.posts recentes

. Ensino Superior. Ranking

. ALMARAZ E OUTRAS COISAS M...

. DÍVIDA E SOMBRA

. Cinema e literatura, as i...

. A paisagem pertence a que...

. A tua citação preferida

. Ele, O Livro. Transforma-...

. Folio

. Escritaria

. Financeirização do proces...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segunda-feira, 30 de Outubro de 2017

Cinema e literatura, as imagens em movimento

Cartaz Cinanima 2017.jpg

 

 

Espinho prepara-se  para a    41ª Edição do CINANIMA – Festival Internacional de Cinema de Animação de Espinho.

 

Será de  6 a 12 de novembro e vai exibir 104 filmes de 24 países. Entre eles estarão  4 Longas-metragens.

 

Na homenagam que  o  CINANIMA  prestará Artur Correia  (autor de alguns dos maiores momentos do cinema de animação português),  será  exibido  o primeiro episódio de “O Romance da Raposa”, série baseada no texto homónimo de 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:28
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 27 de Outubro de 2017

A paisagem pertence a quem a sabe olhar

IMG_20171027_123843.jpg

 

Recentemente a escritaria homenageou Miguel Sousa Tavares. Relembro um dos seus livros: “No teu deserto, Quase romance” editado pela Oficina do Livro em 2009. E dele  registo estas três citações:

“Na verdade, o deserto não existe: se tudo à sua volta deixa de existir e de ter senido, só resta o nada.” p. 49

“- A a terra pertence ao dono, mas a paisagem pertence a quem a sabe olhar.” p. 51

“Tudo o que horas antes era paz, agora era caos, desordem, violência absurda. Puxaste-me a cabeça para o teu ombro e eu encostei-me a ti. Passaste-me o braço pelas costas e não sei quanto tempo fiquei assim até adormecer de exaustão.” p. 95

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:07
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Outubro de 2017

A tua citação preferida

22540196_10213512925913132_6323494840365088595_n.j

Esta imagem dá o mote para muitas citações que aparecem não apenas nas redes sociais, mas em muito do que é escrito em vários locais. Blogues, trabalhos escolares, relatórios profissionais, até mesmo trabalhos académicos.  Nem sempre é por mal. É mais  por descuido e até por ignorância. Os mais antigos não foram ensinados a referir a fonte do que citavam. A citação, mesmo no ensino superior, era desvalorizada, porque a fonte era normalmente a sebenta (caderno de apontamentos de determinado professor, que passava de mão em mão, de curso para curso, de ano para ano, sempre igual. Sem citação, mas com autoridade de sebenta).  A descrição do documento já não é apenas coisa de biblioteca e segredo de bibliotecário.  A escola,  hoje, ensina e exige a citação. O livro único deu lugar ao  uso da biblioteca. E a diversidade e pluralidade de fontes de informação dá lugar à pesquisa livre  e realização de trabalhos que necessariamente terão de citar os documentos utilizados.  A citação deverá indicar o autor, a publicação com data e as páginas onde foi publicada, ou a pagina electrónica como  agora é mais comum.  O mais vulgar ver-se é: AUTOR (data: pagina), o que neste caso exige referência bibliográfica no final do documento.  Acerca das referências bibliográfica, falaremos noutra altura dada a sua maior diversidade e complexidade.

 

publicado por antonio.regedor às 12:07
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 24 de Outubro de 2017

Ele, O Livro. Transforma-se. Não acaba.

IMG_20171024_150354.jpg

 

Transforma-se. Não acaba.

 

Influenciados pelos hábitos digitais da geração milénio, vários autores têm anunciado o fim das bibliotecas. Que as novas condições digitais lhes ditam o fim. Mas não. O que estes futuristas dizem não se concretizará.

A biblioteca não acabará, não morrerá. Apenas se transformará. Não vai desaparecer o livro em papel, como não desapareceu o documento em pergaminho, nem o livro manuscrito, nem mesmo os incunábulos que são tão poucos comparando com toda a edição e até com a produção manuscrita. E todos esses vão continuar a ter necessariamente custódia, conservação, preservação e restauro quando necessário. E obviamente irão por razões de valor intelectual e patrimonial ser objecto de transferência de suporte, desmaterializados e lidos já como digital, mas sem que desapareçam. E para tudo isto a biblioteca irá continuar a existir, até mesmo para a paradoxal desmaterialização, por razões de comodidade e preservação.

Mas continuará a existir para a gestão da informação. Para gerir e custodiar os novos repositórios digitais. Para os avaliar e indexar garantindo o seu fornecimento e difusão. A informação por si só não chega da forma eficiente ao destinatário se for objecto de produção de metainformação que lhes permita a melhor e mais eficiente pesquisa, retirando-a do amontoado ruidoso da pesquisa por palavra.

A biblioteca também continuará a existir biblioteca para os encontros físicos que são condição da humanidade. Espaços de encontro com os escritores, editores, leitores, para os debates literários, a representação de peças, leituras de poesia ou prosa, exposições, colóquios.

E será também ponto de encontro da comunidade, local de discussão dos seus problemas. Espaço de cidadania.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:15
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

Folio

capa.jpg

Cidades que se destacam pelos eventos literários, ganham visibilidade, públicos, economia.

Lembro-me de Beja e da palavras andarilhas,  há dias estive em Penafiel na escritaria, neste momento está a decores o “Folio” Festival  Literário Internacional de Óbidos.  É a  própria organizaçaãoque afirma: “ No primeiro Folio, em 2015 inventámos o verbo “literar” e fizemos de Óbidos um local de encontro. Escritores, alunos, professores, editores, estudiosos, livreiros e todos aqueles para quem a palavra e a literatura eram profissão e inspiração. Foi uma Babel.” Estou convicto que hoje são muito mais que esses. São novos e velhos, locais e forasteiros, letrados e curiosos. Gente que usufrui da oferta cultural que o fextival disponibiliza. Comécio e serviços locais que se esforçam por proventos económicos que se proporcianam. Cida que se sente em cidade que se mobiliza pela literacia e cultura.

“São livros e escritores. Aulas e filmes. Exposições e mostras. Concertos. Acertos. Desconcertos. E todas as outras surpresas que só poderá testemunhar estando presente aqui.”

A página do programa  http://foliofestival.com/21outubro/# ofere-nos um festival onde o tema central é revolução. E sos colóquios abordam tem+aticas como:  “Papa Francisco. A Revolução Imparável”.   E também “Os serviços Secretos e as Revoluções”,  ou ainda “Revoltas, insurreições e revoluções” .  Mas  não contentes ainda: Revoluções Literárias: “Literatura Portuguesa na China e Literatura Chinesa em Portugal”.

Há também filme comentado e colóquio sobre Matemática e Literatura.

E toda a urbe é palco da iniciativa que decorre na Praça, na Igreja, na livraria, no museu, na galeria, no auditório.

E tudo isto acompanhado desta programação  https://obidos.bol.pt/  de  espectáculos musicais.

Com criatividade, singularidade e inonação a literatura tem vindo a ser valorizada. Os bons exemplos são para repelicar com as diversas diferenciações que os tornem particulares e por isso apelativos.

 

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:25
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Outubro de 2017

Escritaria

IMG_20171022_142705.jpg

 

ESCRITARIA

 

É já uma normalidade em Penafiel. Durante vários dias, a cidade passa a escritaria. Pendões, paineis, frases gravadas nos muros, caixas para arrumos de de livros ou outras escritas nas ruas. Montras escrituradas, decoradas com motivos de escrita, vestidos de livros asas de folhas de livros, folhas que saem de máquinas, canudos escritos que sobressaiem nas montras, fotos de outras escritarias. Exposições, leituras encenadas e apontamentos de livros em cena tudo muito bem ligado com piano de Chopin. O teatro faz-se no exterior. Feira de livro, autógrafos.  Vendem-se livros, castanhas assadas.  O almoço é excelente, o vinho bom e o preço agradavelmente económico, tudo servido com  simpatia.  Compra-se abóbora  de que mais tarde se fará compota.   Toma-se café com pastel, compra-se tabaco e joga-se no euromilhões.  A economia mexe, cresce em Penafiel com a escritaria. Da biblioteca à feira do livro onde decorrerá a sessão de autógrafos, percorre-se a avenida.  A loja de pronto a vestir tem um vestido com folhas de livro e um top com págins do “equador” . Na montra seguinte um “cocar” de penas das páginas de “Não te deixarei morrer, David Crockett”. A loja de calçado desportivo tinha uma linha sóbria e distinta  vitrine com ciclindros feitos de cartazes da escritaria. E para todas as montras não podia deixar de se olhar. Miguel  Sousa Tavares autografou esta 10ª edição.

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 15:14
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Outubro de 2017

Financeirização do processo de produção científic

GAP.png

Geopolitics of Academic Production

http://knowledgegap.org/

 

 

 

 

O meu amigo Luís Borges Gouveia , traz-me ao conhecimento mais um artigo acerca da publicação científica e oriundo da Universidade de Toronto no Canadá.  Posada, Alejandro e Chen, George [2017]  “Publishers are increasingly in control of scholarly infrastructure and why we should care. A case study of Elsevier”. University of Toronto Scarborough.   Esta Universidade está a produzir trabalho de investigação sobre a edição científica, as empresas que a editam e o domínio que tendo sobre o mercado que se reflecte no controlo da infraestrutura académica.

Já escrevi sobre este tema, alertando para a mudança de paradigma da publicação, que enormes implicações produz no modo de produção científica. O último foi “Edição científica. Pirataria e Acesso Aberto” em 10 de Outubro de 2017 no http://bibvirtual.blogs.sapo.pt/edicao-cientifica-pirataria-e-acesso-165716 anteriormente tinha referido os dois grandes gigantes da edição científica sendo um deles a Elsevier, objecto de estudo deste novo artigo de Posada e Chen.  Foi também em http://bibvirtual.blogs.sapo.pt/crescimento-da-industria-de-edicao-158201 com o título: “Crescimento da indústria de edição científica” em 21 de Março de 2017.

Tudo começa quando as empresas de publicação científica ocupam o terreno deixado vago pels editoras institucionais. Imensas editoras foram sugindo no mercado. E o mercado tornou-se um negócio para empresas financeiras que foram efectuando aquisições e dominam hoje o mercado. Serão umas seis empresas, sendo a Elsevier que agora é objecto deste caso de estudo uma delas, com 16,4 % de toda a publicação  em Ciências Sociais e Humanas.

Essas financeiras que controlam as editoras estão investindo no segmento das ferramentas de análise de dados. Dessa forma passama controlar o conjunto do ciclo de produção científica. E também por isso passam a ter possibilidade de controlo sobre os investigadores e daí à determinação das frentes de pesquisa  será o último e pequeno salto.

Posada e Chen  [2017] alertam para duas possíveis consequências. O aumento da dependência dos investigadores e das instituições e o aumento da desigualdade global do conhecimento. 

E dessa forma o controlo de todo  processo de produção científica passa para a mão de empresas financeiras. Podemos estar a falar de financeirização do conhecimento.

O artigo refere ainda as questões do valor da investigação que as empresas de edição não pagam e o facto de lucrarem por esse valor não remunerado aos investigadores.

Concluem os autores  que  “a comunicação académica não deve ser apenas aberta, mas também deve ser sem fins lucrativos.” E que  “Existe uma necessidade urgente das comunidades de investigação e das agências públicas de colaborarem em  recuperar a infraestrutura em torno do processo de produção de conhecimento académico.” Posada e Chen. [2017]

Consideramos que é importante continuar a desenvolver a política de  Repositórios de Acesso Aberto e que as feramentas e serviços de análise de dados de citações e factores de impacto passem por instituições públicas de modo a garantir maior independência aos investigadores e maior transparência no acesso aos investimentos canalizados por via desses rankings. 

 

António  Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:05
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Outubro de 2017

Zafón - “O labirinto dos espíritos”

350x.jpg

 

 

Mais uma vez Zafón a entusiasmar. Já anteriormente, aqui no blogue, referi outros dois livros deste autor. “O Jogo do Anjo” (2008) e “A sombra do vento” (2016). Agora é “O labirinto dos espíritos”, editado em Espanha pela Corelliana em 2016.

“Havia já tempo que se prognosticava uma jornada de desastres bíblicos sem conta que iam açoitar Barcelona, cidade de livros e flores, no dia da mais bela de todas as festas” Assim diz Carlos Ruiz Zafón em “O labirinto dos espíritos”, editado em Espanha pela Corelliana em 2016.  p. 766.

E seguem-se outras:

“O que tem de comeaçar a fazer, Fernandito, é evitar que sejam os outros  a escrever-lhe o diálogo.  Use a cabeça que Deus lhe plantou sobre as cervicais e faça você mesmo o libreto, que a vida está cheia de malandros hávidos de encher a cabeça do respeitável com as parvoíces que lhes convêm  para continuarem montados no burro e de cenoura em riste”  É uma citação de “ p . 575.

“Uma história é um labirinto infinito de palavras , imagens e espíritos esconjurados para nos revelar a verdade invisível a respewito de nós mesmos.”  p. 787

“Continuava a confiar em que um dia os deuses do Parnaso se apiedariam de mim e me permitiriam aprender a contar histórias”  p. 802

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 12:26
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Outubro de 2017

sexta-feira 13

Costumo ser exigente com os eventos a que assisto. Até porque por motivos profissionais já produzi alguns e sei o que custa, e especialmente o que custa fazer bem.  Quem me conhece, ouve-me frequentemente apreciar os eventos com a expressão: - sim, foi interessante.  Não passar daí, mas simultâneamente ser condescendente por respeito ao trabalho que considerar esforçado. 

O sexta-feira 13 de Montalegre a mim, deixa-me a pensar se não será obra de bruxedo. Um evento que terá começado por simples bincadeira é dos mais significativos eventos temáticos do país. Sei que a ambiência ajuda. Afinal Montalegre tem vários pontos de paisagem que podem ainda ser testemunho dos carvalhais celtas por onde a fada Morgana e o mago Merlin  se passeariam. A autarquia que é exemplo de localidade onde melhor se produz a economia de eventos, responde positicamente ás necessidades de organização deste evento de qualidade única no país. Faz apenas a sua parte, e bem, porque o evento é de todo o Concelho.

O espaço muda de tempo.  A cidade passa de um dia para o outro a ser pedonal. Os largos empedrados enchem-se de barracas de artífices do ferro do couro e outros materiais, tendas de reconforto do estômago, cartomantes, bruxos e adivinhos do futuro,  abrigos de escudeiros, músicos e pantomineiros.  As gentes, locais e forasteiros, usam roupas de burel ou estopa  na falta do cânhamo de outros  tempos. Caras pintadas, chapéu em cone, longas capas pretas que tapam meias rotas e calças rasgadas e de onde realçam as botas bicudas.  É o traje da população  e de todos os que ai demandam no dia 13. Cruzamo-nos com gaiteiros e tocadores de tambor, com malabaristas e faroleiros, com bailarinas, e  escudeiros.  À noite por todas as ruas a queimada aquece o ar, o corpo e a alma. Ainda longe do castelo, já se ouvem as falas das bruxas, o piar dos mochos. Todos ao castelo onde há festa, teatro, música, dança, luz, som, sombras, figuras animadas e actores e cantores. O céu estrelado é aumentado com mais estralado do fogo de artifício. A noite não é escura e a festa perdura. Não há bruxo que não dance nem bruxa que não encante.  

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 10:40
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Outubro de 2017

PONTE DA MISARELA

IMG_20170923_143033.jpg

 

 

No Parque Nacional da Peneda-Gerês,  já do lado do Concelho de Montalegre,  há uma ponte que se  impõem  pela altura  a que se encontra em relação ao rio.  A visão que se tem dela é a de algo que aparenta estar a ser comprimida pelas margens do rio e aimultâneamente suportando a massa rochosa das duas encostas.  Chama-se Ponte da Misarela. Está construída sobre o Rio Rabagão à distância de um kilómetro da sua foz que é o Cávado.   

 É uma ponte de estilo românico,  portanto construída na Idade Média.   Sua reconstrução deu-se no século XIX.  Sendo certo que em 1809 foi atravessada pelas tropas de Napoleão comamdadas por Soult.  Numa placa colocad no local, há registo de enfrentamento com  elementos da população.

Volta a ser palco de contenda  em 1837  durante a guerra civil  que opôs liberais a absolutistas.

A ponte é mais conhecida por motivo da lenda que a ela se liga e que respeita  ao culto da maternidade.  As mulheres com dificuldades de maternidade, deveriam acompanhadas por mais dois homens aguardar o primeiro passante na ponte que lhes baptizaria a criança ainda na barriga. Os nascidos rapazes chamar-se-iam  Gervásios e as raparigas, Senhorinhas.   

  A ponte está classificada como Imóvel de Interesse Público desde de 30 de novembro de 1993.

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/74387/

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:39
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds