.posts recentes

. Futebol

. Salomão em viagem

. Manuel Resende

. 15 anos a blogar

. Dois Papas

. Sentimento de impunidade

. A insegurança de viver em...

. Mudar a cidade

. BIBLIOTECA DE GAIA

. Árvores, para que vos que...

.arquivos

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2020

Futebol

soccer-3040031.jpg

Não restam dúvidas sobre o efeito nefasto do futebol na ética da cidadania.

São tantos os escândalos na indústria do futebol que nunca nos lembramos de todos os tipos de falcatruas, de imoralidades e comportamentos reprováveis, que nos esquecemos sempre de mais algum. Alguns desses comportamentos reprováveis e crimes nem nos passavam pela cabeça.

Fugas ao fisco, compra de jogos, de árbitros, de jogadores. Corrupção desde os mais altos organismos como a federação internacional. Escândalos las Federações nacionais, escândalos nas federações de clubes, de treinadores, de árbitros. Escândalos com políticos. Corrupção com autarcas, dirigentes de futebol, agentes de jogadores, empreiteiros e políticos. Transferências de dinheiros dos orçamentos públicos para a máquina do futebol. Essa máquina, ou sistema, a que popularmente de designa por máfia do futebol. Com a promiscuidade tipo casa de alterne entre políticos, dirigentes de futebol, construtores, e outros figurantes dessas trocas de interesses, de dinheiros, de favores, de influências.

A podridão social está aí, no futebol. A estupidificação humana, a deseducação cívica. A manipulação de massas, o ópio do povo.

publicado por antonio.regedor às 14:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 10 de Fevereiro de 2020

Salomão em viagem

IMG_20200129_145948 (1).jpg

José Saramago – A viagem do elefante.

  1. João III e D. Catarina da Áustria oferecem um presente ao primo Maximiliano. É o elefante Salomão que será acompanhado pelo cornaca.

O elefante será entregue em Valladoli ao arquiduque como regente de Espanha.

Forma-se uma caravana com o cornaca montado no elefante, homens para ajudar e um carro de bois com uma dorna de água e um carregamento de fardos de palha para alimento do Salomão. Um pelotão de cavalaria para segurança mais um carro da intendência das forças armadas.

A marcha segue a passo e capricho do elefante até à fronteira onde uma força austríaca os esperaria. Na Fronteira e perante a insistência de cada um dos destacamentos fazer questão de velar pela entrega do elefante, a caravana aumentou de figurantes.

E pelo caminho o elefante ainda fez um milagre amestrado pelo cornaca, que lhe valeu alguns dinheiros pela venda de pelo de elefante.

O elefante chega finalmente a Viena. Entretanto o arquiduque muda o nome do cornaca para Fritz e o elefante Solimão acaba aí os seus dias.

publicado por antonio.regedor às 12:27
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 30 de Janeiro de 2020

Manuel Resende

Manuel Resende.jpeg

A morte de um amigo deixa-me mais só na minha geração que tem a marca do Maio de 68 e Abril de 74. Conheci o Manuel Resende no Porto e com ele partilhei alguns momentos da transformação social democrática em Portugal. Engenheiro que se fez jornalista no Jornal de Notícias. Anti-militarista que se fez líder de soldados. Poeta que também traduziu poesia. A sua poesia pode ser encontrada na editora “cotovia”. A tradução do grego Konstantínos Kaváfis, uma edição da editora “FLOP” está em português e grego.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:40
link do post | comentar | favorito (1)
Terça-feira, 28 de Janeiro de 2020

15 anos a blogar

157252570341729610.jpg

A 28 de Janeiro de 2005 apareceu o blog Bibvirtual. Era uma forma de comunicação em grande expansão, à época. A SAPO tinha sido criada na Universidade de Aveiro e alojava muito dos blogues que se escreviam nesse tempo. O bibvirtual surgiu no contexto de aulas de ciência da informação que eu leccionava no curso de ciências e tecnologias da documentação e informação na Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto . O blog serviria para aqueles alunos de Licenciatura poderem comunicar entre si os estudos que iam fazendo e registando no blog. Dentro ou fora da sala de aula, todos estavam em comunicação permanente. Os estudos, as leituras, as interrogações de uns, serviam todos os outros. Foi um curso excelente, de onde saíram alunos excelentes. Facilmente integrados no mercado de trabalho e alguns em continuação de estudos.

Passada essa fase inicial, o bibvirtual continuou na mesma linha de apresentação de temas e notícias de ciência da informação. Evoluiu para integrar a temática das bibliotecas escolares, e apresentação de iniciativas editoriais . A partir de 2018 para além do livro como a principal presença nos post, outros temas de filosofia, ambiente e social também passaram a aparecer no bibvirtual. Essa diversidade é presentemente o seu perfil.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Janeiro de 2020

Dois Papas

dois papas.jpg

O filme “Dois Papas” põe em diálogo duas igrejas, duas formas de pensar a religião e a igreja, duas experiências e visões do mundo.

O Papa Ratzinguer, oriundo de um mundo desenvolvido. De um espaço religioso em que o maior confronto do catolicismo é com o protestantismo. Daí um papa, com a necessidade de evidenciar o recto pensamento teológico. Ratzinguer procurou centrar-se no Espírito Santo, tentando expurgar o que mais se desvia da ortodoxia divina.

Bergoglio é um Jesuíta de uma região pobre do globo. Que ao contrário do seu antecessor que sempre viveu afastado do mundo, Bergoglio sempre esteve em contacto com os pobres e oprimidos. Ele próprio sentiu a violência e a perseguição feita aos Jesuítas.

Ratzinguer especulativo e Bergoglio prático.

publicado por antonio.regedor às 14:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 8 de Janeiro de 2020

Sentimento de impunidade

violência.jpg

O Contrato Social assenta em princípios civilizacionais de Defesa, Segurança, Justiça, Educação, Cultura, e em valores de respeito, cortesia, solidariedade, trabalho e contribuição para o bem comum e estima da (rés)coisa pública.

O bem estar social não pode aceitar a destruição do que são pilares civilizacionais e valores sociais.

AS FFAA são cada vez mais solicitadas a uma multiplicidade de missões que vão da defesa à protecção civil e ambiente. Não é aceitável o desprezo e desvalorização do principal corpo de defesa nacional. AS forças de segurança pública querem-se cada vez mais civilistas, mais próximas e diversificadas nas suas competências. Não é aceitável o desrespeito e agressão a agentes de segurança pública. A educação é cada vez mais universal e mais ajustada às necessidades cognitivas dos estudantes. Não é aceitável a falta de respeito a um professor, a agressão por familiares e mesmo pelos próprios alunos. A saúde é continuamente melhor, mais preventiva, mais profissionais, mais próximos dos cidadãos, melhor acompanhamento, mais e melhores instalações e equipamentos. Não é aceitável a agressão aos profissionais de saúde.

O clima de impunidade não é aceitável. Reverter a legislação permissiva destas práticas anti-sociais e corrosivas da coesão social é imprescindível e urgente. A defesa da coesão da polis, a defesa do em estar, segurança e tranquilidade social é uma tarefa da democracia como forma de viver em contrato social. É uma responsabilidade das forças políticas democráticas, sob pena de se tornar bandeira dos grupos políticos autoritários, anti- democráticos e defensores das ditaduras.

publicado por antonio.regedor às 16:05
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Janeiro de 2020

A insegurança de viver em paz

transferir.jpg

Porque o assunto é demasiado sério, fica o registo para memória futura.

Qasem Soleimani

AEra o general comandante dos Guardas da Revolução, a principal força do regime do Irão. E também das milícias Quds. 

Foi o influente orientador do movimento militar Hezbollah. Este movimento está fortemente implantado no sul do Líbano. Conteve e derrotou Israel num ataque/invasão do sul do Líbano. O Hezbollah tornou-se um exército disciplinado, bem treinado, muito eficiente na guerra. Foi decisivo no combate contra os mercenários do Daesh contratados por toda a europa e médio oriente. O Hezbollah foi decisivo no terreno da Síria, na contensão do expansionismo sionista, e no apoio da política Persa/Xiita no Iraque. A coordenação dos vários grupos de combatentes Xiitas, dos seus resultados positivos em campo de batalha e de boa imagem das políticas xiitas foi obra de Qasem Soleimani.

Isto tornou-o no homem, mais temido e mais odiado dos Sunitas/Wahhabitas que reinam a Arábia Saudita e cuja política externa consiste na difusão do fundamentalismo wahhabita, na desestabilização dos países da região e no fomento do terrorismo. Qasem era odiado pelos sionistas de Israel que não conseguiram derrotar o Hezollah no sul do Líbano nem a sua estratégia na Síria. O Hezollah sendo movimento islâmico foi importante na derrota do fundamentalismo do Daesh e é hoje um elemento de estabilidade no sul do Líbano. Qasem Soleimani é odiado e temido pelos Estados Unidos por lhes ter anulado o derrube de Assad e revertido a guerra na Síria.

Qasem Soleimani foi o general da vitória na Síria, o comandante dos guardas da revolução iraniana, o orientador do Hazollah e actualmente o organizador de resistência à agressão americana no Iraque.  Guerra iniciada com a mentira das armas que o Iraque não possuía.

Qasem Soleimani foi decisivo na derrota do terrorismo islâmico do Daesh. O Daesh era apoiado pela Arábia Saudita, Israel, Estados Unidos e Turkia. Qasem Soleimani simbolizava a derrota de todos eles.

A assassinato terrorista deste General vencedor, apresenta-se como vingança e acção não ponderada por representar escalada de acção de retaliação e propiciadora de guerra a mais larga escala. Os Estados Unidos saem do Iraque sem vitória, sem glória, sem moral. Arriscam a sair derrotados, anulados e humilhados. Por cada passo em falso, o império enfraquece.

 

publicado por antonio.regedor às 15:20
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 2 de Janeiro de 2020

Mudar a cidade

Muro.jpg

Nos últimos cem anos o carro mudou o paradigma de vida urbana. Associado ao petróleo criou um novo mundo assente no triângulo militar industrial. Carros, petróleo, armas. No século XIX mesmo a casa da cidade tinha galinheiro. No século XX trocou-o pela garagem. É agora visível, no século XXI que a vida na cidade e a sua forma de mobilidade se tornou um problema insuportável. O filme de terror podia ter o título de cercados por carros por todos os lados.

Ainda nasci a tempo de jogar a bola na rua, andar de triciclo em passeios de dois metros de largura. No passeio de uma rua a descer pude exercitar o equilíbrio necessário para andar de bicicleta. Nesse tempo, a rua era a ligação entre as duas faixas de casas. Hoje é uma barreira. A ligação foi mesmo restrita a uma faixa tracejada onde nem aí é seguro a travessia. As ruas tinam árvores que protegiam as casas dos ventos de inverno e amenizavam a temperatura no verão. Os começaram por estacionar entre as árvores, mas em pouco tempo roubaram-lhes o lugar. E a travessia da rua focou ainda mais blindada por fiadas de ferro e chapa. Os carros devoraram praças e jardins. Esconderam-se nas caves dos prédios e cercaram os quarteirões onde vivemos. Já dificilmente posso usar a bicicleta.

O caos na mobilidade, o custo da energia, a degradação da qualidade de vida, a falta de espaços de locomoção em segurança, a pegada ecológica e a evidente alteração climática resultado do modelo industrial e de mobilidade do paradigma actual, faz inevitavelmente querer mudar. Mudar para cidades mais humanizadas. Cidades com zonas pedonais, arborizadas, cicláveis. Com transporte público de qualidade, onde use o carro quando e onde necessário sem que ele seja a única forma de chegar onde quero. Carro que não polua, mas que sela alimentado a energia de fonte renovável e produzida por um aparelho de dimensão doméstica. Uma eólica ou fotovoltaico no telhado da casa que produza a energia que necessito. Sem facturas nem ivas nem outras complicações.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:27
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 31 de Dezembro de 2019

BIBLIOTECA DE GAIA

Biblioteca Gaia.jpg

 
Elogiar uma biblioteca. Uma forma de terminar o ano.
Através do amigo João Areses, soube da publicação de uma memória dos 85 anos de existência da Biblioteca Pública Municipal de Gaia. Não me é indiferente. Durante o meu percurso escolar nunca nos estabelecimentos de ensino havia bibliotecas. Mesmo na passagem pelo Rodrigues de Freitas no Porto, aquilo a que chamavam biblioteca foi uma vez objecto da minha curiosidade. Ousadamente empurrei uma porta enorme, e colocando a cabeça para lá de um enorme reposteiro apenas me foi possível ver na penumbra uns enormes armários com portas de rede e umas bancas-vitrinas de museu. Só na faculdade encontrei uma biblioteca. Os livros a que tinha acesso em criança eram, claro que ainda me lembro, a colecção “falcão” sucessora de “ O mosquito” da geração anterior. Recordo ter utilizado os serviços da itinerante da Gulbenkian que também chegou a fazer o Porto. Em São Lázaro, na BPMP, era assíduo por ser a biblioteca mais próxima da minha escola secundária. Serve isto o propósito para referir a relevância a que sempre votei a Biblioteca Pública Municipal de Gaia. A única biblioteca que cumpria o conceito de biblioteca de leitura pública na área do Porto. Pelo edifício, pelo livre acesso, pelos serviços. A minha referência como biblioteca de leitura pública, conceito à época quase desconhecido. Contactei muitas vezes com o bibliotecário Alberto Moreira por quem tenho grande estima. Foi ele que me proporcionou o primeiro trabalho de formação de técnicos de biblioteca. Outra figura que considero relevante na promoção da cultura em Gaia é o dr. Barbosa da Costa, com quem contactei algumas vezes durante a minha estadia em Canelas e por ocasião de uma expressiva homenagem aos pedreiros de Canelas e da qual resultou o monumento num dos locais centrais da freguesia. Em Canelas participei marginalmente na edição de um roteiro das colectividades locais. Na biblioteca guardo muito boa impressão da bibliotecária Isabel com quem contactei por várias vezes por razões profissionais e que sempre foi exemplarmente profissional. E da Alzira cuja formação tive a oportunidade de acompanhar e que reputo de excelente técnica. A sua dissertação de Mestrado é prova disso. É uma biblioteca a visitar brevemente.
Parabéns à Biblioteca Pública Municipal de V. N. de Gaia, aos agentes políticos que a criaram, mantiveram e melhoraram, aos bibliotecários que a dirigiram e dão corpo à missão e ofício da leitura pública, aos técnicos que a tornam agradável e apetecível e aos utilizadores que lhe dão sentido. A todos que lhe dão dignidade ontológica.
 
António Borges Regedor
publicado por antonio.regedor às 16:36
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 30 de Dezembro de 2019

Árvores, para que vos quero.

IMG_20180212_152058.jpg

Vendo como muitas das árvores são tratadas em meio urbano, alguém  poderá questionar o porquê de plantar árvores nas cidades.

Na verdade, a saúde das cidades e dos seus habitantes depende da quantidade e saúde das árvores que tem plantadas.

Àrvores nas cidades, com boa saúde, são fundamentais para a saúde pública dos seus habitantes.

Desde logo a função mais visível das árvores. A sua função de sequestro de carbono. Num tempo em que cresce a preocupação com o aquecimento global e a necessidade de reduzir os gases com efeito de estufa, nomeadamente o carbono, as árvores cumprem essa tarefa.

Não apenas nas ruas e avenidas, mas também em parques e jardins. Aqui, são espaços de valor estético e ambiental. Espaços de permeabilização para reposição das águas no subsolo e em lençois freáticos. Espaços de diversidade da flora e de abrigo a variada fauna. Espaços de lazer e saúde pública. O exercício físico pode combater tanto problemas psicológicos como a depressão como problemas físicos como a obesidade entre muitos outros benefícios para a saúde.

As árvores filtram o ar, retêm agua da chuva, produzem oxigénio, reduzem gases de efeito estufa, e amenizam temperaturas. Reduzem as temperaturas no verão, tornando mais amenas as cidades.

Obviamente que têm de ser árvores saudáveis, crescidas, com ramagens e copas. Não alguns troncos que é habitual ver em cidades onde são mal tratadas. Onde em vez de podas de correcção, lhes fazem cortes de madeireiro. Árvores deformadas, atarracadas, sem copas, autenticos paus ao alto, sem estética nem préstimo. Essas são árvores mal tratadas que em muitos casos as leva á morte. E isso devia ser considerado crime contra a saúde pública.  

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:03
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds