.posts recentes

. Portugal e a Bicicleta

. Livros proibidos

. Livros. Àgua. Terrorist...

. Copos e livros

. Bibliotecárias a cavalo

. Desafios e mudanças nas b...

. “Irmãos de Armas”

. Pós-verdade e Michel Fouc...

. Após 60 anos . “sol de...

. 1974/24/0200

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sexta-feira, 28 de Outubro de 2016

Prémio para A Biblioteca de Espinho

IMG_7667.JPG

Biblioteca de Espinho  ganha reconhecimento de bibliotecários nacionais.

Comemora-se actualmente  30 anos de bibliotecas públicas em Portugal,  e simultaneamente , a Biblioteca pública em Espinho faz 30 anos de existência.

 Pela primeira vez na história de portugal é concretizada uma política bibliotecária que actualmente abrange a maior parte da população  e a maioria dos municípios. Já outras tentativas tinham  tinham sido feitas, mas sem sucesso.

No ambiente político e científico do iluminismo D. Maria I promulga o alvará que transforma a Livraria Régia em  Real Biblioteca Pública da Corte.  Esta virá a ser a actual Biblioteca Nacional de Portugal. 

“Ao longo da história de desenvolvimento das políticas bibliotecárias nacionais, transcorridos que foram quatro momentos políticos cruciais que conduziram a reformas legislativas, e que corporizam diferentes programas bibliotecários – Liberalismo, República, Estado Novo e Democracia - , o total das bibliotecas públicas existentes no país cobria entre 25% e 35% do total dos concelhos” Regedor, António – Bibliotecas, Informação, Cidadania. Políticas Bibliotecárias em Portugal. Séculos XIX-XX.  P. 129.  http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/4291/1/PhD%20_Volume%20I%5B1%5D-VF.pdf

A primeira rede de bibliotecas consolidada em portugal, foi privada. Resultou da  iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian e iniciou  a actividade em 1958. A televisão tinha chegado primeiro, em 1956.

Já em democracia, no ano de 1986, os bibliotecários portugueses reflectem,  sobre a necessidade do desenvolvimento das bibliotecas públicas.  E neste mesmo ano  é apresentado à secretaria de estado da cultura um relatório que irá dar origem ao Decreto-Lei 111/87 de 11 de Março que estabelece a política de leitura pública e criação da rede de bibliotecas municipais.

Paralelamente, em Espinho, iniciava-se a recriação da biblioteca municipal que apesar de já ter existido em diversos momentos históricos, nunca se consolidou e até à data estava encaixotada na cave da Câmara, sendo o município servido apenas pelo serviço de bibliotecas da Fundação Calouste  Gulbenkian.

Há uma primeira candidatura,  ao abrigo do D-L 111/87 que não foi aceite, era vereador da cultura o Dr. Azevedo Brandão.  Posteriormente a candidatura viria a ser aprovada, no tempo da D. Elsa Tavares como vereadora da cultura, num programa de cultura que   propus ao Município  e com um projecto de arquitectura  da biblioteca com  autoria de Rui Lacerda.

Várias foram as vicissitudes  até o edifício ficar concluído. Actualmente o bom trabalho realizado pela equipa técnica liderada pela Vereadora da Cultura Leonor Fonseca, é reconhecido nesta distinção dada pelos  bibliotecários da rede nacional de leitura pública por ocasião dos 30 anos da rede e também afortunadamente da biblioteca de leitura pública em Espinho que adoptou como patrono José Marmelo e Silva.

 

António Borges Regedor

publicado por antonio.regedor às 20:19
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 26 de Outubro de 2016

O acordeonista e O Tango da Velha Guarda

19e1200703ba149a1a804f4a91eba8a4.jpg

“Um acordeonista estava sentado debaixo da estátua de Calderón de la Barca, a tocar O Tango da Velha Guarda. “

Pérez-Reverte, Arturo – Homens Bons. Alfragide: Asa, 2016  p. 97

Foto: O acordeonista. Quadro de Pablo Picasso 1911. Cubismo. 

publicado por antonio.regedor às 13:35
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 25 de Outubro de 2016

Os Beatos, inscritos como registo da Memória pela UNESCO.

800px-B_Valladolid_93.jpg

 

 

Dois importantes manuscritos, dos scriptoria portugueses, foram inscritos como registo da Memória pela UNESCO.   O Apocalipse de Lorvão e o Comentário ao Apocalipse do Beato de Liébano.  O Apocalipse de Lorvão, que pertenceu ao Morteiro de Lorvão, encontra-se na Torre do Tombo e o Comentário ao Apocalipse do Beato de Liébano está na Bibblioteca Nacional de Portugal  e era propriedade do Mosteiro de Alcobaça.

A história destes manuscritos começa em 786 com a redacção por parte de um Monge de nome Beato (o masculino de Beatriz)  de um comentário ao Apocalipse de S. João. O Monge pertencia ao  Mosteiro de San Martin de Turieno, actualmente Santo Toríbio de Liébana localizado em Liébana, na Cantábrica, Picos da Europa.

As razões porque Beato de Liébana escreveu o comentário ao apocalipse de S. João, terá a ver com a obrigatoriedade da leitura do apocalipse regulamentada no quarto Concílio de Toledo, em 633.  Vivia-se também um tempo de profecias Bíblicas que anunciavam o fim do Mundo, e não seria também alheio o clima de invasão e conquista de terriório por parte das invasões Mouras. O próprio local de escrita dos comentários é a região reduto de defesa dos cristão antes da reconquista.  

Este comentário  e as cópias  são conhecidos por “Beatos” e definem este grupo específico de manuscritos produzidos entre os séculos VIII e XIII, cujo original, o do Beato de Liébana se perdeu. O de Lorvão, copiado do original  pelo monge  Egas, é um dos cerca de trinta “Beatos” existentes.

O Mosteiro de Lorvão situa-se no actual concelho de Penacova no Vale denominado Cova dos Loureiros. Parece ter sido fundado em meados do século IX.  O seu scriptorium era o terceiro mais importante em Portugal e um dos mais importantes da Península Ibérica. Em Portugal o mais importante era o se Santa Cruz de Coimbra, seguido do de Alcobaça.

Segundo Maria Adelaide Miranda o scriptorium de Lorvão marca a sua individualidade estilística pela simplicidade e estilização formal, reminiscente de um cristianismo primitivo que também se encontra na arte cisterciense e mesmo na almoáda. Dada a localização e a época do mosteiro, os monges daqui, seriam de alguma forma influênciados pela cultura moçárabe, na opinião de Ana Oliveira Dias.

Assim, e ainda na opinião de Maria Adelaide Miranda comentário ao apocalipse de Lorvão, terá constituído, esteticamente, uma reprodução de um modelo moçárabe. São 221 fólios em pergaminho com 345x245mm. De 29 linhas a duas colunas. Usa o negro (de carvão). Amarelo (auripigmento), laranja (vermelho de chumbo) e vermelho (vermelhão). Em latim com escrita gótica.  Todos estes pigmentos são altamente tóxicos. (Quem não se lembra do “Nome da Rosa”).

Fontes:

Maria Adelaide MIRANDA -  “A iluminura românica em Portugal”, in A iluminura em Portugal. Identidade e Influências

Ana de Oliveira Dias  - Commentarium in Apocalypsin: o número e a forma geométrica na tradição simbólica das ilustrações do «Beato» de São Mamede de Lorvão. 2012.

 

publicado por antonio.regedor às 16:03
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2016

Financiamento das Universidades

ForumEUA_300x200.jpg

 https://noticias.up.pt/universidades-europeias-debatem-financiamento-na-u-porto/

 

O ensino é caro. Corresponde a um período da vida em que o indivíduo não tem receita, mas apenas despesa. Na generalidade dos casos despesa suportada pela família, e dessa forma só as famílias mais abastadas possibilitavam formação superior aos seus filhos. A desigualdade social a começar no berço.

As sociedades modernas e que para além de estados de direito são também estados sociais tiveram primordial atenção à alfabetização, ás literacias e á formação superior. Durante alguns, poucos anos em portugal, vivemos um clima de promoção da formação, da investigação e ciência.

O modelo de Bolonha para o ensino superior, veio introduzir um paradigma neoliberal, com o estado a desconsiderar a formação académica e a ciência, desvinculando-se desses custo e transferindo-o à maneira neoliberal para quem puder pagar a sua própria formação. A redução de um em quatro anos de ensino superior significa tão só a dimnuição em orçamento de estado de 25%.  O resto da formação que tendencialmente será distintiva ao nível do Mestrado ficará dependente dos recursos de cada um.

Com menos recussos dos estados,  e com cada vez menos alunos capazes de pagar os seus prórios estudos, a Universidade vê-se cada vez mais limitada na sua missão, que é o de formar o melhor e maior número possível de cidadãos, e dessa forma promover a  competividade  do país. O país é tanto mais competitivo no seu todo, quanto mais formação superior, mais  investigação, ciência estiver capaz de produzir.

Por isto se vê a Universidade e tentar procurar financiamento que lhe dê futuro e assim dê futuro ao país.   

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 13:34
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 12 de Outubro de 2016

a vida de um alfarrabista

stock-footage-ancient-books-in-a-bookshelf.jpg

Por falar em livros, aqui vai a vida de um alfarrabista por  Joana Raposo Santos  no blog  Adfero

http://adfero.blogs.sapo.pt/um-dia-na-vida-de-um-alfarrabista-640

 

publicado por antonio.regedor às 17:16
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 11 de Outubro de 2016

Blogs de livros e de autores que me seguem

transferir.jpg

 When A Book Knocks At Your Door...

é um blog biling mas predominantemente em Inglês

http://whenabookknocksatyourdoor.blogs.sapo.pt/

 

Gene de traça

que fala de livros, e relaciona estes com o  cinema e televisão.

E de Ken Follett o autor de “Os Pilares da Terra”

http://genedetraca.blogs.sapo.pt/

 

publicado por antonio.regedor às 11:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 8 de Outubro de 2016

Biblioteca, repositório científico

biblioteca-2_dt.jpg

“-Livros? – solicita Vega de Sella, o director.

Don Jerónimo de la Campa, crítico teartral, autor de uma prolixa História del teatro español em vonte e dois volumes, levanta-se  com dificuldade e caminha até à cadeira  do director  para entregar o volume XX, o último publicado.  Com um sorriso de extrema cortesia, o director recebe o livro e passa-o para as mãos do bibliotecário, don Hermógenes Molina: latinista insigne e tradutor notável de Virgílio e Tácio.

- A Academia agradece a don Jerónimo a entrega da sua obra, que passa a fazer parte da biblioteca – diz Vega de Sella.” Pérez-Reverte, Arturo – Homens Bons. Alfragide: Asa, 2016 p. 19

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 17:39
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds