.posts recentes

. Escritaria

. Financeirização do proces...

. Zafón - “O labirinto dos...

. sexta-feira 13

. PONTE DA MISARELA

. O tempo das bruxas

. Bazar

. Ecomuseo de Barroso Mont...

. Edição Científica. Pirata...

. Makerspaces

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2017

Tanto tempo e tão pouco Zeca junto de nós

rk7wna.jpg

 

José Afonso morreu há 30 anos.

E torna-se incontornável não falar desta voz da canção de Coimbra, deste estudante da Universidade mais antiga do País, desta autor, compositor, músico e cantor, símbolo de uma geração contestadora da ditadura e da guerra, e simultâneamente   faminta de liberdade, cidadnia, paz, modernidade, conhecimento, progresso e bem estar social, fundamental  para  a realização pessoal.

Torna-se inevitável, lembrando José Afonso, recordar a geração que se radicalizou contra a ditadura, a academia que se radicalizou contra o obscurantismo,  os estudantes das colónias que se radicalizaram contra a intransigência colonial, e os oficiais capitães, subalternos e milicianos que se radicalizaram  contra a guerra

Torna-se memória  a canção que foi senha de  saída dos quartéis, para ir fazer um golpe militar  desenhado num mapa de estradas, que caminhou por uma revolução de conquista de direitos políticos, laborais, sociais, culturais. Que deu expressão a quem tinha medo, rendimento a quem vivia de esmola, casa a quem vivia em barraca, escola a quem nunca lá entrara, passaporte a quem tinha dado o “salto”,  europa a quem nunca tinha ido para além do “adro”,  mundo a quem nunca tinha visto o “mar”.   

Tanto tempo e tão pouco em 30 anos. Tanto tempo e tão pouco Zeca junto de nós.  

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 16:24
link do post | comentar | favorito (2)
|

Archibald was born on March 3

30244626.jpg

 

4 3 2 1” is a new book of the popular writer Paul  Auster

 Archibald was born on March 3


This literary novel is a sweeping story of inheritance, family, and love. Here we follow four identical versions of Archibald Isaac Ferguson from his birth on March 3, 1947, through his four parallel and entirely different lives.

publicado por antonio.regedor às 10:52
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 9 de Fevereiro de 2017

Populismo

populismo.jpg

 
Historicamente o populismo seria um sistema e que a legitimidade do príncipe estaria no povo e não na sua condição de príncipe.
Mais recentemente o populismo tem uma conotação pejorativa. Essa negatividade começou quando as elites deixaram de ver no populismo uma barreira contra o comunismo. A partir do momento em que esse receio foi afastado, passaram a sentir o populismo como ameaça aos seus interesses.
O populismo é essencialmente uma forma de exercício do poder que assenta na relação directa com os eleitores. A relação é emocional, nunca racional. Para isso utiliza o preconceito, a crença irracional, a convicção não fundamentada, o sentimento primário e emotivo. A pulsão não controlada.
Pode agir sob variados conteúdos ideológicos. Não tem estabilidade ética, nem princípios racionais. Utiliza a democracia de forma parasita e para a desvalorizar. Utiliza os partidos para melhor controlar e moldar a opiniões e comportamentos. Utiliza diversos meios de influência psicológica e social.
Tem como principal alvo as massas desinformadas, incultas e manipuláveis.
Tanto pode ocorrer à direita como à esquerda. A América Latina é rica neste tipo de manifestação, como os casos do Perón na argentina, Getúlio Vargas no Brasil, Chavez na Venezuela.
É comum o discurso nacionalista e medidas proteccionistas do tipo nacionalizações, protecção de importações, restrições de capitais estrangeiros, controlo dos direitos das burguesias nacionais. Mas em todos os casos assenta em políticas autoritárias
tags:
publicado por antonio.regedor às 19:15
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2017

Liberalismo e neoliberalismo

Neoliberalismo.jpg

 

 

Vilfredo Pareto foi um economista  liberal e sociólogo italiano do século XIX.

Era anti-socialista, defensor do mercado e do ponto de vista siciológico era defensor da dominação das elites.

Assim sendo, foi  um dos teóricos do fascismo.

No âmbito da  ideologia liberal  considerava que a democracia era uma ilusão.

Do ponto de vista sociológico considerava que  uma classe dominante sempre subsistirá  enriquecendo-se cada vez mais.

A sua perspectiva económica é a da  redução drástica do Estado

Ora foi isto que aconteceu no tempo de Mussolini:  Destruição da liberdade política; Substituição  da  gestão estatal pela gestão privada;  Diminuição  dos impostos sobre a propriedade;   Alberto De Stefani ministro das finanças de Mussolini reduziu impostos, aboliu isenções fiscais que beneficiavam contribuintes de de renda mais baixa, facilitou as transações com ações,  desregulou os alugueis, privatizou os seguros de vida e transferiu a gestão do sistema de rádio para o setor privado

O século XXI foi  nitidamente marcado pelo reanimar destas ideias, agora em movimento denominado neoliberal.  O menos estado, a venda dos bens públicos a privados, o aumento das desigualdades por perda dos mecanismos de redistribuição da riqueza e a consequente concentração dessa riqueza, por destruição da classe média e alargamento da base de empobrecimento.

E tudo isto, já resultou em grandes tragédias como nos documenta a história. 

A Universidade de Chicago é considerada o berço da ideologia neoliberal, pelo predomínio do pensamento de Milton Friedman, representante da escola monetarista, da absoluta liberalização do mercado e do não intervencionismo regulador estatal, a par das privatizações e da recusa dos gastos sociais.

 

Sabemos que o mercado por si é devorador. Impiedoso na obtenção de lucros que sem regulação e intervenção orientadora do estado, leva à concentração  da riqueza num cada vez mais pequeno número. O actul 1%  contra os 99%.  É a intervenção do estado que pode traçar políticas e que através dos gastos sociais promove a redistribuição da riqueza produzida.  A escolha é clara.

 

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:31
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 4 de Fevereiro de 2017

Uma terceira vida para o livro

Simoes-975x596.jpg

 

Mais uma livraria alfarrabista fechou. Desta vez em Faro. A Livraria Simões faliu. Ficaram  quinhentos mil livros no limbo, sem perspectiva imediata de vida. Enquanto aberta, os livros esperavam por curiosos, colecionadores, estudiosos e menos endinheirados. Agora o sábado dia 4 de Janeiro serão ofercidos a quem os quiser lá ir buscar.  Talvez a Biblioteca Pública de Faro também possa acolher alguns para lhes dar terceira vida.

Muitas histórias terão estes livro para contar para além da que contam por palavras do seu autor. Da sua primeira vida tipo a tipo, linha a linha e página e volume. Da entrada na máquina de intintar e na máquina do mercado editorial. Da tipografia para a estante. A da montra para os mais sortudos, e a daprateleira de cima para os que do esquecimento se vão livrando.

Depois a segunda vida na mão do leitor, e de mão em mão dos empréstimos e dedicatórias. Algumas vidas pacatas na estante da livraria doméstica ou na agitação da vida, tida, do comércio alfarrabista.

Agora uma nova tentativa de vida, nova mão, novo futuro. Incerto.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 18:08
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2017

Vanessa Redgrave

MV5BMTI3MjE0OTgzNF5BMl5BanBnXkFtZTcwOTQ3ODMwMg@@._

Vanessa Redgrave actriz inglesa fez  no dia 30 de Janeiro 80 anos de idade.  Venceu o  Óscar  de actriz secundária no filme “julia” de 1977 contracenando com Jane Fonda e Meryl Streep.  https://www.youtube.com/watch?v=IAcOsK9gRLk  Participou em “Blowup up” 1966; “Camelot” 1967;  “Isadora” 1968; “Mission: Impossible” 1996;  “Murder on the Orient Express” 1974 adaptação de  um livro de Agatha Christie;  “A Month by the Lake” 1995 contracenando com Uma Thurman;  “The Trojan Women” 1971 contracenando com Katharine Hepburn; “Cradle Will Rock” com um elenco que inclui   John Cusack e Susan Sarandon;  “Yanks” contracenando com  Richard Gere;  “The House of the Spirits”, adaptação do romance de Isabel Allende; “The Pledge” 2001 contracenando  com Jack Nicholson; “The Charge of the Light Brigade”, 1968; “Mrs. Dalloway” 1999 adaptação do romance de  Virginia Woolf;   “Wilde” 1997 adaptação da biografia de Oscar Wilde.  

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 01:09
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2017

Espinho e a génese das bibliotecas municipais

Encontro-Luso-espanhol.jpg

 

Maria José Moura é uma das pessoas mais conhecidas da Rede Nacional de  Bibliotecas  Públicas.  Fez o curso de bibliotecário-arquivista e exerceu a profissão na universidade de Lisboa durante 20 anos. Foi presidente da BAD (associação de bibliotecários,  arquivistas  e documentalistas  e dirigiu a rede nacional de bibliotecas públicas.    Publicou recentemente  no “Notícia BAD” jornal dos profissionais de informação,  alguns apontamentos sobre  50 anos de profissão.  Da sua profissão.

Como ela própria diz e lembrando Raul Proença: “… não haverá profissão bibliotecária em Portugal enquanto as diferentes bibliotecas do país…não exigirem aos seus funcionários um diploma de estudos bibliotecários”.

Também por isso se bateu. E dessa luta dos bibliotecários portugueses resultou o  Decreto-Lei nº 247/91 de 10 de Junho de 1991 que estabelece o estatuto das carreiras de pessoal específicas das áreas funcionais de biblioteca e documentação e de arquivo.  Infelizmente hoje os profissionais deixaram de ter este instrumento de dignificação da biliotecas e arquivos, da profissão e dos profissionais. Urge voltar a repôr o sentido dessa legislação de 1991.

As relações internacionais fora também uma sua preocupação e de entre as inúmeras iniciativas internacionais, refere o 2º seminário Luso-Espanhol realizado em Espinho, a que dá destaque com fotografia da época. Foi na sessão de abertura presidida pela vereadora Elsa Tavares com , com Ana Paula Gordo, Maria José Xerez, do Ministério Espanhol, Maria José Moura e António Martin Oñate, da Associación Andaluza de Bibliotecários.

A génese do programa de bibliotecas  de leitura pública para portugal que se concretizou na  e rede nacional de bibliotecas municipais, também passou por Espinho e pela capacidade de na época se ter sido capaz de atrair uma reunião internacional desta temática para a nossa cidade.

 

António Rgedor

publicado por antonio.regedor às 12:53
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
15
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds