos especialistas nas rubricas, ornamentações, miniaturas.  De alguma forma justifica o tamanho da letra, a que hoje chamamos “fonte”.  Hoje em dia resolvemos o problema com os óculos ou aumentando a fonte quando escrevemos ou lemos no monitor do computador. É coisa que faço normalmente.  Mas devia ser de profunda tristeza o deixar de poder ler aquilo  que o próprio  teria escrito.

O frade William representa o pensamento mais racional,  lógico,  e de  análise da evidência empírica. Esta postura científicas colide com o modelo escolástico do pensamento medieval. Boa razão para William esconder os óculos na presença do seus confrades.

Na Antiguidade a óptica foi tratada por Euclides (ca.  325 a.C. a 265 a. C.), por Heron de Alexandria (ca. 10 d.C. a 70 d.C.) e por Ptolomeu (ca. 90 d.C. a 168 d.C.), que estudou a refracção.

O conhecimento de óptica e de medicina do olho, verificou-se mais desenvolvido no mundo islâmico medieval.   Foram os médicos do mundo islâmico que sistematizaram, preservaram, evoluíram e transmitiram os conhecimentos que vinham da antiguidade clássica de Hipócrates, Galeno.  Dioscórides com a medicina romana,  mesopotâmica, persa e indiana.  E concretamente no campo da visão,tratavam cirurgicamente os doentes que sofriam de cataratas.  

Depois do período greco-romano, o conhecimento  esteve localizado fora da europa. Foi no mundo islâmico que o conhecimento clássico não se perdeu. Pelo contrário, ganhou em síntese com o conhecimento oriental.  Era do conhecimento dos islâmicos o tratamento das cataratas.  Coisa desconhecida na europa medieval.

Segundo  (Ribeiro e outros 2016) Ibn al-Haitham (963–1039), conhecido na Europa como Alhazen, estabeleceu a distinção entre luz e visão. Elaborou também a descrição do funcionamento do olho humano.  No século XIII, destacam-se três figuras na Europa: Robert Grosseteste, Roger Bacon e Vitelo de Silesia. E no século XVII com a emergência da ciência foram inventados o microscópio e o telescópio.  

É nesta época, em 1609, que  Galileu Galilei (1564–1642) construiu o seu próprio telescópio.

Hoje, os óculos já não são apenas um aspecto do estudo da óptica. São instrumento importante na nossa qualidade de vida.  São objectos de estética, acessórios até de colecção. A sua funcionalidade vai do melhorar a visão até à protecção dos olhos com os óculos de sol. Há-os de diversos feitios e para diversas ocasiões e funções. 

Referência bibliográfica:

Ribeiro, Ana Rita;  Coelho, Luís; Bertolami, Orfeu; André Ricardo  - Luz: História, Natureza e Aplicações.  In Gazeta de Física  2016  VOL. 39 - n. 1 / 2  [online] Lisboa: Sociedade Portuguesa de Física,  2016 .  Disponível em     https://www.spf.pt/magazines/GFIS/119/article/982/pdf  

 

António Borges Regedor

 

 

publicado por antonio.regedor às 11:35
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2021

Técnicos de Bibliotecas

transferir.jpg

 

Enrique Navas Benito escreve um interessante artigo sobre competências dos técnicos de bibliotecas. É apresentado como se fossem dez mandamentos que me permito traduzir livremente  dando destaque ao que considero mais relevante e fazendo comentários de aplicação a Portugal.  É bom que os técnicos das bibliotecas o saibam, mas que também sejam do conhecimento público para melhor se avaliar da qualidade desses serviços.  

  1. Devem fazer formação adequada. Nota: Infelizmente em Portugal deixou de haver oferta formativa ao nível de técnicos auxiliares, nomeadamente em cursos de técnicos profissionais. Por outro lado a crise financeira iniciada com a falência do Lehman Brothers e de governos nada sensíveis à importância das bibliotecas e arquivos deixaram de exigir para trabalhar em bibliotecas e arquivos  pessoal com competências específicas. A realidade nas bibliotecas e arquivos é a da existência cada vez maior de pessoal sem competências para a tarefa que se lhes deve exigir.
  2. Realizar acções de formação contínua.
  3. Ter noção que o utilizador é o objectivo final do seu trabalho.
  4. Ter competências sociais e inteligência emocional adequadas a quem se relaciona intensamente  com clientes. Ou seja: empatia, paciência, saber escutar.
  5. Conhecer muito bem bem as suas ferramentas de trabalho. Nota: As biblioteca estão hoje muito informatizadas, muito Onde se exige cada vez mais ligações em linha com os utilizadores; Novos métodos de atendimento; Novos serviços, muitos deles online.
  6. Conhecer a colecção e as suas ferramentas de descrição e busca. Conhecer o catálogo informatizado, as suas funcionalidades e Nota: Não apenas isso, mas também, e mais importante,  saber passar essa informação e competência aos utilizadores.  Mesmo que seja necessário realizar sessões de divulgação dessas ferramentas, funcionalidade e potencialidades.
  7. Conhecer as regras de empréstimo e de movimentação na sala. Fundamentalmente saber orientar o utilizador na sala. Nota: não fazer o mais fácil que é dar o documento, mas capacitar o utilizador a encontrá-lo. Seja na estante, no catálogo, num repositório, base de dados ou mesmo ter competência para seleccionar e avaliar o documento em linha.
  8. Conhecer todas as colecções físicas e virtuais de que seja responsável.
  9. Ter noção de conservação e restauro de documentos em vários suportes.
  10. Conhecer bem o tratamento técnico das colecções. Nota: Esta questão deixada para o fim é fundamental. É a que mais demora a prender, a mais necessária, especialmente o tratamento intelectual dos documentos para a sua organização sistemática ou combinatória.

 

O acesso ao original está aqui: https://www.auxiliardebiblioteca.com/los-10-mandamientos-auxiliar-de-biblioteca/

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 20:27
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2021

Projeto Mongol

Maoflag1.png

Fake news, teorias da conspiração, perfis falsos, robots de replicação de notícias, estão muito longe do sucesso da operação “Projecto Mongol”. Até por ser tão simples, é tão interessante.

Já vão longe os meados do século 20 e a guerra fria. E também 1956, ano do 20º congresso do PCUS,  em que os maoístas se zangaram com os soviéticos e provocaram uma nova corrente no seio do movimento comunista internacional. 

Neste tempo, na Holanda Pieter Boevé recrutado para o BVD (Serviço Secreto Holandês) em 1955 e participa num congresso mundial de estudantes em Moscovo como Chris Petersen.  Aquando da ruptura sino-soviética, a pedido do serviço secreto holandês, aderiu à corrente chinesa.

O Serviço Secreto Holandês forma um partido maoísta (dizia-se na altura marxista-leninista), a que deram o nome de MLPN. Eram uma dúzia de membros que não conheciam a verdade, mas faziam crer que o partido tinha 600 membros.  Boevé/Chris Peterson fez várias viagens à China e foi recebido por Mao Tsé Tung/Mao Zedong e também pelo Albanês Enver Hoxha.  A maior das piada é que Pequim financiava o jornal do partido com o título “De Kommunist” que era inteiramente escrito pelos agentes do serviço secreto holandês.

publicado por antonio.regedor às 12:34
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2021

História do movimento cristão Prisciliano

descarregar.jpg

Prisciliano terá nascido na Galécia numa família da aristocracia. Cerca de 370 foi estudar em Burdigala, actual  Bordéus, com o retórico Delphidius com quem fundou uma comunidade cristã rigorista, critica das hierarquias da Igreja que enriquecia com a promiscuidade com o Estado Imperial.  Cerca de 379 começou a predicar com enorme sucesso e o movimento tem um crescimento muito rápido.  

Características do movimento

O movimento prisciliano do ponto de vista teórico incide sobre o estudo das escrituras, na sua interpretação e recusa de leitura literal. Incluem alguns textos apócrifos.

A inspiração de Prisciliano vem da tradição gnóstica e é uma expressão de um cristianismo que rejeita a opulência da hierarquia eclesiástica no século IV é simultaneamente cargo político e religioso.   

Os líderes  do movimento religioso não têm de ser da hierarquia, mas impondo-se como Mestres carismáticos. E onde há uma participação e  lugar importante das mulheres nas leituras da Bíblia.  

Na prática propõe o ascetismo, o celibato e a abstinência de carne e vinho.  Esses hábitos alimentares estariam na base da consagração da eucaristia com leite e uvas. Jejuavam ao domingo e afastavam-se da igreja durante a quaresma. Neste período faziam retiro nas montanhas.   Como característica física usavam os cabelos longos ao contrário do que era habitual na época e andavam descalços.

 

A condenação do Priscilianismo

Já em cerca de  380 reuniu o Concílio de Caesaraugusta, actual Saragoça, condenando as ideias priscilianas.  Em resposta dois dos bispos acusados de priscilianismo nomearam Prisciliano a Bispo de Abula, actual Ávila.

Por influência dos bispos ortodoxos o Imperador Graciano faz um rescrito excomungando Prisciliano e os seus seguidores.

Em 382 Prisciliano vaia a Roma para se defender, mas não é recebido pelo bispo de Roma Dámaso, por este considerar não poder anular o rescrito do Imperador. 

Nesta época o equilíbrio de poderes era muito frágil. Havia rivalidades nos Impérios Romanos do Oriente e do Ocidente, e rivalidades internamente a cada um deles. Ao mesmo tempo o cristianismo sofria da afirmação em confronto das várias interpretações. E no cristianismo eram muitas: arianos, rigoristas, ebionitas, patripassianos, novacianos, nocolaítas, ofitas, maniqueus, homuncionitas, catafrígios, borboritas, e os priscilianos a  que aqui nos referimos.

Nesta amálgama de conflitos, assenta a promiscuidade e as alianças de conveniência entre o poder administrativo e a igreja. Disso resulta a condenação por maniqueísmo e bruxaria, da heresia prisciliana no Concílio de Bordéus e em Tréveris no ano de 385 através de Evódio, prefeito do imperador e acusada das práticas mágicas de danças nocturnas, uso de ervas abortivas e astrologia cabalística.

Prisciliano acaba decapitado juntamente com os seus seguidores mais próximos por ordem do Imperador e numa acção considerada por muitos de justiça secular em questão religiosa. Martinho de Tours, Jerónimo de Estridão em Roma e Ambrósio em Milão foras dos ortodoxos leais a Roma que tiveram esta posição.

Pouco tempo depois, em 388 Máximo foi derrotado pelo Imperador Teodósio do Oriente e até o Bispo Itácio foi excomungado por ter sido o instigador do julgamento secular contra o Bispo Prisciliano.

 Por sua vez o priscilianismo manteve a actividade pelo menos por mais dois séculos como provam o facto de o tema ser tratado em vários concílios.  Ainda no concílio de Toletum no ano de 400 era referido que dos doze bispos da Galécia, apenas um não era priscilianista.

E a partir de 409 com os bárbaros a ocuparem o império, o priscilianismo sobreviveu essencialmente no mundo rural, de tal modo que mais tarde em 561, no concílio de Braga voutou a fazer-se referência ao movimento priscilianista. E no IV concílio de Toledo, em 683,  ainda se condenava a prática priscilianista dos clérigos galegos não cortarem o cabelo.

 

 

A hipótese do túmulo de Santiago de Compostela ser de Prisciliano.

Segundo  Louis Duchesne  será Prisciliano  que estará no túmulo em Santiago de Compostela.  Isto considerando que os seus discípulos trouxeram os seus restos mortais para a sua terra natal. (O próprio Miguel de Unamuno foi difusor desta teoria tornada popular).

O eremita Pelágio encontrou em 813 um sepulcro que atribuiu a Santiago. 

Foi Afonso II que ordenou a construção de uma igreja em honra de Santiago em texto de 829 ou 834. 

Em 893 o rei doa a Igreja de Arcos a Santiago. Começa a haver registo de peregrinos, mas a peregrinação só ganha evidência no século X. E só em 1126 é  que se conclui a Catedral, no tempo do Bispo Gelmires de tão má memória para Portugal. ( Fez Santiago rivalizar com Braga, mais antiga, de onde roubou várias relíquias que levou para Santiago e nunca mais devolveu.)

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds