.posts recentes

. BIBLIOTECA-BARCO

. Não é fácil ser professor

. As Árvores Temperam a Te...

. Caminhos de Ferro a serem...

. "Lego" na Biblioteca

. Directrizes. IFLA Guide...

. Luto

. Mercantilização da Ciênci...

. O Império repete-se. A mo...

. Direitos de autor e digit...

.arquivos

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quarta-feira, 30 de Maio de 2018

Zélia Parreira - Biblioteca Pública de Évora

images.jpg

Zélia Parreira é Doutora Ciências da Informação e Documentação pela Universidade de Évora, e  dirige a  Biblioteca Pública de Évora que integra a Biblioteca Nacional de Portugal.

Recentemente a Biblioteca Pública de Évora fez 213 anos e surge  pela mão do  promotor da passagem das bibliotecas  da esfera privada para a esfera pública. Frei Manuel do Cenáculo  

Reconhecendo o trabalho interessante da Zélia Parreira na promoção da leitura e associando esse facto á característica particular da Biblioteca Pública dae Évora fica aqui registada uma conversa com esta bibliotecária.

1 O que te levou ao percurso profissional de bibliotecária.

Foi quase por acaso. Fui utilizadora da biblioteca pública desde miúda, mas fui fazendo o meu percurso escolar sem uma ideia muito definida do que queria ser. Entretanto, concorri e entrei para o quadro da Câmara Municipal de Moura, ainda estudante. Quando terminei a licenciatura, o Presidente da Câmara na época apresentou-me a proposta de um cargo dirigente, que recusei por considerar que me faltava a experiência necessária e ele respondeu com outra pergunta: “E para a Biblioteca, estaria interessada?”. Devido ao financiamento recebido através do Programa de Apoio às Bibliotecas Municipais, a biblioteca tinha obrigatoriamente que ter um bibliotecário e o lugar estava vago. Aceitei sem hesitar, com uma sensação esquisita, entre a surpresa total e a familiaridade de um processo natural. Quando contei à minha mãe, ainda muito surpreendida com a oportunidade, disse-me logo “Eu sempre soube que tu ias lá parar!”. Fiz a pós-graduação em Ciências Documentais na Faculdade de Letras de Lisboa, já a trabalhar na Biblioteca de Moura, como muitos outros colegas na época.

Desde o primeiro dia, a 1 de setembro de 1994, não me imagino a fazer outra coisa. Tenho o privilégio de fazer o que realmente gosto, de viver todos os dias num ambiente fantástico, e o orgulho de contribuir para uma instituição que tem verdadeiramente o poder de mudar o mundo para melhor.

 

2 Como é ser bibliotecária no grande e histórica biblioteca de depósito legal? Qual a diferença em relação às B Municipais?

Bem, em concreto, a grande diferença é que não há problemas com as aquisições e temos sempre todos os livros publicados em Portugal, embora com algum tempo de atraso relativamente à sua edição. Esse delay deve-se ao tempo que as tipografias ou editoras demoram a remeter os livros para a Biblioteca Nacional e, depois, como dependemos do apoio do Município de Évora para o transporte das caixas com o depósito legal para Évora, à disponibilidade dos serviços municipais.

É, inegavelmente, uma vantagem extraordinária, na medida em que nos permite ter sempre muitas novidades, o que é muito valorizado pelos nossos leitores. A disponibilização do fundo documental tem sido a grande mais-valia que tem feito crescer o número de utilizadores, de empréstimos domiciliários e de consultas presenciais.

É claro que há o reverso da medalha. Entram na Biblioteca Pública de Évora, em média, 150 a 160 livros por dia (40 mil por ano). Tem sido necessário um grande esforço de organização interna para criar fluxos de trabalho que garantam, por um lado, o processo de tratamento documental atempado e, por outro, a arrumação física das espécies num espaço que não se multiplica. Acresce ainda o trabalho de conversão do ficheiro manual (cerca de 170 mil registos) para o catálogo informatizado, bem como a catalogação de cerca de 20 anos de depósito legal que não recebeu qualquer tratamento ou registo (entre o momento em que foi decidido parar o catálogo manual e o momento em que o catálogo informatizado efetivamente começou).

Por outro lado, o DL só cobre documentos impressos, o que significa que estamos limitados a esse suporte.

Quanto à colecção patrimonial, é indescritível a riqueza do fundo que está à guarda desta Biblioteca. Estamos a proceder à inventariação e catalogação das espécies depositadas na Casa-Forte e têm sido frequentes as surpresas quando à qualidade e até quantidade de documentos que aqui se encontram. Este é um processo que as bibliotecas municipais raramente enfrentam e, mesmo quando dispõem de livro antigo, nada se assemelha a esta dimensão, riqueza e importância. Neste domínio, além do registo exaustivo de todas as obras, estamos também a proceder à sua virtualização, com o objectivo de disponibilizar o acesso aos documentos, ao mesmo tempo que garantimos a sua segurança e salvaguarda.

Esta é, como se pode constatar, uma biblioteca muito especial, na medida em que comporta duas bibliotecas numa só – a de leitura pública e a patrimonial - e que cada uma destas bibliotecas já se destaca, por si só, pela sua dimensão e pelo valor das suas colecções.

Depois, há ainda todo o trabalho de gestão de instituição e do edifício. Neste momento estamos a poucos dias de iniciar uma obra de recuperação que só peca por tardia, mas que foi muito difícil de concretizar. O facto de esta Biblioteca ser parte da Biblioteca Nacional de Portugal constitui uma enorme vantagem, dado todo o apoio técnico e logístico que daí recebemos, mas acarreta o peso da responsabilidade de representar uma instituição tão relevante para o nosso país. Ser a Bibliotecária desta Casa é, sem dúvida, o grande desafio profissional da minha vida e trabalho todos os dias para tentar corresponder a esse desafio.

 

  1. Como atingir o público-alvo adulto e já fora do sistema de ensino?

Nós estamos a desenvolver algumas estratégias que procuram concretizar um objectivo principal: aproximar as pessoas dos livros. E digo isto no sentido mais literal possível. A minha experiência destes 24 anos como bibliotecária é que o ser humano não resiste ao livro, se ele estiver por perto. Com base neste pressuposto, criámos serviços de proximidade através de parcerias com instituições do concelho de Évora e neste momento contamos já com 18 unidades fora das paredes da Biblioteca. Algumas fazem empréstimo domiciliário para o público, outras apenas para os funcionários/associados dessa entidade, outras são só para leitura presencial. Também fizemos um investimento importante no aumento do número de horas de abertura ao público, especialmente em horários que podem ser de maior conveniência para quem trabalha: a hora do almoço e o sábado. Por fim, a nossa grande aposta está na disponibilização de fundo documental para empréstimo, com um elevado índice de novidades. É curioso que a maior parte dos nossos leitores se dirige logo às estantes das novidades antes de seguir para o serviço de empréstimo.

Naturalmente, também desenvolvemos muitas actividades de animação e promoção da leitura, sempre em parceria, com o objectivo de trazer novos públicos à Biblioteca (106 actividades em 2017, com a participação ou assistência de mais de 8 mil pessoas), mas o que os fideliza como leitores é o contacto com o livro e a certeza de encontrarem permanentemente novos motivos – leia-se novos livros – que justifiquem a sua vinda à biblioteca.

Felizmente o crescimento tem sido consistente e neste momento temos quase 10 mil utilizadores inscritos (o que significa que, nos últimos 4 anos praticamente duplicámos o número de utilizadores) e uma média anual de 40 mil documentos utilizados, 25 mil dos quais em empréstimo domiciliário. Só em 2017 tivemos mais de 60 mil pessoas na Biblioteca!

 

  1. Algum aspecto importante/interessante que queiras referir?

Sim, há duas questões que considero importantes. A primeira poderia resumir-se em duas frases relativamente à postura dos bibliotecários perante a biblioteca, numa altura em que se constata algum desânimo: “É isto que temos, é com isto que temos que trabalhar” e “Não perguntes o que pode a biblioteca fazer por ti, pergunta o que podes tu fazer pela biblioteca”. Não há aqui qualquer sugestão de conformismo, pelo contrário. Devemos reivindicar melhores condições e lutar por elas, mas também temos que fazer tudo o que está ao nosso alcance para aproveitar tudo o que temos, tudo o que nos rodeia, em favor da biblioteca pública e da sua afirmação, porque essa afirmação abrirá novas possibilidades de crescimento e reconhecimento.

A segunda questão, que já referi no início, é que nós temos o privilégio de trabalhar numa instituição que pode, efectivamente, mudar o mundo. E isso faz-se através do impacto positivo que temos na vida de cada cidadão da comunidade que servimos.

Posso falar do meu caso pessoal: olho para trás e vejo que todo o meu percurso pessoal e profissional só foi possível porque, desde muito cedo, comecei a utilizar a biblioteca pública. Todos os livros que li contribuíram para aumentar a minha curiosidade, o desejo de aprender. Quanto mais sabia, mais queria saber: “A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original”. Foi também na biblioteca pública que encontrei os livros que precisei de ler e estudar ao longo do meu percurso académico. A minha vida teria sido muito diferente se não tivesse usufruído da biblioteca pública e hoje tenho a oportunidade de estar deste lado e ajudar a mudar outras vidas.

É por tudo isto que não posso, em circunstância alguma, baixar os braços e deixar de lutar para afirmar a biblioteca pública e a sua relevância na comunidade.

 

Curriculum vitae de Zélia Parreira

Zélia Parreira Bibliotecária. Doutorada em Ciências da Informação e Documentação pela Universidade de Évora. Licenciada em História pela Universidade de Évora e pós–graduada em Ciências Documentais pela Universidade de Lisboa. É diretora de serviços na Biblioteca Nacional de Portugal, tendo a seu cargo a direção da Biblioteca Pública de Évora desde Janeiro de 2014. É coordenadora do Grupo de Trabalho das Bibliotecas Públicas da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central. Foi bibliotecária responsável pela Biblioteca Municipal de Moura entre 1994 e 2013 e formadora na área das ciências documentais, variante de bibliotecas, entre 2003 e 2010. É investigadora do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora (CIDEHUS/UE) e foi professora assistente convidada na mesma Universidade entre 2014 e 2016.

.

 

 

 

 

publicado por antonio.regedor às 15:53
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Maio de 2018

Prémio Camões foi para Germano Almeida

Germano_Almeida.jpg

 

Este ano de 2018 o Prémio Camões foi para  Germano Almeida, escritor Cabo Verdeano.

O Prémio Camões foi instituído pelos governos de Portugal e do Brasil. É instituído a autores que contribuam para o enriquecimento da língua portuguesa.

Já foram premiados autores de Portugal, Brasil,Cabo Verde, Moçambique e Angola.

Alguns dos premiados são: Miguel Torga, Jpsé Craveirinha, Vergílio Ferreira, Jorge Amado, José Saramago, Eduardo Lourenço, Sophia de Mello Breyner Andresen, Eugénio de Andrade, José Luandino Vieira, António Lobo Antunes, Arménio Vieira, Manuel António Pina, Mia Couto ou Manuel Alegre.

Germano Almeida estudou Direito em Lisboa e é edvogado em Cabo Verde. Teve participação política como deputadoe como Procurador-Geral da República.

Foi co-fundador da revista literária “Ponto & Vírgula”. Já escreveu  dezassete títulos, traduzidos para várias línguas.

 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 14:17
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Maio de 2018

Eloy Rodrigues na Presidência da Confederação Mundial de Repositórios de Acesso Aberto

12107896_10153323875713477_8839936139139898706_n.j

Desde as Academias de Ciências que a legitimação da produção científica se faz pela apresentação aos pares. Hoje a produção científica implica a publicação. As revistas próprias dos vários centros de investigação e produção de conhecimento, impôs-se o modelo neoliberal da indústria editorial científica que fez da condição de dar a conhecer e de conhecer a ciência um novo tipo de negócio. Esse negócio lucra com as taxas de publicação que os investigadores têm de pagar para publicar, e com os custos de acesso por compra ou assinatura do que foi publicado e têm necessidade de conhecer. Este modelo asfixiante e de restrição à informação científica tende a dar lugar e tem vindo a ser substituído pelo acesso aberto a produção científica, quer de artigos e mais recentemente de dados. A resposta tem sido a de publicar em repositórios institucionais de acesso aberto. Um modelo simples e em rede que permite a qualquer investigador ter acesso gratuito e a texto integral da produção científica. No caso português, existe o RCAAP ( Repositórios Científicos de Acesso Aberto de Portugal) . Os vários repositórios em qualquer centro de investigação, em qualquer localização, mesmo em formatos diferentes, podem ser acedidos através do OAI (Open Archives Initiative) que possibilita um código partilhado para tags de metadados.
Tudo isto facilita o acesso à informação científica e dá mais visibilidade a quem a produz.
O Eloy Rodrigues está desde há muito no centro desta preocupação em melhorar o acesso à informação científica. Tem desenvolvido o seu trabalho nos serviços de documentação da Universidade do Minho. Tem um pensamento muito coerente sobre a necessidade de melhorar o acesso aberto à informação e aos dados de investigação. O reconhecimento do seu trabalho é expresso na Presidência da Confederação Mundial de Repositórios para a qual foi recentemente reeleito. O seu trabalho pioneiro, a equipa que já formou e a visibilidade de Portugal como vanguarda neste domínio da ciência é de enorme contentamento. Portugal tem uma muito boa equipa de técnicos de ciência da informação espalhados pelas mais diversas instituições de investigação em todo o País e a comunidade científica portuguesa beneficia de um bom instrumento de trabalho como é o RCAAP.
 
 
António Borges Regedor
publicado por antonio.regedor às 16:45
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Maio de 2018

Evolução da Biblioteca da Maia

nova-sala-BMM.jpg

 

A Biblioteca Municipal da Maia foi inaugurada em 1994 e este ano de 2018 aderiu à Rede Nacional de Bibliotecas Públicas.

Recentemente teve uma evolução para novos conceitos de biblioteca pública. Abriu uma nova sala de leitura, equipada para reuniões e estudo em grupo. É uma sala que pode ser reservada e que está equipada com dispor internet wireless e videoconferência, Para equipamentos de apoio tem e espaço de café e refeições com máquinas de vending e micro-ondas. Tem condições, entre outras utilizações, a ser requisitada por empresas e grupos para as suas diversas actividades.

O espaço foi conseguido com o contributo dos mecenas e patrocinadores

Inevitavelmente as bibliotecas públicas terão de aumentar e diversificar cada vez mais os seus espaços de modo a criar novos espaços de utilização e aumentar os segmentos dos seus públicos. Longe já vai a bibliotecas das criancinhas e das escolinhas. O mundo das bibliotecas está em profunda mudança. Não se dar conta disso é torná-las obsoletas e desnecessárias.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:30
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 11 de Maio de 2018

IFLA

logo-ifla.png

IFLA

A International Federation of Library Associations and Institutions (IFLA) cada vez mais londe da Europa.

E a europa cada vez menos importante.

A IFLA como organização que se pretende mundial, Começou por ser eurocêntrica.

As mudanças de eixos motores da economia e desenvolvimento social levam também esta organização a mudar a sua “proa” como se diz em linguagem náutica. Navega, como todos nós, em outras águas, ou outras realidades.

Na minha tese, http://hdl.handle.net/10284/4291 , tinha identificado 75 % dos congressos da IFLA, realizados na Europa, mas já inclinada para a Ásia com 10 %. A tendência para sair da Europa reforça-se.


Nos últimos seis congressos . Metade deles foram realizados fora da Europa.

 

António Borges Regedor

tags:
publicado por antonio.regedor às 15:39
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Maio de 2018

Revista Informatio

cover_issue_21_es_ES.jpg

Informatio. Revista del Instituto de Información de la Facultad de Información y Comunicación

Revista del Instituto de Información de la Facultad de Información y Comunicación. Universidad de la República, Montevideo, Uruguay

 

Informatio se publica en dos números anuales, como revista del Instituto de Información de la Facultad de Información y Comunicación de la Universidad de la República. Está destinada a publicar estudios originales e inéditos, resultados de investigación, revisiones de literatura y temas académicos de interés disciplinario, que contribuyan al desarrollo de la Ciencia de la Infomación, la Bibliotecología, la Archivología y áreas afines.

Proceso de revisión por pares

Informatio es una revista arbitrada por pares mediante el sistema doble ciego. Cada artículo recibido es enviado a dos revisores con competencia notoria en el tema, preservando la identidad del autor. Los revisores evalúan cada artículo en función de su originalidad, rigor, pertinencia académica y aporte real al estado del arte, mediante un formulario enviado por el Consejo Editor. En caso de obtener dictamen positivo de ambos revisores, el artículo es aceptado; en caso de obtener dictamen negativo de ambos, es rechazado. En caso de obtener un dictamen negativo y otro positivo, es enviado a un tercer revisor, cuyo dictamen decide la aceptación o rechazo. En caso de que un artúculo obtenga un dictamen positivo con reparos, es reenviado al autor para realizar las modificaciones indicadas por el revisor.

Política de acceso abierto

Esta revista proporciona un acceso abierto a su contenido, basado en el principio de que ofrecer al público un acceso libre a las investigaciones ayuda a un mayor intercambio global del conocimiento.

Vol. 22, núm. 2 (2017)

http://informatio.eubca.edu.uy/ojs/index.php/Infor/issue/current/showToc

Tabla de contenidos

Artículos

Documento arquivístico digital: demanda, confiabilidade e preservação

72-85 PDF

Henrique Machado Santos, Daniel Flores

 

 

Arquivo médico e estadístico do Hospital Universitário: fatores arquivísticos que contribuem para a gestão da qualidade

86-100 PDF

Jhonata Medeiros Caetano, Eliana Maria dos Santos Bahia Jacintho

 

 

Os mapas conceituais e as múltiplas aplicações para a organização e representação do conhecimento

101-121 PDF

Maria Rosemary Rodrigues

 

 

Seguimiento y Evaluación de la Implementación del Plan de Estudios 2012 de las Licenciaturas en Archivología y Bibliotecología

122-141 PDF

Varenka Parentelli

 

 

Conocer y dar a conocer, una facultad muy humana

142-152 PDF

Lisa Block de Behar

 

 

publicado por antonio.regedor às 12:32
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 4 de Maio de 2018

Damos voz a Margarida Frois:

Coja.jpg

 

 

Iniciei o caminho como Bibliotecária em 1991 na Biblioteca nº 65 da Fundação Calouste Gulbenkian em Côja, hoje Biblioteca Alberto Martins de Carvalho. Foi uma experiência muito enriquecedora. Tinha terminado há pouco a especialização em Ciências Documentais e esta primeira experiência permitiu-me testar na prática muita da teoria que assimilei durante o curso.

Em 1993 iniciei o percurso na Biblioteca Municipal de Arganil. Tive a sorte de a encontrar ainda “no tijolo” o que me permitiu fazer algumas alterações (por exemplo, criar as condições para a instalação, anos mais tarde, da rede informática da Biblioteca). Foi uma aventura extraordinária, absolutamente empolgante que eu vivi de forma muito intensa e que verdadeiramente começou em 1996, quando a Biblioteca abriu ao público.

Nunca trabalhei em bibliotecas de cidade. O conhecimento que tenho advém do contacto com colegas que trabalham nessas bibliotecas, da frequência em tempo de férias e visitas, normalmente com grupos de formandos, a algumas delas o que me permite ter uma ideia das oportunidades e obstáculos que encontram nos meios onde estão inseridas.


Quando a Biblioteca de Arganil abriu ao público em 1996 percebi a dificuldade de trabalhar num concelho com cerca de 13 000 habitantes, hoje 11596 (Censos de 2011), uma superfície 332,9 km2, aldeias isoladas nas serranias, com níveis de literacia muito baixos.

Percebi que o esforço da Biblioteca teria de ir todo no mesmo sentido de tentar criar alguns hábitos de leitura nos munícipes. Não é tarefa fácil, nem rápida.

Num concelho sem grandes estruturas culturais, pareceu-me que o parceiro mais adequado seriam as escolas, onde encontraríamos alguns professores com objectivos semelhantes.

Tivemos a sorte de logo no ano seguinte, 1997, ser criada a Rede de Bibliotecas Escolares e o Município de Arganil ter sido convidado para integrar o primeiro grupo.

Correu bem. Hoje formamos uma rede de 11 Bibliotecas entre Públicas e Escolares. Bibliotecas modernas, totalmente informatizadas, usufruindo de um catálogo colectivo online, catalogação em linha, circuito de empréstimo a funcionar entre todas, cartão único para toda a rede de bibliotecas.

Como as pessoas não frequentam a Biblioteca, principalmente as que não habitam na sede de concelho, fomos à procura dos possíveis leitores através da criação de serviços de leitura dirigidos a sectores da população que nos pareceram mais interessantes para os nossos objectivos.

Com 6 bibliotecas em escolas do 1º ciclo e JI espalhadas pelo concelho, a estratégia passou por criar nessas bibliotecas dinâmicas que possibilitassem chegar às crianças e famílias. Leituras Partilhadas e Pais e Filhos, Livros e Ternura são serviços de leitura que temos a funcionar quinzenalmente. Criados, o primeiro há mais de 12 anos e o segundo há cerca de 5, cobrem hoje mais de 90% das famílias com filhos pequenos, no Concelho.

Das escolas passámos para as 3 creches do concelho com o mesmo serviço de leitura (quinzenal) dirigido às crianças e famílias. Também aqui a taxa de cobertura vai para além dos 90% das famílias com filhos nas creches.

Também há cerca de 12 anos iniciámos um serviço de leitura (mensal) junto dos idosos utilizadores dos Lares e Centros de Dia.

No Concelho de Arganil, um concelho com uma população muito envelhecida, existem 12 infraestruturas de apoio, normalmente ligadas a uma IPSS. Em todas elas temos serviços de leitura a funcionar.

Todos os meses, desloca-se a cada uma um dos nossos técnicos que leva um tema de conversa que desenvolve com os idosos. São temas que apelam às memórias que muitas vezes registamos em suportes de vídeo ou áudio. Em todos elas criámos um espaço de Biblioteca onde se deixam livros, não só para os idosos, mas para todos os interessados: técnicos, dirigentes, auxiliares, familiares. A ideia é criar em cada instituição uma pequena biblioteca física, mas com acesso à grande biblioteca global que o concelho tem. A campanha de divulgação do cartão único para bibliotecas junto destas Instituições que estamos a iniciar é uma estratégia com a qual esperamos conquistar muitos utilizadores para as Bibliotecas.

Embora as preocupações com o publico jovem (entre os 12 e 16 anos) nunca tenham deixado de estar presentes nos objectivos da Biblioteca, desde o ano passado que estamos a iniciar estratégias mais definidas. Com os serviços de leitura para crianças, famílias e idosos a funcionar bem, chegou o momento de pensarmos mais profundamente nesta problemática bastante complexa que é a de chegar a este público. É talvez o projecto mais complexo e ambicioso que desenvolvemos até hoje, neste momento ainda sem dados para avaliação.

O que tem esta estratégia a ver com isolamento? Na verdade, o verdadeiro isolamento é o da ignorância. A capacidade de aprender coisas novas, procurar fontes de informação para a aprendizagem ao longo da vida está na destreza com que se domina a leitura que depende, como sabemos, da aprendizagem e da prática.

Quando lhe perguntamos: Como tem sido compensar a diferença de oferta cultural entre espaços de grande e de pequena densidade populacional?

É um problema muito complexo que está para além da capacidade financeira da Autarquia para trazer boas ofertas culturais.

Na verdade, a grande questão é que para a esmagadora maioria das pessoas não faz falta e isso é dramático. Em meu entender há uma linha muito ténue entre cultura e entretenimento, o que nos deixa como que num limbo onde esta questão é absolutamente pertinente.

Por vezes, sem público para o que consideramos a cultura cultivada, acabamos por enveredar pela cultura assim, assim.

O caminho a seguir, e é esse que temos perseguido com mais ou menos sucesso, é criar condições para que as pessoas atinjam patamares mais elevados de literacia. Se isso acontecer tudo o resto vem por arrasto. A Cultura e a Literacia vivem de mãos dadas e uma não existe sem a outra.

Se houver hábitos de leitura, há hábitos culturais. Se houver hábitos culturais criam-se as condições para acontecimentos culturais.

 

Para terminar quero referir que o mundo de hoje, com as ferramentas tecnológicas da informação e comunicação que coloca à nossa disposição, nos permite desenvolver projectos, quase inimagináveis há poucos anos.

Se não fosse assim, dificilmente terias visto o cartaz da XXV Feira do Livro de Arganil e o terias divulgado com a facilidade com que o fizeste, o que muito te agradecemos.

 

 

Margarida Frois CV

 

Currículo académico

Margarida Custódio Fróis

Licenciada em História pela Universidade de Coimbra.

 Pós-graduação em Ciências Documentais pela Universidade de Coimbra.

 Pós -graduação em Assuntos Culturais no Âmbito das Autarquias pela Universidade de Coimbra.

Mestre em Ciências da Educação, especialização em Educação e Leitura pela Universidade Lisboa com a tese “Hábitos de Leitura e Sucesso Escolar: caminhos para o futuro”.

 

Currículo profissional

É Coordenadora das Bibliotecas Públicas do Concelho de Arganil desde 1996.

Coordena o Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares no Concelho de Arganil desde 2006.

Formadora na área das Bibliotecas Escolares desde 1998.

Docente no Curso de Especialização em Ciências Documentais na Escola Superior de Educação de Viseu em 2006-2007.

Coordenadora Local do Curso de Biblioteconomia para Técnicos de Biblioteca ministrado pelo INETE em Arganil de 2001 a 2003.

Tem participado em inúmeros Encontros sobre Bibliotecas para que tem sido convidada como oradora.

Publicou vários artigos em revistas, jornais e blogues sobre a problemática da Leitura e das Bibliotecas e também na área da História.

 

publicado por antonio.regedor às 15:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

E Deus disse: Não adorarás mais o império do petróleo

large_yBO566QASSfRT4wNSzXC32KDOR6wcV3R3A5EHEXXJQY.

Morocco is building a solar farm as big as Paris in the Sahara Desert

https://www.weforum.org/agenda/2018/05/morocco-is-building-a-solar-farm-as-big-as-paris-in-the-sahara-desert/

 

publicado por antonio.regedor às 14:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Maio de 2018

CAFÉ DO MOLHE de Manuel António Pina

800px-Praia_do_Molhe_Porto_02.jpg

 

CAFÉ DO MOLHE

Manuel  António Pina

 

Perguntavas-me

(ou talvez não tenhas sido

tu, mas só a ti

naquele tempo eu ouvia)

 

porquê a poesia,

e não outra coisa qualquer:

a filosofia, o futebol, alguma mulher?

Eu não sabia

 

que a resposta estava

numa certa estrofe de

um certo poema de

Frei Luis de Léon que Poe

 

(acho que era Poe)

conhecia de cor,

em castelhano e tudo.

Porém se o soubesse

 

de pouco me teria

então servido, ou de nada.

Porque estavas inclinada

de um modo tão perfeito

 

sobre a mesa

e o meu coração batia

tão infundadamente no teu peito

sob a tua blusa acesa

 

que tudo o que soubesse não o saberia.

Hoje sei: escrevo

contra aquilo de que me lembro,

essa tarde parada, por exemplo.

 

 

In Moura, Vasco Graça – 366 poemas que falam de amor. Lisboa: Quetzal; 2004.    p.28-29

publicado por antonio.regedor às 19:36
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds