.posts recentes

. Porquê ciclovias?

. CICLOVIAS, DEFINIÇÃO

. O preço da energia

. Espinho. Interpretando os...

. Eu e a minha microbiota

. Otelo Saraiva de Carvalho...

. Produção de Energia para ...

. Percorrendo a Ecovia do C...

. Percorrendo a Ecovia do C...

. ...

.arquivos

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Sexta-feira, 27 de Maio de 2005

Comentários e Leitura na Infância

O blog sobre esta temática já teve consultas, e mereceu um comentário simpático de David Neves que refere uma pouca atenção dos pais quanto a habituar os filhos a ler.
Partindo do comentário, seria interesante para os trabalhos de estudo desta indústria ter uma ideia da relacção entre titulos para a infância e para adultos. Outra pergunta é o de sasber a percentagen de passoas que têm o hábito de oferecer livros às crianças e a sua relacção com a oferta de outros brinquedos (sim, porque com os livros também se brinca).

António Regedor
publicado por antonio.regedor às 12:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 26 de Maio de 2005

Obras que nos lêem

Palavras-chave: livros, férias, leitor.


Aproximando-se o verão, o apressado leitor separa, com a melhor das intenções, os livros a que se irá dedicar nas férias. Mas, sistematicamente, os planos acabam por esbarrar na realidade. Porquê? Talvez porque a literatura não saiba conjugar o verbo “dever”, imperativo reservado a outras acções humanas.
A lista para ler nas férias por vezes acaba por ser adiada por um futuro incerto. Por vezes, o Marketing arrojado sobrepõem-se à qualidade duvidosa de alguma literatura mediática. O fugaz ciclo de vida comercial leva-nos a escolher não só as novidades, mas também livros não muito vendáveis.


Bibliografia
ALMEIDA, Sérgio – Obras que nos Lêem. Jornal de Notícias. Porto. ISSN 0874-1352. (2003) p. 48.


 Aluna do 4.º ano de CTDI: Natália Sarmento

publicado por antonio.regedor às 21:52
link do post | comentar | favorito

Feira do livro do Porto arranca sem brilho


75 Feira do Livro do Porto – Pavilhão Rosa Mota



25 de Maio a 12 de Junho



“Ler é Natural”


Na inauguração da abertura das duas Feiras do Livro mais emblemáticas, Lisboa e Porto, a ausência de Isabel Pires de Lima, ou de outro representante do ministério da Cultura não passou em branco. Numa das inaugurações mais pobres dos últimos anos, com uma ausência quase generalizada de representantes de entidades oficiais, o vice-presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, Francisco Madruga, relembrou as dificuldades por que passa o sector editorial livreiro, em especial as livrarias da Baixa do Porto, devido às obras.



Bibliografia

ALMEIDA, Sérgio – Feira do livro do Porto arranca sem brilho. Jornal de Notícias. Porto. ISSN 0874-1352. 359:117 (2005) p. 40.



Alunas do 4.º ano de CTDI: Natália Sarmento e Tânia Alves


publicado por antonio.regedor às 17:08
link do post | comentar | favorito

Os Passos da Feira do Livro - Lisboa e Porto

Palavras-chave: Feira do Livro; Lisboa; Porto; APEL.


A Feira do Livro afirmou-se como um dos mais importantes acontecimentos culturais portugueses, durante 90 anos. Em passos pequenos, feitos de gigante. A primeira Feira do Livro, não oficial em 1906, chamou-se Mercado do Livro (em Agosto), encheu o recinto em torno da Lisboeta estátua do Marquês de Pombal. Em 1908 com o fim de recolher fundos, na Tapada da Ajuda, algumas senhoras Lisboetas organizaram um Mercado de Livros. A terceira Feira do Livro, em 1918 também em Lisboa, inaugurada pelo Presidente Sidónio Pais. Os fundos foram revertidos para a sopa dos pobres.

Em 1920 pela primeira vez um grupo de livreiros organiza a feira do livro na invicta. Em 1927 na Rua Passos Manuel (no Porto) é organizada uma semana do livro brasileiro. Em 1930 Associação da Classe dos Livreiros de Portugal (hoje APEL), promove pela primeira vez a Feira do Livro oficial (organizações de editores e livreiros, com 17 stands no Rossio), 51 anos depois de Paris: a “ primeira exposição das publicações mais notáveis de 115 editores de Paris e da província” (Cercle, 1997:31) fora realizada pelo Cercle em 1880. No Porto realiza-se a primeira Feira do Livro oficialmente, na Praça da Liberdade, com o nome de Semana do livro. Durante o certame, sai uma estatística arrasadora: à data, 8% dos estrangeiros imigrados eram analfabetos, enquanto 100% dos nossos emigrantes não sabia ler nem escrever.

Em 1933 Associação da Classe dos Livreiros de Portugal ocupa dois dias da Feira do Livro de Lisboa com a venda de livros unicamente dedicados ao público feminino. Em 1934 vários actores de teatro são convidado a animar a Feira do Livro de Lisboa com os seus sorrisos e autógrafos. Beatriz Costa inaugura a iniciativa, franja em riste no pavilhão da Clássica Editora, patrocinando a venda do Livro Ceia dos Cardeais de Júlio Dantas, a 1$00 o exemplar. Vários editores optam por oferecer brindes aos visitantes. Vai um cafezinho…Tome lá uma rosa.

Em 1940 os 33 pavilhões da Feira Lisboeta são instalados entre a Calçada e a Travessa da Glória. A Associação da Classe dos Livreiros de Portugal chama-se agora Grémio Nacional de Editores e Livreiros. Em 1944 finda a II Guerra Mundial, a Feira de Lisboa sobre a Avenida da Liberdade instala-se em frente do Cinema Condes. Os pavilhões têm a forma de enormes livros, meio abertos e colocados ao alto. Esta forma durara 22 anos. Em 1945 o Rossio recebe de novo o certame Lisboeta, que ali permanece durante 3 anos. Em 1960 a Feira do Livro de Lisboa regressa à Avenida da Liberdade, agora perto da Rua das Pretas. Em 1963 da direita para a esquerda, a Feira do Livro de Lisboa instala-se no lado oposto da Avenida, junto ao Parque Mayer. Em 1964 com 50 pavilhões, o certame de Lisboa é um sucesso aclamado pelo povo, importante novidade: um festival de Poesia e o Dia do Livro Infantil. Em 1971 a Feira do Livro do Porto muda da Praça da Liberdade, onde se mantivera desde 1931, para a Praça do Município (actual Praça General Humberto Delgado). O design dos pavilhões – um livro aberto – é alterado para um modelo que se mantém até 1992. Em 1973 também no Porto, muda-se para a Praça Mouzinho da Silveira onde permanece durante 2 anos até regressar à Praça do Município.

Em 1974 um mês antes da revolução dos cravos, a guerrilha faz-se com livro. O Grémio Nacional dos Editores e Livreiros muda a sua designação para Associação Portuguesa de Editores e Livreiros. Em 1976 uma bomba explode danificando pavilhões, até hoje ainda não se sabe o porquê. Em 1977 do Cinema Tivoli até à Rua Alexandre Herculano, estendem-se os 86 pavilhões da Feira do livro de Lisboa. 50 Mil volumes estão abertos à curiosidade (e à bolsa) do público. Em 1979 no final do certame, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) anuncia a mudança obrigatória de local. Opções aventadas: Alameda Afonso Henriques, Jardim da Estrela, Campo Grande e Parque Eduardo VII. Em 1989 a Feira do Livro de Lisboa comemora meio século, cerca de 450 mil pessoas ocorrem aos 100 pavilhões acomodados no parque Eduardo VII. A opção da CML desencadeia polémica. A APEL faz circular mil exemplares de uma moeda comemorativa do 50º aniversário, cunhada a partir de desenhos do escultor António da Rocha Correia.

Em 1982 o papa veio a Portugal e foi escolhido o Parque Eduardo VII para uma missa campal, a Feira do livro de Lisboa foi montada em tempo recorde: 13 dias contra os habituais 30. Em 1983 a Feira do Livro do Porto muda-se para a Rotunda da Boavista, onde permanece 10 anos. Em 1988, 100 anos sobra a morte do poeta Fernando Pessoa justificaram o alargamento do período de duração da Feira do livro de Lisboa. Em 1993 a Feira do Livro do Porto deixa de acontecer ao ar livre e instala-se no Palácio de Cristal (actual Pavilhão Rosa Mota).

Em 1996 a Feira do Livro de Lisboa é empurrada para junto do Tejo, cumprimentando a estátua de D. José na Praça do Comércio, a festa estende-se até à Rua Augusta: mais de 240 stands em Lisboa e Porto para 60 mil títulos disponíveis. Um CIBERFORUM faz as apresentações do universo multimédia. A Feira dedica um espaço exclusivo à edição infanto-juvenil. Em 1997 de novo no Parque Eduardo VII, a Feira de Lisboa aí está, com cerca de 150 pavilhões e milhares de novidades a descobrir calmamente, num passeio entre o verde. Ininterruptamente realizadas desde essa época, as Feiras do Livro de Lisboa e do Porto, são grandes acontecimentos citadinos e também grandes montras que uma vez por ano, centenas de milhares de pessoas visitaram. Tornaram-se de tal maneira importantes, que desde o início, os sucessivos livros de Actas das Assembleias Gerais, sem excepções, dão-nos conta das discussões que periodicamente se travavam acerca dos seus regulamentos.


Fonte
APEL


Bibliografia
GUEDES, Fernando – Os livreiros em Portugal: e as suas associações desde o século XV até aos nossos dias. Lisboa: Editorial Verbo, 1993. ISBN 972-22-1585-X.


MARTINS, Jorge M. – Marketing do Livro: materiais para uma sociologia do editor português. Oeiras: Celta Editora, 1999. ISBN 972-774-045-6.



Alunas do 4.º ano de CTDI:
Natália Sarmento
Tânia Alves

publicado por antonio.regedor às 05:04
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Maio de 2005

Uma Questão de Sobrevivência


Uma Questão de Sobrevivência

Tânia Patrícia Silva Alves, aluna do 4º ano da Licenciatura Bietápica de Ciências e
Tecnologias da Documentação e Informação

Palavras Chave: Livrarias; concorrência de vendas; hábitos de leitura; APEL

A crise económica que se arrasta em Portugal ano após ano, não deixa indiferente a situação do livro e das livrarias.
As feiras do livro, a venda de livros nas grandes superfícies como os hipermercados, a Fnac, as novas tecnologias e a internet, têm sido as maiores causas de concorrência das livrarias tradicionais, a par desta situação junta-se o baixo poder de compra dos portugueses.

Segundo um estudo realizado em Março de 2004 pela APEL (Associação Portuguesa de Editores e Livreiros – www.apel.pt), verifica-se que 90% das vendas de livros dizem respeito a pequenas e grandes superfícies livreiras, 35% a super e hipermercados, 26% nas feiras do livro, 9% nos clubes de livros, 5% por via postal , 3% porta a porta e finalmente 1% a alfarrabistas e internet.

Para além das causas de concorrência enumeradas anteriormente, alia-se o facto de Portugal ser um país de poucos hábitos de leitura, tal como se pode verificar através de inquéritos realizados aos portugueses pela APEL, dos quais se pode concluir que apenas 45% da população lê livros, isto porque os níveis económicos e culturais do nosso país são baixos.

Os portugueses que lêem muito constituem a chamada elite cultural, e normalmente são educados em famílias abastadas onde predomina o livro e o gosto pela leitura.
Esta situação pode explicar-se pelo facto destas famílias mais abastadas se concentrarem no litoral e onde se localizam a maior parte de livrarias.
Em contrapartida, existem concelhos que não têm uma única livraria e geralmente é nestes pequenos centros que se localiza a classe social com mais dificuldades económicas.


Referências bibliográficas:
Disponível na www: <url:http://www.apel.pt>
GUERREIRO, António – Livros & Livros Limitados. Jornal Expresso. (13 de Abril de 2001).
Manual de Sobrevivência. «Jornal Expresso: cultura». (29 de Janeiro 2005).

publicado por antonio.regedor às 16:52
link do post | comentar | favorito

Bibliotecas Nacionais

Bibliotecas Nacionais

Tânia Patrícia Silva Alves, aluna do 4º ano da Licenciatura Bietápica de Ciências e
Tecnologias da Documentação e Informação

Palavras Chave: Portugal; Rede Nacional de Bibliotecas Públicas; INE

Nos últimos 10 anos intensificou-se não só a quantidade mas também a qualidade de Bibliotecas Públicas em Portugal.

A Rede Nacional de Bibliotecas Públicas, criada em 1987, inaugurou até Março de 2002 106 Bibliotecas em todo o país e os concelhos compreendidos pelo programa (RNBP) que datam de 2002 eram 209.

As condições das Bibliotecas melhoraram consideravelmente e consequentemente o número de utilizadores aumentou num país onde a leitura e a frequência a bibliotecas não são hábitos predominantes na população portuguesa.
Segundo estatísticas do INE (Instituto Nacional de Estatística – www.ine.pt ), no ano de 1987, em mil habitantes 158 eram leitores em bibliotecas e em 1996 este número subiu para 354.

Referências Bibliográficas:
Disponível na www: <url:http://www.ine.pt>.
Grão a Grão. Visão. [S.l: s.n.], 2002.
publicado por antonio.regedor às 16:50
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Maio de 2005

Sites de interesse

Alguns sites que devem ser consultados para obter informação de interesse para estudo da edição e da sua relacção com a venda e leitura de livros.

www.apel.pt
www.elefante-editores.co.pt
www.federacioneditores.org
www.b-on.pt
www.bn.pt
www.iplb.pt
www.ipq.pt
www.iso.ch
publicado por antonio.regedor às 09:40
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Maio de 2005

LEITURA E ALBABETIZAÇÃO

Os censos de 2001 indicam que Portugal a taxa de analfabetismo desceu de 11% para 9% no período de 10 anos.
Nestes censos a conclusão da escolaridade é a seguinte:
1º ciclo 35,1%
2º ciclo 18,8%
3º ciclo 18,7%
Secundário 15%
Concluiram o Superior 8,6% (notar que 10 anos antes concluiram apenas 4%)
Tendo estes dados em consideração, importaria saber como é que a escolaridade influência a leitura e a compra de livros.
Pergunta: Se duplicou o número dos que terminaram o ensino Superior isso fez-se notar no aumento do número de leitores e compradores de livro?


António Regedor
publicado por antonio.regedor às 23:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 17 de Maio de 2005

Agora os livros, em seguida os homens

Natália Sarmento – 4.º CTDI


Entre o período 1933 e 1945, foram queimados à volta de 100 milhões de livros numa Europa ocupada por Hitler. A primeira fogueira foi em Berlim mais precisamente a 10 de Maio de 1933.
Assistiram à “cerimónia” o ministro da propaganda do Reich, Joseph Goebbels (nazi com educação superior em literatura e filosofia, o que era um caso raro na altura), nesta “festa” contou também com a presença de fanfarras e hinos. Heinrich Heine profetizavara 100 anos antes, “Onde se queimavam livros, acabarão por se queimar pessoas”. Queimaram-se mais de 25 mil livros, ficou gravada para a História como o primeiro auto-de-fé europeu pós-inquisição.
Alguns deles provinham da biblioteca de Magnus Hirschhgeld. Os livros de autores alemães de origem judaica eram os mais sancionados. No entanto, também os livros de escritores ingleses eram banidos, nomeadamente. Ernest Hemingway, Jack London, Upton Sinclair, John Dos Passos, H. G. Wells, Sinclair Lewis ou Aldous Huxley. Durante a censura não era bem claro quais os livros que se podiam ou não ler, aumentando mais o medo e a insegurança, uma vez que, não se sabia se estava a infringir a lei.
Todavia, eram proibidos os livros de ordem socialista e comunista, ou seja, contrários ao modo de vida dos alemães; os que questionassem sobre sexualidade; os que deturpassem a história alemã e as suas grandes figuras; os textos jornalísticos democrático-judeus, os que desrespeitassem o comportamento dos soldados durante a grande guerra, etc.
Durante este conflito universal, num programa radiofónico dos EUA, teatralizavam-se os autos de fé praticados na Alemanha, reproduzindo com ditério a célebre fala do judeu Shylock na peça de Shakespeare – O mercador de Veneza: “Um livro é um livro. É papel, tinta e impressão. / Se o apunhalam, não sangra…Se o queimam, não grita. / Queimem-se milhares, queime-se um milhão. / Que diferença pode isso fazer?”
Posteriormente, nos campos de concentração, com o fumo dos fornos crematórios no horizonte, era na memória dos livros que alguns detidos obtinham certo amparo imaginável.


Bibliografia
"Expresso". (Abr. 2005) 33-35.

publicado por antonio.regedor às 12:16
link do post | comentar | favorito

Manual de Sobrevivência

Natália Sarmento – 4.º CTDI


A venda de livros em grandes superfícies, ou numa escala mais globalizante, (a Internet e a Fnac), tornaram-se sérios concorrentes aos livreiros. Estes para tentarem resolver a situação, abriram livrarias em centros comerciais, como por exemplo: a Bertrand e a Bulhosa., além desta medida também foi tida em conta a criação de espaços on-line, onde à distância de um clique é possível adquirir um livro sem sair de casa.
A única forma de estatísticas existentes para obter dados de livros vendidos em Portugal é através da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, contudo não especifica quem vende. Mas Do estudo, pode-se afirmar que os portugueses não são amantes da leitura e em termos percentuais as compras em pequenas e grandes superfícies livreiras é de 90%, em super e hipermercados é de 35%, em feiras do livro é de 26%, em clubes de livros é de 9%, por via postal é de 5%, pelo sistema porta a porta 3%, e por ultimo em alfarrabistas e na Internet os valores não ultrapassam 1%.
Todavia, em comparação com outros estudos desde 1983, há grandes diferenças, nomeadamente, em compras nas livrarias a percentagem varia de 63% e os 77%. Pode-se concluir, que as livrarias sendo pequenas ou grandes superfícies, são o local onde mais as pessoas compram.
Do estudo realizado por 7 livrarias de Lisboa (Aillaud & Lellos; Livrarte; Castil; Castil Fonte Nova; Ferin; Ler Devagar; Notícias e Portugal), concluiu-se, que todas elas estão em declínio, tentam a todo o custo reverter a situação, umas especializando-se em determinadas áreas, outras vendendo livros raros, antiguidades e obras de arte.


Bibliografia
"Expresso". (Jan. 2005) 22-24.

publicado por antonio.regedor às 11:48
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds