.posts recentes

. O lugar do Morto

. habilitações exigidas par...

. Bibliotecas para Bibliote...

. ...

. RESPOSTA AOS COMENTÁRIOS

. COMENTÁRIO A “BIBLIOTECÁR...

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quarta-feira, 7 de Setembro de 2011

O lugar do Morto

Terminado de ler o Livro “ O lugar do Morto” de José Eduardo Agualusa. Crónicas publicadas na revista Ler.  Psicografias. Para bibliotecários tem Jorge Luís Borges com “o admirável mundo novo dos livros”. Camilo com “A leitura enquanto espectáculo”. Mas também textos para agradar a políticos, a polemistas do acordo ortográfico e até a mulheres bonitas.

AGUALUSA, José Eduardo – O lugar do Morto. Lisboa: Tinta da China, 2011 ISBN 978-989-671-072-9

publicado por antonio.regedor às 12:39
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2010

habilitações exigidas para o preenchimento de lugares de bibliotecários/arquivistas.

A discussão deste assunto e dos relacionados  que começou no facebook, parece ter alastrado para os blogs.

 Pelo menos já há posts em bibvirtual, Viva Biblioteca Viva, e em  A informação

Nuno Matos no blog A Informação escreveu:

“E onde está a Associação Portuguesa de Bibliotecários Arquivistas e Documentalistas (BAD) no meio de tudo isto?...O problema é que a BAD representa cada vez menos a “classe” e a sua expressão pública parece ter diminuído drasticamente.”

Temos realmente que reflectir. Temos que perceber o que não está a correr bem com a associação, a representação, a identidade da comunidade profissional, o seu prestígio, a sua forma de organização .Andarão alguns de nós distraídos?, acomodados? Desinteressados? Incomodados?

Ainda bem que há uma nova geração que se mobiliza.

publicado por antonio.regedor às 16:04
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Dezembro de 2010

Bibliotecas para Bibliotecários e Arquivos para Arquivistas

Sente-se um mal estar na comunidade profissional dos Bibliotecários e Arquivistas.

O perfil “Bibliotecas para Bibliotecários e Arquivos para Arquivistas” é reflexo desse estado de espírito. Foi mesmo lançada para subscrição uma petição.

Com a publicação do Decreto-Lei n.º 121/2008, de 11 de Julho, que reestrutura as carreiras da Administração Pública, foram extintas as carreiras específicas de técnico superior de biblioteca e documentação, técnico profissional de biblioteca e documentação, técnico superior de arquivo e técnico profissional de arquivo.

Não sendo a única razão da debilidade dos recursos humanos nas bibliotecas e arquivos, este diploma veio criar ainda mais dificuldade a dotar as unidades documentais dos profissionais adequados ao desempenho das suas missões e à melhoria do seu desempenho.

A tradicional incompetência das pessoas que a administração pública colocava nas bibliotecas e arquivos, tinha vindo a ser erradicada a partir dos anos 80, quando melhorou a formação dos chamados bibliotecários arquivistas.

A formação incipiente nessa altura foi progredindo, melhorando, aperfeiçoando  à medida que o corpo científico da Ciência da Informação se foi desenvolvendo. Temos hoje um corpo  coerente de formação com Licenciatura,  Pós-Graduação, Mestrado e Doutoramento.

Há muito tempo que defendo a qualificação dos recursos humanos nas bibliotecas e arquivos, e nunca aceitei o “ nivelamento por baixo” de que algumas políticas nacionais são responsáveis.  É exemplo de baixo índice de qualificação profissional, o Programa da chamada “Rede Nacional de Bibliotecas Públicas” com um ou dois bibliotecários por biblioteca. O rácio indicado pela IFLA é de um para cada três técnicos profissionais.  Outro exemplo de insuficiência é o de se  admitir que o  professor bibliotecário possa não ter formação específica.  Pelo menos ao nível da licenciatura ou pós-graduação.

Actualmente existem licenciados, pós-graduados e Mestres na área de Ciências da Informação e Documentação. E é no memento em que a formação aumentou, que o governo extinguiu as carreiras profissionais específicas. É o contracenso, o desnorte, a ignorância governamental. Alguém anda a aconselhar mal os nossos governantes.

Felizmente que há profissionais que se mobilizam e que lançaram uma iniciativa de assinatura de uma petição a enviar à Assembleia da República, através do perfil no facebook com o endereço: http://www.facebook.com/home.php?sk=group_163010093733462&id=169771193057352

É uma iniciativa importante. Dá a conhecer uma situação que a manter-se irá causar enormes prejuízos à eficiência das bibliotecas. Irá causar prejuízos aos profissionais da ciência da informação. Irá acentuar a péssima situação do país no que respeita à literacia, à infoliteracia, à prática das diversas tipologias de leitura, especialmente à leitura volitiva.

Os autores destas iniciativas, petição e divulgação através do facebook, estão de parabéns, assim como todos os dinamizadores, por várias formas, da acção e os aderentes à iniciativa. É o que se espera de pessoas conscientes como o são os profissionais de ciência da informação.

publicado por antonio.regedor às 22:25
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2010

...

 

Estes andam a pensar nas bibliotecas e arquivos

publicado por antonio.regedor às 01:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 29 de Junho de 2008

RESPOSTA AOS COMENTÁRIOS

Agradeço ao Gaspar a atenção e os comentários. Estou de acordo. Na verdade os bibliotecários de leitura pública, ao contrário de bibliotecários de outros sistemas de informação, têm necessidade de uma preocupação especial com a promoção da leitura e da literatura. A este propósito agradeço o mote para mais um post que prometo fazer, se a preguiça não o impedir. O comentário da Cristina Mouta, dá também mote para outro post a propósito da multiplicidade de funções que uma biblioteca pública exige e que não poderão continuar a ser executadas por um único bibliotecário sob pena de falhar sempre alguma coisa. Também tentarei escrever sobre isso.
publicado por antonio.regedor às 20:07
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

COMENTÁRIO A “BIBLIOTECÁRIOS NAS BIBLIOTECAS”

O Post “BIBLIOTECÁRIOS NAS BIBLIOTECAS” provocou um comentário  de uma técnica profissional. Ainda bem que o fez. E seria útil se desenvolve-se o seu raciocínio. Um dos objectivos deste blog é promover/provocar a discussão de problemas que se colocam contemporaneamente à profissão e à ciência da informação.

O meu post “BIBLIOTECÁRIOS NAS BIBLIOTECAS” que aborda a questão da  qualificação dos recursos humanos nas bibliotecas assenta nos seguintes pressupostos:

Os últimos vinte anos são de grande mudança qualitativa e quantitativa nas bibliotecas e arquivos.

Verifica-se um significativo desenvolvimento do conhecimento científico neste domínio.

A elevação do nível de qualidade das bibliotecas e arquivos depende muito do investimento físico e tecnológico que for feito, mas depende essencialmente da elevação do nível de qualidade dos recursos humanos.

O melhor edifício, com o maior acervo, com o melhor equipamento de nada serve sem um corpo técnico de elevada competência.

É neste sentido que apresento como proposta a requalificação na totalidades dos recursos humanos que trabalham na área da ciência da informação e documentação.

E todos estamos de acordo que as competências tradicionais dos técnicos profissionais apresentam já limitações face às novas necessidades.

Até mesmo as pós-graduações, que mostram algumas fragilidades, têm de se reorientar.

A formação coerente e mínima nesta área de conhecimento deve ser, a meu ver, a licenciatura. E julgo que todos terão a ganhar se a orientação for nessa perspectiva. Os serviços ficam com melhor pessoal, os gestores de informação ficam mais habilitados, o público tem melhores respostas.

Na perspectiva da aprendizagem ao longo da vida, vejo toda a vantagem nos técnicos continuarem os seus estudos. Não apenas em formações de curta duração para aquisição de  competências específicas, mas também e essencialmente com formação que lhes confira grau académico. Ao longo do seu percurso profissional os técnicos-profissionais adquiriram  várias competências e deverão ter agora oportunidade de as fazer corresponder a grau académico. Só terão a ganhar se continuarem a estudar.

E deve ter-se em conta que actualmente há menores  constrangimentos para acesso  ao ensino superior. Para profissionais experientes, como é o caso dos técnicos profissionais desta área de conhecimento, mesmo não tendo concluído o ensino secundário  há a possibilidade do ingresso em curso superior  ser efectuado através do processo para maiores de 23 anos.

Portugal terá inevitavelmente de seguir a tendência dos outros países Europeus que é o de ter uma forte componente de licenciados a trabalhar nas bibliotecas e arquivos.

Como refiro no post  “BIBLIOTECÁRIOS NAS BIBLIOTECAS”, seria vantajoso que  a maior parte das tarefas do circuito documental venha a ser  desempenhada por licenciados.

É meu convencimento que este é o caminho que transformará as bibliotecas de equipamentos em potência para equipamentos activos, dinâmicos e  imprescindíveis no quadro da sociedade da informação e do conhecimento.

 

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 01:19
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
25
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds