.posts recentes

. Sempre a iniciar cursos

. Trabalhos de casa - Unive...

. magister dixit vs diálogo...

. Balança Comercial do pro...

. Programa e.escola 2.0

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segunda-feira, 10 de Abril de 2017

Sempre a iniciar cursos

transferir (1).jpg

Ontem, num jantar  de alunos e professores de um curso de Comunicação (Mkt; RP, Pub) da Escola Profissional de Espinho (ESPE) dei-me conta que ao longo da vida tenho tido o fado de ser professor de  novos cursos e até inovadores.  

Aconteceu na Escola Secundária Filipa de Vilhena, onde iniciei um novo curso de Biblioteca, Arquivo e Documentação.  Foi meu colega o Paulo Bento, já amigo  do tempo de faculdade e filho também de uma boa amiga, a Marcela Torres, irmã do Claúdio que vim a conhecer mais recentemente em Mértola. Este curso teve o impulso decisivo do Joaquim Azevedo que à época dirigia o GETAP (Gabinete deo Ensino Técnico, Artístico e Profissional) do Ministério da Educação. Mais tarde Viria a ser secretário de estado.  Os alunos, pioneiros neste modelo de ensino, tiveram enorme sucesso. A empregabilidade foi total, e a maioria continuou estudos. Fui mais tarde professor de alguns na licenciatura e até em pós-graduação e Mestrado.

O outro pioneirismo foi com esta turma que se reuniu agora em jantar de memória. São hoje pais e mães, profissionais com sucesso, espíritos positivos, bem dispostos. E sobretudo, cuidadores dos valores da amizade, solidariedade e da areté (a tal excelência da cultura grega clássica que nos faz senir bem, quand sabemos que todos os outros da nossa comunidade estão bem.

O terceiro caso foi há 21 anos ter iniciado a leccionar  na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto um novo curso de Gestão do Património.  E mais uma vez, alunos pioneiros de um curso tiveram enorme sucesso.  Também vários alunos deste curso vieram a ser  meus alunos de Mestrado.  E o mais curioso é que  pelo menos duas alunas deste primeiro curso  são hoje professoras no curso.

Fui de seguida também contratado para o início de um curso de Ciências e Tecnologias da Documentação e  Informação na Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do IPP que à época se situava em Vila do Conde.  Outro caso de sucesso, com os alunos a conseguirem boas empregabilidades. E mais uma vez vários alunos a prosseguirem o percurso académico.

Na Universidade Fernando Pessoa entrei também para iniciar uma pós-graduação em Ciências da Informação e da Documentação, onde lancei a ideia bem acolhida de alargar o currículo aos estudos editoriais, à análise e avaliação de bibliotecas, e aos estudos de biliometria e cienciometria, inovações à época em que foram implementadas e que vieram posteriormente a ser objecto de estudo ao nível de Mestrado e etá Doutoramento.  

E em todos esses primeiro cursos a maioria dos alunos teve enorme sucesso.

E acabo de me dar conta que, em todo o meu percurso lectivo, andei sempre a desbravar.    

 

António Regedor

tags:
publicado por antonio.regedor às 02:14
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2016

Trabalhos de casa - Universal e gratuito

images.jpg

Universal e gratuito

Entendo hoje o significado de ensino universal e gretuito.  Universal  porque se tornou banal, geral e diário os professores mandarem os alunos fazer em casa, trabalhos, pesquisa, fichas e toda a sorte de aprendizagens que à escola compete. Os trabalhos trazidos para casa são distribuídos pela totalidade dos familiares disponíveis.   São feitos, corrigidos e finalizados  de acordo com as diversas competências dos familiares.  . É desta forma assegurada a moderna universalização do ensino. Toca a todos. Antes,  durante e depois do jantar.  Gratuito porque não sendo alunos nem professores, os familiares escrvem, contam, desenham,  pintam, fazem colagens, digitalizam, constroem, realizam  sem  nada pagar, e muito menos receber. Os trabalhos de casa são gratuitos.  Fica assim claro, ao meu entendimento, o que significa ensino universal e gratuito.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:07
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 14 de Agosto de 2016

magister dixit vs diálogos permitidos

image.jpg

 

São Tomás de Aquino: “Teme o homem de um só livro”.

Acabei há pouco de ler o livro: “A oficina dos livros proibidos: o conhecimento pode mudar o mundo” de Eduardo Roca,  cuja acção se desenvolve no século XV,  abordando, ainda que tangencialmente,  a relação professor aluno e o afastamento do modelo do “magister dixit”.  É dedicado “àqueles que sonham e tornam possíveis os sonhos de outros” e inicia com uma citação de São Tomás de Aquino: “Teme o homem de um só livro”. O trecho que considerei interessante, do ponto de vista do paradigma que uso no ensino,  aparece no livro da seguinte forma:  “Tu sabelo bem, Johann, que tens assistido a alguma das minhas aulas. A propósito, aparecei lá quando vos aprouver visitar-me, tu e esse tal Lorenz. Sim, no diálogo, não só aprende o aluno como o docente. As opiniões que surgem enriquecem a todos, e as perguntas e dúvidas do aluno obrigam o professor a aprofundar mais o seu conhecimento, e estruturar o pensamento, a prevenir-se de possíveis falhas que pode haver nas suas teorias e a ver  como resolvê-las.”p. 252. Roca, Eduardo – A oficina dos livros proibidos: o conhecimento pode mudar o mundo. Trad. Oscar Mascarenhas. Barcarena: Marcador Editora. 2013. Original  de 2011, Ed. Planeta Madrid

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 11:32
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 1 de Janeiro de 2013

Balança Comercial do produto Livro

 

Para resistir a mais um ano que o orçamento de estado propõe,

Começo o ano com uma boa notícia.

http://www.oje.pt//noticias/economia/livros-sao-bem-cultural-mais-exportado-em-2011

É uma notícia de economia e simultaneamente de livro. Dois conceitos que prefiro indexar pelo  termo composto: economia do livro.

A utilização deste termo no léxico das linguagens documentais ajuda a melhor percepção do enorme valor da cultura e ensino, do livro e das bibliotecas,  da indústria editorial e economia.

O jornal OJE de 1 de Janeiro de 2013 noticia que  de acordo com dados do INE os livros foram o bem cultural mais exportado em 2011 no valor de 44,1 Milhões de euros.

Por comparação dentro dos produtos culturais, os "objetos de arte, de coleção ou antiguidades" registaram exportações no valor de 9,4 milhões de euros.

O destino dos livros foi essencialmente os PALOP (55,3%), a UE (30,4%) e o Brasil com apenas 8,6%.  Desde logo se percebe o enorme esforço que será necessário para vender mais no maior mercado da língua portuguesa. O que fazer? Bom tema para começar uma discussão.

Mesmo assim, a balança comercial dos bens culturais mantém-se negativa, com -110,2 milhões de euros, apesar de se ter verificado uma melhoria do saldo com um decréscimo de 32% em relação ao ano anterior.

Outra conclusão é que é necessário fazer mais na indústria editorial para ser um sector com saldo positivo na balança comercial, sendo que os países de origem dos "jornais e publicações periódicas" e dos "livros, brochuras e impressos semelhantes" foram os países da União Europeia (97%).


António Regedor  1Jan2013

publicado por antonio.regedor às 15:06
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

Programa e.escola 2.0

A Presidência do Conselho de Ministros determina o lançamento do Programa e.escola 2.0, continuando a garantir aos alunos do ensino secundário o acesso às tecnologias de informação, promovendo a infoinclusão

Ver: http://dre.pt/pdf1sdip/2011/02/02700/0070000701.pdf

 

 

 

publicado por antonio.regedor às 13:03
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds