.posts recentes

. cavalo de ferro

. FEST em Espinho

. Juan Carlos. O segundo ex...

. Edifícios e mudança de fu...

. A realidade não é o que p...

. Entre a informação e o co...

. Golfe e Ética

. A Península e o Reino Su...

. Qubba

. Natureza, Trilhos e Passa...

.arquivos

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segunda-feira, 8 de Junho de 2020

Passadiços em meio rural

pass pitoes.jpg

Talvez se lembrem a polémica inicial da construção de passadiços ao longo das praias. Diziam os críticos que iam provocar grandes impactos, alterar a paisagem e outros argumentos. O que na realidade aconteceu é que as dunas ficaram mais protegidas, aumentou a retenção de areia reforçando as dunas, promoveu o exercício físico e um mais ordenado usufruto do litoral.

A construção de passadiços tem vindo a ser realizada em meio rural. Tal como antes, aparecem agora críticos a estes novos passadiços.

É bom saber que estes passadiços levam realmente as pessoas da cidade a conhecer espaços que de outra forma jamais o fariam, muitas por falta de condição física e saúde para fazer trilhos de natureza. Educam para a sensibilização da natureza, mobilizam pessoas, promovem o exercício físico e o turismo local o que não é um motivo menor.

Para os que contrapõem aos passadiços o percorrer trilhos de montanha, é bom que recordem que também há impacto ambiental, ou pegada ecológica ao percorrer os trilhos ou a fazer como alguém diz que percorre esses lugares de forma selvagem. Pois também essa forma de usufruto da natureza tem impactos e alguns poderão até ser maiores que o provocado pelos percurso dos trilhos.

Já percorri boa parte da costa norte do país em passadiços do litoral, conheço muitos trilhos de montanha e já fiz trilhos no Parque natural de Montesinho, na zona de Arouca, no Barroso e no Parque Nacional da Peneda Gerês que conheço razoavelmente. Nalguns casos já fiz o trilho com e sem passadiço. É o caso da descida à Cascata de Pitões da Júnias no Barroso, Parque Nacional da Peneda Gerês, num percurso que vai da aldeia passando pelo Mosteiro e que continua para a cascata para terminar de novo na aldeia. O miradouro inferios da cascata é de tal modo íngreme que inviabilizava muitos de a observar. A alternativa era aceder por um plano superior francamente perigoso e onde se desincentiva a ida. A descida está agora amenizada com um passadiço. E ainda bem. Os pais podem educar os filhos no gosto de observação da natureza sem os levar de escorregão, literalmente o que podia acontecer, pela colina abaixo. Também dessa forma se preserva o estado natural dos percursos sem a pressão do pisoteio. Sim, os passadiços são para facilitar que muita gente possa usufruir da natureza. Sem contra esta forma de acesso à natureza esta ficaria reservada a uma certa élite.

Ao contrário do que dizem os críticos os passadiços em meio rural, protegem a paisagem, aumentam o conhecimento, promovem o exercício físico, facilitam a relação litoral interior, são factor de desenvolvimento económico local. Criam emprego, fixam populações, dão sustentabilidade a territórios isolados e vulneráveis.

Na balança das vantagens e inconvenientes ganha largamente o factor do ambiente, do social, da economia e da coesão territorial.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:29
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds