.posts recentes

. Casa de Mateus

. PASSADIÇO DO PAIVA

. PASSADIÇOS

. Agustina Bessa-Luís

. O Tesouro

. Quark

. Votei

. Combater as notícias fals...

. No coração da Prelada

. Escrever um artigo de inv...

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 16 de Abril de 2019

15 Abril 72

D. Pedro IV.jpg

Manifestação de 15 de Abril de 1972 no Porto contra a Carestia de Vida

Faz hoje quarenta e sete anos que no Porto se realizou, em pleno regime de ditadura, uma manifestação contra a carestia de vida. A poucos dias do 1º de Maio, data festiva na Europa Democrática, mas proibida em Portugal de Ditadura. Até aí, o 1º de Maio ia tentando ser comemorado tanto quanto possível. O local de concentração era a baixa do Porto, essencialmente a Praça D. Pedro IV, ou Praça da Liberdade, antiga Praça Nova onde esteve o edifício da antiga Câmara Municipal. Nesses tempos a concentração de pessoas que mais ou menos deambulavam pela Praça e se estendiam pela Avenida dos Aliados e ruas e praças adjacentes, era nitidamente maior. Mas nada de manifestações como hoje as conhecemos, já que ao menor aglomerado de pessoas a polícia presente em força mandava dispersar. À época corria a piada que mais de dois era ajuntamento.

Foi para esta praça que a manifestação contra a carestia de vida foi convocada. A Praça e a Avenida eram os pontos términos de eléctricos e autocarros, e na proximidade da Estação de S. Bento e não longe da estação da Trindade. Local, portanto de muita concentração, para tomada de transportes e de passagem de um para outro modo de transporte. A manifestação, como as outras foi marcada para o fim da tarde, hora de saída dos empregos e portanto de muita gente.

Nesse dia do ano de 1972, e em resultado de grande quantidade de folhetos distribuídos clandestinamente, a Praça estava nitidamente diferente. O Ambiente político era qualitativamente diferente. Poucos anos antes, em 1970 tinha sido fundada a intersindical. Estava-se numa crise que vinha já desde 1970, com elevadas taxas de inflação. Quase metade do orçamento de estado era gasto na guerra colonial.

O Regime também se tinha preparado para esse dia. As forças policiais, a chamada polícia de choque, equipada com capacete, escudo, e bastão, estava concentrada nos cinco pontos estratégicos para o cerco à Praça da Liberdade e à Avenida dos Aliados. Estava atrás da Câmara Municipal, na Praça Filipa de Lencastre, Praça D. João I, Largo dos Lóios e Estação de S. Bento. E dispersos um pouco por toda a Praça da Liberdade os pides e legionários que se encarregariam de vigiar e provocar a dispersão, prender e carregar com bastões sobre as gentes concentradas, fossem ou não manifestantes.

Foi o que fizeram, logo que uma bandeira nacional foi levantada por um manifestante junto à estátua de D. Pedro iV na Praça da Liberdade. Uma mole de gente compacta avançou no sentido da Avenida da Liberdade. Quem levava a Bandeira Nacional só conseguiu atravessar os metros de rua. Os pides e legionários identificaram-se com braçadeiras e fitas que ocultavam nos bolsos dos casacos. Desde logo e por todos os lados havia pides e legionários à bastonada indiscriminada. De todos os pontos saíram os polícias de choque. Todas as ruas ficaram bloqueadas. As correrias de fuga eram travadas com barragens de polícias que freneticamente espancava todos, sem distinção, manifestantes ou não. Em poucos minutos, fugiu quem pode. Muitos refugiados em estabelecimentos. Cafés que cerravam as portas e corriam cortinas. Corpos tombado no chão por espancamento. O trânsito cortado e a evacuação dos que se tinham escondido nos cafés da baixa, era feita em fila indiana, entre as paredes e filas de polícias e observados pelos pides. O 1º de Maio não teve história nesse ano. Foi preciso passar mais um 1º de Maio em ditadura. Só em 1974 em Abril e já quase no fim do mês se abriu a Praça da Liberdade à Liberdade.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:30
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds