.posts recentes

. How To Cite Social Media ...

. Formación, investigación ...

. Coerência de formação na ...

. O comentário de Armanda Q...

. Resposta a comentário de ...

. PROFESSOR-BIBLIOTECÁRIO

. Bibliotecas Públicas e Ci...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sexta-feira, 6 de Maio de 2016

How To Cite Social Media In Scholarly Writing

how-to-cite-social-media.png

A necessidade de citar as fontes, está aliada à imprescindível  verificação da sua validade e avaliação. Paralelamente o modelo standart de citar é fundametal para a compreensão geral.

A  APA (American Psychological Association) e a MLA (Modern Language Association),  apresentam a sua forma de citar novos formatos de escrita resultantes dos novos social media.

publicado por antonio.regedor às 01:04
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2015

Formación, investigación y mercado laboral en información y documentación en España y Portugal = Formação, investigação e mercado de trabalho em informação e documentação em Espanha e Portugal

AKCdAwAAQBAJ.jpg

Encontrando pedaços do meu trabalho académico

Neste livro com o artigo em co-autoria com Judite  Gonçalves de Freitas “a formação em Ciência da Informação: qualificação profissional e empregabilidade”. O caso da Universidade Fernando Pessoa – Porto pag. 487

 

Concentrate on one's main job, but what is the latter in the case of information professionals ? Global perspectives on the adequacy education-jobs-social needsEN Formación, investigación y mercado laboral en información y documentación en España y Portugal = Formação, investigação e mercado de trabalho em informação e documentação em Espanha e Portugal

Michel J. MENOU

Ediciones Universidad de Salamanca, May 22, 2014 - 37 pages

 

 

https://books.google.pt/books?id=AKCdAwAAQBAJ&dq=Ant%C3%B3nio+Borges+Regedor&source=gbs_navlinks_s

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:13
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 13 de Setembro de 2010

Coerência de formação na área das Ciências da Informação e Documentação

 

Conheço imensos técnicos profissionais de biblioteca e arquivo a desempenhar tarefas que seriam normalmente do conteúdo funcional de técnicos profissionais. Mas porque não possuem licenciatura ou pós-graduação não são reconhecidos, estão impedidos de progredir profissionalmente e dão conta que outros menos competentes lhes passam à frente.

Os trabalhadores dos centros de documentação, das bibliotecas e arquivos, principalmente da administração pública,  sem se darem conta correm o risco de serem ultrapassados por entradas na sua área de trabalho de pessoas sem qualquer formação específica.

Só a formação e continuação dos estudos fará a diferença em relação à enorme pressão dos indiferenciados virem a concorrer com os seus postos de trabalho.

A diferença com os indiferenciados faz-se pelo reconhecimento das competências que os técnicos de biblioteca e arquivo possuem. Estas competências foram adquiridas  em formação inicial mais ou menos alargada  e mas  principalmente durante o percurso profissional do desempenho das suas actividades.

Ser competente profissionalmente de nada serve se o seu currículo não contar também com os certificados académicos que correspondem às suas competências.

Tenho-me dado conta desta realidade pelo  contacto com os meus alunos da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da  Universidade Fernando  Pessoa onde funciona mais uma vez este  ano, a Licenciatura, a Pós-graduação  e o Mestrado  em Ciências da Informação e Documentação.

Ainda bem que há instituições que garantem a coerência de formação na área das Ciências da Informação e Documentação.

publicado por antonio.regedor às 15:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 7 de Julho de 2009

O comentário de Armanda Quintela

"Após a abertura deste concurso - caso não concorra ninguém para o lugar - o lugar é assegurado por outro professor dessa escola que pode não ter qualquer formação específica na área de Biblioteca. Apenas se deve comprometer a frequentar acções de formação nessa área.
Isto é, no fundo a ideia é excelente, mas na realidade poderá permanecer tudo na mesma". Armanda Quintela

 

Estou de acordo com a preocupação de Armanda Quintela:

Na verdade admitir que se pode ser professor-bibliotecário sem qualquer formação, é insistir no voluntarismo e na falta de rigor.

Dabemos que há muitos professores com formação em Ciências da Informação e Documentação ao nível da Licenciatura, Especialização/Pós-graduação e Mestrado. Há várias Universidaes e Politécnicos a formar nesta área. Não vemos razão para que não seja feita a exigência da formação específica para se ser professor-bibliotecário.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Julho de 2009

Resposta a comentário de Ze

"De ze a 1 de Julho de 2009 às 00:27

Uma parte de mim concorda, outra nem tanto: porque será que essas formações continuam a ignorar a especificidade das bibliotecas escolares, das redes de bibliotecas escolares, até, não raro, das biblioteca públicas e da gestão de parcerias? Mesmo tendo tantas vezes professores como alunos?"

 Agradeço o comentário e julgo que se refere às formações académicas. Posso aceitar que haja ainda alguma insuficiência no desenvolvimento de estudos sobre B.E..

No entanto devemos ter em conta que a abordagem das B.E. se faz em várias cadeiras e áreas da licenciatura e por maioria de razões o tema pode ser abordado nas formações pós-graduadas que como sabe são também muito influenciadas pelos interesses específicos dos formandos.

Eu próprio tenho orientado estágios em Bibliotecas Escolares.

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 23:32
link do post | comentar | favorito
|

PROFESSOR-BIBLIOTECÁRIO

A Rede de Bibliotecas Escolares foi lançada em 1996. Curiosamente 10 anos após o início da Rede de Bibliotecas de Leitura Pública.

No lançamento da RBE não foi feita de imadiato a exigência da colocação de um bibliotecário ou de um professor bibliotecário na Biblioteca.

Ao fim destes 10 anos a Ministra da Educação vem finalmente anunciar a intenção de instituir o cargo de professor bibliotecário nas escolas.

É o reconhecimento de uma necessidade, e consequentemente de uma lacuna que dura já há dez anos.

Durante estes 10 anos as bibliotecas foram geridas, melhor ou pior, de forma voluntária e empírica. Estiveram sujeitas ao bom senso, à boa vontade, à boa disposição de professores. Na maior parte dos casos, os professores sem formação específica, foram-se socorrendo de formações de curta duração e de aconselhamento e apoio dos SABE (serviços de apoio às bibliotecas escolares) realizado pelas bibliotecas públicas.

Já por diversa vezes afirmei a necessidade de as bibliotecas escolares serem orientadas tecnicamente por um especialista em ciência da informação.

É indiferente que a designação seja "bibliotecário" ou "professor bibliotecário". O importante é que seja um elemento com formação específica em Ciências da Informação e Documentação. E a formação nesta área científica é feita neste momento ao nível da Licenciatura, da Pós-Graduação e Mestrado. Não há razão para que os bibliotecários escolares não tenham uma destas formações académicas.

publicado por antonio.regedor às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

Bibliotecas Públicas e Cidadania Activa

Este é o resumo da comunicação que apresentamos ao Congresso da BAD




Resumo:

Este estudo visa estabelecer uma relação entre a missão atribuída às Bibliotecas Públicas pelo Manifesto da UNESCO e os níveis de intervenção actualmente desenvolvidos pelas Bibliotecas da Rede Nacional de Leitura Pública ao nível da educação e informação para a cidadania (vulgo educação cívica).

O estudo procede, numa primeira parte, a uma sinopse das principais valências da Biblioteca Pública no combate à iliteracia nas suas diferentes formas, à exclusão e info-exclusão, assim como às responsabilidades que geralmente lhe são atribuídas no self-learning e no life long learning, ou em funções mais exigentes de transformar a informação em conhecimento procurando dar resposta às necessidades da sociedade pós-industrial (a que se convencionou chamar de Sociedade de Informação e do Conhecimento).

Numa segunda parte, procede-se à análise dos resultados de um Inquérito que lançámos a 142 unidades em funcionamento. Este questionário pretende fazer uma avaliação do tipo de serviços e das acções habitualmente desenvolvidas nas unidades com vista à promoção de competências para o exercício de uma cidadania activa.


Abstract:

This study aims to establish a relationship between the purpose of Public Libraries, as established in the UNESCO Manifesto, and the degree of intervention presently undertaken by the Libraries within the Public Reading National Network, at the level of education and information for citizenship (alias civic education).

In the first part, the study establishes a synopsis of the major capabilities of the Public Library when addressing illiteracy in its various forms, exclusion and info-exclusion, as well as of the responsibilities that are usually attributed to them in terms of self-learning and life-long learning, or in the even more demanding task of transforming information into knowledge, thereby fulfilling the needs of a post-industrial society (commonly called Information Society or Society of Knowledge).

In the second part, the results of an Inquiry applied to 142 units are analysed. This Inquiry attempts to evaluate the type of services and actions usually undertaken in these units with the objective of promoting competences for the exercise of an active citizenship.


Judite A. Gonçalves de Freitas

Professora Associada – Universidade Fernando Pessoa

Praça 9 de Abril, 349

4249-009 Porto

Tel: 912639082

jfreitas@ufp.pt


 

António Borges Regedor

Professor Convidado da Universidade Fernando Pessoa

Praça 9 de Abril, 349

 4249-009 Porto

Tel: 917567620

aregedor@ufp.pt


publicado por antonio.regedor às 17:16
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds