.posts recentes

. A mercadoria/livro tóxico

. The Man Booker Internatio...

. ghost-writer

. O Jogo do Anjo de Carlos ...

. Relembrando o BIBVIRTUAL

. O papel da Distribuição ...

. Leya abandonada

. Balança Comercial do pro...

. O livro e a literatura sã...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Domingo, 25 de Setembro de 2016

A mercadoria/livro tóxico

IMG_7894_0.jpg

 

 

A propósito de uma tal porcaria que anda aí na praça a ser arengada como livro, recordo os estudos de indústria editorial que fiz na Universidade de Salamanca.  Começo por dizer porcaria anunciado como livro, porque o livro já foi outra coisa que aquilo que hoje é, ou não é.  Depende do produto em que nos queremos fixar.  O livro pode ser registo de conhecimento, nota ética, apontamento de património, memória histórica, objecto  literário e mais modernamente produto industrial de consumo de maior ou menos qualidade,  ou mesmo embalagem tóxica.  E no caso de produto comercial de fraca ou reles qualidade, destinado a ser vendido em quantidade, para além da sua produção e camuflagem da qualidade, necessita da promoção.  Aprendi em Indústria Editorial que a venda em massa depende do tema do momento ser controverso ou do interesse irracional, e os  políticos  do momento estão  dentro do parâmetro; ser de ligeireza do tema evitando a reflexão, ponderação, e exigência de forma e conteúdo, e por isso vemos no escaparate livros das mais variadas gentes, disparates e banalidades.  Mas a promoção do livro/mercadoria é ainda mais importante. Ela deve ser polémica. Criar um facto político ou social. Atrair a atenção através de um factos crítico que leva ao impulso da compra por curiosidade, interesse ou voyeurismo.  A polémica atrai a atenção. Quanto mais irracional melhor. Põe todos a falar da mercadoria/livro ao mesmo tempo e o lançamento deve ser o corolário desse crescendo polémico.

Tudo passa depois da venda. O produto é para deitar fora. Depois desse outra promoção se seguirá. A tinta não pode secar,  o papel não pode oxidar,  a indústria editorial não pode parar.

 

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 22:05
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Maio de 2016

The Man Booker International Prize

 

1936198_10207693201461470_2189205498168375449_n.jp

 

O prémio literário “The Man Booker International Prize”, é disputado por seis autores e tradutores nomeados.

No entanto, a D. Quixote tem já os direitos de edição em Portugal, do livro “The vegetarian” do Sul Coreano.

Han Kang, e traduzido por “Deborah Smith”.

Nada espanta que este livro venha a ser o vencedor do prémio. São coisas da indústria editorial

 

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 18:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 8 de Maio de 2016

ghost-writer

900px-Be-a-Ghostwriter-Step-5.jpg

 

 

O Jornal Expresso traz à luz uma realidade pouco conhecida do público que compra ficção e muito menos do público em geral.

Por várias vezes  falei  aos meus alunos de indústria editorial, e mesm fora de âmbito académico faço inúmeras vezes referência  à figura do ghost-writer, com a qual simpatizo.

O “Expresso” faz-lhe justiça  e enobrece a figura. Ainda bem. Ficamos a saber melhor como se produz a ficção que compramos e lemos.

http://expresso.sapo.pt/sociedade/2016-05-08-Os-fantasmas-que-escrevem-os-livros-dos-famosos

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 16:49
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2016

O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón

image.jpg

 

Émais um livro sobre livros e escritores. Dos esquecidos e dos promovidos. Dos de folha de rosto e dos ghostwriter. E de livreiros por vocação e conheciento e de editores que poderiam de igual forma ser açougueiros.

Quem estuda Ciência da Informação na temática de edição e indústria editorial, tem neste livro temas para várias teses.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:34
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Setembro de 2015

Relembrando o BIBVIRTUAL

11312272_732049783571346_1325005070_n.jpg

 

Iniciei-o  na sexta feira de  28 de Janeiro de 2005. Há quase 16 anos. Foi talvez um dos primeiros blogs exclusivamente dedicados à Indústria Editorial, ao Livro e às Bibliotecas. E fi-lo para dar apoio à cadeira de Edição e Marketing  que na altura leccionava no curso de Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação  na Escola de Estudos Industriais e de Gestão do Politécnico do Porto. 

Curiosamente o primeiro post foi sobre Gestão de Bibliotecas Públicas.

Logo de seguida, no dia 31 era referido  o software livre, isto em 2005.

Registo vários alunos que participaram na experiência: Natália Sarmento, Cristina Mouta, Tiago Fernandes e Vitor, Cláudia Alves, Tânia Alves, Susana Albuquerque, Elsa Barros, Sara Aguiar, Natália Santos, Natália Sarmento.

No ano seguinte, o blog teve a participação de alunos da Pós-Graduação em Ciências da Informação e da Documentação da Universidade Fernando Pessoa: Luís Norberto Lourenço, Gaspar Matos.

publicado por antonio.regedor às 20:14
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Março de 2014

O papel da Distribuição na Indústria Editorial

 

Factores de anulação da distribuição tradicional.

A indústria editorial tradicional, teve um momento de crise com o estrangulamento da distribuição.

A produção editorial é muito desigual e acede à distribuição de forma muito diferenciada.

As distribuidoras sempre serviram essencialmente as editoras com capacidade de tiragem que justificasse a dispersão da edição por grande número de postos de venda.

A necessidade de grande rotação da edição, com consequente grande rotação da distribuição, reduz as livrarias de fundos.

As grande editoras, contornando as dificuldade e custos de distribuição, aproveitaram a aproximação directa aos grandes pontos de venda, tendo margem para descontar o custo da distribuição.

Com o colapso da distribuição as grandes editoras abriram as suas próprias redes de venda, prescindindo de outra entidade para distribuição.

A venda online é outro factor de anulação da distribuição.

 

As pequenas editoras, nunca tiveram bons canais de distribuição.

As novas condições de colocação do produto livro no mercado, exigindo um maior esforço ás editoras e percebendo que as mais pequenas dificilmente cumpriam os objectivos de distribuição, promoveram a concentração como estratégia de economia de escala e de visibilidade.

As concentrações resultaram essencialmente em máquinas de colocação de produto e não de refinamento da produção. Ou seja, um certo focar na venda e não na relação com o autor, na descoberta de novos autores, na qualidade, promoção, visibilidade.

A  concentração e focagem na venda maximização dos resultados, levou ao abrandamento da preocupação da qualidade. Isto fez expandir o segmento do livro de fait-divers, rosa, banal, consumível, de fenómeno esporádico. O cuidado com a qualidade e com o livro literário parece ter sido abandonado.

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 23:58
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 24 de Janeiro de 2014

Leya abandonada

 

 

Vários autores de língua portuguesa abandonaram a editora Leya.

Recentemente a notícia foi o abandono dos herdeiros dos direitos de autor de José Saramago que abandonaram o Grupo de Edição Leya. De seguida ficamos a saber que Miguel Sousa Tavares também a abandonou.  Anteriormente tinham deixado de publicar na Leya, autores como Sophia de Mello Breyner Andresen, Mário de Carvalho, José Eduardo Agualusa, Richard Zimler, Pedro Rosa Mendes, Almeida Faria e João Tordo.

Fica-se com a sensação que a lógica das concentrações editorias por razões de rentabilidade do produto livro, pode não corresponder à dinâmica literária, onde o centro está no escritor e não no produto industrial e na sua rentabilidade.

 

publicado por antonio.regedor às 00:19
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 1 de Janeiro de 2013

Balança Comercial do produto Livro

 

Para resistir a mais um ano que o orçamento de estado propõe,

Começo o ano com uma boa notícia.

http://www.oje.pt//noticias/economia/livros-sao-bem-cultural-mais-exportado-em-2011

É uma notícia de economia e simultaneamente de livro. Dois conceitos que prefiro indexar pelo  termo composto: economia do livro.

A utilização deste termo no léxico das linguagens documentais ajuda a melhor percepção do enorme valor da cultura e ensino, do livro e das bibliotecas,  da indústria editorial e economia.

O jornal OJE de 1 de Janeiro de 2013 noticia que  de acordo com dados do INE os livros foram o bem cultural mais exportado em 2011 no valor de 44,1 Milhões de euros.

Por comparação dentro dos produtos culturais, os "objetos de arte, de coleção ou antiguidades" registaram exportações no valor de 9,4 milhões de euros.

O destino dos livros foi essencialmente os PALOP (55,3%), a UE (30,4%) e o Brasil com apenas 8,6%.  Desde logo se percebe o enorme esforço que será necessário para vender mais no maior mercado da língua portuguesa. O que fazer? Bom tema para começar uma discussão.

Mesmo assim, a balança comercial dos bens culturais mantém-se negativa, com -110,2 milhões de euros, apesar de se ter verificado uma melhoria do saldo com um decréscimo de 32% em relação ao ano anterior.

Outra conclusão é que é necessário fazer mais na indústria editorial para ser um sector com saldo positivo na balança comercial, sendo que os países de origem dos "jornais e publicações periódicas" e dos "livros, brochuras e impressos semelhantes" foram os países da União Europeia (97%).


António Regedor  1Jan2013

publicado por antonio.regedor às 15:06
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 5 de Setembro de 2011

O livro e a literatura são hoje o Zero Hidrográfico do Mar da Indústria Editorial.

José Eduardo Agualusa no seu livro “ O lugar do Morto”  a páginas 23, faz uma psicografia de Jorge Luís Borges (1899- 1986) com o título: “O admirável Mundo Novo dos Livros”.

A minha co-responsabilidade na Coordenação da Pós-Graduação em Estudos Editoriais e Artes Gráficas leva-me a ter este texto à cabeceira.

Transcrevo um excerto: “ O súbito interesse dos grandes empresários pela indústria livreira deveria ser algo para festejar luxuosamente, com champanhe legítimo e fogos de artifício: Os livros dão lucro? Eis uma boa notícia.

Infelizmente, a popularidade não tardou, também aqui, a revelar-se uma condenação. Neste jogo do comprar hoje para vender amanhã, não há tempo para construir um escritor. (…) O que se quer é o escritor pronto a vender, de preferência alguém que já possua um público vasto, ainda que não saiba escrever. Aliás, é preferível que nem sequer saiba escrever. Saber escrever atrapalha bastante.  Rostos conhecidos do assim chamado grande público, como apresentadores de televisão, comediantes, jogadores de futebol, estrelas de cinema, passaram a ser, pois , os novos escritores. Alguns acreditam nisso, levam a sério o desafio, e um ou outro consegue mesmo tornar-se escritor. Esses são os que menos interessam às editoras, pois a partir do momento em que se tornam escritores perdem a popularidade e passam a vender menos. (…) .

 

AGUALUSA, José Eduardo - O lugar do Morto. Lisboa: Edições tinta-da-china, 2011 ISBN 978-989-671-072-9

publicado por antonio.regedor às 00:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds