.posts recentes

. BIBLIOTECA-BARCO

. Não é fácil ser professor

. As Árvores Temperam a Te...

. Caminhos de Ferro a serem...

. "Lego" na Biblioteca

. Directrizes. IFLA Guide...

. Luto

. Mercantilização da Ciênci...

. O Império repete-se. A mo...

. Direitos de autor e digit...

.arquivos

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 14 de Agosto de 2018

BIBLIOTECA-BARCO

DSC2080-kopier-1024x678.jpg

 

 

Imaginar a biblioteca-barco a percorrer a zona fronteiriça de Melgaço a Caminha e do lado Galego de Goyan a Creciente. Ou a subir o Douro navegável e visitar um sem número de localidade da beira rio afastadas das sedes de Concelho com bibliotecas.  Navegar o Mondego e o Tejo. Fazer a ligação interior do grande lago peninsular que é o Alqueva. Ou voltando a cursar o rio que várias civilizações transportou do Al-Gharb a Alcoutim e Mértola, partilhando também com Sanlucar ou Ayamonte.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:18
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 13 de Agosto de 2018

Não é fácil ser professor

38837069_2148423328815462_6762602285894729728_n.jp

Não é fácil ser professor.  Acreditem, mesmo que nunca o tenham sido. 

O cartaz mostra isso mesmo.

Perante um sucesso escolar da minha filha, e quando lhe perguntei quem lhe tinha ensinado, a resposta dela foi: “ninguém me ensinou, fui eu que aprendi”.

Tomei consciência que ninguém ensina nada a ninguém. A aprendizagem depende da pessoa que quer aprender. A imposição não produz os melhores resultados.  

Conhecer, compreender quem está diante de nós. Agir no plano da confiança. A falta de confiança é um dos grande s obstáculos epistemológicos.

A motivação. Ninguém acredita num professor desanimado, triste. O entusiasmo do professor na acção de ensinar e na colocação de beleza daquilo que ensina é fundamental. 

O fazer algo não habitual não tem de ser tão estranho que desvie a atenção, mas eu costumava levar caixas com inscrições em cada um dos lados para que todos vissem diferente, objectos ligados aos conteúdos a explorar também resulta. Fica a imagem marcante e de referência ao assunto, como que uma tag.

Também não é preciso contar uma anedota, nem acho positivo. Mas uma metáfora é coisa que uso muitas vezes. O pensamento divergente facilita a memória.

Obviamente o respeito e a confiança estão associados à satisfação de ensinar e à beleza do  que se ensina.  Só o entusiamo pelo que se quer aprender motiva os estudantes na sua curiosidade de investigar com autonomia e prazer.  E é esse esforço pessoal do aluno que deve ser elogiado, incentivado, valorizado.

Dessa forma a avaliação deve ser entendida não como um juízo do professor, mas um reconhecimento e agradecimento do professor perante a aprendizagem do aluno. 

 

António  Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:43
link do post | comentar | favorito
Domingo, 12 de Agosto de 2018

As Árvores Temperam a Temperatura

ARVORES ARREFECEM.jpg

Em tempo de verão e calor, é inevitável falar de árvores. Os valores de diferença de temperaturas apresentado na figura, mostam a importância das árvors em meio urbano. Mesmo tendo em conta o relativismo das medições,  influência do lugar,  porte,   espécies e  distâncias entre si, a ilustração é ilucidativa.

As árvores em meio urbano ajudam no pleneamento, são elementos que constituem barreiras  térmicas, sonoras, de vento e de chuva.

Constituem a barreira térmica que a gravura ilustra, criando espaços ensombrados, onde so sol não incide de forma tão forte, reduzindo  a transpiração das plantas, minimizando a evaporação dos solos. Os dois fenómenos que constituem a evapotranspiração e que exigem o consumo de maiores quantidades de água para garantir o bom estado sanitário das plantas. 

E tal como vemos na foto, as árvores em meio urbano só cumprem a função benéfica para o clima e de eficiente captura de CO2 se forem crescidas e  saudáveis. A sua missão é impedida se forem sujeitas ás podas brutas de atarraque e outras formas de amputação que vemos todos os anos no meio urbano de muitas cidades que conhecemos.  

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 22:01
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Agosto de 2018

Caminhos de Ferro a serem devorados

CP ESCUDO.jpg

Desde há algumas semanas, e estamos em Agosto de  2018,  têm havido muitas notícias  sobre a CP. Curiosamente acontecem após o governo  ter anunciado uma nova frente de trabalho da renovação da linha do norte, entre Ovar e Gaia.  São notícias, os atrasos, a falta de material circulante, a subsituição de carruagens de qualidade e tipologia inferior em determinados percursos, a falta de manutenção ao nível da qualidade e conforto, a falta de pessoal de manutenção mas oficinas da empresa EMEF, (a empresa da CP especializada na manutenção). E mais recentemente o ar condicionado que não funciona acime de detreminado patamar.

Claro que dá vontade de verificar caso a caso cada um destes argumentos contra a ferrovia, que parece terem aparecido todos agora e ao mesmo tempo com a mesma causa. Vejamos.

A renovação da linha do norte já vem do tempo do cavaco. E sabe-se que as intervenções são apenas para repor as boas condições de circulação e segurança. Não permitem aumentar as velocidades que os alfas e pendulares podem fazer. Diz-se não haver mais comboios, mas há locomotivas  novas, paradas. A falta de carruagens já é conhecida há muito, até por necessidade de alargar a rede de alfas e pendulares a outras cidades que não apenas Lisboa e Porto. A falta de pessoal especializado e que demora a formar, já é conhecida há muito tempo. E finalmente, a piada do ar condicionado, que é de origem, não falhou agora.

Por tudo isto, é legítimo pensar, que nos dias mais próximos se montou um circo para denegrir a CP como empresa pública. E para reforçar esta ideia surge a notícia do início da operação privada na linha de Corunha ao Porto, por uma empresa que foi inglesa mas comprada recentemente pela alemã   Deutshe Bahn. Não esquecendo que são os alemães que mandam na europa, convém ligar esta informação a outra.  A normativa europeia que obriga a liberalizar o sector feroviário já em 2020. E já agora dizer que os pendulares, os tais que estão equipados com o ar condicionado que não presta são da Fiat. E muito provavelmente a alemanha (siemens alstom) estará interesada em vender os seus produtos.

Se aparecer o anúncio da venda da CP, ou só da linha do norte,  que sem dúvida é a mais rentável, não nos vamos espantar. Já suspeitamos  que é orquestrado,  o que se vem dizendo de mal da CP. 

 

Há uma enorme voracidade do sector privado pelo sector público com potencial de lucro. 

 

Nota explicativa: Estado é a sociedade aberta em que os sócios são todos os cidadãos contribuintes com um valor de quota correspondente ao seu IRS.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:14
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Julho de 2018

"Lego" na Biblioteca

legopowellsbookstore.jpg

Era já adulto quando contactei com “Lego”, e fiquei entusiasmado.  Ofereci à minha filha vários “Legos”. No mercado havia para além das bases standart, carros, casas, muitas delas com grandes pormenores de jardins, flores, mobília e bonecos de várias profissões. Mas nunca encontrei nenhuma biblioteca ou bibliotecário ou bibliotecária. Talvez por isso tenha prestado maior atenção ao post de Julián Marquina que aqui vos deixo em link https://www.julianmarquina.es/12-bibliotecas-con-piezas-de-lego-que-te-encantaria-tener-en-casa/

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:14
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Julho de 2018

Directrizes. IFLA Guidelines

images.jpg

A Organização Internacional das Associações de Bibliotecas e Bibliotecários (IFLA) é o roganismo que internacionalmente estebelece os concensos sobre  orientações, normas, boas práticas na actividade de gestão da informação em bibliotecas.

Aqui fica uma compilação da sua produção.  

Conceptual models

Digital format codes

Rules for resource description

Guidelines

Guidelines

Management Prospects and Challenges of Library Associations in Africa: the case for Uganda Library Association and the library and Information Association of South Africa[PDF]
by Dick Kawooya. This article was originally published in “World Libraries,” Vol. 11, Numbers 1 & 2, Spring and Fall 2001, pp. 39-55.

Library Associations [PDF]
by Narayanan Rakunathan, InfoProducts, National Library Board, Singapore

Guidelines for the Organizational Structure of Associations

Association Programs and Services

Developing Policies and Procedures for the Library Association

Guidelines for Financial Management of Library Associations

Guidelines for Governing and Leading Library Associations

Guidelines for Library Association Operations

Expanding Advocacy in the Library Community – A Guide for Developing a Government Relations without Borders

 

publicado por antonio.regedor às 18:13
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Julho de 2018

Luto

João Semedo.jpg

Faleceu um cidadão a quem me habituei a olhar com enorme consideração.

Sempre que me cruzei com ele, foi de enorme cordialidade e cativante simpatia.

A memória perdura para além da matéria.

publicado por antonio.regedor às 16:19
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 13 de Julho de 2018

Mercantilização da Ciência

anatomia20da20mama_3.jpg

 

Recentemente a Organização Mundial de Saúde debateu uma resolução com o propósito encorajar a amamentação.

A resolução tem por base décadas de investigação e dezenas de estudos científicos.

Na resolução era feita a apologia do leite materno como sendo o alimento mais saudável para os bebés nos primeiros meses de vida. A  Organização Mundial de Saúde recomendava ainda que os países deviam procurar limitar a comercialização enganosa de complementos e de substitutos do leite materno.

A delegação norte-americana saiu em defesa da indústria do leite em pó para bebés e sugeriu alterações radicais ao texto. Tentou fazer o mundo “refém” da indústria alimentar dos Estados Unidos. Tentou dominar a ciência com leite em pó.

De acordo com fontes diplomáticas citadas pelo “The New York Times”, os delegados norte-americanos chegaram a insinuar que os Estados Unidos poderão cortar o financiamento à Organização Mundial de Saúde. Mas não se ficaram por aí. Ameaçaram vários países com medidas de retaliação caso dessem luz verde ao documento, avança o “The New York Times”. Ao Equador ameaçaram com o fim da cooperação na área militar e pela imposição de penalizações de natureza comercial. O mesmo fizeram a mais de uma dezena de outras nações  que foram alvo de pressões similares da parte da delegação norte-americana.

O golpe na Organização Mundial de Saúde só não resultou, porque a recomendação acabou por passar depois de uma intervenção da Rússia.

 

António  Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 10:30
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Julho de 2018

O Império repete-se. A morte é o seu destino.

transferir.jpg

 

 

Os Estados Unidos impuseram na NATO a despesa aplicada aos parceiros de 2% do PIB. Como todos os estados aliados da Nato usam armamento essencialmente americano. Estamos mesmo a ver quem beneficia com este imposto. 

A propósito desta forma de cobrança de imposto a favor do império, refiro o livro “ A civilização Grega” de André Bonnard.

Na guerra contra a Pérsia, (Século V antes de cristo) as cidades gregas fizeram uma confederação com sede em Delos. No entanto, devido à maior força da sua frota de barcos, “Atenas gozava de privilégios particulares no seio da Confederação, devido à força única da sua frota. Tinha o comando das operações militares, donde resultava livre disposição das finanças”.  (Como hoje é tão parecido). “...algumas das cidades aliadas, cujos barcos não eram do tipo moderno” forneciam uma contribuição em dinheiro. Só três cidades pagavam em barcos, as  restantes pagavam em impostos.  O resultado natural dessa supremacia foi Péricles transferir o tesouro da confederação para Atenas.  E diz Bonnard “Em teoria,  todos os aliados são cidades autónomas e têm direitos iguais, De facto, existe um desiquilibrio entre o poder de Atenas, senhora das operações militares e das finanças, e a fraqueza relativa das cidades aliadas.” (Bonnard: 1980, p.190)  (mais uma vez o paralelismo com os dias de hoje). Quando se evidenciavam discórdias, as cidades discordantes eram subjugadas e tornadas súbditas. Atenas fixava o seu tributo anual. “Outras vêem os seus oligarcas expulsos e “democratizado” o governo”...”Instala em diversos lugares governos que lhe são dedicados.” (Bonnard: 1980, p.190) . ( sempre a repetição).     É pelos tribunais de Atenas que são julgadas as desavenças de Atenas com os seus súbditos...”. “A Confederação de Delos tornou-se Império de Atenas”  (Bonnard: 1980, p.191) .

Felizmente, tem mostrado a história ser ingrata aos impérios. Todos foram perecendo, como é já evidente com o actual império americano. Também este fenecerá, como é da história. Resta-nos a nós súbditos querer ou não erguer a cabeça. Para já, António Costa  disse que não seria 2%, mas apenas 1,98%, e não apenas com o novo Fundo Europeu de Defesa, mas também com o futuro Horizonte Europa, destinado à inovação e investigação. E quanto a este último fundo europeu, repete-se a história. Os súbditos não constroem barcos, pagam tributo de cabeça baixa.   

 

A civilização grega / André Bonnard. Lisboa : Edições 70. 1980.

publicado por antonio.regedor às 11:34
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Julho de 2018

Direitos de autor e digital

LetMeBlog.png

 

 

 

Recentemente o Parlamento Europeu recusou a  “Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa aos direitos de autor no mercado único digital”

Uma proposta que visa essencialmente proporcionar às empresas de distribuição dos conteúdos a possibilidade de criar filtros orientados por critérios comerciais. Essa disposição está no artigo 13, que é o que causa o essencial da controvérsia.

Claro que as justificações são as clássicas para convencer a aceitação da directiva. A conversa do costume da defesa dos consumidores. Para logo de seguida afirmar no texto a sua real intenção: “Os editores de imprensa estão a ter dificuldades em conceder licenças sobre as suas publicações em linha e em obter uma parte equitativa do valor que produzem.”

A incidência da directiva é obviamente a internet que actualmente é o meio que nos permite a maior informação possível.  Permite aceder às mais diversas fontes de informação,   estabelecer contactos pessoais e profissionais, aceder a música, imagens e outros grafismos. Trabalhar em linha e muita outra coisa.

O que a Comissão Europeia propões é permitir que as grandes empresas controlem o que fazemos na internet.  Controlar o nosso acesso à diversidade de informação por razões mercantilistas é inaceitável. vez

Desta  vez não foi aprovada, mas voltará ao Parlamento Europeu. 

O que acontecerá  caso seja aprovada essa directiva,  é que cada um de nós para aceder aos mais diversos  conteúdos, seja caricatura, fotógrafia, documento, música, dança, blogue, jornal, o que quer que seja, irá  ficar dependente de pagamento de direitos para ter esses conteúdos em linha e passar os filtros de direitos que essas empressas queiram estabelecer.

 

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 08:30
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds