.posts recentes

. Financiamento das Univers...

. “A Oficina dos livros pro...

. Ciência

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2016

Financiamento das Universidades

ForumEUA_300x200.jpg

 https://noticias.up.pt/universidades-europeias-debatem-financiamento-na-u-porto/

 

O ensino é caro. Corresponde a um período da vida em que o indivíduo não tem receita, mas apenas despesa. Na generalidade dos casos despesa suportada pela família, e dessa forma só as famílias mais abastadas possibilitavam formação superior aos seus filhos. A desigualdade social a começar no berço.

As sociedades modernas e que para além de estados de direito são também estados sociais tiveram primordial atenção à alfabetização, ás literacias e á formação superior. Durante alguns, poucos anos em portugal, vivemos um clima de promoção da formação, da investigação e ciência.

O modelo de Bolonha para o ensino superior, veio introduzir um paradigma neoliberal, com o estado a desconsiderar a formação académica e a ciência, desvinculando-se desses custo e transferindo-o à maneira neoliberal para quem puder pagar a sua própria formação. A redução de um em quatro anos de ensino superior significa tão só a dimnuição em orçamento de estado de 25%.  O resto da formação que tendencialmente será distintiva ao nível do Mestrado ficará dependente dos recursos de cada um.

Com menos recussos dos estados,  e com cada vez menos alunos capazes de pagar os seus prórios estudos, a Universidade vê-se cada vez mais limitada na sua missão, que é o de formar o melhor e maior número possível de cidadãos, e dessa forma promover a  competividade  do país. O país é tanto mais competitivo no seu todo, quanto mais formação superior, mais  investigação, ciência estiver capaz de produzir.

Por isto se vê a Universidade e tentar procurar financiamento que lhe dê futuro e assim dê futuro ao país.   

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:34
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Agosto de 2016

“A Oficina dos livros proibidos”.

images.jpg

 

Eduardo Roca, Catalão, escreve “A Oficina dos livros proibidos”. Mais um romance histórico. Este no seculo XV. Um romance que imagina a passagem da oficina de cópia para a tipografia. A cópia feita por laicos de livros que já não são apenas religiosos. Desde o século XII-XIII que a cópia de livros deixou de ser feita exclusivamente nos scriptórios monásticos. A Universidade precisava de muitos livros, a cópia passou “à pecia”. Mas no século XV, período em que decorre a acção do romance,  a necessidades  de livros é enorme. A invenção da tipografia poderia ter sido como é apresentada no livro de Eduardo Roca. O “incunábulo” pode não apenas ter sido uma cópia de uma estética valorizada  e de um valor patrimonial a preservar. Pode ter sido igualmente, como sugere  o romance, uma forma  de ocultação de uma técnica mais rápida e mais económica de produção do livro que convinha camuflar. A referência aos livros proibidos tem a ver com o enorme mercado do livro sem as licenças régias e religiosas que sempre aconteceu. E todo este ambiente da passagem da cópia manuscrita à tipografada é acompanhado de uma sensibiliade  amorosa, sentimental, envolvente a  todo o romance.  Todo o livro é ternura.

 No romance há um grupo heterogéneo que procura o conhecimento. Um professor universitário, um livreiro, um ourives copista, um padre de paróquia. “Ah, meus amados antigos helenos!Sabíeis que usavam o teatro para ensinar e educar o povo sobre questões políticas? Nada que ver com estes nossos tempos, onde apensa se procura manter a populaça entretida, ocupando a sua cabeça com idiotices que lhe embotam a mente...” pagina 252. De como o novo modo de pensar se afasta do ‘magister dixit’. “Tu sabelo bem, Johann, que tens assistido a alguma das minhas aulas. A propósito, aparecei lá quando vos aprouver visitar-me, tu e esse tal Lorenz. Sim, no diálogo, não só aprende o aluno como o docente. As opiniões que surgem enriquecem a todos, e as perguntas e dúvidas do aluno obrigam o professor a aprofundar mais o seu conhecimento, e estruturar o pensamento, a prevenir-se de possíveis falhas que pode haver nas suas teorias e a ver  como resolvê-las.”p. 252.

A letra de forma seguiu o padrão da pena do copista. “À medida que percorria as linhas, o rosto ia-se luminando.

- A cópia é fabulosa, as letras são nítidas e regulares...Parecem dignas de um grande copista, mas... fizeste-as com a máquina, não é verdade?

Lorenz seguiuo dedo do livreiro, que apontava para a prensa. Sem poder esconder a satisfação, sorriu.” P. 430

Roca, Eduardo – A oficina dos livros proibidos: o conhecimento pode mudar o mundo. Trad. Oscar Mascarenhas. Barcarena: Marcador Editora. 2013. Original  de 2011, Ed. Planeta Madrid

 

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 23:50
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2014

Ciência

 

 

Ciência

 

Dia após dia, vão surgindo notícias parcelares sobre ciência e formação dos recursos humanos nacionais.

Há tempos (1) a consultora McKinsey indicava num estudo que 80% das instituições de ensino consideravam os jovens preparados para o mercado de trabalho.  Mas os jovens respondem apenas com 48%. Os mais pessimistas são, naturalmente os empregadores com 33%. Estes são valores de uma visão subjectiva. O que os empregadores referem é que não preencheram vagas por não encontrarem candidatos com competências certas. E isso não significa que os jovens não estejam preparados, mas apenas que a sua formação não coincide com a necessidade do mercado.

A formação científica dos portugueses tem melhorado imenso. Apesar do investimento em investigação  ainda estar abaixo da média europeia (2,07%), o país foi o que mais cresceu neste investimento desde 1995.  Anualmente o número de Doutorados tem vindo a aumentar. O aumento da  produção científica é constatada pelo crescimento de publicações científicas. Era de 53 por cem mil habitantes em 2002, e passou para 131 publicações por cem mim habitantes em 2012. E significativo é a publicação em colaboração com Ingleses e Espanhóis.

Esta é uma actividade lucrativa para o país.   O saldo entre entradas e saídas de serviços técnico-científicos passou a positivo desde 2007, até 2010. (2)

Mas a grande prova da qualidade do ensino português, da formação científica e profissional dos portugueses e que  milhares de Licenciados e Pós-graduados estão a sair do País. São procurados por países que investem mais em ciência. Portugal é dos países da Europa com mais pessoas a trabalhar  em investigação em relação ás pessoas activas.

Afinal, o esforço das famílias portuguesas em formação superior, aliada à capacidade portuguesa de se adaptar a outros países, está a salvar muita gente da fome e a evitar grandes convulsões sociais.            

 

 

 

(1)    Expresso, economia  25/01/2014, p.14

(2)    Nicolau Santos Expresso economia  25/01/2014, p.5

publicado por antonio.regedor às 16:31
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
25
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds