.posts recentes

. O “Lector”

. Clubes de Leitura em temp...

. A Arte de Bem Negociar

. Vestuário no Islão. Signi...

. Os Estados desunidos da A...

. Mercearia fina

. Istambul: Memórias de uma...

. As portas da muralha burg...

. Portas da Cerca Velha do ...

. Três muralhas do Porto

.arquivos

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quinta-feira, 15 de Outubro de 2020

"Uma História de Leitura"

Alberto Manguel.jpg

Manguel, Alberto – Uma História da Leitura. Lisboa: Presença, 1998.

 

Portugal inicia uma rede nacional de bibliotecas por iniciativa de uma instituição privada, a Fundação Calouste Gulbenkian, um ano depois do regime ditatorial ter lançado a televisão. Apesar deste atraso que faz marco histórico, espantosamente um escritor , Alberto Manguel, escolheu Portugal para doar a sua biblioteca. Dessa forma dá corpo em Lisboa a um Centro de Estudos da História da Leitura.

Ele que é autor do fabuloso livro "Uma História de Leitura" editado em Portugal pela editorial presença em 1998. Foi-me muito útil. Recomendei-o aos meus alunos nas aulas de Licenciatura e Pós-graduação de Especialização e Mestrado. Voltei a ele e ás anotações que faço sempre nos livros que leio.

Sobre a leitura Manguel coloca a questão de não se limitar á leitura alfabética, mas esta é apenas uma das suas manifestações (p.20). Manguel entende a leitura de todo o que vemos e interpretamos. Ou seja, a tradução de signos. De seguida aborda as várias formas de leitura ( silenciosa ou em voz alta)e até os lugares de leitura (na cama por exemplo). E mesmo as mulheres e a leitura (p.85) para as interessadas.

A propósito da leitura em voz alta achei interessante a referência ao “lector” figura importante no trabalho de enrolar charutos.

Abordas questões da educação na antiguidade e na idade média. E aprendizagem da leitura.

Há também notas sobre a história da escrita e sobre os suportes.

E claro que como bibliotecário, director da biblioteca nacional da Argentina, não podia deixar de abordar a catalogação (p.199).

Não deixa de ser fascinante continuarmos a ver novidades em cada um dos livros que acrescentamos ás nossas leituras e de cada vez que os relemos.



António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:22
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds