.posts recentes

. Dois Papas

. Sentimento de impunidade

. A insegurança de viver em...

. Mudar a cidade

. BIBLIOTECA DE GAIA

. Árvores, para que vos que...

. 2050 a catástrofe anuncia...

. Mudanças climáticas

. Ainda a  GRETA

. Biblioteca de Santa Mari...

.arquivos

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 31 de Dezembro de 2019

BIBLIOTECA DE GAIA

Biblioteca Gaia.jpg

 
Elogiar uma biblioteca. Uma forma de terminar o ano.
Através do amigo João Areses, soube da publicação de uma memória dos 85 anos de existência da Biblioteca Pública Municipal de Gaia. Não me é indiferente. Durante o meu percurso escolar nunca nos estabelecimentos de ensino havia bibliotecas. Mesmo na passagem pelo Rodrigues de Freitas no Porto, aquilo a que chamavam biblioteca foi uma vez objecto da minha curiosidade. Ousadamente empurrei uma porta enorme, e colocando a cabeça para lá de um enorme reposteiro apenas me foi possível ver na penumbra uns enormes armários com portas de rede e umas bancas-vitrinas de museu. Só na faculdade encontrei uma biblioteca. Os livros a que tinha acesso em criança eram, claro que ainda me lembro, a colecção “falcão” sucessora de “ O mosquito” da geração anterior. Recordo ter utilizado os serviços da itinerante da Gulbenkian que também chegou a fazer o Porto. Em São Lázaro, na BPMP, era assíduo por ser a biblioteca mais próxima da minha escola secundária. Serve isto o propósito para referir a relevância a que sempre votei a Biblioteca Pública Municipal de Gaia. A única biblioteca que cumpria o conceito de biblioteca de leitura pública na área do Porto. Pelo edifício, pelo livre acesso, pelos serviços. A minha referência como biblioteca de leitura pública, conceito à época quase desconhecido. Contactei muitas vezes com o bibliotecário Alberto Moreira por quem tenho grande estima. Foi ele que me proporcionou o primeiro trabalho de formação de técnicos de biblioteca. Outra figura que considero relevante na promoção da cultura em Gaia é o dr. Barbosa da Costa, com quem contactei algumas vezes durante a minha estadia em Canelas e por ocasião de uma expressiva homenagem aos pedreiros de Canelas e da qual resultou o monumento num dos locais centrais da freguesia. Em Canelas participei marginalmente na edição de um roteiro das colectividades locais. Na biblioteca guardo muito boa impressão da bibliotecária Isabel com quem contactei por várias vezes por razões profissionais e que sempre foi exemplarmente profissional. E da Alzira cuja formação tive a oportunidade de acompanhar e que reputo de excelente técnica. A sua dissertação de Mestrado é prova disso. É uma biblioteca a visitar brevemente.
Parabéns à Biblioteca Pública Municipal de V. N. de Gaia, aos agentes políticos que a criaram, mantiveram e melhoraram, aos bibliotecários que a dirigiram e dão corpo à missão e ofício da leitura pública, aos técnicos que a tornam agradável e apetecível e aos utilizadores que lhe dão sentido. A todos que lhe dão dignidade ontológica.
 
António Borges Regedor
publicado por antonio.regedor às 16:36
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 30 de Dezembro de 2019

Árvores, para que vos quero.

IMG_20180212_152058.jpg

Vendo como muitas das árvores são tratadas em meio urbano, alguém  poderá questionar o porquê de plantar árvores nas cidades.

Na verdade, a saúde das cidades e dos seus habitantes depende da quantidade e saúde das árvores que tem plantadas.

Àrvores nas cidades, com boa saúde, são fundamentais para a saúde pública dos seus habitantes.

Desde logo a função mais visível das árvores. A sua função de sequestro de carbono. Num tempo em que cresce a preocupação com o aquecimento global e a necessidade de reduzir os gases com efeito de estufa, nomeadamente o carbono, as árvores cumprem essa tarefa.

Não apenas nas ruas e avenidas, mas também em parques e jardins. Aqui, são espaços de valor estético e ambiental. Espaços de permeabilização para reposição das águas no subsolo e em lençois freáticos. Espaços de diversidade da flora e de abrigo a variada fauna. Espaços de lazer e saúde pública. O exercício físico pode combater tanto problemas psicológicos como a depressão como problemas físicos como a obesidade entre muitos outros benefícios para a saúde.

As árvores filtram o ar, retêm agua da chuva, produzem oxigénio, reduzem gases de efeito estufa, e amenizam temperaturas. Reduzem as temperaturas no verão, tornando mais amenas as cidades.

Obviamente que têm de ser árvores saudáveis, crescidas, com ramagens e copas. Não alguns troncos que é habitual ver em cidades onde são mal tratadas. Onde em vez de podas de correcção, lhes fazem cortes de madeireiro. Árvores deformadas, atarracadas, sem copas, autenticos paus ao alto, sem estética nem préstimo. Essas são árvores mal tratadas que em muitos casos as leva á morte. E isso devia ser considerado crime contra a saúde pública.  

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:03
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Dezembro de 2019

2050 a catástrofe anunciada

75317384_2988214987860730_7182650461105684480_n.jp

Recentemente parece que todos acordaram para se darem conta das alterações climáticas. O que era um traço dominante de indiferença passou, e ainda bem, a ser uma preocupação. Um paradigma de pensamento de uso despreocupado da natureza e dos seus recursos energéticos deu lugar a um paradigma de consciência da finitude dos recursos e, pior ainda, das alterações, que ameaçam ser irreversíveis, produzidas no planeta. No entanto, é ainda um momento de transição. Há ainda sectores vinculados aos interesses económicos do modelo anterior, que se recusam a aceitar a evidência das alterações climáticas e do fim da energia fóssil. A constatação no plano científico, passou já para preocupação de largos sectores sociais, especialmente dos mais jovens que percebem o futuro carregado de mais riscos. No plano político, uma boa parte dos partidos assumiram já as questões ambientais, e ainda bem. São fundamentais para a mudança paradigmática. Até se formou um partido dos que, distraídos com questões menores, só agora acordaram para o problema. O carbono corre o risco de se tornar a medida de todas as coisas, só porque o homem está em risco de o ser.

A percepção do aquecimento global, subida das águas do mar, aumento da amplitude das marés, frequência de fenómenos extremos surgiu, para muitos, recentemente. Diremos que mais vale tarde que nunca, mas em boa medida por evidente situação alarmante. Uma imagem recente de um estudo científico tem vindo a produzir enorme impacto. É o mapa com o desenho das áreas que até 2050 previsivelmente serão inundadas.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:28
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Dezembro de 2019

Mudanças climáticas

Desde a revolução industrial, há cerca de duzentos e cinquenta anos, que são consumidos combustíveis fosseis que necessitaram de milhões de anos para de formarem. Primeiro o carvão, depois o petróleo e o gás. Se outra razão não houvesse para preocupação, esta seria suficiente. Estes duzentos e cinquenta anos são, entre outras, causa do aumento de alterações climáticas que são preocupantes e que se podem tornar irreversível e mudar a forma de vida na terra, tal como a conhecemos. Desde a revolução industrial a temperatura média da terra aumentou 1,5 graus centígrados. Até meados deste século pode aumentar mais 1 grau, o que poderá tornar irreversível o aquecimento. Há factores combinados que concorrem para as alterações climáticas que todos já testemunhamos no nosso quotidiano e que balizamos temporalmente e de forma evidente, na última década. A par da notícia de degelo, de recuo da costa por aumento do nível da água do mar, sentimos os fenómenos climáticos mais extremos. Os picos de calor cada vez mais fortes e frequentes no verão, e os picos de frio, a velocidade dos ventos, a intensidade das chuvas com cada vez mais inundações no inverno. Ou ainda a desregulação e descaracterização das estações dos equinócios, tendencialmente mais moderadas.

Sem dúvida que o planeta não tem capacidade de regeneração ambiental dos enormes consumos de combustíveis fósseis, essencialmente hidrocarbonetos. Sem dúvida que é um dos factores de maior desequilíbrio ambiental. Há que substituir urgentemente os combustíveis fósseis por outra energia renovável. As fontes são conhecidas e as tecnologias conhecidas e em constante aperfeiçoamento.

De há muito se usam painéis solares para aquecimento de água e agora estão disponíveis painéis fotovoltaicos para produção de energia eléctrica. Há que aumentar a produção de energia do vento, não apenas em eólicas de pás horizontais, mas também em helicoidais que se adaptam a dimensões mais reduzidas e a espaços domésticos. Aumentar a produção de energia hídrica, mesmo em mini-hídricas não apenas para produzir energia, mas também para a armazenar em energia potencial. Ao mesmo tempo faz-se reserva de um bem que é cada vez mais escasso, regulam-se caudais e pode mesmo gerir transvase. Há ainda a energia das marés e das ondas.

O novo paradigma energético deve passar a usar energias renováveis. Produzidas não apenas em regime de monopólio de grandes grupos geradores, mas também e essencialmente em auto produção de pequenas comunidades e em regime doméstico. A legislação vai neste sentido. A mobilidade terá de ser alterada para modos suaves, para a motorização eléctrica e de cada vez maior eficiência. A mobilidade terá de se reduzir no transporte individual em favor do transporte público. Com maior rede, frequência e qualidade. Devendo ter condições para comutar com a mobilidade suave (as bicicletas e outros meios nas suas formas clássicas ou eléctricas.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:33
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Dezembro de 2019

Ainda a  GRETA

ebc8485f99cab3b0105f3a0b98a7ff60.jpg

A Greta tem o mérito de ter colocado muita gente a falar de ambiente, que de outra forma continuaria acomodada. Principalmente uma nova geração que não conhece a terra e o seu cheiro. Não se sabe orientar no campo ou na montanha sem o GPS instalado no telemóvel. E que se perde e pede socorro quando a bateria se acaba. Que conhece o mundo, mas nunca fez caminhadas a pé, ou acampou na serra e não distingue um medronho comestível do azevinho com que a mãe decora o natal lá em casa.

É bom que a Greta mobilize a nova geração para a necessidade das grande mudanças, absolutamente necessárias para um planeta sustentável e sadio.

Não é , no entanto, a única nem a primeira. Muito antes dela, muitos activistas lutam quotidianamente e de forma consistente pela defesa do planeta numa perspectiva ecológica. Quer dizer: científica, racional, estudada e de soluções sustentáveis.

A minha geração lutou pela democracia, pela possibilidade de se manifestar e mobilizar pelas causas necessárias à vida com direitos e deveres de cidadania. Lutou contra a guerra e o nuclear que lhe está intimamente associado na produção de plutónio para as bombas e de urânio 238 para as munições. Na minha geração já muitos lutam contra a desflorestação, pela reciclagem, pelas energias renováveis e pelo direito dos cidadãos produzirem a energia de que necessitam. Não é suficiente.

Ainda bem que a Greta alerta uma nova geração que terá de alterar os hábitos de consumo, de substituir o automóvel pelo transporte colectivo e por formas de mobilidade suave (a bicicleta por exemplo). De abandonar o consumo de combustíveis fósseis para reivindicar mais armazenamento de água e mais produção de energia a partir do vento, do sol, do mar e das ondas. A substituir o avião pelo comboio. O carro pela bicicleta. O descartável pelo duradouro.

A Greta é fruto da circunstância e conjuntura. Já há algum tempo que a ciência faz avisos alarmantes. A Greta resulta de se ter aberto uma perspectiva de negócio na era pós carbono. E de haver um conjunto largo de países industrializados favoráveis a enveredar pelo novo paradigma.

Mas a mudança não se faz individualmente tanto a gosto do modelo liberal. A mudança exige acção colectiva e de forma organizada. Há resistência de grandes interesses instalados, de grandes corporações que assentam a sua actividade na venda de hidrocarbonetos, de Estados capturados por estes interesses contrários ao paradigma da sustentabilidade ambiental. Estes poderes só podem ser combatidos com êxito se do lado dos que querem salvar o planeta houver forte consciência ambiental, conhecimento científico, organização determinada a mudar o comportamento dos Estados e das políticas públicas. Só a força de grandes organizações de cidadãos será capaz de impor mudanças políticas favoráveis ao ambiente, e que nalguns casos parecerão contrárias ao interesses individuais e egoístas. E isso exige razão consciente e não emoção lúdica e inconsequente.

A greta tanto pode ser uma ruptura (geologia), como pode dificultar os movimentos. (veterinária).

 

publicado por antonio.regedor às 18:09
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Biblioteca de Santa Maria da Feira

IMG_20190925_112603.jpg

Quis o comboio que me fizesse mais tempo apeado nessa terra de Santa Maria. Como sempre acontece, aproveito razoáveis  lapsos de tempo para visitar as bibiotecas dos Concelhos por onde passo. Por várias razões decidi visitar a de Santa Maria da Feira. Já não a via há bastante tempo, sou amigo da bibliotecária que conheço há cerca de três décadas e porque sempre gostei daquele espaço.

A revisitação leva-nos a pelos pormenores do balcão de atendimento, bar e sala de leitura. Reparei de imediato que a iluminação da recepção era nova. Criativa, de complexa concepção mas de simples realização.  A sala de leitura  tem a particularidade de beneficiar de um pé-direito que sustenta um mezanine. O peso dos livros e da sua história assentam firmes no piso da sala, enquanto a leveza digital é teclada nessa posição superior que a altura do mezanine confere.    

E mais uma vez com novo olhar, há aspectos e imagens ainda não experimentadas.E elas sempre lá estiveram. Chamou-me à atenção a entrada de luz pelas claraboias da sala de leitura. A claraboia oferece o desenho de uma cruz. Um símbolo bem adequado para as Terras de Santa Maria. Um pormenor simbólico. A Bibliotecária, Etelvina Araújo, que entretanto se aproximara deu nota da inovação introduzida na sala destinada à infância. O recanto da puericultura. Mães ainda em período de amamentação dos seus filhos têm cadeiras em espaço próprio e recatado com vista para a paisagem exterior.  A biblioteca pública sempre a inovar.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 2 de Dezembro de 2019

INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E PODER POLÍTICO

7e8e81c0704b51d5e10eee44a1195ead.jpg

 
A Política como administração da Polis coloca-se no topo das decisões jurídicas, sociais, educacionais, culturais e obviamente económicas e financeiras. Devendo a política decidir das questões financeiras. O crescimento da finança cresceu tanto que passou a influenciar a própria política a que devia estar submetida.
Procuremos ter uma ideia mais aproximada da grandeza destas instituições financeiras que influenciam as políticas mundiais. Para isso há alguns dados que nos podem esclarecer.
Há doze instituições financeiras que gerem um valor idêntico a um terço do PIB Mundial. A maior instituição financeira mundial é a “BlackRock”. Só o PIB dos Estados Unidos e da China é superior ao valor que a “BlackRock” gere. O PIB do Japão é inferior. Logo a seguir em gestão de valor vem a financeira “Vanguard”. Segue-se em valor de PIB, a Alemanha, Reino Unido, França e Índia. Logo seguidos da “State Street” e da “Fidelity”. A seguir ao PIB da Itália e Brasil está o valor gerido pela “BNY MELLON”. A “J. P. Morgan” de que muito ouvimos falar é apenas a sexta instituição investidora em grandeza, e gere por exemplo um valor superior ao PIB da Rússia. O “Goldman Sachs” ainda tem dez instituições de investimento maiores que ele.
A grandeza das instituições financeiras, com gestões maiores do que os PIB da grande maioria dos países do Mundo, torna-as demasiado fortes e influentes nas políticas financeiras, económicas e sociais. Determinam dessa forma mudanças de governos para as suas posições e interesses. Determinam também as políticas de moeda dos bancos centrais, já que estes deixaram de estar sob tutela dos Estados. São mais umas instituições capturadas por esse poder financeiro.
Em alguns momento será necessário o acto de coragem política contra o poder destas instituições.
 
António Regedor
publicado por antonio.regedor às 13:59
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds