.posts recentes

. ALMARAZ E OUTRAS COISAS M...

. DÍVIDA E SOMBRA

. Cinema e literatura, as i...

. A paisagem pertence a que...

. A tua citação preferida

. Ele, O Livro. Transforma-...

. Folio

. Escritaria

. Financeirização do proces...

. Zafón - “O labirinto dos...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Domingo, 24 de Julho de 2016

Rankings e Webometrics

transferir.jpg

 

Os rankigs sempre se fizeram. Mas com a Web  tornou-se mais fácil a sua elaboração.

O "Webometrics Ranking of World Universities" é uma iniciativa do Cybermetrics Lab, um grupo de pesquisa pertencente ao Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC), o maior organismo público de investigação em Espanha. Está ligado ao Ministério da Educação e o seu principal objetivo é  a promoção da  investigação científica.

O Cybermetrics Lab, depende do CSIC, e está vocacionado para  análise quantitativa  na Web, de  conteúdos especialmente  os relacionados com os processos de geração e comunicação académica de conhecimento científico.

Esta é uma nova disciplina emergente que tem sido chamado Cybermetrics  ou Webometrics.  Daí o  desenvolvimento  e publicação  da revista eletrónica Cybermetrics desde 1997.

O Laboratório Cybermetrics usa métodos quantitativos e concebe  indicadores que permite medir a atividade científica na Web. Estes  indicadores cybermetric são úteis como  complemento  aos resultados obtidos com métodos bibliométricos em estudos cienciométricos.

As áreas específicas de pesquisa incluem:

Desenvolvimento de indicadores da Web para ser aplicado nas áreas do espanhol,  em I & D

Os estudos quantitativos sobre a comunicação científica através de periódicos eletrónicos e repositórios, bem como o impacto das iniciativas de acesso aberto.

Desenvolvimento de indicadores sobre recursos na Sociedade da Informação

Indicadores com interfaces gráficas amigáveis, dinâmicos e interativos

Técnicas de análise de desing e avaliação dos documental de recursos da Web

Estudos de género aplicados à atividade scholar na Web

Desenvolvimento de técnicas Cybermetrics aplicadas com base no posicionamento nos motores de busca de domínios Web.

        O Cybermetrics Lab tem vindo a desenvolver estudos quantitativos na web académica desde meados dos anos noventa.

O objetivo não é avaliar sites, a sua concepção ou usabilidade ou a popularidade de seus conteúdos de acordo com o número de visitas ou visitantes. Mas o  desempenho global da universidade, tendo em conta as suas actividades e resultados e  a sua relevância e impacto.

 

. Na segunda década do século 21, a Web é a chave para o futuro de todas as missões da universidade, como já é a ferramenta mais importante acadêmico de comunicação, o canal de futuro para o ensino à distância fora do campus, o fórum aberto para a participação da comunidade e a vitrine universal para atrair talentos, financiamento e recursos.

       O  Webometrics é uma classificação de todas as universidades do mundo, não apenas  de algumas centenas de instituições do mundo desenvolvido.

 

       O  Webometrics usa a análise de links para avaliação da qualidade. Afirma-se como uma ferramenta muito mais poderosa do que a análise de citação.

        Os resultados da investigação  são também recuperados  para  a Webometrics.  Inclui não só (e-revistas, repositórios) formais publicações, mas também  comunicação científica informal.

Os índices bibliométricos tradicionais são construídos em proporções como Fator de Impacto. Duvida-se da sua eficiência  para descrever cenários grandes e complexos. A proposta Ingwersen em 1997 foi conceber para a Web um índice semelhante.  O Fator de Impacto Web (WIF).  

O objetivo original do Rankin Web of Webometrics  era promover a publicação Web.  E o apoio a iniciativas de Acesso Livre.  

 

http://www.webometrics.info/en

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 21:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Julho de 2016

Teses: Da monografia ao artigo científico

gráficos-estadísticos.jpg

“Inside higher ed” é uma  fonte on-line de notícias, do ensino superior. Colleen Flaherty (2016) escreve sobre a produção científica resultante dos estudos de doutoramento.   Afirma a autora que dos referidos estudos resultam cada vez mais artigos de investigação ao contrário das tradicionais monografias.  A autora apoia a afirmação numa pesquisa efectuada na North Carolina State University. Aqui, o artigo científico é agora o estilo de tese mais frequente  em sete das dez  faculdades do campus.

Favorecendo esta opção, está a possibilidade de as teses publicadas em forma de artigo científico contribuírem  para a produtividade da universidade.  Esta opção resulta na opinião de Autry e Wojcik da orientação cada vez mais profissional da pós-graduação e do aumento da pressão para publicar. 

 

Autry, Meagan Kittle e Wojcik, Karissa (2016)  Dissertations at N.C. State University: A Guide to Understanding What Dissertations Look Like.  Online.    https://grad.ncsu.edu/wp-content/uploads/2016/07/DissertationsReportSecure.pdf

Consultado em Julho 2016.

 

Llaherty, Colleen (2016) Articles, not Books, online,  https://www.insidehighered.com/news/2016/07/14/new-study-suggests-science-dissertations-increasingly-are-series-articles-not-book?sf31076180=1

Consultado em julho de 2016.

 

António Regedor

publicado por antonio.regedor às 19:03
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. Tanto tempo e tão pouco ...

. Rebooting Public Librarie...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds