.posts recentes

. Rebooting Public Librarie...

. PRODUÇÃO CIENTÍFICA E TRA...

. Os Sistemas Bibliotecário...

. Políticas Bibliotecárias ...

. XVIII Jornadas Bibliotecá...

. WORKSHOP EM CIÊNCIA DA IN...

. MANIFESTOS CONTRA O MEDO

. O livro e As Bibliotecas

. A PROPÓSITO DE MODA EM BI...

. Lei para a Criação da Re...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quarta-feira, 14 de Setembro de 2016

Rebooting Public Libraries for the 21st Century to Recreate the Future

12-connemara-public-library-chennai-india.jpg

A par da mais velha profissão do mundo, que se praticava junto dos templos, e que fazia parte desse ritual de culto às divindades, ouso dizer que as bibliotecas são igualmente das mais antigas instituições do mundo.  Claro que ninca foram como são hoje e, seguramente, amanhã serão diferentes, mas nunca deixarão de ser bibliotecas. Podiam até ser um punhado de livros, desses que um dos concílios veio a escolher, descartando alguns e  compilando outros para em votação muito dividida nas escolhas viesse a constituir mais um livro para a generalidade das bibliotecas. As bibliotecas estão, como sempre estiveram, em permanente questão e remodelação. Nunca deixou de se repensar as bibliotecas desde o momento em que existem.

Esta reparo, mais que reflexão, foi-me suscitado pelo convite público   do Departamento de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Universidade de Calcutá,  para contribuir com um trabalho de investigação para uma monografia a editar  com ISBN intitulado:

“Rebooting Public Libraries for the 21st Century to Recreate the Future”

Ao  ler os objectivos do livro pretendido, ficamos com uma leve ideia do panorama das bibliotecas públicas da Índia. A sua origem remonta à colonização inglesa. Mas depois da independência as bibliotecas têm sofrido um processo de erosão. Com e evolução do digital, da net, as bibliotrecas na Índia perdem ainda mais relevância social . Isso preocupa os académicos, especialmente os que estudas as áreas da ciência da informação. Daí este projecto de livro.

Send your Inquiries and Submission of soft copy of your paper to     plsemcu@gmail.com

publicado por antonio.regedor às 15:35
link do post | comentar | favorito (2)
|
Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2016

PRODUÇÃO CIENTÍFICA E TRANSVERSALIDADE DOS ESTUDOS MÉTRICOS

314_logo_evento.png

 

 

 

 

Para quem pensa que ciência da informação é só bibliotecas e arquivos, aqui está uma notícia de um dos ramos da ciência da informação. A cienciometria.

 

“Vai realizar-se en Salvador de Bahia (14-16 sep. 2016) o seminário:

 PRODUCIÓN CIENTÍFICA Y TRANSVERSALIDAD DE LOS ESTUDIOS MÉTRICOS. É uma organização da Universidad Federal de Bahia (UFBA) e do  Instituto de Investigaciones Avanzadas sobre Evolución de la Ciencia y la Universidad, da Universidad Carlos III de Madrid (UC3M) e da Universidad Autónoma de Madrid (UNAM)(ES).

 

O programa e as condições de participação estão em:

                     www.seminariometrias.ici.ufba.br

publicado por antonio.regedor às 14:40
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2016

Os Sistemas Bibliotecários no Contexto das Políticas Culturais

etiquetas_alpbase.gif

Os Sistemas Bibliotecários no Contexto das Políticas Culturais

As bibliotecas têm-se afirmado nas vertentes educativa, instrutiva, cultural, erudita, popular ou, inclusivamente, ideológica, informativa, formativa, lúdica e patrimonial. Dependendo das épocas, do desenvolvimento sociocultural e técnico, a biblioteca tem tido todas essas dimensões e facetas. Por conseguinte, as bibliotecas não são, nem tão pouco podem ser pensadas como equipamentos isolados do contexto social e político. Elas correspondem a estádios de desenvolvimento civilizacional, tal como a sua longa história salienta. A origem, as tipologias, as características, as técnicas de tratamento, a custódia documental e o relacionamento com os públicos desenvolvem-se em movimentos consonantes e ajustam-se em conformidade com os modelos de desenvolvimento e práticas bibliotecárias adotadas.

Até meados do século XIX, a biblioteca limitava-se a servir os objetivos da entidade tutelar. Era um equipamento isolado cuja coleção se constituía segundo os gostos, interesses e propósitos dos seus possuidores. Assim foi nas bibliotecas reais, monásticas e episcopais, mas também nos casos de bibliotecas mais pequenas de burgueses, comerciantes ou intelectuais, e de eclesiásticos ou académicos. Em todos estes casos, em rigor, não se pode considerar existir uma política bibliotecária.

 

No entanto, numa perspetiva mais ampla, podemos admitir que ao longo da história se verifica a existência de sistemas de bibliotecas, ou seja, a existência de unidades independentes que visam objetivos inerentes a essa unidade. São exemplos desta evidência, a extensa rede de bibliotecas medievais que se relacionam entre si na cópia de textos e que, dessa forma, participam de um interesse mais geral inerente a cada uma em particular: o de recolha, preservação e cópia do conhecimento tido à época.

O mesmo se verifica com as bibliotecas das universidades medievais. Estas com uma estrutura mais complexa, já que integravam um elemento novo, o estacionário, facilitador e garante da cópia e de originais múltiplos. Estamos pois na presença de um incipiente sistema bibliotecário, se bem que não haja ainda uma política bibliotecária.

Na modernidade, os Estados ao reconhecerem a importância das bibliotecas nas suas políticas culturais e educativas, naturalmente que procuram legislar sobre elas, dando coerência à sua criação, funcionamento e objetivos. A ligação e orientação da diversidade de bibliotecas por princípios normativos leva-as a constituírem-se como sistemas.

publicado por antonio.regedor às 17:37
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2016

Políticas Bibliotecárias em Portugal. Séculos XIX-XX

Bibliotecas, Informação, Cidadania.Políticas Bibliotecárias em Portugal. Séculos XIX-XX 

ABSTRACT

The aim of this dissertation is to find a valid scientific answer to the reason why, throughout the history of public libraries, particularly in the 19th and 20th centuries, was a national network of public libraries not consolidated, even though the numerous efforts made to attempt it, especially in the production of laws.
In part one, the work starts by analyzing cultural policies and their impact on information policies, bringing context to library systems. As we explain in the study, different ideological approaches and social policies of the cultural and information policies naturally determine different library systems.
It was also analyzed is this focus the creation and development of Information Science’s theories, looking to identify the influences and contributions that this modern field of knowledge has acquired from the different philosophical and political ideology ideas throughout time.
The library systems analysis was focused on the international organizations that reflect, propose, promote and make an international influence on the adopted policies by different nations; in particular the organization that conglomerates all library associations and the United Nations division which is UNESCO. The description of organizations that divulge international library policies is also contemplated.
Part two of the study diachronically develops and analysis the implementation process and growth of libraries and public reading in Portugal, from the public opening of private libraries (by the end of the 18th century), to the trajectory and evolution of the public libraries network’s creation, in context with the most relevant historical periods (Liberalism, Republic, Estado Novo and Democracy).
The third and final part of this study consists on the empirical study of the Rede Nacional de Bibliotecas Públicas, through its evaluation. The objectives and hypothesis of the inquiry are introduced, followed by the presentation of the work methodology, and the study case component that consisted on two different questionnaires sent to the political agents responsible by the network and the public libraries’ technicians throughout the country. 
By fulfilling the objectives intended at the beginning of the study we have confirmed the hypothesis related to the importance of library policies, and we also show its frailties.

 

publicado por antonio.regedor às 14:38
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2016

XVIII Jornadas Bibliotecárias de Andaluzia.

cache_5578928.jpg

O Boletim  da Associação Andalusa de Bibliotecários , Ano 29 número 108 de Julho-Dezembro de 2014 publica as comunicações feitas nas XVIII Jornadas Bibliotecárias de Andaluzia.

Os assuntos e autores foram:

 

Marketing: no es cuestión de recursos, sino de estrategia. Nieves González Fernández-Villavicencio.

Las bibliotecas, plazas públicas abiertas y creadoras de nuevas comunidades. Juan Sánchez Sánchez - María Helena Rosales Varo.

Estadísticas de la Red de Bibliotecas Públicas de Andalucía: el SIE (Sistema de Información Estadística). Pastora Pérez Serradilla - Manuela Sánchez Macarro.

Gestión y difusión del patrimonio documental: experiencias innovadoras. Bárbara Muñoz de Solano y Palacios - Jesús Jiménez Pelayo.

Diagnóstico de las Bibliotecas Municipales de la Provincia de Granada. Ana Real Duro - Vanessa Espert Simó - Soledad Nuevo Ábalos - Marís del Carmen García Lara - Mónica García Martínez - Rocío Gómez Merino.

Innovar en gestión de información: plataformas tecnológicas para creación de contenidos compartidos. Ana Carrillo Pozas - Cesar Juanes Hernández - Verónica Juan Quilis..

Perspectivas y sostenibilidad en nuestra profesión: los futuros bibliotecarios. Manuel Jorge Bolaños Carmona - Virginia Ortiz-Repiso Jiménez.

Las bibliotecas, los bibliotecarios, nuevas competencias, nuevas habilidades. Carlos Magro Mazo - Julio Alonso Arévalo.

35 años del Sistema Bibliotecarios Andaluza: de dónde venimos y hacia dónde vamos. Mercedes de la Moneda Corrochano - Francisco Javier Álvarez García - Antonio Tomás Bustamante Rodríguez.

Os textos em PDF podem ser consultados em http://www.aab.es/publicaciones/bolet%C3%ADn-aab/bolet%C3%ADn-108/

publicado por antonio.regedor às 12:17
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 30 de Maio de 2012

WORKSHOP EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 2012

 

WORKSHOP EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO -2012


UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA


15 DE JUNHO DE 2012


Objetivos:

A realização do Workshop de CI da UFP 2012 enquadra-se no âmbito das atividades

desenvolvidas ao nível do 2º ciclo (Mestrado) em Ciências da Informação e da Documentação

da Universidade Fernando Pessoa. Constituem objetivos principais deste encontro a

divulgação e discussão de temáticas recentemente investigadas em áreas que se consideram

de grande importância como sejam a literacia, a visibilidade e o impacto da biblioteca na

comunidade, ou ainda o acesso à atividade de professor-bibliotecário. Visa-se igualmente a

divulgação junto dos técnicos da informação e do conhecimento de estudos recentes nos

domínios das bibliotecas escolares, públicas e universitárias. Como objetivos complementares

o presente encontro pretende discutir o trabalho produzido por alguns dos mestrandos em CID

e fomentar o diálogo entre docentes, estudantes e profissionais que trabalham na área,

debatendo problemas levantados no decurso das investigações realizadas e concluídas com

êxito, comparando experiências de trabalho.

O Workshop de Ciência da Informação 2012 reúne docentes e estudantes que frequentam ou

frequentaram o 2º ciclo de CID da UFP. O encontro destina-se também a todos os interessados

e estudiosos dos mais diversos temas e problemas da Ciência da Informação.

 

Programa

:

15:00 -15:15 -

Abertura

Diretora da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UFP – Prof.ª Doutora Inês

Gomes

Coordenador do Departamento de Ciências da Comunicação e Empresariais - Prof.

Doutor Rui Estrada

Coordenadora de CID - Prof.ª Doutora Judite Gonçalves de Freitas

 

1º tema - O perfil das novas bibliotecas escolares, universitárias e públicas

15:20-15:40 - Ana Maria de Sousa Rebelo - A Biblioteca Universitária: desafios e

oportunidades para o profissional da informação

15:40-16:00 - Raquel Maria Gonçalves Vieira Cascaes - A profissionalização do

professor-bibliotecário. As Bibliotecas Escolares do concelho de Matosinhos. Estudo de

caso

16:00-16:20 - Olga Mafalda da Cruz Nunes - A Biblioteca Municipal João Brandão.

Análise das representações sociais dos utilizadores e impacto social. Estudo de caso.

16.20-17:00 - Discussão

17:00 -17:15 - Pausa para café

 

2º tema - Literacia da Informação e uso de novas tecnologias: algumas respostas

para um «velho» problema

17:15-17:35 - Ricardo Manuel Capela Martins - Literacia da Informação ou literacias da

informação? Do ideal ao real. Estudo de caso.

17:35-17:55 - Teresa Maria Borges Cardoso - As Bibliotecas e as redes socais no digital -

Quem usa e como usa no Distrito de Aveiro.

17:55-18:15 - Discussão

18:10-18:30 - Encerramento

 

A participação é gratuita mas sujeita a inscrição prévia. Para a formalizar aceda a:

cgi@ufp.edu.pt

Comissão Organizadora:

Prof.ª Doutora Judite A. Gonçalves de Freitas

Prof. Doutor Luís Borges Gouveia

Dr. António Regedor

Divulgação:

Gabinete de Comunicação e Imagem da UFP

publicado por antonio.regedor às 18:55
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

MANIFESTOS CONTRA O MEDO

 

Sai do prelo o livro “Manifestos contra o medo. Antologia de uma intervenção cívica” da autoria de Luís Norberto Lourenço.

Luís Norberto Lourenço é professor, Licenciado em História e Estudou Ciências da Informação e da Documentação pela Universidade Fernando Pessoa e é pós-graduado em  Educação e Organização  de Bibliotecas  Escolares 

publicado por antonio.regedor às 12:32
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Outubro de 2011

O livro e As Bibliotecas

 

 

Decorre nesta  altura o Congresso do Livro promovido pela Associação portuguesa de Editores e Livreiros

A história do Livro e da Leitura Pública em Portugal não tem sido muito feliz. É uma história de omissão, desconfiança,  incompreensão,  desinteresse e destruição

Omissão até 1958 quando as itinerantes da FCG começaram a percorrer o País. Desconfiança do importante esforço de levar livros ao maior número de lugares. Incompreensão pela importância da proposta de Rede de Leitura Pública lançada em 1987. Desinteresse que é visível pela adesão ao programa nunca ter chegado a todos os Municípios. Destruição porque se extinguiram as carreiras específicas de técnicos de informação e documentação e deixou se ser exigido para desenvolver actividade em Bibliotecas, Arquivos e Centros de Documentação formação específica.

Houve um tempo em que uma bibliotecária (Teresa Gouveia) que foi Secretária de Estado da Cultura, lançou o programa  de Rede de Bibliotecas de  Leitura Pública em Portugal. Desde 1958 até essa altura a Leitura Pública era assegurada essencialmente pela  Fundação Calouste Gulbenkian através de uma rede de bibliotecas itinerantes e de pequenas salas de leitura designadas bibliotecas fixas.

‎1980 IPL; 1987 IPLL; 1992 IBL; 1997 IPLB; 2007 DGLB - 13 Directores Gerais em 30 anos. Mostra bem como nunca se conseguiu estabilidade  política para o que deveria ter sido entendido como um projecto de qualificação nacional.

 

publicado por antonio.regedor às 18:36
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 23 de Abril de 2011

A PROPÓSITO DE MODA EM BIBLIOTECAS

A PROPÓSITO DE MODA EM BIBLIOTECAS

Com o fim da carreira específica dos profissionais de ciência da informação e documentação, os bibliotecários,  arquivistas e documentalistas, e a possibilidade de se poder ser  responsável por  bibliotecas e arquivos sem qualquer formação nessa  área de  conhecimento, ainda vamos ver licenciados em corte e costura, desculpem design de moda,  ou em hotelaria a dirigir bibliotecas  e arquivos

publicado por antonio.regedor às 23:29
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Janeiro de 2011

Lei para a Criação da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas.

Convite


No dia 11 de Janeiro, terça-feira, o Bloco de Esquerda promove uma Audição Pública sobre o Projecto de Lei para a Criação da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas. A sessão conta com a presença de Maria José Moura e Henrique Barreto Nunes, bem como com representantes da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas. O projecto de lei será apresentado pelo líder da bancada parlamentar do Bloco de Esquerda, José Manuel Pureza, e pela deputada Catarina Martins.
 
Convidamos todos os interessados nas questões da Leitura Pública e das Bibliotecas a acompanharem-nos nesta Audição Pública que tem lugar às 11h do dia 11 de Janeiro de 2011 no Auditório da Casa Amarela da Assembleia da República.

publicado por antonio.regedor às 15:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds