.posts recentes

. O “Lector”

. Clubes de Leitura em temp...

. A Arte de Bem Negociar

. Vestuário no Islão. Signi...

. Os Estados desunidos da A...

. Mercearia fina

. Istambul: Memórias de uma...

. As portas da muralha burg...

. Portas da Cerca Velha do ...

. Três muralhas do Porto

.arquivos

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Terça-feira, 17 de Novembro de 2020

O “Lector”

23-cigar-factory-readers-2.jpg

Tinha ouvido falar do “leitor”, presumo que, na pós-graduação em Ciências Documentais. O “Lector” é o indivíduo que lê enquanto os operários fabricam os famosos charutos cubanos. Achei a ideia interessante. Quando fui a Cuba obviamente visitei a Partagás em Havana. Posteriormente fui a Pinar del Rio onde se fabricam os charutos com denominação de “havanos”. A visita ás fábrica tinha, para além de ver como se fabricam os charutos, o especial interesse em ouvir o “leitor”. Logo na Partagás tive essa oportunidade. A Fábrica está instalada num edifício antigo, junto ao Capitólio, e foi fundada em meados do século XIX. Uma típica industria manufactureira. Comecei a visita pelo local onde se faz a escolha e selecção dos vários tipos de folha com que se faz o tabaco e separação em vários lotes seleccionados para as várias funções que ocuparão na charuto. As folhas para a parte mais interior do charuto. As folhas que envolvem esse núcleo, e finalmente o tipo de folha que é usado para capa. das folhas. Trabalho maioritariamente feito por mulheres. A zona onde se enrolam os charutos é um grande espaço amplo e onde maioritariamente homens estão sentados lado a lado em frente a pequenas bancas individuais de madeira. Uma imagem parecida com a das oficinas de ourivesaria. Impressiona a agilidade, rapidez e exactidão com que os charutos são enrolados. Já depois de prontos há ainda dois tipos de controlo de qualidade. Um mecânico e outro humano executado por alguns homens cuja função é provar alguns charutos dos lotes que vão sendo produzidos. E a um canto do enorme salão que é a oficina, elevado por um estrado e sentado numa cadeira, lá está o leitor em frente ao microfone. A ler as notícias, comunicados, romances. Sem ter mudado muito desde o tempo em que esta maneira de ler ganhou forma. Espantei-me, deliciei-me e senti-me feliz por passar por essa experiência.

Quem melhor explica a origem do “leitor” é  Alberto Manguel (1):  “Não sabia nessa altura que a arte da leitura em voz alta tinha uma história longa e itinerante e que, há mais de um século, na colónia espanhola de Cuba, se estabelecera como instituição dentro dos limites rígidos da economia cubana.

O fabrico de charutos era uma das principais indústrias de Cuba desde o século XVII, mas em 1850 o clima económico alterou-se. A saturação d mercado americano, a subida da taxa de desemprego e a epidemia de cólera de 1855 convenceram muitos trabalhadores de que era necessária a criação de um sindicato para o melhoramento das suas condições . Em 1857, fundou-se uma Sociedade de Ajuda Mútua dos Trabalhadores Honestos e Tarefeiros para o benefício dos trabalhadores da indústria tabaqueira de raça branca; foi criada uma Sociedade de Ajuda Mútua semelhante a esta para os trabalhadores negros livres em 1858.”... “Em 1865, Saturnino Martínez, operário da indústria de charutos e poeta lembrou-se de publicar um jornal para os trabalhadores da indústria” ... “Com o apoio de vários intelectuais cubanos, Martínez publicou o primeiros número de La Aurora em 22 de Outubro desse ano.” ... “ não tardou a aperceber-se, o analfabetismo era o empecilho óbvio à popularidade de La Aurora” ... “Martínez lembrou-se da ideia de um leitor público. “ ... “avistou-se com os trabalhadores da fábrica El Fígaro e, após obter a permissão do proprietário, convenceu-os da utilidade da iniciativa. Um dos trabalhadores foi escolhido como leitor, o lector oficial, e os restantes pagavam-lhe do seu próprio bolso. ” ... “ A 7 de Janeiro de 1866 iniciava-se a leitura na fábrica El Fígaro. Outras fábricas acabaram por seguir o exemplo de El Fígaro.” Alberto Manguel continua a contar-nos esta maravilhosa história do leitor. A actividade foi considerada subversiva pouco tempo depois de iniciada. A 14 Maio de 1866 governo proibiu “distrair os trabalhadores” e ameaçava com julgamento os proprietários das fábricas. Apesar da proibição continuaram a realizar-se por algum tempo sessões de leitura clandestinas. “Em 1870 tinham praticamente desaparecido” .

A Guerra da Independência dos Dez Anos é iniciada por Céspedes, um proprietário agrícola cubano em 10 de Outubro 1868. Isso leva a muita emigração para os Estados Unidos onde a prática do “leitor” foi restaurada ainda em 1869.

“O material para estas leituras, escolhido previamente pelos trabalhadores (que à semelhança da época do Le Fígaro, pagavam ao lector do seu próprio bolso), ia desde panfletos políticos e livros de História até romances e colectâneas de poesia, tanto modernos como clássicos. Tinham os seus favoritos: O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas, por exemplo, tornou-se uma escolha tão popular que um grupo de trabalhadores escreveu ao autor, pouco antes da morte deste, em 1870, pedindo-lhe autorização para dar o nome do herói dos eu romance a um dos charutos. Dumas consentiu.” Uma das características desta manifestação de interesse pela informação e gosto pelo romance era que o leitor “interpretasse as personagens, imitando-lhes as vozes, como um actor.”

Assim era a actividade de “lector”. Actividade que ainda hoje se mantém. Tão longe de 1866.

 

(1) Manguel, Alberto – Uma História da Leitura. Lisboa: Editorial Presença, 1999. pag 122 a 125

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:27
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 13 de Novembro de 2020

Clubes de Leitura em tempo de pandemia e confinamento.

clubes-leitura-720x480.jpg

Os clubes de leitura que conhecemos têm um formato presencial, que coloca os vários leitores a trocar opiniões, perspectivas e análises dos livros que vão lendo. Mas não é um formato único. Ao longo da história os clubes de leitura começaram por ser de leitura em voz alta, dado poucos saberem ler e os livros serem raros.

Nos finais do século XVIII com a maior disponibilização do livro impresso, e em razão do seu elevado custo, surgiram os gabinetes de leitura. Nem todos so burgueses se podiam dar ao luxo de ter livraria. Daí que o hábito de leitura da pequena e até média burguesia tivesse passado pelos gabinetes de leitura. Eram iniciativas comerciais. Aí eram emprestados livros a troco de um pagamento. E nessa linha várias associações operárias já nos finais do século XIX, também influenciadas pelas ideias liberais e republicanas também foram formados gabinetes de leitura direccionados aos operários e trabalhadores.

Só depois surgiram as bibliotecas populares que em Portugal são criadas já por legislação republicana.

A formação de Bibliotecas Públicas inicialmente com fundos eruditos, e com desenvolvimento incipiente por razões económicas e de analfabetismo generalizado na população portuguesa, resultou num conceito de leitura silenciosa. A biblioteca tinha normalmente um depósito de livros e uma sala onde se fazia a leitura. E obviamente, essa configuração espacial tinha necessidade de silêncio.

Vamos no entanto encontrar um caso curioso de leitura em voz alta e colectiva. Uma prática nas fábricas de charutos. Perante um trabalho repetitivo e monótono, os trabalhadores quotizavam-se para ouvir um “lector” a contar os romances de que mais gostavam. É aliás essa a razão porque muitos dos charutos têm nome de livros. É o caso de Romeu e Julieta, ou de Montecristo.

Actualmente, sujeitos aos cuidados de distanciamento. Com a redução ou mesmo supressão das reuniões presenciais parece estar criada a necessidade e possibilidade dos grupos passarem para as várias formas de comunicação on-line e redes sociais. É um desafio, mas será uma oportunidade para evoluir para nova forma de existência de clubes de leitores. Afinal, é só mais uma mudança ao longo da história. A interacção pode ser feita pelas ferramentas disponíveis e já usadas no ensino e reuniões. As redes sociais podem até servir para a impossibilidade de estarem todos ao mesmo tempo em directo. Nestas pode ser lançado o livro para leitura e o grupo passar a fazer as suas intervenções quando tiver oportunidade na plataforma escolhida. Desde há muito tempo há no facebook um grupo de citações de livros que foi lançado por um professor de Salamanca, tenho seguido um grupo que apresenta sugestões de livros. E nada impede que se formem grupos para ler e comentar um livro em moldes idênticos ao que se pratica nos grupos presenciais. A pandemia não acaba com a leitura e os clubes de leitores mais uma vez podem mudar mas não acabar.



António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:31
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Novembro de 2020

A Arte de Bem Negociar

transferir.jpg

João I filho ilegítimo nascido em Lisboa no ano de 1357, aclamado pelo povo sequência de uma conspiração que ficou conhecida por defenestração a 6 de Dezembro de 1383. Foi eleito rei nas cortes em em 1385.

No Porto, em 1387, casou com a neta do rei Eduardo III de Inglaterra que lhe reforçou a aliança com esse país. Em 1389 a negociou o 2º Tratado de Monção, que estabelecia tréguas e restituía por troca, terras conquistadas. Portugal cedia a Castela Salvaterra de Miño e Tuy, e recebia desta Mértola, Noudar e Olivença, no Alentejo, e Castelo Melhor, Castelo Mendo e Castelo Rodrigo, no Ribacoa. Em 1411 é assinado um Tratado de Paz com Castela.

Em 1415 para a conquista de Ceuta foi pregada uma bula do Papa de Pisa João XXIII, mas logo muda para o Papa de Roma Gregório XII. (Era o tempo do Grande Cisma da Igreja Cristã e chegou a haver três Papas em simultâneo).

Aliás, a empresa de Ceuta que abre caminho à exploração marítima foi executada com grande mestria diplomática e estratégica. Já no Tratado de Windsor havia uma Convenção Marítima anexa que dava a Portugal a segurança da navegação entre o Canal da Mancha e Gibraltar.Depois foi a anulação dos conflitos com Castela, reduzindo nessa frente a tensão e o perigo. E finalmente o modo sigiloso na preparação da  conquista de Ceuta . Em 1414   reune  em sigilo as Cortes em Torres Vedras para tratar de assuntos da conquista de Ceuta. A construção da Armada nos estaleiros de Miragaia no Porto. O embarque em Lisboa, foram operações de simulação do verdadeiro fim em vista,  a conquista de Ceuta.

Em 1420 nomeou o seu filho Henrique administrador da Ordem de Cristo.

A sua mestria negocial não se manifestou apenas na diplomacia externa, foi também na forma de governar com o apoio de Cortes que reuniu quase anualmente.

D. João I foi um verdadeiro mestre da negociação.

 

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 15:11
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Novembro de 2020

Vestuário no Islão. Significativo mas não essencial. 

mulhers-afeganistão.jpg

O vestuário  é apenas a face visível de uma situação bem mais degradante da condição  da mulher. O essencial da questão é a condição ontológica da mulher. A sua consideração de "ser" ("ontos") inferior, dependente, subordinada a uma autoridade masculina (pai, irmão, marido, tio, cunhado, primo). Sem vontade própria. Sem direitos pessoais, familiares e sociais.  Sem direito a receber instrução e à escolha da profissão. Sujeita ao castigo arbitrário, psicológico e físico, que pode ser extremado até à morte. O seu estatuto social é inferiorizado aproximando-se do estatuto dos animais irracionais. (Ausência de direitos próprios. Só tem os direitos que lhe forem conferidos pelo homem de que depende (dono). E podendo ser castigada e morta como os animais). Esta questão da dignidade ontológica é que é fundamental. O resto são aspectos mais visíveis, importantes mas não essenciais. A crítica ao Islão não pode limitar-se ao aspecto folclórico do vestuário.

publicado por antonio.regedor às 13:11
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 6 de Novembro de 2020

Os Estados desunidos da América.

mapa-ESTADOS-UNIDOS.png

Restam já poucas dúvidas da derrota de Trump. Mas mais do que isso há uma constatação que se impõe:

Os Estados desunidos da América.

Há claramente dois mapas dos USA. O do Litoral e o do Interior. O Litoral Democrata progressista, industrial, cultural e o Republicano conservador, retrógrado e proto-fascista nas suas expressões racistas, chauvinistas, supremacistas, agressivos, e ainda rural e bronco, nas suas expressões ignorantes, terraplanistas, negacionistas da ciência, efabuladores e fantasistas políticos, alimentados por mentiras (fake news na expressão local).

Mas não deixa também de espantar que nos votantes haja tão pouca consciência de si próprios, de auto.estima e respeito pela sua identidade, direitos e deveres.

O que espanta é que sabendo-se da relação hostil que Trump tem para com as mulheres, quase metade ainda veja no energúmeno algum argumento para votar nele.

Espanta também que após a campanha para colocar os hispânicos atrás do muro, que um em cada dois não tenha espelho. Que falando da Covid 19 como o vírus chinês, ainda haja um em cada asiático que vota nele. Depois espantem-se que os chineses não tenham respeito pelos vizinhos. E também espanta que apesar de poucos, um em cada dez de negros goste de bastonadas e de morrer com tiros da polícia.

Espanta também que quatro em cada dez votantes com ensino superior encontrem alguma afinidade com as mentiras, os negacionismos e as tretas da terra plana do Trump.

Bem precisa a Europa de se afirmar como espaço autónomo de referência civilizacional, ético, cultural, económico, de justiça e de segurança para não se afundar com o império em derrocada e poder afirmar-se face ao império emergente.

 

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 21:15
link do post | comentar | favorito

Mercearia fina

123102795_1542441699275259_971020414820150160_n.jp

Chamavam-se cartuchos. Eram feitos de papel reciclado. Cinzentos porque pouco lixiviados. É a adição de cloro que faz o papel mais branco, mas também mais ácido e menos durável. Estes papeis resultavam de processos mais simples de fabrico. Praticamente só maceração extensão da pasta e secagem. Sem branqueamento, sem calandragem. Eram usados para diversos fins, entre os quais o embrulho. Eram vendidos vulgarmente em folhas de tamanho "A3". Em meados do século XX os cartuchos de papel eram usados para embalar mercearia. Arroz, e grãos diversos. Havia ainda uns mais finos, mais clareados e calandrados usados para o que se designava de mercearia fina. Café ou açúcar por exemplo. Havia ainda um toque de distinção de algumas casas que tinham uma imagem de marca que imprimiam nos cartuchos. A impressão era feita na casa que também fabricava os cartuchos através de uma com "zincogravura",. a marca do cliente. Dava origem a séries de cartuchos impressos e exclusivos de determinadas casas, normalmente de mercearia fina.

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 16:53
link do post | comentar | favorito
Sábado, 31 de Outubro de 2020

Istambul: Memórias de uma cidade

istambul.jpg

Istambul: Memórias de uma cidade, é um livro muito pessoal, muito autobiográfico do Nobel da Literatura Orhan Pamuk.  

O livro é recheado de descrições de locais de Istambul, aproveitando para contar histórias da juventude, dos locais de residência e de férias. Das várias casas onde Pamuk viveu e as suas ambiências. Da família e da escola. Uma excelente forma de conhecer Istambul.

 

Pamuk, Orhan – Istambul: Memórias de uma cidade. Lisboa: Presença, 2008.

publicado por antonio.regedor às 20:46
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 30 de Outubro de 2020

As portas da muralha burguesa do Porto

IMG_7620.JPG

A burguesia mercantil do Porto no século XIV vive já fora da cerca que o cabido domina. E o Porto vai ter nova muralha para o defender. São 3400 metros de perímetro com seis a dez metros de altura de uma muralha de dois metros e meio de espessura e torres de catorze a vinte metros mais E para maior reforço tinha como nos diz Armindo de Sousa, a muralha era reforçada com cubelos, adarves, torres adossadas, balcões providos de mata-cães, torreões, varandins. e cavas.

Para a comunicação com o exterior e para o funcionamento comercial a muralha era provida de portas localizadas na maioria a norte e de postigos na sua maioria de ligação ao rio. Não havendo certeza de quantas portas e postigos, sendo que alguns postigos passaram a portas, calcula-se que tenham sido dezassete.

Vamos percorrer a muralha numa viagem hipotética a partir da estação de S. Bento. Junto a este lugar, que originalmente foi o mosteiro beneditino feminino de S. Bento da Avé Maria situa-se a porta de Carros. Esta porta parece resultar da evolução da existência anterior de um postigo. E a própria porta só se construiu 145 anos após a construção da muralha. É portanto uma porta tardia construída por necessidade do aumento do movimento e de crescimento da cidade.

Antes da existência da porta de Carros, a muralha era servida pelo postigo das Hortas que também foi chamado de postigo do Vimial. Após a construção do convento dos Cónegos Seculares de S. João Evangelista (padres Lóios), veio a ser chamado de postigo de Santo Elói.

Subindo para o Campo do Olival, hoje a Cordoaria, havia a porta do Olival situada num ponto alto que estava defendida por um castelo. Um pequeno pedaço da muralha ainda hoje pode ser observado no interior de um café e de uma farmácia.

Continuando para oeste havia o postigo das Virtudes por referência a uma fonte antiga conhecida por Nossa Senhora das Virtudes. Posteriormente veio a ser porta com o mesmo nome.

Segue-se o postigo de S. João Novo também conhecido por postigo da Esperança.

Continuando a descer havia o postigo da Praia que deixava de fora a praia de Miragaia, uma zona baixa e plana onde desagua o Rio Frio. Posteriormente, por iniciativa de D. Manuel é elevado a porta com uma torre e um arco que lhe dá uma nobreza que a vem a considerar a porta principal. A porta Nobre, por onde entra a nobreza e o clero. Foi demolida em 1872.

Daí avançamos para o muro da ribeira e as várias ligações ao rio. Ligações fundamentais para a defesa e igualmente para o comércio e toda a actividade portuária indispensável à vida da cidade e ao principal modo de transporte da época. O barco. E a cidade liga-se ao rio pelo postigo dos Banhos, postigo da Lingueta que mais tarde passou a postigo do Pereira de acesso a um largo cais. O postigo do Peixe que posteriormente se designou postigo da Alfândega em frente ao terreiro da alfândega. Foi demolido em 1838. O postigo do Carvão que ainda existe.

Logo a seguir para nascente a porta da Ribeira ao centro da muralha virada a sul. Tinha torre fortificada mas destruída para erigir a capela de Nossa Senhora do Ó. Para leste da porta da Ribeira ficava o postigo do Pelourinho, o postigo da Forca, o postigo da Madeira e o postigo da Lada. A entrada seguinte fazia-se já no cimo da escarpa e virada a nascente pelo postigo do Carvalho, já que se situava no sítio chamado Carvalhos do Monte. Mais tarde postigo de Santo António do Penedo. Evoluiu depois para postigo do Sol e finalmente porta do Sol. Seguia-se na muralha a Porta de Cimo de Vila defendida por torres. A seguinte era a Porta de Carros por onde começamos esta viagem.

 

Bibliografia

Oliveira,  Eduardo de Sá Oliveira -  Duas muralhas, duas cidades. A História Militar do Porto Medieval. [Dissertação Mestrado] U Porto. 2013.

 RODRIGUES, Adriano Vasco, As muralhas do Porto medieval In Ingenium: Revista da Ordem dos Engenheiros, nº 2. Lisboa, Julho/Agosto de 1986.

 SOUSA, Armindo de, “Tempos Medievais”, in História do Porto, dir. de L. A. de Oliveira Ramos, Porto: Porto Editora, 2001.

 

publicado por antonio.regedor às 17:31
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 28 de Outubro de 2020

Portas da Cerca Velha do Porto

5563756229_9706b7fab8_o.jpg

Legenda da Foto: Vista da porta das verdades, que à época da construção estaria dissimulada. É visivel a escadaria que conduz ao Barredo e o arco de um aqueduto que ainda pode ser observado actualmente numa pequena parte da sua extensão. 

As portas da Cerca Velha

No povoado castrejo da Pena Ventosa terá havido uma cerca.  Além desta defesa pré-romana terá havido uma outra do seculo III. Mas a que melhor conhecemos do Porto antigo é a que corresponde ao traçado da Rua de D. Hugo. E que é designada por sueva,  do Bispo, ou Cerca Velha.

No século XII o perímetro da muralha tinha cerca de 750 metros, e quatro portas. A principal, com torre, chamada de Vandoma. Uma segunda porta, conhecida pelo Portal. O acesso era por escadas. O nome desta porta mudou no século XVI para Sant’Ana. Foi demolida em 1821, fica na literatura pela mão de Almeida Garrett no romance o Arco de Sant’Ana. No lugar existe ainda um nicho.  

A terceira porta era a das mentiras. Teria sido uma porta disfarçada e por isso a porta da traição. Uma porta falsa. Hoje é renomeada porta das verdades e dá acesso ás escadas que descem até à Lada.

A quarta é a porta de S. Sebastião, que provavelmente só terá sido aberta no século XVI. Nessa altura era designada Porta do Ferro.

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 15:47
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Outubro de 2020

Três muralhas do Porto

Muralha D Hugo Porto.jpg

Segundo (Oliveira, 2013: 11) na sua dissertação de Mestrado  há recentes achados arqueológicos (2009) que revelaram um troço de muralha datada do século II a.C. que altera, ligeiramente, o registo de cercas defensivas da cidade do Porto.

Damião Peres pensa tratar-se de  restos duma dupla cerca castreja, (Peres, 1962: 24 cit in Oliveira, 2013: 12)

Parece assim termos uma muralha castreja,  pré-romana (séculos II-I a.C.)  que se  encontra-se junto à muralha medieval.

Isto faz considerar três muralhas no Porto em contraponto ás que conhecíamos. A Sueva e a Fernandina.

Bibliografia:

Oliveira,  Eduardo de Sá Oliveira -  Duas muralhas, duas cidades. A História Militar do Porto Medieval. [Dissertação Mestrado] U Porto. 2013.

PERES, Damião, “Origens do Porto” in História da Cidade do Porto, vol. I, Barcelos: Portucalense Editora, 1962. 

 

António Borges Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 17:48
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Elle foi à Pharmacia

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds