.posts recentes

. Cienciometria e Relevânci...

. 3rd Altmetrics Conference

. O impacto da produção ci...

. PRODUÇÃO CIENTÍFICA E TRA...

. Ciência

. A importância da indústri...

.arquivos

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quinta-feira, 23 de Junho de 2016

Cienciometria e Relevância Clínica

apdis_xii_horizontal.png

 

Os limites das métricas  em cienciometria

Nas recentes jornadas da  Associação Portuguesa de Documentação e Informação de Saúde (APDIS)  que se realizaram a 20-22 de Abril na Universidade de Coimbra, foi apresentada uma comunicação que questiona um dos limites das métricas tradicionais da cienciometria  na área da saúde e apresenta uma outra métrica para a determinação da relevância clínica.   

O estudo da autoria de Ivan Luiz Marques Ricarte, Maria Cristiane Barbosa Galvão, Fabio Carmona, Danielle Fernandes Santos tem por título “Citações e fator de impacto não refletem relevância clínica da informação em saúde”.

A critica incide nas métricas tradicionais, as citações e o factor de impacto, não reflectirem relevãncia clínica da informação em saúde.

O Objetivo do estudo foi: Avaliar se a quantidade de citações do artigo e o fator de impacto do periódico estão associados à relevância clínica da informação, considerando a perspectiva dos profissionais da saúde que assistem diretamente a pacientes

Essencialmente pretende-se saber se há diferença entre a relevãncia que é percebida pelos profissionais de saúde e a quantidade de citações e  factor de impacto do artigo.

Usa um índice de relevância clínica assente em percepção qualitativa arrumada em três classes de artigos publicados em PubMed com citações em ISI Web of Science e em Google Scholar e factor de impacto segundo a base de dados SCImago Journal & Country Ranking.

Os participantes foram médicos, farmacêuticos e enfermeiros. Usados 144 resumos e obtidas 7559 respostas.

O estudo afirma que  as “Citações e fator de impacto não expressam relevância clínica” e conclui que: “Medidas baseadas em quantidade de citações podem ser úteis para avaliar o uso da informação académica por académicos, mas não conseguem capturar o impacto que essa informação pode ter na prática clínica e, portanto, não são úteis como uma métrica para a translação do conhecimento”

 Medidas como o CRII  (Clinical Relevance of Information Index, a medida usada no estudo) “capturam o impacto da informação na assistência a pacientes e podem ser utilizadas para avaliar o processo de translação do conhecimento e o impacto social de pesquisas académicas” http://apdis.pt/publicacoes/index.php/jornadas/article/view/100/134

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:20
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Junho de 2016

3rd Altmetrics Conference

3amlogolongsmall-8.jpg

As métricas alternativas continuam a ganhar mais interesse e são cada vez mais objecto de atenção e estudo.

Realiza-se a 28 e 29 de Setembro de 2016 a 3ª Conferência de Altmetrics.  O local é Bucareste – Universidade de Medicina e Farmácia Carol Davila.

Esta nova abordagem ao impacto , visibilidade e influência da produção científica, não parece ser concorrente com as tradicionais contagens de citações para determinação de factor de impacto de revistas científicas e hindíce de autor. Estas  novas metodologias,  ferramentas associadas e empresas já criadas para o efeito, mostram-se complementares ás tradicionais contagem de citações.

Isto é visível no lote de organizadores  onde se encontram  a DataCite, Wellcome Trust, almetric, Elsevier e Crossref. Contam como sponsors  a Plum Analytics y Frontiers.

Os temas sugeridos são:

  • Altmetrics and the academy
  • Altmetrics & research evaluation / as indicators of economic and social impact
  • Beyond the article: tracking other research outputs (research data, software, books)
  • Data collection and standards in altmetrics
  • Publisher applications of altmetrics
  • Disciplinary altmetrics (medical, humanities, etc)

 

A organização recebe ainda de bom grado ideias nãointegradas nas categorias sugeridas.

 

http://altmetricsconference.com

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:33
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 10 de Abril de 2016

O impacto da produção científica e a sua medida

plum_hpart-e1438888036555.png

 

O modelo instituído de medição do impacto da produção científica é o da quantificação e nomeadamente da contagem  de artigos e de citações. Por esse  processo é feito o seu financiamento. Assim se determina o factor h, relativo ao autor e o factor de impacto das revisatas científicas.

No entanto, há uma nova realidade comunicacional  que potencia a visibilidade dos artigos publicados e dos seus autores.

A facilidade e rapidez do envio dos textos. Os meios em que são colocados.  A sua disponibilização em open access. Já não são apenas as citações em outros artigos científicos que dão a imagem do impacto das publicações, mas são também as visualizações, os downloads, as menções e os comentários em  blogs e  as partilhas, os likes e tweets nas redes sociais.

Esta nova realidade que existe  para além das citações exige novas métricas e novas ferramentas de quantificação e demonstração.  E começam a aparecer. O “The PlumX Suite” é uma dessas novas ferramentas.

https://www.ebsco.com/news-center/press-releases/plumx-suite-now-available-from-plum-analytics

publicado por antonio.regedor às 17:05
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2016

PRODUÇÃO CIENTÍFICA E TRANSVERSALIDADE DOS ESTUDOS MÉTRICOS

314_logo_evento.png

 

 

 

 

Para quem pensa que ciência da informação é só bibliotecas e arquivos, aqui está uma notícia de um dos ramos da ciência da informação. A cienciometria.

 

“Vai realizar-se en Salvador de Bahia (14-16 sep. 2016) o seminário:

 PRODUCIÓN CIENTÍFICA Y TRANSVERSALIDAD DE LOS ESTUDIOS MÉTRICOS. É uma organização da Universidad Federal de Bahia (UFBA) e do  Instituto de Investigaciones Avanzadas sobre Evolución de la Ciencia y la Universidad, da Universidad Carlos III de Madrid (UC3M) e da Universidad Autónoma de Madrid (UNAM)(ES).

 

O programa e as condições de participação estão em:

                     www.seminariometrias.ici.ufba.br

publicado por antonio.regedor às 14:40
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2014

Ciência

 

 

Ciência

 

Dia após dia, vão surgindo notícias parcelares sobre ciência e formação dos recursos humanos nacionais.

Há tempos (1) a consultora McKinsey indicava num estudo que 80% das instituições de ensino consideravam os jovens preparados para o mercado de trabalho.  Mas os jovens respondem apenas com 48%. Os mais pessimistas são, naturalmente os empregadores com 33%. Estes são valores de uma visão subjectiva. O que os empregadores referem é que não preencheram vagas por não encontrarem candidatos com competências certas. E isso não significa que os jovens não estejam preparados, mas apenas que a sua formação não coincide com a necessidade do mercado.

A formação científica dos portugueses tem melhorado imenso. Apesar do investimento em investigação  ainda estar abaixo da média europeia (2,07%), o país foi o que mais cresceu neste investimento desde 1995.  Anualmente o número de Doutorados tem vindo a aumentar. O aumento da  produção científica é constatada pelo crescimento de publicações científicas. Era de 53 por cem mil habitantes em 2002, e passou para 131 publicações por cem mim habitantes em 2012. E significativo é a publicação em colaboração com Ingleses e Espanhóis.

Esta é uma actividade lucrativa para o país.   O saldo entre entradas e saídas de serviços técnico-científicos passou a positivo desde 2007, até 2010. (2)

Mas a grande prova da qualidade do ensino português, da formação científica e profissional dos portugueses e que  milhares de Licenciados e Pós-graduados estão a sair do País. São procurados por países que investem mais em ciência. Portugal é dos países da Europa com mais pessoas a trabalhar  em investigação em relação ás pessoas activas.

Afinal, o esforço das famílias portuguesas em formação superior, aliada à capacidade portuguesa de se adaptar a outros países, está a salvar muita gente da fome e a evitar grandes convulsões sociais.            

 

 

 

(1)    Expresso, economia  25/01/2014, p.14

(2)    Nicolau Santos Expresso economia  25/01/2014, p.5

publicado por antonio.regedor às 16:31
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

A importância da indústria editorial científica

 

Neste caso concreto a indústria de publicação científica já não se limita à função da publicação da produção científica. É ela própria porta voz para a orientação na pesquisa.

A publicação é uma condição do processo de produção científica. Pela publicação é feita a apresentação à comunidade científica a ciência que se produz, e dessa maneira se sujeita à critica e se promove a divulgação. A ´publicação científica é um elemento importante no processo. Tão importante que hoje constitui uma forte componente da indústria editorial. Tão forte que nos tempos mais recente tem vondo a alterar as regras muito rapidamente. O facto de duas das revistas, "Science" (norte-americana) e "Nature" (britânica), de maior factor de impacto terem feito de altifalante, ou porta voz de um grupo de cientistas leva a que não se limitem ao papel de repositório, mas de influenciador da orientação da linha de investigação. E isto é muito importante na mudança de modelo de orientação da investigação.

http://www.jn.pt/paginainicial/interior.aspx?content_id=3011225

 

 

publicado por antonio.regedor às 17:09
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds