.posts recentes

. “Irmãos de Armas”

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segunda-feira, 5 de Junho de 2017

“Irmãos de Armas”

18813672_1397428386981945_2736829039619726226_n.jp

“Irmãos de Armas” é um livro de ficção da autoria de António Brito. Foi apresentado, na Biblioteca Municipal de Espinho “José Marmelo e Silva”, pelo Coronel David Martelo, ele próprio historiador e autor de “O Exército Português na Fronteira do Futuro”(1997), “As Mágoas do Império”(1998), “A Espada de Dois Gumes”, “1974 – Cessar-Fogo em África”(2001), “O Cerco do Porto”(2001), “A Dinastia de Avis e a construção da União Ibérica”(2005) e “Os Caçadores”(2008). Origens da Grande Guerra –Rumo às trincheiras. Percurso político-militar (1871-1914)”(2013). A Imprevidência Estratégica de Salazar-Timor (1941)-Angola (1961). Para as Edições Sílabo, traduziu e prefaciou as três principais obras de Maquiavel (“O Príncipe”, “Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio” e “A Arte da Guerra”) e a “História da Guerra do Peloponeso”, de Tucídides. É membro efectivo do Conselho Científico da Comissão Portuguesa de História Militar. De 2007 a 2012, foi membro do Comité Bibliográfico da Comissão Internacional de História Militar.
O autor, António Brito, alistou-se nos Pára-quedistas, e combateu na guerra colonial, em Moçambique. Escreveu para jornais. Licenciou-se em Direito. Tem publicado os romances “Olhos de Caçador” (2007), “O céu não pode esperar”(2009), Sagal-Um herói feito em África” (2012), e “Sagal- O profeta do Fim”(2012).
O livro agora apresentado não é de história militar, nem mesmo romance histórico. É ficção. É um romance. Não será documento para a produão científica da história, mas é seguramente um contributo para o estudo psicológico do fenómeno da guerra, e sobretudo para o estudo de comportamento dos ex-combatentes e da sua inserção social, nomeadamente dos combatentes da guerra colonial.
A História, e a história militar, tem de ser feita, essencialmente com base na produção documental. Firmada no documento para a sua análise e interpretação.
Estes textos de ficção, bem como a bibliografia de memórias, crónicas de guerra, diários, são importantes para pontear situações, acontecimentos e vivências. Passá-los a escrito faz parte da catarse, do esforço de arrumação do turbilhão de emoções que acometeram os ex-combatentes. E as sesões de apresentação destes livros, como a que decorreu na Bibliotecas de Espinho “José Marmelo e Silva”, são muito importantes, não apenas pelo contexto literário, estético, histórico, mas também pela oportunidade que dá à libertação de exercícios de memória e emoções, constituindo espaços de catarse tão necessária a quem experimentou o contexto psicológico do tempo de guerra prolongado em espaço longíncuo e hostil.
No avançar da leitura, que nos prende logo nas primeiras páginas, percebe-se que o romance tem na guerra o pretexto para contar histórias de homens (e também mulheres) que se formam na dificuldade da vida, se encontram no mundo da guerra e se perdem no infortúnio do mundo.
publicado por antonio.regedor às 20:53
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds