.posts recentes

. Folio

. Escritaria

. Financeirização do proces...

. Zafón - “O labirinto dos...

. sexta-feira 13

. PONTE DA MISARELA

. O tempo das bruxas

. Bazar

. Ecomuseo de Barroso Mont...

. Edição Científica. Pirata...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Domingo, 28 de Dezembro de 2014

Amor de perdição - localização do quarto de Teresa no romance de Camilo

mirante.jpg

Amor de perdição - localização do quarto de Teresa no romance de Camilo,  na edição de:

Castelo Branco, Camilo – Amor de Perdição. Porto: Domingos Barreira, 1943.

Tenho tentado localizar o quarto e essencialmente o Mirante de onde Teresa acenou a Simão quando este já no barco passava diante do Convento de Monchique a caminho do degredo.

O Convento foi construído por vontade e doação da fortuna de Pêro da Cunha Coutinho casado com Brites de Vilhena. Tomou o nome de Convento da Madre de Deus de Monchique de Miragaia. Era feminino e pertencia À Ordem dos Frades Menores, ou seja, dos Franciscanos.

Pela leitura do romance de Camilo ficamos a saber:

“Ia alta a noite, quando Teresa, sentada no seu leito, leu esta carta. Chamou a criada, para ajudá-la a vestir. Mandou abrir a janela do seu quarto e encostou as faces às reixas de ferro. Esta janela olhava para o mar, e o mar era nessa noite uma imensa flama de prata; e a Lua, esplendidíssima, eclipsava o fulgor dumas estrelas que teresa procurava no céu.” (p.169)

“Cruzou os braços Simão, e viu através do gradeamento do mirante um vulto (*). Quando escrevi este livro ainda existia o mirante. Agora, lá, ou por aí perto, está um salão de baile… (nota da 5ª edição). (p. 230)

“Às nove da manhã pediu a Constança que a acompanhasse ao mirante, e, sentando-se em ânsias mortais, nunca mais desfitou os olhos da nau, que já estava de verga alta, esperando a leva de degredados.”

“Foi então que Simão Botelho a viu.” (p.232)

“Simão encostou-se à amurada da nau, com os olhos fitos no mirante. Viu agitar-se um lenço, e ele respondeu com o seu aquele aceno. Desceu a nau ao mar, e passou fronteiro ao convento. Distintamente Simão viu um rosto e uns braços suspensos das reixas de ferro;…

De repente aquietou o lenço que se agitava no mirante, e entreviu Simão um movimento impetuoso de alguns braços e o desaparecimento de Teresa.” (p..233).

O quarto seria então virado a sul, com vista para o rio, e o mirante, provavelmente a poente de modo a permitir ver o cais da ribeira e a zona de sobreiras a jusante. Na foto será talvez a zona onde a ruina a poente apresenta uma secção quadrada. Talvez tenha sido aí o mirante.

António Regedor

 

publicado por antonio.regedor às 23:44
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
15
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds