.posts recentes

. INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ...

. Concentração dos media

. Dia Mundial da Língua Por...

. Dependência dos equipamen...

. Autoprodução e autoconsum...

. Liderança

. saposdoano

. Economia da bicicleta

. Vida do Grande D. Quixote...

. Energia, o retorno

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segunda-feira, 30 de Abril de 2018

Dados científicos disponibilizados em fonte aberta.

 

 

 

https://www.elsevier.com/connect/open-science-data-from-largest-meta-analysis-of-antidepressants-available?sf183762436=1

antidepressant-chart.jpg

Tempos houve que se faziam pubicações de sumários de artigos científicos, para depois comprar a revista onde o artigo era publicado. Imaginam o que era aceder à fonte primária nesse contexto, e o tempo e custo que implicava. Com o digital passou a ser corrente disponibilizar de imediato o full text. Os repositórios em fonte aberta vieram faclitar ainda mais a pesquisa dos artigos científicos. Estamos agora a passar à fase que não são apenas os artigos que se disponibilizam, mas também os dados dos estudos que conduziram a esses artigos. Em pouco tempo, grande saltos dá a forma de produzir ciência

 

António  Borges Regedor 

publicado por antonio.regedor às 12:36
link do post | comentar | favorito
Sábado, 28 de Abril de 2018

O paraíso e outros infernos

30708595_10213461277339762_1203081456994222080_n.j

José Eduardo Agualusa continua a produzir imenso.

Está para breve, mais um livro.

“O paraíso e outros infernos “ é o próximo. Editado pela Quetzal.  

publicado por antonio.regedor às 11:45
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Abril de 2018

Borboletas

IMG_20180427_113114.jpg

"..."Sonhei contigo."

"Sim, eu sei", respondi. "Estávamos ambos num  imenso jardim cheio de borboletas."" 

publicado por antonio.regedor às 11:38
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Abril de 2018

Biblioteca Pública de Salamanca. Casa das conchas

IMG_20170709_124841.jpg

 

A  biblioteca tem uma vasta gama de actividades de  intervenção social dirigida ao público adulto.

Uma das oficinas é de desenhar livros. A proposta parte da origem comum de desenho e escrita. É gratuito, e fácil de inscrição que pode ser feita por telefone ou email.

O cuidado de se dirigir a público adulto, é que se se realiza aos sábados.

Uma outra iniciativa é o das "Tecnologia para viver melhor” e as matérias a bordar são: “Gmail; noções básicas de pesquisas e segurança na internet; Administração e governo electrónico; leitura digital; Whatsapp; conhecer nosso smartphone; música e fotografia digital; Facebook E Twitter ou criar um canal do youtube” É sem dúvida uma oferta diversificada que pode ser feita no todo ou apenas em cada um dos assuntos que interesse ás pessoas.

Isto de ser uma biblioteca interventiva e socialmente útil, parece não carecer de muita imaginação nem investimento. Basta não se estar acomodado ás velhas práticas que apenas se dirigem às crianças escolarizadas e que hoje são uma redundância, face ás boas condições e até maior quantidade de bibliografia adequada e disponível das bibliotecas escolares.

 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 16:04
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Abril de 2018

Dia Mundial do Livro

depositphotos_45211443-stock-photo-open-book-with-

Alguns dos muitos livros que recordo
 
 
 
Os Maias. Era obrigatório no ensino secundário. Mas a professora (Adélia Silvestre), não obrigou, motivou entusiasmando à leitura.
 
Uma abelha na chuva - Carlos Oliveira
 
Esteiros - Soeiro Pereira Gomes, que está sepultado em Espinho onde dos 6 aos 10 anos, fez a instrução primária .
 
Rosinha minha canoa – José Mauroi de Vasconcelos. Por volta da pag 40, a descrição da germinação de uma semente de árvore é fabulosa.
 
O gato qu ensinou a gaivota a voar - Luis Sepúlveda
 
Cem anos de solidão - Gabriel Garcia Marques
 
Memorial do Convento – Saramago. O livro que me iniciou na leitura do romance histórico.
 
O Nome da Rosa – Humberto Eco. (Fabuloso)
 
A Oficina dos livros proibidos - Eduardo Roca, Catalão. Um romance que imagina a passagem da oficina de cópia privada e laica (scriptório laico) para a tipografia.
 
O Tango da Velha Guarda – Arturo Perez-Reverte. O tango da origem e da evolução. As influências musicais e o que socialmente influência.
 
A Rainha do Sul - Arturo Perez-Reverte. Um autor de que aprendi a gostar a partir da participação numa comunidade de leitores na Biblioteca Almeida Garrett do Porto.
 
 
António Borges Regedor
publicado por antonio.regedor às 09:18
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Abril de 2018

1º Encontro das Redes Intermunicipais de Bibliotecas Públicas.

SEIA encontrov2.JPG

 

SEIA

 

Não sendo tão rápido como gostaríamos, nem com os recussos decisórios e financeiros da Administração Central, a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas vai sendo construída.

Naturalmente, e por vontades e empenhamento diversos,as bibliotecas públicas vão-se ligando pela proximidade que forma a rede fina do que se pretende nacional. O isolamento não é a melhor opção.  Uma biblioteca por si é pouco. Por muito bem que desenvolva a sua missão, Em colaboração  ganha maior dimensão, visibilidade e recussos.  

A  Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, a  Câmara Municipal de Seia e a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela organizam, no próximo dia 5 de Junho, em Seia, o 1º Encontro das Redes Intermunicipais de Bibliotecas Públicas.

“Trinta e dois anos nos distanciam da assinatura do despacho de criação da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas que colocou ao serviço do país instituições únicas no acesso ao conhecimento, equipamentos culturais de proximidade, que possibilitam o acesso gratuito à informação a milhares de pessoas. Uma revolução considerada silenciosa, alteradora dos equilíbrios sociais, essencial para o desenvolvimento social, cultural e educativo dos territórios.

A Direção-Geral dos Livros, Arquivos e Bibliotecas tem vindo a desenvolver uma estratégia de criação de redes intermunicipais de bibliotecas públicas municipais assente num contacto direto e de proximidade com os Municípios e os bibliotecários que pretende servir de base a um novo tipo de programa de requalificação de serviços, com uma visão inclusiva e diversificada no panorama biblioteconómico nacional.

É neste contexto que começam a nascer os Grupos de Trabalhos no seio das Comunidades Intermunicipais (aprovadas pela Lei 75/2013 de 12 de setembro), promovendo trabalho em rede descentralizado, de âmbito regional que, ganhando escala, tem fomentado o conhecimento mútuo e reforçado a identidade territorial.

Em pleno Século XXI, este é o momento de mudança de paradigma, tendo sempre como pano de fundo, a defesa do serviço das bibliotecas públicas, fomentando a cooperação e o trabalho em rede entre bibliotecas, numa lógica de partilha de recursos e serviços”.

 

 

O Encontro terá lugar na Casa Municipal da Cultura de Seia. O Programa estará disponível em breve.

Quero aqui expressar os meus parabéns à Dra. Teresa Rua, amiga, colega  há muito anos, que reconheço como competente, interessada, boa pessoa.

 Email: casacultura@cm-seia.pt

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:01
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Abril de 2018

Utilidade social das Bibliotecas Públicas

BMAG SNS.jpg

 

A  Biblioteca Municipal Almeida Garrett  (BMAG), no Palácio de Cistal, Porto  oferece excelentes condições para sábados em família.  Das coisas que mais me agrada é ver pais, mães e filhos a usarem de forma livre e diversa os espaços da biblioteca e partilhá-los com os restantes espaços do Plácio de Cristal, seja  a aventura da descoberta do contíguo  jardim romântico da quinta da macieirinha, ou do parque infantil deste espaço público da cidade do Porto. 

No sábado passado  a BMAG  teve um ainiciativa que podemos clasificar nas novas tendências de utilidade social da biblioteca pública. Destiva-se a um segmento de público que não tem sido o principal alvo da maioria das bibliotecas. O público adulto e já fora do sistema escolar. Claramente o público que pode constituir o principal segmento no futuro das bibliotecas.

A iniciativa da BMAG assume grande importância  do ponto de vista da saúde de todos nós. 

Trata-se de das a  conhecer o portal do serviço nacional de saúde

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:38
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Abril de 2018

Memória do 15 de Abril de 1972

3340_1.jpg

15 de Abril de 1972

Em Portugal, vivia-se o Marcelismo.

Salazar, o ditador, já tinha morrido. Caiu da cadeira, nomearam um novo chefe de governo. Marcelo Caetano, e mantiveram o Salazar a pensar que continuava a ser o Presidente do Conselho de Ministros (como ele dizia). Os ultras da ditadura até ao chefe mentiam. De tal maneira que, já com o governo de Marcelo em funções, alguns ministros davam-se à farsa de irem ter com Salazar, simular que iam a despacho na cama do hospital.

Dou esta nota trágica, de cómica que se torna agora à distância, e que tem muito de kinestésica e merecia a risada num espectáculo de comédia.

Mas apesar da comédia, o terror da ditadura nada mudou, desde a morte de Salazar em 1970. A polícia política apenas tinha mudado de nome, a censura continuava. A guerra colonial agravava-se. A fome, a mortalidade infantil, a fuga para o estrangeiro eram o visível quotidiano de 1972.

Nesse ano a 15 de Abril, foi convocada uma manifestação para a baixa do Porto. Hora de saída dos empregos. Ponto de passagem para a estação de S. Bento e da Trindade. Terminal dos transportes colectivos, corredor de circulação para Gaia pelo tabuleiro inferior da ponte Luíz I. Centro nevrálgico da cidade, mas também de enorme valor simbólico. Praça da Liberdade, em torno da estátua equestre de D. Pedro IV, O liberal que segura na sua mão a carta constitucional. A estátua está no lugar onde as tropas liberais chegaram um dia depois de desembarcaram na praia do Mindelo, Leça, onde hoje se pode ver o obelisco da memória. Tropas que sofreram o cerco do Porto pelos absolutistas, mas que resistiram. Por isso o Porto se reclama de invicta.

A Avenida dos Aliados fica na contiguidade da Praça da Liberdade e sem que se note onde está o limite. Apesar do regime se posicionar no eixo Nazi, a Avenida dos Aliados é igualmente de grande valor simbólico para agregar os que se aliaram contra o nazismo e agora se pretendiam manifestar contra o regime da ditadura e resquício desses tempos.

Como era habitual, nos dias 1º de Maio, a Praça, a Avenida, Ruas e locais circundantes tinham mais gente. E também como habitual, a zona era cercada de polícia e infiltrada de pides e legionários à paisana. A determinado momento os transportes passavam os términos para o Largo do Carmo e Praça da Trindade, e com cargas de bastonadas toda a zona desde o passeio das Cardosas ao edifício da Câmara era varrida de populares.

Eu já tinha visto cargas policiais, policias à civil a colocarem braçadeiras e a puxarem de cassetetes, legionários que desocultavam fitas dos bolsos dos casacos e batiam desalmadamente quem iam apanhando na sua proximidade. Tinha já pontos de fuga pensados, por entre o avanço da polícia. Já tinha ficado encurralado na sequência de manifestações estudantis, mas sem consequências. Uma vez numa cervejaria da baixa, mas tinha subido para o primeiro andar, uma outra vez na rua de Cedofeita e sido abrigado numa casa comercial que logo de seguida fechou as portas à polícia.

No 15 de Abril estava praticamente entre a Praça e a Avenida, não muito afastado da rua de Sampaio Bruno, que seria um dos pontos de fuga. Tinha-se concentrado mais gente que habitualmente no primeiro de maio. O caminho para a Praça da Liberdade era de reconhecer o posicionamento da polícia. Como habitualmente o dispositivo consistia em colocar várias carrinhas cheias de policia atrás da Câmara Municipal, Na Praça D. João I, em frente à estação de S. Bento, Largo dos Lóios, e Praça Filipa de Lencastre. A zona literalmente cercada, ficando quatro ruas estreitas, e muito pouco tempo por onde fugir. A Praça, em volta da estátua de D. Pedro IV estava literalmente pejada de gente. Alguns rostos conhecidos. Movimentos comprometidos, olhares instintivos, ouvidos alerta. Desta vez, do lado norte da estátua equestre, ergue-se uma bandeira nacional e o desfile inicia-se. Arranca quase de imediato o avanço da polícia, as correrias e a agitação dos agentes da pide e legionários que infiltrados iniciam as bastonadas e fazem prisões. A manifestação só teve tempo de avançar até ao início da Avenida , até junto à estátua da menina despida. Mas esse tempo de percurso tão curto e tão rápido, foi demasiado para a fuga planeada. Desta vez, pela rua estrita de S. Paio Bruno também avançou a polícia. Estava encurralado e havia que voltar para trás, para o café sport. O mais para o fundo possível. E fechar a porta à polícia. O café parecia ter ficado vazio dado o espaço que mediava o ajuntamento ao fundo do café e a porta. Não havia conversa. O tempo foi suspenso, em silêncio. Aguardar o nada. Com mais silêncio e sem mais correrias. A polícia aparece na frente do café, mandando abrir a porta. A ordem foi evacuar o café. A saída foi em fila indiana, encostados à parede e a caminho da Rua Sampaio Bruno. Ficava a incógnita. Era só medida de evacuação ou encaminhamento para a cadeia? Numa barreira a meio da rua um polícia mandava para trás. Mas a informação de que estávamos no café e um chefe nos tinha mandado sair exactamente por ali, deixou continuar a fila indiana. O truque da serenidade resultou. A retirado foi por Sá da Bandeira. Mas pelo menos não fora preso.

 

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 13:47
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Abril de 2018

Nuno Marçal (Bibliotecário ambulante)

30581310_10213502129606069_5846737786043891712_n.j

 

Para início desta rubrica , aqui no blog, tive necessariamente por optar pelo tema das itinerantes. Elas fazem parte do imaginário da maioria da população que viveu o século XX em Portugal. Um ano depois do início das emissões de televisão, a Fundação Calouste Gulbenkian concorre com essa nova forma de ver o mundo e envia pelo país bibliotecas cheias de livros para leitura pública. Hoje com uma rede de bibliotecas municipais, os bibliobus são um prolongamento daquelas.

Inevitavelmente a entrevista teria de ser feita a um bibliotecário que dá o rosto pelos bibliobus. Nuno Miguel Cardoso Marçal. Conheci-o em Portalegre, apresentado por um ex-aluno e amigo Norberto Lopes.

 

Onde decorreu a tua formação em ciência da informação?

No Curso de Especialização em Ciências Documentais (variante Bibliotecas) na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias e ao volante da Bibliomóvel a percorrer estradas, terras e Pessoas de Proença-a-Nova.

Em 1998 estava a concluir a licenciatura em Sociologia e reflectia qual seria o futuro profissional que esse curso podia trazer no regresso a Castelo Branco. Resolvi apostar na especialização, num final de tarde sentado na esplanada da Faculdade reparei nuns folhetos de divulgação e entre eles estava o de Ciências Documentais. Não foi amor à primeira vista, mas ao longo destes anos aprendi a respeitar esta profissão e a amar tudo o que com ela está relacionada, principalmente neste campo das Bibliotecas Itinerantes.

Em 2006 houve uma reorganização funcional nos serviços da Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova, simultaneamente o projecto da Bibliomóvel foi aprovado, financiado e concretizado. 26 de Junho de 2006 lá estava eu sentado ao volante de uma Biblioteca Itinerante(Bibliomóvel) a fazer aquela que seria a primeira de muitas andanças a ir,levar,estar e dar Biblioteca Pública sobre rodas.

Que outros serviços são prestados pela autarquia, aproveitando o bibliomóvel?

Sempre tive uma obsessão pela Utilidade da Biblioteca, creio que que está aqui a chave para a reconquista da relevância social e até da sua sobrevivência. Desde o início procurei trazer o máximo de funcionalidades e utilidades que pudessem abranger as mais diversas áreas, sempre com o intuito de ser mais útil, de fazer mais e tentar fazer melhor indo ao encontro das necessidades daqueles que todos os dias passam, entram e usam aquilo que somos, levamos e damos. Para além dos habituais e “normais” serviços prestados por qualquer Biblioteca, na Bibliomóvel possuímos também o Balcão Móvel do Município, onde se prestam alguns serviços relacionados com o preenchimento e entrega (via electrónica) de requerimentos e formulários disponíveis no Balcão Único do Município. Existe também a possibilidade de efectuar pagamentos e carregamentos de telemóvel com referencias multibanco, através de um ATM portátil.

Em 2017 iniciamos uma parceria com a Unidade Móvel de Saúde do Município, levando dentro da Bibliomóvel o seu técnico e com equipamento básico fazemos rastreios dos níveis de colesterol, glicemias e tensão arterial.

Achas ainda poder introduzir novos serviços? Tempo de comunicação com familiares tipo “skype” ?

Esse serviço esteve sempre presente quase desde o início deste projecto. Quando a internet foi instalada na Bibliomóvel, automaticamente ela foi usada por familiares para contactar com os seus que estão espalhados um pouco por toda a Europa, primeiro via chat e depois com a instalação de uma webcam juntamos as palavras com a imagem.

Hoje em dia com a proliferação de smartphones, a utilização deste meio de comunicação diminuiu no entanto como possuímos rede wi-fi, ela continua a ser usada para estabelecer contactos.

Mais que novos serviços pretendo consolidar os existentes, tentando sempre melhorando aquilo que já fazemos, prova disso é a instalação de um leitor de cartão do cidadão e a ajuda na criação e uso da Chave Móvel Digital.

 

A regressão demográfica não te preocupa?

Muito!

Nestes doze anos vi partir muita gente(demasiada), quer pela ordem natural da vida quer pela desordem desta realidade nacional que divide o nosso país entre um país de oportunidades e um outro onde o abandono, o envelhecimento da população são doenças, com curas anunciadas mas apenas com alguns paliativos receitados.

Quero e gosto de acreditar que podemos tentar fazer acontecer a diferença no quotidiano destas Pessoas e com esse espirito que todos os dias nos fazemos à estrada. Sou um optimista/realista e ainda tenho esperança num país mais equilibrado e igual no acesso a oportunidades de desenvolvimento sustentável. Ainda tenho esperança!

 

 

O CV do Nuno Marçal

 

  • IDENTIFICAÇÃO:

 

Nome: Nuno Miguel Cardoso Marçal

Data de Nascimento: 20/09/1974 em Castelo Branco

2 – FORMAÇÃO ACADÉMICA

 

2001 – Curso de especialização em Ciências Documentais, variante de Bibliotecas concluída na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

 

1999 – Licenciatura em Sociologia concluída, na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

 

3 – EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

  • Bibliotecário-Ambulante responsável pela “Bibliomóvel” da Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova desde o dia 26 de Junho 2006
  • Bibliotecário da Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova desde o dia 3 de Janeiro de 2002.

 

4 – PUBLICAÇÕES

  • Editor do blogue http://opapalagui.blogspot.com/ , onde são relatadas as “Crónicas de um Bibliotecário-Ambulante por terras e gentes de Proença-a-Nova”.

5 – DISTINÇÕES/REFERÊNCIAS

  • Prémio ACLEBIM, Asociación de Profesionales de Bibliotecas Móviles – Categoria de Personas – 2008.
  • Nomeação para o Prémio Astrid Lindgren Award Memorial (ALMA) 2011 pela Direcção Geral do Livro e das Bibliotecas.
  • Inclusão da Bibliomóvel de Proença-a-Nova para representar Portugal no portfólio Por Leer (2012) da responsabilidade da CERLALC, Centro Regional para el Fomento del Libro en América Latina y el Caribe (UNESCO).

 

 

Nota Biográfica

 

Nuno Marçal
Nasceu em Castelo Branco a 20 de Setembro de 1974.
É bibliotecário, por paixão na Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova desde o ano 2002.

No ano de 2006 iniciou as funções de Bibliotecário-
Ambulante, onde tenta conciliar a Razão e a Paixão ao volante da Bibliomóvel, projecto itinerante de biblioteca, que se desloca pelas povoações das quatro freguesias do concelho de Proença-a-Nova com o intuito de divulgar o livro a leitura e sempre algo mais...
Editor do blogue: http://opapalagui.blogspot.com/ onde retrata e relata as andanças da Bibliomóvel por terras e gentes de Proença-a-Nova.

 

publicado por antonio.regedor às 13:38
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Abril de 2018

As Bibliotecas Públicas mexem. Almeirim.

BibliotecaAlmeirim.jpg

 

 

A Biblioteca Pública de Almeirim  promove, no programa escritor do mês, Paul Auster, um escritor ainda vivo e a produzir,  nascido em 1947 em Newark , uma cidade americana com muita  população portuguesa. Autor de Leviathan (1997) reeditado no ano passado;  Lulu on the Bridge (1999); A trilogia de Nova Iorque (2002); As loucuras de Brooklun (2006); A História da Minha Máquina de Escrever(2006); O livro das Ilusões (2009); Sunset Park (2010); Diário de Inverno (2012); 4 3 2 1 (2017),  entre outros.

Comemora o dia do Livro e o  dia Internacional do Livro Infantil, faz contos para bebés e para crianças, cinema para séniores. Tem uma sessão  temática denominada  Clientes da Cultura e ainda realiza uma Feira de Livro Usado.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:33
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds