.posts recentes

. Três muralhas do Porto

. Estoril. Um romance de gu...

. Biblioteca do Exército Po...

. Curiosidades da conquista...

. "Uma História de Leitura"

. No café da juventude perd...

. Primeiras Eleições nas CC...

. Luzes na escuridão

. Nadir Afonso

. Criatividade e financiame...

.arquivos

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sexta-feira, 11 de Setembro de 2020

ortodoxia

7-fatos-que-mostram-a-ligacao-entre-voce-e-o-cosmo

Onde está a ortodoxia? O que a fundamenta?

Ortodoxia é segundo o Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa a qualidade do que está de acordo com a doutrina oficial de uma igreja.

Num curto espaço de tempo vimos três formas diferentes de teologia, de orientação e governação da igreja católica. João Paulo II, marianista. Com ele o governo da igreja foi acompanhado pelos escândalos do IOR ou banco do vaticano . Bento XVI, teólogo do espírito santo, preocupado com a fundamentação teológica , foi incapaz de fazer reformas na cúria e talvez por isso não tenha resistido a esse poder oculto que o continuou a manipular contra o novo papa. Francisco, o da simplicidade e proximidade tenta a mudança possível num vaticano com dois papas. Não será fácil orientar a igreja para a simplicidade. Não será fácil denunciar a economia que mata numa igreja de poder e de dinheiro. Qual destas três orientações é a ortodoxa? Poderão ser todas mesmo sendo tão diferentes. Poderá não ser nenhuma por incapacidade de determinar a verdadeira. Mas não é dramático que assim seja. A ortodoxia é o resultado de uma colectânia de pensamentos e confronta-se com a realidade. Em todas as religiões a ortodoxia dos livros sagrados resulta da compilação de textos diversos e escritos em tempos diferentes.

Os hebreus iniciaram a sedentarização em Canãa onde se venerava Baal e Asherah. Aí confrontaram-se com a civilização local. A sua ortodoxia vacilou. Dividiram-se em dois reinos. O do Norte aceitava tanto Jeová como Baal. Ainda hoje vemos os seguidores da tora divididos por várias correntes da mesma religião.

Os judeos, que passaram a cristãos depois da morte de cristo, confrontados com as realidades locais, adoptavam os costumes e festas existentes vestindo-as de cristãs. Até os locais de culto pagão (culto local mais antigo) passavam a locais de culto cristão. As divisões administrativas territoriais foram adoptadas do império romano. O Arianismo era o culto na península ibérica visigoda e sueva e que na ocupação islâmica era conhecido como tiro moçárabe. No período em que portugal conseguia o estatuto de reino, a cristandade local dividia-se entre o rito romano, o dos cruzados, e o rito hispânico, gótico ou moçárabe, dos que cá estavam. E o do bispo de Lisboa morto às mãos dos cruzados do tiro romano. A violência dos cruzados em Lisboa, foi contra os do rito moçárabe e não contra os mouros. Por isso Afonso Henriques pediu para poupar a população de Lisboa. Ele que tinha sido educado por bispos do rito moçárabe e que tinha um tio mouro. (Stilwell, 2015)

E a ortodoxia estava difícil de distinguir nos anos do Grande Cisma entre 1378 e 1417. “Sabemos que durante os anos de 1410-1415, na cadeira romana sentava-se Gregório XII, o já octagenário venesiano Ângelo Correr, na de Avinhão o aragonês Pedro Luna, como Bento XIII, bem como o supracitado, Baldassare Cossa, um napolitano eleito e sagrado em Bolonha, reconhecido com adopção do nome de João XXIII”. (Fonseca, 2015; p.65).  Tudo ortodoxia como é da definição.

Alguns autores defendem que Frei João Xira pregou em Lagos em 1415 o perdão a quem se alistasse na armada para a conquista de Ceuta com a bula concedida pelo antipapa João XXIII ao Rei João I de Portugal. (Fonseca, 2015)

E quanto ao  islão logo após a morte do fundador, dividiu-se em duas ortodoxias. A do companheiro Bakr e a do genro do profeta. E destas saíram mais ortodoxias. Ortodoxias é o que não falta no Islão como nas outras confissões.

Bibliografia
Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa. Lisboa, 2001

Fonseca, Joao Abel da – A empresa de Ceuta , Dos antecedentes as circunstâncias que ditaram as causas próximas. In Fonseca, Joao Abel da; Maia, Jose dos Santos; Soares, Luis Couto - . Ceuta e a Expansao Portuguesa. Lisboa: Academia de Marinha, 2015. ISBN: 978‑972‑781‑130‑4

Stilwell, Isabel – D. Teresa. Lisboa: Manuscrito Editora, 2015 isbn: 9789898818027

Doxa  (filosofia)– o mesmo que opinião Conjunto de ideias e juízos generalizados e tidos como naturais por uma maioria. (Dicionário Priberam)



António Borges Regedor

tags:
publicado por antonio.regedor às 20:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
17
18
19
21
23
24
25
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds