.posts recentes

. Biblioteca e Cidadania

. Políticas Bibliotecárias ...

. Apresentação de Livro de ...

. Um grão de areia em 40 an...

. 40 anos de cidadania e am...

. ...

. Bibliotecas Públicas e Ci...

.arquivos

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quinta-feira, 3 de Março de 2016

Biblioteca e Cidadania

unnamed.jpg

A Biblioteca a fazer serviço público, como ferramenta de literacia para a cidadania

publicado por antonio.regedor às 18:03
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2016

Políticas Bibliotecárias em Portugal. Séculos XIX-XX

Bibliotecas, Informação, Cidadania.Políticas Bibliotecárias em Portugal. Séculos XIX-XX 

ABSTRACT

The aim of this dissertation is to find a valid scientific answer to the reason why, throughout the history of public libraries, particularly in the 19th and 20th centuries, was a national network of public libraries not consolidated, even though the numerous efforts made to attempt it, especially in the production of laws.
In part one, the work starts by analyzing cultural policies and their impact on information policies, bringing context to library systems. As we explain in the study, different ideological approaches and social policies of the cultural and information policies naturally determine different library systems.
It was also analyzed is this focus the creation and development of Information Science’s theories, looking to identify the influences and contributions that this modern field of knowledge has acquired from the different philosophical and political ideology ideas throughout time.
The library systems analysis was focused on the international organizations that reflect, propose, promote and make an international influence on the adopted policies by different nations; in particular the organization that conglomerates all library associations and the United Nations division which is UNESCO. The description of organizations that divulge international library policies is also contemplated.
Part two of the study diachronically develops and analysis the implementation process and growth of libraries and public reading in Portugal, from the public opening of private libraries (by the end of the 18th century), to the trajectory and evolution of the public libraries network’s creation, in context with the most relevant historical periods (Liberalism, Republic, Estado Novo and Democracy).
The third and final part of this study consists on the empirical study of the Rede Nacional de Bibliotecas Públicas, through its evaluation. The objectives and hypothesis of the inquiry are introduced, followed by the presentation of the work methodology, and the study case component that consisted on two different questionnaires sent to the political agents responsible by the network and the public libraries’ technicians throughout the country. 
By fulfilling the objectives intended at the beginning of the study we have confirmed the hypothesis related to the importance of library policies, and we also show its frailties.

 

publicado por antonio.regedor às 14:38
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2015

Apresentação de Livro de António Eloy

R D'omus.jpg

AS bibliotecas acolhem os livros, dão-lhes um espaço, cuidados, até os restauram se necessário. Mas aos livros deve ser dada a maior liberdade possível. O seu lançamento pode e deve ser feito em outros locais que não apenas as livrarias ou bibliotecas.

Desde o início do seu percurso pelas mãos dos leitores, os livros devem ser lançados nos mais diversos espaços.

Um grão de areia em 40 anos de cidadania e ambientes. Apresentação no Porto, da autoria de António Eloy será lançado neste bar de Miragaia que dá pelo nome de R’Domus e fica na Rua da Arménia. O Bar fica na esquina, ao fundo, na zona que está mais iluminada, deste lindo largo de Miragaia. Onde no sexculo XIV foi lançada à água boa parte da armada, aqui construída, para a conquista de Ceuta.

Contamos com os amigos dos livros, os amigos do ambiente e os amigos do Eloy.

 

publicado por antonio.regedor às 22:05
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2015

Um grão de areia em 40 anos de cidadania e ambientes. Apresentação no Porto

4 Março.jpg

 

“Um grão de areia em 40 anos de cidadania e ambientes” de António Eloy

Apresentação no Porto

Dia 4 de Março ás 18h30m no R’Domus, Rua da Arménia. (Miragaia).

 

 

António Eloy, na primeira pessoa, faz uma viagem de 40 anos pelo ambiente em Portugal.

O livro em que faz essa viagem tem por título: “Um grão de areia em 40 anos de cidadania e ambientes” com prefácio de Paulo Trigo Pereira, e foi editado pela Esfera do Caos.

Está lá o surgimento do movimento ecologista em Portugal, a Luta, ganha até agora, contra a nuclear e outras vitórias e derrotas na cidadania do ambiente e outras cidadanias.

O livro será apresentado no Porto, dia 4 de Março pelas 18h30m no R’Domus. O local é um bar simpático e acolhedor situado em Miragaia, na Rua da Arménia. (Frente ao edifício da Alfandega, hoje Museu dos Transportes).

A iniciativa tem o apoio de duas associações de ambiente:

FAPAS – Fundo para a Protecção dos Animais Selvagens

e

CAMPO ABERTO

O autor estará, obviamente presente, para discussão, e a apresentação será feita por mim, António Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2015

40 anos de cidadania e ambientes

Capa 235 EdoC Grao Areia.jpg

Está em preparação o lançamento, no Porto, do livro: “Um grão de areia em 40 anos de cidadania e ambientes” da autoria de António Eloy.

A edição é da esfera do Caos, com prefácio de Paulo Trigo Pereira.

António Eloy é uma das várias figuras históricas do ecologismo português e que neste livro reflecte sobre estes 40 anos já de corridos na história do ambientalismo português.

 

publicado por antonio.regedor às 17:18
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2012

...

 

  • Ex-aluno de Pós-graduação em Ciências da Informação e da Documentação  da Universidade Fernando Pessoa, coloca em banca o seu trabalho de vários anos de reflexão cívica.

Sai do prelo o livro “Manifestos contra o medo. Antologia de uma intervenção cívica” da autoria de Luís Norberto Lourenço.

Luís Norberto Lourenço é professor, Licenciado em História e  Pós- graduado em Ciências da Informação e da Documentação pela Universidade Fernando Pessoa

 

Luís Norberto Lourenço combina a formação em História, com economia e Ciências da Informação e da Documentação.

O laicismo é o garante do respeito que nutre pela diversidade de crenças, pensamento e opções de cada um.

Esse respeito que tem pelas opiniões dos outros confere-lhe o direito de ter opinião que procura ser  ponderada, maturada e de bom senso.

Reparte as suas reflexões pelas questões da democracia, da cidadania, da política e da cultura.

Na democracia podemos vê-lo a falar da história democrática, do acto de votar, da contingência das escolhas e opções. Na política encontramo-lo a olhar os partidos com o conhecimento do interior e o distanciamento que o cientista social deve ter na observação distanciada, não se deixando enredar no subjectivismo para criticar com maior clareza e objectividade.  Na cultura, constatamos a sua autoridade nas questões do ensino, das bibliotecas, dos museus e arquivos. Na cidadania não se limita ao comentário, mas também o vemos engajado. Não se limita a participar, mas vai mais além, na acção de organizar, promover, incentivar, impulsionar.

Combina o pensamento, a palavra e a escrita tanto nas questões nacionais como nas locais.

Não se limita a ver o Mundo, mas também a reflecti-lo, para o transformar.

Não se fica pela critica, mas procura também oferecer a proposta.

É um cidadão que não se limita a ser actor social, mas também autor da vida que preenche com a razão.

publicado por antonio.regedor às 17:32
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

Bibliotecas Públicas e Cidadania Activa

Este é o resumo da comunicação que apresentamos ao Congresso da BAD




Resumo:

Este estudo visa estabelecer uma relação entre a missão atribuída às Bibliotecas Públicas pelo Manifesto da UNESCO e os níveis de intervenção actualmente desenvolvidos pelas Bibliotecas da Rede Nacional de Leitura Pública ao nível da educação e informação para a cidadania (vulgo educação cívica).

O estudo procede, numa primeira parte, a uma sinopse das principais valências da Biblioteca Pública no combate à iliteracia nas suas diferentes formas, à exclusão e info-exclusão, assim como às responsabilidades que geralmente lhe são atribuídas no self-learning e no life long learning, ou em funções mais exigentes de transformar a informação em conhecimento procurando dar resposta às necessidades da sociedade pós-industrial (a que se convencionou chamar de Sociedade de Informação e do Conhecimento).

Numa segunda parte, procede-se à análise dos resultados de um Inquérito que lançámos a 142 unidades em funcionamento. Este questionário pretende fazer uma avaliação do tipo de serviços e das acções habitualmente desenvolvidas nas unidades com vista à promoção de competências para o exercício de uma cidadania activa.


Abstract:

This study aims to establish a relationship between the purpose of Public Libraries, as established in the UNESCO Manifesto, and the degree of intervention presently undertaken by the Libraries within the Public Reading National Network, at the level of education and information for citizenship (alias civic education).

In the first part, the study establishes a synopsis of the major capabilities of the Public Library when addressing illiteracy in its various forms, exclusion and info-exclusion, as well as of the responsibilities that are usually attributed to them in terms of self-learning and life-long learning, or in the even more demanding task of transforming information into knowledge, thereby fulfilling the needs of a post-industrial society (commonly called Information Society or Society of Knowledge).

In the second part, the results of an Inquiry applied to 142 units are analysed. This Inquiry attempts to evaluate the type of services and actions usually undertaken in these units with the objective of promoting competences for the exercise of an active citizenship.


Judite A. Gonçalves de Freitas

Professora Associada – Universidade Fernando Pessoa

Praça 9 de Abril, 349

4249-009 Porto

Tel: 912639082

jfreitas@ufp.pt


 

António Borges Regedor

Professor Convidado da Universidade Fernando Pessoa

Praça 9 de Abril, 349

 4249-009 Porto

Tel: 917567620

aregedor@ufp.pt


publicado por antonio.regedor às 17:16
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds