.posts recentes

. Casa de Mateus

. PASSADIÇO DO PAIVA

. PASSADIÇOS

. Agustina Bessa-Luís

. O Tesouro

. Quark

. Votei

. Combater as notícias fals...

. No coração da Prelada

. Escrever um artigo de inv...

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quinta-feira, 30 de Maio de 2019

O Tesouro

IMG_20190508_161708.jpg


Ir à Sé do Porto, é uma aventura no tempo. Aí, onde ela foi construída é a Pena Ventosa. O cimo do morro ventoso, mas suficientemente defendido pela encosta íngreme, e pelo vale do rio da vila. Foram as condições encontradas para aí se instalar a povoação castreja. Depois os romanos, os visigodos aqui formaram um reino cristão que cunhou uma moeda com o nome de portugal. Os mouros destruíram a cidade, deixaram-na ao abandono até o Galego Vímara Peres a dizer sua. D. Teresa doou-a ao Bispo Francês D. Hugo. No lugar onde havia uma capela, foi erguida a Catedral. Bem podia ser uma fortaleza com as duas torres que lhe servem de fachada. E a aventura continua quando se lhe reconhecem os traços românicos, e os góticos, e os barrocos. E se o seu interior é de força e nos esmaga, o claustro protege-nos. Aí sentimos conforto e segurança. Arredados do Mundo, o que de fora fica não nos atormenta. Estamos na interioridade, voltados para nós mesmos, para a reflexão. A aventura continua quando subimos ao piso que fica por cima do claustro. Avistamos o Porto, o Rio, a cidade de Gaia. Vemos o mundo de cima. Por baixo de nós ficam os que labutam, que se apressam ou deambulam nas ruas estreitas do burgo. Mas a aventura a ainda maior quando entramos na sala do tesouro. Uma das primeiras peças em que a vista atenta pára é um missal, impresso, com gravura na folha de rosto e título a rubro e negro. Outros livros com capas protegidas a placas de prata cinzelada. Alfaias litúrgicas e paramentos bordados a ouro. Várias coroas e muitos outros objectos que brilham de valor, de história, de simbolismo.

A Sé é muito mais que o lugar de culto. É um registo de tempo histórico do Porto que não pode deixar de ser tido em conta.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 09:30
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Maio de 2019

Quark

Gell-Mann.jpgJá ouvimos falar de Quark em microfisica. O homem que deu nome a esta micro partícula morreu no passado dia 24 de Maio de 2019.  Murray Gell-Mann escreveu "O Quark e o Jaguar" para explicar de forma simples o que é o Quark. O Livro em português foi publicado pela Gradiva e já só o encontra em biblioteca. No mercado está indisponível.

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 16:27
link do post | comentar | favorito
Domingo, 26 de Maio de 2019

Votei

urna_votos.jpeg

 
Quando nasci, não se votava. Não havia eleições. Só havia um partido. O do poder, o da ditadura. Quando a ditadura arriscou uma eleição presidencial, o candidato da oposição, Humberto Delgado foi impedido pela fraude de ganhar. Mais tarde decidiram assassiná-lo .
Nas imitações de eleições em 1969 e 1971, os recenseados eram os do partido da ditadura (União Nacional no tempo de Salazar e mais tarde Acção Nacional Popular no tempo do Marcelo). Também inscritos obrigatoriamente eram os legionários, militares, elementos das forças policiais, e funcionários públicos. O voto para estes, era tido como obrigatório por medo de represálias. Dizia-se descarregar o voto. A população em geral entendia que não se devia meter em política por poder ser mal interpretada. A oposição tinha que pedir o seu recenseamento. Não se tratando de gente ligada ao regime, era obviamente alvo de suspeição. Facílimo ver quem seria da oposição e exercer represálias.
Na primeira eleição após o 25 de Abril, para a Assembleia Constituinte, não votei. Tinha sido recenseado no Algarve à data das eleições, estava no Serviço Militar em Aveiro (R I 10), a dar apoio às eleições, garantindo que tudo correria bem.
Nas eleições seguintes votei sempre. Em algumas cumpri o dever cívico de ser membro de mesas de voto.
Hoje voltei a votar. Sei como foi difícil conquistar este direito. Entendo-o como um acto de cidadania. Sou cidadão Europeu e Português. É a minha participação cívica. Expresso a minha opinião sobre o que devem ser as políticas europeias.
Votei
 
António Regedor
tags:
publicado por antonio.regedor às 13:57
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 24 de Maio de 2019

Combater as notícias falsas

falsa.png

Se a notícia é de grande manchete e não tem uma explicação racional é de desconfiar.
Se é muito chamativa toda em maiúsculas, desconfie.
Não acredite no título, leia o texto e veja se corresponde ao título.
Se não conhece a fonte de informação, desconfie. Verifique o endereço do site. Confirme que é credível.
Confirme as datas e confronte as fotos com outras da mesma data.
Desconfie que a pessoa que publica, também pode estar a ser enganada.
Se depois de tudo isto, conhecer a fonte, a pagina que o divulga e a pessoa que o envia, só então poderá colocar a hipótese de o reencaminhar.
 
publicado por antonio.regedor às 08:41
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Maio de 2019

No coração da Prelada

_PRELADA TORRE.JPG

O Porto mantém ainda alguns espaços verdes de assinalável dimensão.  Para além dos mais conhecidos e abertos ao usufruto lúdico como o Parque da Cidade,  S. Roque e Serralves,   ou ainda alguns mais pequenos como as Virtudes, Palácio de Cristal ou Covêlo. Mas há ainda quintas que não estando abertas ao público, são significativas do ponto de vista da área de espaço verde. Uma delas é a Quinta da Prelada. Já não tem hoje a utilização como  parque de campismo que já foi. Mas para além da arborização que permanece, mantém, quase em segredo as construções à boa maneira de jardim inglês romântico. Um Portão liga o Jardim à mata centenária. Um lago circular com uma ilha onde se ergue uma torre de dois pisos. Há ainda uma gruta e uma fonte.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:45
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 21 de Maio de 2019

Escrever um artigo de investigação.

QUADRO DE INVESTIGAÇÃO.png

Investigação é isto. Essencialmente método.

Todo o trabalho começa com um abstract. Que se traduz por Resumo, e não, como alguns erradamente colocam em, sumário. Sumário é a descrição das partes e capítulos que constituem o trabalho indicando os títulos dessas partes. E claro que vem logo no início do trabalho, para que se saiba em que paginas começa. Já os índices, que são documentos secundários, são colocados no final do texto. Ainda do ponto de vista formal, logo a seguir ao sumário deve figurar o glossário, colocando a sigla ou acrónimo e entre parêntesis a sua tradução por extenso.

Mas vamos ao importante na elaboração de um artigo de investigação.

O Abstact ou resumo começa por colocar o problema, indica a metodologia, apresenta as principais descobertas e a conclusão principal.

O corpo do trabalho, propriamente dito, tem uma introdução. Estabelece o território de investigação. Delimita a sua centralidade, faz generalizações dos diversos tópicos, e refere pontos já estudados em anteriores investigações. Estabelece o seu território de investigação, indicando lacunas, questionando o já dado como adquirido e continuando e estendendo a linha de investigação. Revê a literatura. Indica a metodologia do processo de recolha, tratamento e análise dos dados. Apresenta resultados.

A discussão dos resultados implica uma introdução que os apresente, discuta os reivindique. A avaliação dos resultados implica analisar, dar explicações, referir a literatura que os suporta e as implicações que promovem. A conclusão tem de referir igualmente as limitações à investigação efectuada, bem como perspectivas de desenvolvimento do estudo e recomendações.

Há lugar finalmente à conclusão.

A terminar é dada indicação das referências bibliográficas.

Do ponto de vista formal antes das referências é colocado o índice ou índices se os houver.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 10:22
link do post | comentar | favorito (1)
Sábado, 18 de Maio de 2019

Viela dos abraços de Ramalde

IMG_20190330_111428.jpg

 
O Porto ainda mantém muito da sua primitiva ruralidade. Ramalde é um exemplo. Grandes quintas que a cidade foi integrando. Dos caminhos entre quintas, nem todos resultaram em ruas e travessas. Alguns permanecem no tempo. Caminhos estreitos como a viela dos abraços que percorri muitas vezes.
 
António Regedor
 
publicado por antonio.regedor às 14:27
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Maio de 2019

REVISTAS E INDEXAÇÃO

images.jpg

A preocupação da indexação das revistas em bases de dados de grande impacto continua a ser uma realidade, apesar do enorme crescimento da publicação em repositórios institucionais em open acces.  A necessidade de mostrar publicações indexadas com maiores factores de impacto e em revistas que são promovidas por acção de marketing e figuram em packs de empresas fornecedoras de conteúdos científicos ainda pesa muito nas preocupações e práticas dos investigadores.  A cienciometria ainda está longe de encontrar uma boa  solução para a necessária publicação da produção científica e para o seu financiamento adequado.

Como podemos depreender do  texto de Rubén Urbizagástegui

“En el campo de la Bibliotecología y Ciencia de la Información Latinoamericana, se habla con abundancia de "revistas internacionales" y también de la "internalización de las revistas". Se habla de la necesidad de que esas revistas (académicas o científicas) sean indexadas por "bases de datos internacionales", aun cuando los países locales no tienen un control adecuado de sus revistas nacionales y menos poseen bases de datos bibliográficas nacionales, donde estas revistas académicas o científicas deberían ser prioritariamente indexadas. No invierten en bases de datos nacionales pero si exigen que sus investigadores publiquen en revistas que estén indexadas en bases de datos internacionales y mejor si estas son Web of Science o Scopus. Las autoridades culturales de los países latinoamericanos con certeza no saben ni cuantas revistas son publicadas en sus territorios nacionales. Traigo a colación esta afirmación porque me he dado el trabajo de leer con atención el libro "Revistas académicas colombianas: trayectorias y orígenes" de autoría de la Dra. Cristina Restrepo Arango. Este libro analiza las revistas editadas por universidades e instituciones académicas públicas o privadas en Colombia. Por ejemplo, de las 855 revistas identificadas, el Web of Science no indexa ninguna, solo su Emerging Sources Citation Index lista 220 revistas y Scopus solo indexa 83 revistas. Y Para que necesitamos que estas dos bases extranjeras indexen las revistas Latinoamericanas? No sería mejor construir bases de datos nacionales que indexen las revistas académicas locales?
Los que se interesen por estos asuntos pueden bajar el libro del siguiente sitio e incorporarlo a sus bibliotecas o colecciones personales:”

https://www.academia.edu/37200329/Revistas_acad%C3%A9micas_colombianas_trayectorias_y_or%C3%ADgenes 



Cordialmente

Rubén Urbizagástegui

publicado por antonio.regedor às 14:31
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Maio de 2019

...

udesc_biblioteca_central_foto_gustavo_cabral_vaz_a

Os temas  em estudo pelos  académicos e técnicos  de bibliotecas especializadas no Chile.

6° CONGRESO DE BIBLIOTECAS
UNIVERSITARIAS Y ESPECIALIZADAS

12 y 13 de noviembre 2019, Santiago - Chile

 

bibliotecas.uchile.cl/congreso

 

·  Acceso a la información

·  Colecciones digitales

·  Repositorios académicos

·  Datos abiertos, metadatos y catalogación

·  Propiedad intelectual y derechos de autor

·  Evaluación y estándares de calidad

·  Bibliometría y métricas

·  Servicios de información

·  Publicación electrónica

·  Gestión de datos de investigación

·  Alfabetización informacional

·  Colecciones patrimoniales

·  Arquitectura de información

·  Tecnologías móviles

publicado por antonio.regedor às 11:16
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Maio de 2019

Produção de electricidade e carbono zero

helicoidal.jpg

 

A procura de formas de produção de electricidade e a sua optimização vai continuar e vai generalizar-se. Os consumos de electricidade vão continuar a subir, e os processos e equipamentos terão tendência a ser mais pequenos, descentralizados e cada vez mais domésticos.

Estamos no fim de um modelo de sociedade iniciada com a revolução industrial alimentada a energia fóssil. Para trás ficou o consumo essencialmente de biomassa. A revolução industrial passou pelo carvão e petróleo, verificando a sua finitude. A procura de energias renováveis é o novo paradigma. E o futuro é de alguma forma voltar, agora com novas tecnologias e equipamentos, a produzir energia utilizando os rios e os mares, o vento e o sol.

E já todos se deram conta da mudança de paradigma. A energia elécrtica produzida em Portugal pelos grandes sistemas produtores, são já cerca de 70% de energias renováveis. E as fontes de energia são diversas. No caso da EDP, a empresa com maior mercado em Portugal,  das energias renováveis, a que tem maior significado, é a eólica com quase 47%.  A  hídrica já só é 13%. Há outras renovéveis com 6,3% e a cogeração renovável apenas 3,8%. Ainda se queima carvão na percentagem de 11,9%, a cogeração fóssil quase 8% e o gás natural com 5,8%. Infelizmente o nuclear ainda entra na conta com 2,5%. Mas a valorização energética de resíduos sólidos foi utilizada por esta empresa em 1,7% da sua produção.

O actual modelo ainda é o da produção centralizada, herdeira do monopólio da produção eléctrica, mas o caminho deverá ser cada vez mais a produção á escala da necessidade dos utilizadores.

Não haverá apenas grandes equipamentos produtores de electricidade, mas também já vemos, e veremos cada vez mais pequenas unidade de produção de electricidade.

A instalação desses equipamentos pode ser ou não um problema. Pode precisar de espaços e locais adequados. As coberturas dos edifícios são um dos espaços naturais. São já usados para painéis solares de aquecimento de água e fotovoltaico. Mas também o poderão ser para aerogeradores de dimensão doméstica. Já os há em telhados de hotéis. Como também já existem microgeradores instalados em parques. E não nos espantemos quando virmos pequenos aerogeradores helicoidais, muito parecidos com os extractores que nos são já muito familiares nos topos dos prédios.

O desejável será a diminuição dos equipamentos de produção eléctrica que se aproximem das necessidades dos consumidores. Que cada um possa aproximar a sua produção ao seu consumo e ao seu armazenamento. Do tipo de um gerador solar que durante a noite armazena no carro que se utilizará durante o dia e esse mesmo equipamento possa contribuir para a minimização dos consumos domésticos e industriais no pico de consumo que é durante o dia.

Actualmente, se houvesse produção doméstica a cerca de 30%, os grandes sistemas produtores, prescindiriam de consumo de combustiveis fósseis e nuclear, e geraraiam electricidade apenas com energias renováveis. Era a total descarbonização na produção de energia eléctrica.

Fonte dos dados: EDP

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 16:37
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds