.posts recentes

. Greve dos "Juizes"

. CASA GRANDE E SENZALA

. Bacalhau

. TRÊS MOMENTOS DA HISTÓRIA...

. Impostos, para que te que...

. Perigos na Ciência

. Notícias Falsas

. Bibliotecas e Recursos Hu...

. Mudança de paradigma ener...

. País de marinheiros

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 20 de Novembro de 2018

Greve dos "Juizes"

transferir.png

Já assisti a muita coisa na vida. Já vivi em ditadura, em revolução social, em democracia. Na democracia sempre com a sensação de estar incompleta. A democracia é a procura de fazer sempre melhor e ainda melhor. Quer dizer que a Democracia tem o defeito de ser necessário estar sempre a procurar torná-la melhor. E tem a virtude única de fazer de cada um de nós o seu criador.

A ditadura era assim, não mudava e a solução foi acabar com ela, da única forma que se pode acabar com as ditaduras. A sua rejeição.

Na revolução social de 1974 e 1975 em Portugal, também vivi muitos episódios que só acontecem nesses períodos de indefinição, instabilidade, incerteza, mas muita vontade de mudar, agir, construir. As revoluções sendo esteticamente agradáveis, são socialmente inquietantes.

Hoje acho piada aos plenários na unidade onde prestei serviço militar, e ao momento em que o primeiro ministro Pinheiro de Azevedo anunciou que o governo entrava em greve. Nada disso foi grave. Era um período revolucionário.Um tempo em que se quebrava a hierarquia e a disciplina militar. Um tempo em o país estava repartido por muitos poderes e o governo era apenas mais um. Tempo revolucionário em que os juízes não faziam falta porque a justiça fazia-se na rua. O patrão que não pagava era corrido da fábrica. O senhorio especulador ficava com a casa ocupada, O polícia confinado à esquadra e as mocas na rua.

Hoje, assisto a uma manifestação ridícula do orgão de poder judicial fazer greve, como ridícula foi a alocução de Pinheiro de Azevedo. Manifestação criminosa porque um orgão de poder não deve, não pode fazer greve. A defesa da Constituição que os orgãos de soberania têm de salvaguardar, não se faz com interrupções. Um orgão de soberania que interrompe a defesa da constituição, coloca-se fora dela e contra ela. E os juízes de hoje (com letra pequena) e na sua pequenez estão contra a constituição que por obrigação terão de defender. Ou então demitam-se. Não gostam, não querem, ninguém os obriga. Sejam coerentes. Demitam-se.

Na realidade estão a demitir-se. De ser orgão de soberania. A demitir-se de serem diferentes dos assalariados da função pública. Querem assumir que não fazem parte do Estado e que o Estado é o patrão que lhes paga e que manda neles, como no fascismo. Demitem-se de fazer justiça, que acreditem neles. E a justiça passa a ser uma banalidade que qualquer assalariado, ou não, pode fazer. Desacreditam-se a si e à justiça, e abrem caminho à justiça popular em que qualquer bandido é juiz. E por reivindicação mesquinha como a de querer ganhar mais que o primeiro ministro. A Justiça que aplica o direito, trocada pelo justiceirismo sem direito.

Lamento profundamente a falta de Sentido de Estado, a Irresponsabilidade Ética no seu péssimo exemplo. Lamento ainda mais que os Juízes se coloquem ao nível dos carroceiros grevistas.

Desconfio que não se trate apenas de reivindicação laboral, porque a agenda de greves está pensada para daqui a um ano. Daqui a um ano? O que esconde esta agenda de tão longa greve?

António Regedor

 

 

 

 

publicado por antonio.regedor às 16:15
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Novembro de 2018

CASA GRANDE E SENZALA

CASA GRANDE E SENZALA.jpg

 

O sociólogo Gilberto Freyre escreve em 1933 um estudo sobre a  formação social do Brasil com o título: “Casa grande e senzala”. Caracteriza a formação da sociedade brasileira como acção de colonização de característica patriarcal, escravocrata e de alguma idealidade quanto à miscigenação. Sendo que até na miscigenação havia diferenciação, já que   a igreja a incentivava a ligação às indígenas, mas não às pretas.  Refere a opressão contra a mulher, que sendo negra ou indígena seria objecto sexual, e que confinava as brancas à casa grande descuidando  a sua educação. Não havia escolas, os meninos eram ensinados em casa. Alguns, mais tarde em colégios de padres. Aos negros e mestiços era vedado o acesso ao sacerdócio, donde não seriam educados.

O branco vivia na casa grande . O negro, mestiço e  índio na senzala.

As elites brasileiras parece gostarem destes tempos da escravatura. Da casa grande da cidade e da senzala do morro, da favela. A sociedade brasileira, no seu todo, parece preferir a condição da sua sociedade arcaica. Teima em não abandonar a estrutura escravocrata das relações sociais. Em não abandonar a violência sobre os pretos, os indígenas, as mulheres. As brancas parece não sentirem a clausura da casa grande no condomínio. Os brasileiros, homens e mulheres continuam a cultivar a violência, a ignorância, o racismo, a senzala. As estatísticas referem-na como sendo  das sociedades mais violentas, mais ignorantes. Parece não terem aprendido nada com o tempo.

 

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 11:04
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 2 de Novembro de 2018

Bacalhau

IMG_20180811_181858.jpg

 

 


Em 1941 foi construído em Portugal, o primeiro navio de arrasto lateral. Construído nos estaleiros da Companhia União Fabril (CUF). Destinava-se à pesca do bacalhau. Mas logo em 1945 foi estabelecida a regulação dos recursos marinhos e controlo dos fundos do Atlântico, denominada Proclamação Truman. No ano seguinte realizou-se a Convenção Internacional de sobre pesca, em Londres. O primeiro organismo de gestão das pescarias do bacalhau do Atlântico, foi a Comissão Internacional das Pescarias do Noroeste Atlântico (ICNAF) criada em 1948. Nos dois anos seguintes era construído na Holanda o “Santo André” para a pesca do bacalhau nos bancos da Terra Nova.

Só em 1954 é que foi construído o primeiro navio de arrasto pela popa do mundo. Foi o “Fairtry” nos estaleiros de Aberdeen, na Escócia.

Mas o “Santo André” modernizava-se em 1961 com a instalação do parque de pesca coberto e de dois porões de congelados. Portugal estabelece uma Zona Económica Exclusiva de 200 Milhas em 1977 e a (ICNAF) dá lugar à North Atlantic Fisheries Organisations (NAFO).

Portugal adere em 1986 à CEE e passa a vigorar a Política comum de pesca. Bem depressa se chega à última campanha de arrastões laterais da frota portuguesa em 1991. Logo no ano seguinte o Canadá proíbe a pesca de bacalhau na Terra Nova e o “Santo André” é reconvertido em Navio-Museu.

Está hoje ancorado no Jardim Oudinot, na Gafanha da Nazaré, Município de Ílhavo. Era um navio moderno, com 71,40 metros de comprimento e porão para vinte mil quintais de peixe (1200 toneladas). No convés principal, ao centro do navio, estão instalados o guincho de manobra de redes, o sistema de roldanas, as patescas, as portas de arrasto e a rede, componentes essenciais na pesca. O guincho era manobrado por dois operadores e tinha capacidade para 25 toneladas. A fábrica de transformação de pescado tinha capacidade de processar 12 toneladas por dia.

Para ter uma ideia da máquina que fazia mover este navio, é de referir que o motor atingia a potência máxima de 1700 cv. Abastecia com 450 mil litros de gasóleo e gastava 250 litros hora. Atingia a velocidade máxima de 11 nós (cerca de 20Km/h).

Mas não só. Tinha uma caldeira para aquecer a água necessária ao aquecimento no navio, geradores a gasóleo para produzir a energia eléctrica, e um dessalinizador com capacidade de produzir 1500 litros de água potável, por dia.

Cerca de 57 pessoas viviam neste

Barco durante o período da faina. Capitão, imediato, piloto, enfermeiro, telegrafista com camarotes próprios e próximos. Cozinheiro, dois ajudantes e contramestre de salga em camarotes junto à cozinha. Chefe de máquinas, mais dois maquinistas, electricista e quatro ajudantes de maquinista com camarotes junto das máquinas. E finalmente camaratas para 40 homens.

Mas o melhor, é entrar no barco e imaginar-se na faina, com todos os barulhos, balanços e tarefas, apenas com o mar por horizonte.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:38
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds